segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Quando não é mais possível.



“Existe um abismo entre desistir e saber que não é mais possível. A desistência vem antes, é covarde e geralmente é seguida por uma trilha de arrependimento. Já saber que não é mais possível tentar é o limite das forças. Aliás, é quando se extrapola qualquer esperança. Entretanto, engana-se quem acha que não é preciso coragem para realizar tal feito. Muitas das vezes abre-se mão de uma vida por não conseguir continuar na estrada de sempre. E por mais que uma ponta de indecisão apareça, o arrependimento nunca chega perto de quem sabe que foi necessário mudar. Pior ou melhor são apenas julgamentos de valor que não dão a dimensão da real situação. Portanto, persista no que se quer e sonhe até o final, mas não tenha medo de dizer “eu tentei”. Ainda que os dedos lhe sejam apontados, ter a consciência tranqüila em relação a si mesmo é um prêmio. Desistir jamais, mas entenda que certas coisas, por mais que se deseje absurdamente, estão fora do nosso alcance.”
(Autor desconhecido)


Hoje é dia 24/09/2018, segunda-feira.

Passei um tempo sem vir aqui, porque não sabia ao certo o que dizer para vocês...

Nos últimos 7 anos e 4 meses, na esmagadora maioria das vezes em que estive aqui no nosso espaço, falei sobre nos amarmos para estarmos fortalecidas no momento em que precisarmos tomar decisões.

Não interessa a mim (nem a ninguém) que tipo de decisão você precisa tomar, mas sim a força que você tem para tomá-la, e principalmente para seguir adiante em paz com suas escolhas.

Tudo na nossa vida é um processo.

Sou uma pessoa extremamente ansiosa. Quero tudo pra ontem. Mas, nesse mundo da convivência com dependência química e codependência, tenho visto que o processo é tão importante quanto a linha de chegada. É no decorrer do caminho que temos os aprendizados.

São anos e anos pedindo a Deus “serenidade para aceitar o que não posso mudar”.

Muitas e muitas orações rogando por “coragem para mudar o que posso”.

E quantas e quantas vezes isso vira uma confusão na cabeça, pois não sabemos ao certo o que podemos mudar e o que não podemos.

E então pedimos a Deus “sabedoria para saber distinguir”.

E aprender isso leva tempo.

Na verdade, estamos sempre evoluindo. E talvez o que ontem você conseguia aceitar, hoje não consegue mais... Ou o que você tentava mudar bravamente no passado, hoje simplesmente aceita como é.

E eu, como ser humano, sou exatamente assim...

Nos últimos três meses, meu familiar e eu tivemos muitas conversas sobre seguirmos caminhos diferentes a partir de agora...

E no dia 20/08/18, nos separamos.

Ele estava totalmente recaído? Não.

Ele trocou alguma coisa de casa? Não.

Me traiu? Não.

Mas não é o que quero mais para a minha vida. Na verdade, ainda que eu quisesse, não tenho mais aquela força e aquela crença.

A dependência química vai muito além do uso de drogas. É uma questão comportamental. De pensamentos. Atitudes. Valores.

E o que era aceitável para mim antes, hoje se tornou insuportável.

Obviamente dói. É frustrante. Foram quase 12 anos.

Do meu lado, permanecem o carinho e o desejo sincero de que ele seja muito feliz e vença todos os obstáculos que surgirem no caminho.

Mas infelizmente, ficam também os traumas, as lembranças dolorosas, alguns medos... mas estou cuidando de tudo isso, um dia de cada vez...

 Poly


Entretanto, a vida precisa seguir...

Tudo isso tem acontecido exatamente no mesmo período em que estou trabalhando em um projeto novo. Daí nem tive tempo para me entupir de brigadeiro em casa, chorando e vendo filmes clichês... Não sei se isso é bom ou ruim...

Deixarei abaixo os links de duas matérias sobre o trabalho que tenho feito atualmente.

Clique aqui, e veja a matéria do Jornal Metrópoles.

Clique aqui, e veja a matéria do Jornal de Brasília.

Meninas(os), fiquem com Deus!

Que Ele ilumine os nossos caminhos!
 
"Ir embora de alguns lugares também é cuidar de si. Fugir de algumas pessoas, também é se proteger. Fechar algumas portas também é um ato de amor. Nem tudo é sobre abandono ou covardia. Às vezes são só atitudes de amor próprio." 
(Jey Leonardo) 

sábado, 22 de setembro de 2018

Nossa voz ecoando mais longe...



Boa noite, queridas(os)!

Hoje saiu uma matéria muito especial no Metrópoles sobre a nossa história.

Clique aqui para ler a matéria na íntegra.

Clique aqui para assistir o vídeo da reportagem.

Estou muito, muito feliz por ouvir nossa voz ecoando mais longe...

Acredito em dias melhores!

Grande beijo!

Poly.