quinta-feira, 12 de abril de 2018

Sim, somos fortes!



Bom dia, menin@s!
Meu Deus, quanto tempo!

Sempre dou uma passadinha por aqui, leio os comentários, os e-mails, mas as postagens estão raras, não é mesmo?

Entretanto, fico feliz demais ao perceber que posts escritos há quase sete anos atrás, ainda hoje são lidos e ajudam quem está chegando por aqui.

Uau! No próximo dia 18 de maio, o Blog fará mais um aniversário. Sete anos! Nem dá pra acreditar... O tempo voou...

Quando leio postagens daqui ou trechos do livro, me assusto com algumas coisas que vivi. Sério.

Ontem estava conversando com uma profissional de Psicologia e narrando alguns acontecimentos da minha vida, e ela insistia em dizer: “como você é forte”! E eu dizia que não. “Sim, você é muito forte e sequer tem essa percepção”. Guardei essa frase comigo. À noite ela girava em minha mente...

Muitas vezes aqui no blog me disseram isso “você é forte, Poly”, e eu sempre rejeitei esse título, sei lá porquê, né!? Como se fosse feio reconhecermos nossa força... Rs.

Mas diante dos acontecimentos antigos e recentes, e principalmente diante da minha postura frente a tudo isso, hoje, pela primeira vez, quero dizer para vocês (e principalmente para mim): “sim, eu sou uma mulher forte”.

Entenda que não sou forte por me manter nesse relacionamento há tantos anos, mas sou forte por ter aprendido a me preservar e a preservar os meus sonhos, e a lutar por eles, independente do que se passa ao redor.

Nossa força não é medida pela nossa capacidade de carregar os outros nas costas. Não! Nossa força pode ser vista quando após cada tombo, nos levantamos, ajeitamos o cabelo, olhamos em nossos olhos no espelho e dizemos para NÓS: “Ei linda, eu não vou desistir de você! Estou aqui para cuidar de ti!” 

Alguma vez você já se pegou no colo e lhe disse isso? Não espere dos outros, se abrace, se queira bem!

Somos tão boas em cuidar do outro, mas a força maior está em aprender a cuidar de nós mesmas, nos amarmos...

Sabe, menin@s, acho que cheguei, finalmente, nessa fase...

Sei que muita gente vem aqui em busca de informações de como está o meu familiar, se está limpo, se está bem... E eu entendo essa ansiedade...

Mas, meus amores, acreditem, saber como EU e VOCÊ estamos nessa história é muito mais importante, afinal na minha vida, ele é coadjuvante... Na sua vida, seu familiar é coadjuvante... O personagem principal da sua vida é VOCÊ... A personagem principal da minha vida sou EU. E a forma como estamos vivendo, isso sim, faz toda a diferença!

Quando falamos em dependência química, falamos de um ciclo. Vejam as postagens! Leiam o livro! Olhem os comentários! Ciclos. Mas nós não precisamos estar num ciclo também. Não precisamos fazer da nossa vida esse gira-gira. Podemos e devemos seguir adiante!

Graças a Deus, quando olho para traz, vejo que o caminho percorrido foi longo, e que, de fato, não sou a mesma de antes.

Tem um pedacinho do livro onde narro que, certa vez, quando morávamos fora do país, em meu primeiro dia de trabalho, percebi que meu familiar iria recair assim que eu saísse de casa, e então, optei por não ir ao trabalho, perdendo uma oportunidade que nunca mais voltou a bater na minha porta...

Recebo inúmeros e-mails e vocês podem ver nos comentários deste Blog o quanto ainda existem familiares, quase todas mulheres, que se anulam na tentativa de impedir que o outro tenha recaídas, e isso não funciona! Com o tempo percebi que me anular não traria a cura para o outro, pelo contrário, estava fazendo com que minha vida se afundasse também, como se eu também usasse drogas. Entendem?

Vejo muita gente ainda discutindo sobre separar ou não. Para mim, isso não é o mais importante. O mais importante é ter definido o meu caminho e segui-lo, seja junto, seja separada, mas vivendo a MINHA vida, os MEUS sonhos, os MEUS planos.

Fácil? Aff, não é não, viu!

Eu ainda choro sim. Eu ainda tenho vontade de desistir. Viram minha ultima postagem? Eu estava doente. Caramba, só quem vive junto sabe. É difícil quando tem recaída. E por vezes é difícil sem drogas também, por questões de comportamento. Mas, eu, Poly, tomo minha decisão a cada dia, e essa decisão é a de que seguirei lutando por aquilo em que acredito e que me deixa feliz.

Vocês querem saber se ele está limpo? Sim, pela graça de Deus está! Não sei há quantos meses não, mas a ultima recaída foi aquela que citei aqui no blog... Ele está trabalhando em dois órgãos públicos. Chegou onde ele gostaria. Mas, se ele está bem? Alguns dias sim, outros dias não. A falta da droga deixa um vazio nele, e infelizmente sem tratamento, é muito difícil. Mas essa decisão somente ele pode tomar.

Quanto a mim:

Há quase dois meses parei com as medicações, e estou me sentindo ótima, graças a Deus!

Tive um projeto de Cultura aprovado, onde 1.500 livros Amando um Dependente Químico serão doados! Ansiosa pra começar a executar! Vou contar tudo para vocês aqui, sei que será uma experiência incrível que terei, e minha filha (18 anos) será minha parceira. Que orgulho!

Além disso, fui aprovada na seleção do Mestrado de Economia da Universidade de Brasília! Uhuuu! As aulas começaram no dia 10. Minha proposta de projeto é sobre as políticas sobre drogas, uma vez que o curso é voltado para as finanças públicas.

Alémmm disso, quero trazer aqui para vocês outro projeto que estou iniciando (aprendendo) e pelo qual estou totalmente encantada, pois ele certamente irá me ajudar a ajudar vocês a se amarem e se cuidarem ainda mais, tenho certeza... E sobretudo a crescermos juntas!

E é isso... Tem dia que as características da codependência querem saltar em mim. Velhas formas de pensar, de sentir, que usava desde criança. Em alguns momentos aquela loucura gerada pela tensão de conviver com um adicto, ou por outros motivos, quer voltar. Não sinto vergonha disso. Não escondo quem sou, um ser cheio de cicatrizes sim, não nego. Mas hoje sei olhar para mim, respirar, separar as emoções, e escolher, isso mesmo, escolher o que permitirei que as ações dos outros causem em minha vida. E por mim, parto em busca do equilíbrio novamente, na certeza de que a vida é muito mais do que obstáculos... Ah se é!!

Gente, mês de maio será super especial! O Blog completará 7 anos e euzinha entrarei nos 40!! E teremos comemorações por aqui, fiquem de olho no Blog e FanPage, que vai rolar um sorteio com prêmios fantásticos!!

PRE-PA-RA!!! 


Fiquem com Deus!
Beijo!

6 comentários:

  1. Oi Poly. Parabens pelo teu trabalho, e obrigada por dividir suas lutas, suas vitorias e seus aprendizados. Obrigadaaa de coração.

    ResponderExcluir
  2. Que felicidade ver novas postagens e saber que você está bem, independente dos obstáculos. Beijo

    ResponderExcluir
  3. Amo ler e explorar seu blog, tenho aprendido muito, obrigada por nos ajudar e compartilhar suas experiências, que Deus a abençoe mais e mais!
    Ansiosa pelas novidades de seus projetos! Bjs

    ResponderExcluir
  4. Que belo trabalho! Parabéns! Maio é meu mês tb! Faço 42 anos dia 15! Meu companheiro foi internado ontem, a dor é grande mas foi o melhor nesse momento até para que todos possam pensar com mais clareza. Estou frequentando as reuniões de Amor exigente e Nar Anon e quero aprender tudo que puder. Parabéns e obrigada pela iniciativa! Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  5. Toda vez q meu familiar recai eu choro e depois corro aqui p me fortalecer, vou me separar ele me deixou doente com a dependência dele, não aguento mais viver ao lado de alguém q não me valoriza. Mesmo assim vou sempre estar aqui lendo as postagens e os comentários.
    Bjos mulheres gu rre

    ResponderExcluir