segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Paciência, tempo e cuidado!



Olá, queridas(os)!

Como vocês estão?

Faz tempo que não passo por aqui. Não é mesmo? Mas esse tempo é necessário.

Bom, desde que iniciei esse blog, travei algumas “batalhas” defendendo minha opinião sobre alguns assuntos. Um deles é que sempre defendi que se separar ou não se separar do adicto não é o ponto central, mas que o foco deve ser a sua felicidade, o seu amor próprio, o seu cuidado consigo mesma, o seu fortalecimento emocional...

Faz 3 meses e meio que me separei, e pelo que tenho vivido, minha ideia se reforçou ainda mais...

Explico.

Você acha que, por estar longe do adicto nesses mais de cem dias, minha vida está perfeita e eu estou radiante de felicidade? Não... AINDA não...

Eu ainda busco saber notícias sobre o estado de saúde do meu ex (se está na ativa ou não), e quando sei que ele está mal, eu fico muito mal. Por quê? Pela culpa que sinto. Apesar de saber que, quando o conheci, ele já estava muito adoecido pelas drogas, me sinto culpada... Apesar dos 12 anos de dedicação extrema, me sinto culpada... Apesar de saber que não é mais possível, me sinto culpada...

Na semana passada, bati o carro no portão de casa, e agora preciso empurrar o portão de ferro pesadíssimo para abrir, machucando a minha mão todos os dias... Na rua bati o carro com tanta força na guia que arrebentei dois pneus e a suspensão... Não dormi bem... A solidão doeu... A culpa atormentou... O medo assombrou... Foi uma semana bem difícil!

Por vezes minha sensação era a de quem está desesperadamente nadando num mar agitado tentando voltar para a praia, e que já está avistando a areia, mas que está tão cansada que pensa que não vai chegar...

Mas eu vou chegar!! Eu não desisto!!

Como sempre disse para vocês, o primeiro passo é cuidar de nós, nos sentirmos inteiras!

Eu morro de medo de um novo relacionamento porque sei o quanto ainda estou adoecida... Sei que ainda não me amo o suficiente e por isso posso entrar em relacionamentos que me machucariam ainda mais...

Agora é tempo de cuidar de mim e somente eu mesma posso fazer isso... E é o que estou tentando fazer...




Alguns dias me sinto bem, disposta, forte... Em outros, cansada...

As sequelas de um relacionamento abusivo continuam conosco por um bom tempo... Ninguém sara do dia pra noite...

Quando cheguei nessa casa em que estou morando, em agosto, uma das coisas que mais me encantou foi uma parreira... Ela estava seca, maltratada... Alguns disseram que ela não brotaria...

Um pouquinho de cuidado, podei as folhas secas, reguei, conversei (sim, converso com ela)... e vocês tinham que ver o resultado! No sábado precisei ajeitar os ramos com folhas verdinhas que estão crescendo tanto que obstruíram a passagem... Ela está linda! E está cheia de uvas, apenas esperando amadurecer...

Cuidando da minha parreira!


No fundo, quando olho para essa parreira, vejo a mim mesma! Paciência, tempo e cuidado são capazes de curar a todos nós!

Hoje o livro CEFE me trouxe a seguinte frase: “A dor nutre a coragem. Você não pode ser corajoso se apenas coisas maravilhosas acontecem com você.”

Sinto-me orgulhosa da coragem que adquiri nas adversidades vividas... inclusive agora...

E quero relembrar uma das minhas frases preferidas: “Não é fácil encontrar a felicidade em nós mesmos, mas é impossível encontra-la em outro lugar.” (Agnes Repplier)

Com ou sem um adicto do lado. Sozinha ou acompanhada. Nada disso importa. O importante é como você e eu temos cuidado de nós mesmas. Pois, a partir do momento que estivermos fortes, não permitiremos que ninguém mais nos faça mal, e saberemos tomar decisões e conduzir nossa vidas...

Cientes de que podemos ser as(os) melhores em tudo, e amar mais do que tudo, mas ainda assim, não mudaremos ninguém ao nosso redor... O outro só muda se ele decidir assim... Então não soframos tanto... Vamos ao menos tentar?

Cuidem-se meninas(os)!

Grande beijo no coração de vocês!

Fiquem com Deus!