segunda-feira, 17 de abril de 2017

Arrumando as prateleiras...



Boa tarde!

Quanto tempo, gente!

Vira e mexe passo por aqui, até me dá vontade de escrever, mas acabo desistindo...

Por que, Poly? Por que você não escreve mais como antes?

Bom, primeiro que, quando vejo as postagens registradas no Blog e em cada página do livro, observo que não tenho mais nada a acrescentar, e se eu continuasse escrevendo diariamente, me tornaria extremamente repetitiva...

“Amor próprio”, “cuidar de si mesmo(a)”, “desligamento emocional”, “dependência química é doença”, “ele(a) só vai parar de usar quando decidir isso”, “não perca a fé mas não se encha de expectativas”, “você não pode curar a dependência química do outro”, “você não é causador da recaída do outro”, “nada do que você faça (ou deixe de fazer) impedirá o outro de usar drogas se essa for a vontade dele(a)”, “procure ajuda para você primeiro (grupo de apoio, terapia, etc)”, “se a família não se cuidar ela acaba enlouquecendo”, “você é responsável por suas escolhas”, “não deixe sua vida de lado”, “não deixe sua vida para depois”, “livre-se da culpa”, “coloque o foco em você”, “confie em Deus”, “seja feliz”!

Se viver com um dependente químico fosse uma receita de bolo, esses seriam os ingredientes...

Fácil? Não!
Possível? Sim!

Mas, na verdade, o motivo maior pelo qual não escrevo mais nem é esse que citei acima...

Quando comecei esse blog há seis anos atrás (18/05/2011), eu tinha liberdade para falar dos meus sentimentos, pensamentos, conflitos, dores, superação... Aqui era o “meu cantinho”... O único lugar onde eu tirava minhas máscaras e armas, e mostrava sem reservas o que tinha dentro de mim... E como isso me fazia bem!!

Usando um pseudônimo para não expor minha família, aqui me sentia segura...

O tempo passou... O blog cresceu... Quase 705.000 visitas até hoje!! E nesse crescimento, além das famílias em busca de informação e ajuda, vieram também os curiosos, os fofoqueiros, os maledicentes...

Pessoas que não se importam comigo, mas que me conhecem na vida real, começaram a visitar o blog com frequência, como se isso aqui fosse uma novela para assistir e comentar numa roda de amigas...

Além disso, meu familiar dependente químico, que nunca tinha se interessado pela leitura deste espaço, começou a fiscalizar minhas postagens e a censurá-las...

E foi assim que perdi o “meu cantinho”...

Vir aqui para falar de “clichês” ou do que não estou sentindo não faz sentido pra mim, e por isso as postagens estão mais escassas...

Mas vamo que vamo... Vou falar pra vocês um pouco do que tenho vivido...

Há algum tempo eu já havia mencionado aqui que meu filho caçula estava com suspeita de autismo. No final do ano passado o levamos a duas especialistas, e as duas confirmaram a presença de características do TEA – Transtorno do Espectro Autista nele. Embora o diagnóstico não esteja fechado, após a minha fase de negação, consigo ver que meu filho realmente apresenta diferenças em seu comportamento. Ele é lindo, inteligente, mas com algumas peculiaridades. O TEA dele é leve, antes conhecido como Síndrome de Ásperger...

Primeiro eu não queria aceitar. Ele interage com as pessoas, é inteligente, como pode ser autista? Só depois, conhecendo outras mães, várias histórias e com muita leitura, fui entendendo que o autismo é um espectro com vários níveis. Nenhum autista é igual a outro. Então pensar que autista é somente aquele garotinho que tapa os ouvidos e se balança, é um pensamento estereotipado e longe da realidade.

Meu filho tem atraso na fala, sofre quando mudamos sua rotina, sua alimentação é seletiva, e ele tem manias e obsessão por alguns assuntos específicos. Seus pensamentos são concretos e ele tem dificuldade em entender alguns comandos... Graças a Deus, já iniciamos o tratamento, os estímulos (quanto antes, melhor), e ele tem se desenvolvido muito bem!

Muitas pessoas, quando ficam sabendo, na tentativa de me “consolar”, relatam a história do jogador Lionel Messi, considerado melhor do mundo pela FIFA, e que tem autismo leve.

Eles são os melhores nos seus assuntos de interesse, o difícil é fazê-los se interessar pelos demais assuntos, e sobretudo, fazer a sociedade entender e respeitar suas diferenças...

Bom, queridas(os), estou nessa nova batalha! E nesse contexto, não tem sobrado tempo para viver pensando em dependência química, sabe?

Segundo os especialistas, há uma grande chance do pai do meu filhote também ser Ásperger... Mas isso são apenas especulações... O que explicaria muita coisa em seu comportamento...

E por falar nele, sei que querem saber como ele está, não é mesmo?

Bom, ele ficou seis meses limpo, e infelizmente, recaiu.

Eu pensei que, ao saber que ele tem uma criança que depende de sua proteção e cuidado, mais do que outras crianças “normais”, ele ficaria bem longe das drogas...

Eu pensei que, ao ser escolhido pelos formandos de medicina de uma universidade, para ser o colaborador homenageado, ele nem pensaria em recair...

Eu pensei que, o fato de ter que pegar as crianças na escola, o impediria de reiniciar o ciclo...

Eu pensei que ele acompanhando o meu tratamento contra uma depressão (sim, estou doente), ele se manteria firme...

Mas, quem disse que dependência química e recaídas seguem alguma lógica, não é mesmo?!

Recaiu.

Mas ele está bem. Foi um lapso. Reergueu-se e está seguindo adiante.

Quanto a mim, fiquei triste por saber dos danos que a recaída traz em todos os aspectos, no entanto, não pronunciei nenhuma palavra, e não deixei de cumprir nenhuma das minhas atividades...

Eu não sou mais a mesma, definitivamente.

Estou prestes a completar 39 anos de idade, dos quais 27 são convivendo com adictos...

A gente aprende... Ô se aprende!

Não deixou de doer, mas sei lá, parece que ando anestesiada agora...




No trabalho, continuo na missão de levar informação, apoio, abraço e orientação às famílias de dependentes químicos de Brasília. E isso tem me feito bem! Me dá a sensação de que toda a dor vivida valeu pra alguma coisa, entendem?

E quando é dia de faxina, eu organizo meus sentimentos (ao menos tento), e coloco as dores nas prateleiras mais altas, para facilitar o esquecimento e dificultar o acesso... E coloco diante dos olhos, os motivos que tenho para agradecer...

E assim vou vivendo, um dia de cada vez!

71 comentários:

  1. Oi poly eu não sei mais o q fazer meu marido usa todos os dias eu tenho 28 anos e meio tenho cinco filhos três são dele mi ajuda por favor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que se você leu a postagem q resposta está nela. Ame-se primeiro, e viva um dia de cada vez.Para o resto você é totalmente impotente, vivendo na certeza que a culpa não é sua, vc não está mais paralisada, força! Sobriedade e Paz! Só por hoje, graças à Deus!

      Excluir
  2. Oi Poly, estava lendo sua postagem e me peguei pensando que grande ferramenta de Deus que vc foi em minha vida. Somente depois que conheci seu blog comecei a dar meus primeiros passos rumo a minha recuperação, antes disso estava mergulhada em dor e esgotamento. Meu adicto ainda se debate. É triste ver quanto tempo ainda perde fazendo mal a ele mesmo, mas, sph, isso não me paralisa. Consigo reagir e colocar a dor no seu devido lugar, não permito que ela me controle. Quanto aos maledicentes eles se aproximam porque está na linha de frente do combate e sei que podem vir aos montes que Deus estará te amparando. Sinto pelas postagens espaçadas, pois me fazem muito bem mas entendo seu sentimento de “perda do seu cantinho” e mato as saudades com as postagens no facebook. Você e sua família sempre estarão em minhas orações, eu creio que Deus tem ainda mais maravilhas reservadas pra vocês. O Senhor está com vcs nas batalhas de hoje, amanhã e sempre. Quero registrar minha gratidão a Deus que tão amorosamente cuida de nós e a vc que se deixa usar tão grandemente. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  3. Polly acompanho teu blog desde que meu noivo me revelou que é um DQ. Te acho incrível, uma mulher guerreira e cheia de luz.
    Por 1 ano e 10 meses meu noivo se manteve limpo. Aí veio a primeira recaída, logo em seguida a segunda muito pior que o levou a usar muito e se trancar na casa no qual me fez sair correndo da minha e ir ao encontro dele. 20 dias depois veio a terceira o vi chegar todo urinado foi triste. 25 dias depois a quarta no qual essas últimas segundo ele usou um pino só. Ele tem força de vontade ele realmente tenta mudar, mas é difícil tanto pra ele quanto pra mim. Agora resolveu procurar ajuda cm psicólogos e psiquiatras. Eu já não tenho mais lágrimas elas secaram. Sofro de ansiedade e isso acaba comigo. Porém o amo tanto que só Deus sabe. Ele é uma pessoa da qual não tenho do que reclamar. Nunca passou a noite na rua pelas drogas. Nunca roubou nunca me agrediu nem física e nem psicologicamente. O que nos resta é fé

    ResponderExcluir
  4. Polly, conheci seu blog há alguns meses atrás quando me deparei dividindo a casa com meu marido adicto. Pra mim tudo era novidade e assustador. Quando encontrei seu blog, o revirei, li e reli... e aqui ainda entro todos os dias. Aqui ouvi falar pela primeira vez sobre a codependencia. E como eu me encaixei nela. Porém, aqui tbm aprendi quais eram as ferramentas que eu precisava para não mais me anular e assim pensar mais em mim e no meu bebê. Hoje vou a grupos, terapias e aprendo todo dia mais um pouco. Quanto ao meu adicto, ele está em recuperação, sph.
    Eu muitas vezes já pensei em deixar meu comentário aqui, ja escrevi e já apaguei centenas de vezes... mas hoje algo mais forte me fez deixar aqui esse comentário mesmo sabendo que o que eu queria mesmo era abraça la e agradecer por todo o trabalho que tens feito. Aqui no blog e fora. E te desejar força. Muita força, minha amiga. Eu me sinto íntima sua... você noa deixou assim. Saiba que vc é inspiração pra muitas mulheres como eu, como vc... que convivem com um dq.
    Beijos e um abraço forte!

    ResponderExcluir
  5. Oi!!!
    Só quero agradecer por tudo que você posta aqui Poly;sou namorada de um dq em tratamento, há 4 meses ele está em uma clínica, só por hoje limpo, eu frequento reuniões de f.a desde que ele se internou, mas nada, NADA me ajudou tanto desde que conheci seu blog!! Já tive depressão e hoje luto contra ela, afinal também não tem cura, tem tratamento. E através do seu blog eu consegui enxergar que não existe só o lado da dificuldade, mas há fé sem criar expectativas demais.. E há uma semana que eu comecei a buscar o conhecimento da minha co dependência, aceitar e me tratar.. e acredite o blog mudou minha vida. Sofro sim claro porque não é fácil viver com um dq e ser codependente .. mas é muito menos difícil quando existe um blog, uma pessoa e terapia com tanto conteúdo. Só por hoje eu estou em paz, só por hoje tudo funciona !! Sph ♡

    ResponderExcluir
  6. Pensei em criar um grupo no whats para nos ajudar compartilhando nosso dia a dia. Também sou Codependente do meu namorado . Se alguém se interessar deixa o número que eu vou criar o grupo na intenção de cada experiência ajudar a vencermos um dia por vez. Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Flor.tenho interesse em participar,meu número:021983184607

      Excluir
    2. Vc fez o grupo no Whats? Gostaria de participar, meu Num é: 011- 984529395

      Excluir
    3. Boa noite, também tenho interesse. 83 996517525

      Excluir
    4. Tenho interesse. Reconheço a minha co-dependência e o quanto amo e sinto falta do meu dq, apesar de tê-lo deixado há quase quatro meses. 022-999131067

      Excluir
    5. Oi eu quero 13 98875-4181

      Excluir
    6. Me add por favor ❤ 11 9 5636 7302

      Excluir
    7. Tenho interesse, 55 981244662

      Excluir
    8. Boa noite! Tenho interesse. 32 991034995

      Excluir
    9. Olá Boa noite gostaria muito de entrar no grupo tb sou uma co dependente preciso muito compartilhar e ouvir partilhas meu tel 943690154

      Excluir
    10. Eu tenno um grupo para familiares quem tem interesse eu posso add

      Excluir
    11. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    12. Boa noite. 83 9651-7525

      Excluir
    13. Boa noite 41995880383

      Excluir
    14. Oi Bom Dia quero é preciso muito participar meu número é 35987031366

      Excluir
  7. Oi Poly. Me assusta as vezes como a história do seu adcto parece com o meu. Até as recaídas. Ele tbm recaiu após 6 meses. Fiquei sem entender como ele pode ter ficado tanto tempo longe e ter recaido. Não consegui ficar calada. Pelo contrário, me descontrolo, e me afasto. É incontrolável. Mas, por favor, não pare de escrever..vc nos da consolo.vc nunca é repetitiva..não nos deixe

    ResponderExcluir
  8. Querida Poly

    Peço que Deus te dê forças além daquelas que você já experimentou em sua vida! O sobrenatural vem apenas de Deus! É muita luta né minha amiga? Quando a gente pensa que vai aliviar vem a luta com o filho, vem uma recaída, e daí a gente olha e diz assim "Deus será que já não deu??" mas mesmo no dia ruim ore, clame e peça a Ele forças! Afinal você lutou pelo seu adicto, e daí não vai lutar por você e pelo seu filho? Tens que vencer mais essa luta minha linda! Escreva apenas o que tens vontade de escrever, não se sinta obrigada a nada! Acho que aquela que sempre deu colo, ombro amigo, agora está precisando de ombro, de acolhida! Espero que encontres e consigas!
    Deus redobre a atenção sobre tua vida, tua casa, tua família! Um grande abraço! Com Carinho BC

    ResponderExcluir
  9. Ai meninas nossas histórias são todas bem parecidas né... como é difícil passar por certos momentos. Eu me separei do meu adicto ano passado ficamos 9 longos meses afastados... até que ele me procurou com mil promessas de uma vida diferente , disse q havia mudado, parado de usar a droga que destruiu nosso lar... enfim, acreditei! Nos primeiros dois meses foi tudo maravilhoso, ele carinhoso,amoroso... mas comecei aos poucos a notar aqueles velhos hábitos... celular desligado. Sumiço sem explicação. Saiu do trabalho... enfim ele nega que esteja usando, mas eu sei que está, afinal ja vi esse filme! Não sei oq fazer... o amo muito, mas sei tudo que a droga causa dentro de uma família e tô apavorada de reviver isso.Temos brigado bastante e me sinto infeliz e decepcionada... triste por ter acreditado nas palavras dele... não sei oq fazer... tô sem rumo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei 8 meses separada e msm sabendo que ainda era adicto voltei com expectativa de que o tempo o fizesse rever valores... Tolice

      Excluir
  10. Poly, muito obrigado por compartilhar suas experiências conosco. Esse blog é um alento para cada um que por alguma razão vem parar aqui. Li tantas histórias parecidas com a minha. Hj sofro um difícil processo para tentar me soltar do meu ex namorado dq. Ele está no fundo do poço, mas não reage. fiz tudo que podia e mais um pouco. Embora não fossemos mais namorados (pelo menos pra mim) foram dois longos anos de luta, tempo e muito dinheiro gasto. E na sede de ajudá-lo fui cedendo dinheiro que inocentemente imaginava ser para outras coisas, mas que na verdade estavam indo para as drogas. Me prejudiquei em vários aspectos da minha vida para tentar ajudá-lo. Mudei meu jeito de ser, perdi amigos, deixei de fazer coisas... enfim, me anulei quase que por completo. E não deu em nada. Ele ainda está completamente cego, e por isso tenho medo do que possa me acontecer, afinal me tornei a fonte de renda dele. Mas preciso seguir com medo mesmo, não vejo outra forma. Não tenho como continuar nessa relação doentia e tóxica. Ele põe a culpa de tudo que está acontecendo em mim e em todas as pessoas que convivem com ele, mas não é capaz de enxergar que a própria vida não vai pra frente por causa da droga. Repito, tenho medo, mas preciso dar um basta. Entreguei nas mãos de Deus... não posso anular minha vida e meu bem estar em prol de alguém que não quer ajuda. Orem por mim e por ele, por favor. E muita paz na vida de vcs... tenham certeza, nada é mais importante que isso. Obrigado.

    ResponderExcluir
  11. Eles não tem amor próprio quem dirá por vocês,já vivi isso querem um Conselho? Corra,fuja,durma em paz, tire esse peso de si, vocês já fizeram ate mais do que podiam não se afundem junto.

    ResponderExcluir
  12. Sim, as histórias são bem parecidas, mas os finais cada uma pode escrever o seu, depende apenas da pergunta e resposta que você tem que se fazer e você mesma tem que responder, "É essa vida que quero para mim??" um dia me fiz essa pergunta e decidi que não queria mais vida de lágrimas, sofrimento, desconfiança e para que isso acontecesse iria depender apenas de mim. Antes dessa decisão, perdoei, aceitei, achei que eu teria que estar junto sempre, a partir do dia que tomei minha decisão esse suplício de achar que sou um pilar acabou e ele entendeu perfeitamente, são quase quatro anos vivendo plenamente com um DQ limpo e em recuperação(estar limpo, não significa estar em recuperação), vivo tranquila o só por hoje, não tenho mais sonhos, planos e castelos, vivo a realidade e essa sim trás paz. Nunca iria conseguir muda-lo, eu mudei e com isso ele mudou. Não aceito que se conhece a programação, se sabe pedir ajuda ficar nesse cai cai, não acredito em lapso, acredito em recaída, cada uma tem que saber o seu limite e eu soube o meu. Não tenho que julgar, nem ser julgada, sei que mesmo vivendo tão tranquila, depois de 4 anos, se hoje eu chegar em casa e souber que o meu DQ recaiu, minha postura será de seguir minha vida, cada um toma a atitude que escolheu, se a dele for voltar ao uso mesmo que por uma vez, a minha é afastar, pois um dia dei minha palavra a mim mesma que nunca mais teria aquele sofrimento, não por uma atitude de outra pessoa.Vou sofrer? chorar? claro, não sou mulher-maravilha, tenho sentimentos, mas aprendi a me amar. pergunte-se...

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de ter esse desligamento emocional, pois tenho plena, consciência que a culpa não é minha, nem das minhas filhas, mas como ficar tranquilo sabendo que a pessoa que Vc, ama esta lá fora, sabe, Deus com quem, se esta bem? Esta esta com frio? Se esta machucada? Pois não sou hipócrita em acreditar que o dpq esta nessa situação porque quer, pode até ter escolhido experimentar a droga um dia, mas com certeza não escolheu as consequências

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola. Sinto o mesmo que vc. Nao acredito que o DQ queira isso pra si. Estou ao lado do DQ a 5 anos e qnd ele tem recaidas chega a ficar ate 3 dias na rua. É um sofrimento pois nao sei se ta bem.

      Excluir
    2. Gostaria tbm de ter esse desligamento. Vivo com um DQ a 5 anos e quando ele "sai" fica 3 dias fora e é um tormento pois nao sei cm ta, se ta bem.... é um sifrimento enorme....

      Excluir
  14. Eu li os seus 2 livros e fiquei mto sensibilizada. Meu ex namorado é usuário e.. não quer parar apesar de ter sido internado algumas vezes.. enfim.. me vi no seu lugar. E eu espero que sua família se mantenha firme perante essas provações. Eu entendi o seu amor e vc me acordou para o co dependência. A última vez que conversei com o meu ex ele mesmo falou que não quer parar. Que adora a droga. Deixei então ele seguir a vida dele. E seguirei a minha. Obrigada obrigada pela ajuda. Rezo por vc e pelos seus. Fica com Deus.

    ResponderExcluir
  15. Olá, eu preciso ter um contato com você.preciso de uma orientação, preciso de um posicionamento na minha vida, estou na fase de aceitar ou não viver com um dependente pra minha vida toda, ja coloquei na balança os bens e os contras, mas mesmo que os contras pesa muito,meu coração nao aceita.
    gostaria muito que entrasse em contato comigo.
    Email: beeoliiveiira@hotmail.com

    ResponderExcluir
  16. Quer Se Livrar Das Drogas?
    Mais de 90% dos internos aderem ao tratamento e retornam as suas atividades e ao convívio social, apresentando um ótimo desenvolvimento de sua vida. http://www.viversemdroga.com.br/index.php

    ResponderExcluir
  17. Gente eles não mudam não só param um tempo e voltam sempre parem de se iludir e comecem a se amar cuidar de vcs vejo aqui que cada uma lá no fundo já tem a sua resposta sabem o certo a fazer é ficam se enganando já pensaram que podem ter uma vida diferente com alguém que os amam de verdade que cuidam de vcs que se preocupam que podem dar exemplo para seus filhos pra que ficaram mendigando amor desse jeito o dependente e o cara mais ator que pode existir eles engana mentem fingem muito bem por sinal mexem no emocional e psicológico de cada um fazendo com que cada uma fique amarrada e tenho certeza absoluta que Deus não criou ninguém pra viver assim infeliz Deus e pai e quer o melhor para cada uma se de uma chance de ser feliz a culpa não é de vcs eles usam por porque querem para de se acharem a super mulher que pode mudar alguém ninguém pode só o Senhor mais existe o momento que ele nos fala que deu.

    ResponderExcluir
  18. Oi Polly.
    Li todo o post de hoje. Mas uma frase me chamou atencao: "estou anestesiada". Antes de me separar do meu DQ (há quase 2 anos), eu estava assim, deixando a vida me levar. Mas foi esse comodismo da minha parte que me fez acordar e querer sair do fundo do poço que eu estava entrando junto com ele. Foi quando decidir sair de vez daquela vida. Não vou aqui relatar o que vivi, até pq vcs sabem muito bem, pois as histórias são as mesmas. Esqueci ele? Não. Deixei de amar? Também não. Mas posso afirmar que estou bem melhor que antes.

    ResponderExcluir
  19. Olá querida sou a Emily, a muito tempo não navegava mais nos blogs, desde que excluí o meu, mas hj estava aqui no meu quarto arrumando meu armário e encontrei seu livro e então depois de tanto tempo vim visitar seu cantinho para saber se vc... quantas coisas aconteceram né? Espero que bc enc9ntre forças para vencer a depressão, seguir a vida, cuidar do seu filhote que tanto precisa de Vc, mas tbm desejo q vc seja feliz! Vc merece e muito!
    Eu segui minha vida desde a separação e muita coisa mudou, já ele no que fico sabendo as vezes, continua entre recaídas e clínicas... Mas não tenho contato mais a muitos anos.
    Saiba que torço muito por vc! Vc é linda e guerreira! Bjs no coração!
    Emily ❤

    ResponderExcluir
  20. Meu nome é Poliana, e seu blog é uma grande ajuda emocional pra mim. Assim como muitas outras me identifico muito com as coisas que você escreve. E esses textos me fazem enxergar muitas coisas que não enxergo sozinha, e me ajuda a tomar decisões melhores. Tenho 17 anos, e meu namorado 24, moramos juntos, e namoramos a 1 ano e 3 meses. Tem sido bem difícil, mas agora parece que ele acordou depois de fazer uma conta de 500 reais e eu correr atrás do dinheiro pra ele. Não vou desistir porque o amo. E você é um grande exemplo de grande força, amor, e perseverança.

    ResponderExcluir
  21. Meu nome é Poliana, e seu blog é uma grande ajuda emocional pra mim. Assim como muitas outras me identifico muito com as coisas que você escreve. E esses textos me fazem enxergar muitas coisas que não enxergo sozinha, e me ajuda a tomar decisões melhores. Tenho 17 anos, e meu namorado 24, moramos juntos, e namoramos a 1 ano e 3 meses. Tem sido bem difícil, mas agora parece que ele acordou depois de fazer uma conta de 500 reais e eu correr atrás do dinheiro pra ele. Não vou desistir porque o amo. E você é um grande exemplo de grande força, amor, e perseverança.

    ResponderExcluir
  22. Também estou no mesmo barco que vcs. Me apaixonei perdidamente pela primeira vez na vida aos 57 anos. Tudo o que aconteceu antes na minha não se compara o que este homem 14 anos mais novo que eu me proporcionou. Eu descobri a mulher que sou. Com ele aprendi a ser carinhosa, fiel, me senti amada e desejada. Com ele experimentei o que é ter um companheiro de verdade, com ele a minha vida ficou rosa, com frescor. Ele me deu vida. Me fez esquecer todo um passado de sofrimentos e frustrações. Mas, um dia eu descobri ( contado por ele) que ele é um dpq do álcool e do crack. Chorei, mas o abracei e o amei mais ainda.

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde meninas, vim aqui compartilhar com vcs uma experiência nada agradável que eu tive hoje... fiquei bem decepcionada comigo msm... Eu trabalho em casa sou artesã , acordo sempre um pouco tarde... hj me levantei la pelas 10 horas meu celular tava sem bateria e fui logo colocar pra carregar. Quando ligou eu tive a surpresa de ver algumas ligações do patrão do meu namorado e algumas msg procurando por ele é me perguntando se eu sabia o paradeiro dele,já que ele não tinha ido trabalhar... meninas não sei o q me deu vesti uma roupa( não tomei café, não e escovei os dentes e nem lavei o rosto) sai igual uma louca peguei um táxi em uns 15 min trava eu na casa dele e o bonito estava dormindo... três maços de cigarro vazios e o mesmo papo de sempre.... nossa fiquei muito triste ele trava há uns 5 meses limpo e a gnt trava cheio de planos... enfim fiz ele dar uma satisfação pro patrão dele... afinal ele estão me ligando toda hora... e ele decidiu ir trabalhar e encarar as consequências. .. mas me senti tão frágil fazendo isso sabe,tão codependente... Nossa tô arrasada.. eh muito difícil o relacionamento com um dependente. ... mesmo ele querendo mudar q eh o caso do meu namorado... ele quer mudar , mas eh tão devastador quando não conseguem.

    ResponderExcluir
  24. Oi Poly conheci seu blog, posso te dizer que adoro as suas postagens, vivo um dia de cada vez também e sinto que se eu não me amar em primeiro lugar nada muda. Namoro ainda um dependente quimico no momento ele está internado involuntatiamente e aceitou o tratamento já é sua 3* internaçao. Ele é muito amavel e carinhoso,mas começou a surtar e em uma dessas quase fez besteira. Bom nos conhecemos pela internet,namoramos a distancia também e nossa historia é muito bonita, tirando as recaidas que ele tinha. Mas quero te dizer pra vc que nos dependemos muito de Deus e o que não podemos fazer é Deus quem faz,não adianta cobrar,brigar, devemos entregar a Deus pra termos respostas e se vc não sabe a esposa que edifica a casa. Assisti um filme muito bom acho que vc deveria assistir, lembre-se o que a gente não pode fazer Deus fará, nome do filme: QUARTO DE GUERRA".
    Vc vai ver tudo vai mudar,seja fiel a Deus e ele tudo o fará.

    ResponderExcluir
  25. Depois de 15 anos casada e lutando com meu marido..faz 15 dias que ele resolveu se separar... tantas lutas.. batalhas.. recaídas.. clínicas.. pra acabar assim.. Difícil entender.

    ResponderExcluir
  26. Polly, oro a Deus para te fortalecer e te confortar! Seu filho te trara muito orgulho, muito mais do que sei que você já guarda por ele!
    Seu blog foi essencial na minha vida e sei que é na vida de todas que sofremos com um adicto em casa. Hoje não sou mais vítima das acusações dele, não me fere quando ele diz que eu o enfraqueço e, por não me afetar mais, ele parou de dizer isso...
    eu e meu marido nos fortalecemos muito, saímos daquele ciclo tão ruim é tão pesado. Hoje somos leves e felizes...
    se ele vai recair?!?! Desejo que não, mas se ocorrer, a dor que sentirei não será a mesma!
    Agradeço infinitamente suas postagens e desejo o melhor em sua vida!

    ResponderExcluir
  27. Polly... volta a escrever!
    eu gosto tanto do teu blog, me deixa calma e me mostra que eu não to sozinha nessa, que tem outras tantas mulheres de DQ espalhadas por ai e sempre com palavras de conforto e apoio.
    meu marido tá preso, por culpa de uma cagada que ele fez quando tava sob efeito de cocaina, crack e cola, e junto com os "amigos". To rezando pra ele não recair lá dentro. Ele nunca mais fez nada parecido, inclusive ele vinha melhorando. Quando usava usava muito pouco, tipo um coisinha daqueles sabe, que vem enroladinhos. E ele não tava mais fugindo, ele não me mentia mais, então pra mim, tava 70% melhor. E agora vem esse baque, vou ter que passar por isso sozinha... Desculpa o desabafo, era pra ser um comentário só pra pedir pra ti voltar a escrever, mas eu me sinto bem a vontade pra desabafar aqui, um pouco por causa do anonimato, e outro pouco por causa da sororidade das meninas auqi <3
    Carla M.R.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Amiga!

      Meu marido nos últimos 24 meses meses intervalou 6 meses sem a droga e 6 meses recaindo 1 vez por mês! Antes estava sendo praticamente todos os dias! Minha família não sabe! A mãe dele já idosa não dá conta de toda a verdade! Eu me vejo muito sozinha! Temos uma menina com 9 anos! Ele tem uma família Boa! Teve Boa educação! Eu também! Mas queria te dizer que no fundo; nessa história toda temos que nos prostar diante de Deus e pedir sabedoria! Jamais desista da tua fé! Jamais! O único que pode nos sustentar nesse deserto é Deus!
      Quando meu marido sai eu sempre rezo por ele; que os anjos estejam ao redor dele protegendo! Fico com medo de acontecer algo assim em um momento da droga! Mas isso é maior que nós! Só mesmo sendo sustentadas por Deus! Só Deus
      Abraços e força BC

      Excluir
  28. Eu sou a mulher de 57 anos que amou mais ainda quando soube da adicção do meu amado.
    Daí começou meu calvário. Sofria muito quando ele sumia e desligava o celular. Depois de 1 ano, veio a chance de um tratamento, ele aceitou e ficou 1 ano neste tratamento. Voltou e fomos morar juntos e tentar viver como casal e como família. Mas, 6 meses depois ele me deixou, alegando que eu não o deixava viver. Reatou um namoro antigo, voltou a fazer uso da bebida alcoólica - usou crack no auge da drogadição - frequenta churrascos e forró. Alega que não voltará para o crack, que está curado e que não tem nada demais o que está fazendo.Na verdade, a recaída dele começou no comportamento e ele está dando passos lentos para o pior. Eu, me sinto muito triste, estou dentro de uma crise de depressão, morrendo de saudades, de ciúmes e até agora não consigo acreditar no que está acontecendo. Diante disso tudo, meus filhos não aceitam mais nosso relacionamento - sou viúva - enfim, tudo se desintegrou. Lamento pensar e sentir que, mais cedo ou mais tarde, vai acontecer o pior. Tomara que não, tomara que não. Eu rezo por ele TODOS OS DIAS, pois tenho fé no milagre de Deus.
    Gostaria da opinião de alguém.
    Será que um dependente químico não tem o direito de ser feliz com alguém? Porque o amamos tanto assim? Meu Deus ... Gostaria de saber a opinião de vocês!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " Porque o amamos tanto assim?"
      creio que a resposta pra esse questionamento está em você. o que falta em você? creio que quando nos apaixonamos por alguém, buscamos algo no outro que falta em nós. um dependente químico, desperta em nós a " necessidade de se sentir útil" o sofrimento do outro nos causa empatia, nos colocamos em seu lugar e inconscientemente vivemos suas vidas, porque achamos, a partir daí, a nossa vida sem sentido, porque o sentido está em preenche-la com esse problema "triste e comovente". BUSQUE CONHECER A SI MESMO e razão que a leva a seu ex-namorado. talvez, encontrando a razão que te leve a ele, assim voce consiga se afastar, ou não. cabe a voce colocar na balança, (e isso engloba tudo)e então se decidir. um abraço, que a paz que excede todo o conhecimento esteja conosco.

      Excluir
    2. Obrigada pela força. Gostei da sua colocação. Quer conversar no zap? Me adicione: 27-99857-7604.

      Excluir
  29. Respostas
    1. Preciso de ajuda Poly por favor entra em contato comigo onde moro no interior não tenho onde pedir ajuda geyzzasiqueira@hotmail.com

      Excluir
  30. Em meio a tantos relatos tristes, vim aqui dar testemunho de que a mudança é possível, para que, dependendo da situação não desistam de seus adictos. Quando conheci meu noivo sabia de todo seu histórico passado com as drogas, ele estava em uma fase de uso, porém esporádico, quando nos conhecemos, em uma das tantas vezes que terminamos eu segui com a minha vida e ele percebeu, aceitando assim, o tratamento psicológico/psiquiátrico e busca a Deus como condição para que pudéssemos voltar, ele está muito bem, fazendo seu tratamento descobriu que tinha depressão e buscava naa drogas um alívio para seus problemas, hoje está outra pessoa, busca a Deus em todos os momentos e aliviou sua depressão com o tratamento o que o faz estar limpo hoje por 2 anos. Se um dia ele voltar pra essa vida, seguirei com a minha, mas acredito que nessas condições todos mereçam uma nova chance!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que relato bom amiga de ser lido, trás um alívio para minha alma! Meu marido também está nesse caminho, médicos, remédios, terapia, fé e muito muito Deus! Uma história de vitória assim nos dá ânimo em prosseguir! Força e felicidade para vocês! BC

      Excluir
  31. Oi meninas!
    Estou triste Hoje! Esse final de semana meu marido teve uma mega recaída, saiu de casa as 20 hs de sábado e voltou as 17 hs de domingo! É tanta decepção que parece que já não dói Mais! Minha família acha que o problema dele é apenas álcool! Seguro toda essa onda sozinha; minha filha de 9 anos também acha que é apenas a bebida; porque ela ainda não entende o todo e nem quero que entenda! Enquanto eu puder segurar segurarei em nome do amor por minha preciosa filha! Tenho fé demais! O meu marido está indo em psiquiatra e psicólogo e tomando medicação, mas pergunto a vocês "Vale a pena continuar investindo toda essa grana"? Ele chegou eu nem disse nada! Passei o dia de domingo feliz com minha filha! Em paz! Vou rezar cada dia mais para que o Espírito Santo de Deus me conduza a tomar as melhores decisões! Na minha casa eu sou aquela que decide! Que paga! Que financia! Estou muito para baixo! Tinha emagrecido; sempre fui cheinha; mas agora estou gorda novamente! Estou me afundando junto com ele! Ontem estive na minha endócrino! Outro dia eu volto e conto a vocês como está sendo! Força para todas nós BC

    ResponderExcluir
  32. Querida, me identifico muito com sua história e sei o que está tentando segurar sozinha. O meu marido ia ao psiquiatra e psicólogo, tomava medicação também e ainda assim fazia uso. E hoje percebo que tudo que de certa forma fizemos para que ele parasse foi em vão. Pois ele só pararia no momento em que ELE quisesse, no momento que admitisse e se rendesse. Não há o que fazer. Cuide de vc e de sua filha. Tire esse peso do seu ombro, pois como eu disse, não depende de você. Procure uma sala Naranon, vc receberá ajuda e irá entender que NÃO está sozinha. Força! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi amiga! Muito obrigada pela contribuição no meu comentário.... me ajuda saber que não estou sozinha... agora ele que está indo atrás... viu a coisa ficar crítica para ele.....e o seu companheiro como está? estou cuidando mais de mim sim.... mas ainda com ele! Ainda não cheguei na fase "fiz tudo o que podia"! Sei que é um longo caminho... para ele... para nós como família... mas a minha fé ainda está aqui presente em cada minuto do meu dia.... eu creio.... verei ele transformado.... Deus nos dará essa graça.... Grande abraço

      Excluir
  33. Oi Poly que saudades de estar aqui. Tbm tenho um blog onde relato minha codependencia e uso do meu filho. Também sinto essa necessidade as vezes de não escrever e fico um tempo longe dele mais sempre que algo acontece e pra ele que corro!
    Quem quiser conhecer segue o link... adependenciaquimica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  34. Sou a mulher de 57 anos, que agora já tem 60.
    Acabou tudo.
    Desisti. Ele não me ama, ama as drogas, ama o mundo!
    Eu estava perdendo a convivência dos meus filhos e netos por causa de uma pessoa que não sabe o que quer.
    Deus é testemunha que tentei, mas cansei.
    Estou lutando com todas as minhas forças para suportar a saudade. Estou lutando para esquecê- lo, para perdoar tantas mentiras e manipulações.
    Namorei e convivi com uma pessoa completamente doente e que não admite sua doença e que não quer se tratar. Está enganando a si mesmo. Coitado.
    Espero em Deus que um dia tudo isso passe, que Ele me ajude a esquecê-lo, pois ele não me ama e nunca me amou.
    Quero esquecer o que passou, seguir adiante, decididamente.
    Amém!!!

    ResponderExcluir
  35. Fico triste com a quantidade de mulheres com falta de amor proprio. GENTE, NAO SE AFUNDEM. Acaso eles fariam isso por vocês? NAO. Por muito menos eles escolhem outra e seguem suas vidas! Parem de fazer papel de mãezona. Se eles escolheram se afundar que procurem ajuda mas vocês nao podem parar vossas vidas!! Fujam, vao ser feliz!!

    ResponderExcluir
  36. Olá. Meu marido eh adicto e ele está internado. Sempre lutei com ele pra que ele pudesse se internar. E fiquei muito feliz porque realmente dessa vez ele quis ir por conta própria. Mas fui na visita e ele me disse que eu o atrapalho na sua recuperação. Fiquei dias mal com isso. Como posso logo eu que sempre quis ajudar? Realmente tô muito triste. Temos um filho juntos e não era isso o que eu queria. Nunca abri mão dele e agora to me sentindo um lixo. Por favor me ajudem.

    ResponderExcluir
  37. Olá. O pai do meu filho eh um dependente químico. Pela terceira vez ele está internado. Lutei muito pra que ele quisesse ir. Dessa vez ele foi por conta própria. Chorei o choro dele, vivi com ele meus piores momentos. No dia da visita fiquei muito triste pois ele me disse que eu o atrapalhava em sua recuperação. Eu fiquei muito magoada, triste. Como assim? Logo eu que fiz tudo ao meu alcance. Estou me sentindo um lixo sem saber o que fazer. Eu o amo e não queria que fosse assim. Eu estou muito mal. Pfv me ajudem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida... É a doença dele que fala isso, ele ainda não teve o tal do "despertar", as escolhas erradas foram dele, o único responsável é ele, mas como todo adicto q não vive a recuperação ele culpa os outros, a família, o trabalho, falta de sorte... normalmente isentam a sí mesmo e a droga.
      Cuide de vc, da sua cabeça, leia muito sobre codependencia e viva p vc e não p ele! Quem tem q correr atrás da recuperação dele é ele, o adicto q não vive em recuperação tbem não vive o amor, no fim das contas a droga é o mais importante p eles.
      viva para vc, isso não é egoísmo, o dia q vc sair dessa codependencia vc vai me entender... eu vivi isso, essa dor, essa culpa, esse medo, essa vergonha, esse desespero... abriria mão de qq coisa, assim como vc, mas não depende de nós e sim deles abrirem mão da droga.
      Vc não é responsável por nada, se ele sair hj e usar é por vontade dele, se vc qser sair dsse casamento e ele usar é por escolha dele. Ele é responsável por si mesmo.
      Fique em paz... bjs

      Excluir
    2. Olá Marilena, tudo bem? Já passei pela mesma situação. As vezes a gente atrapalha sim. Quando visitamos ele sente vontade de ir embora, as vezes, meio sem querer querendo, a gente permite, pois a gente também adoece, coodependência é doença. Ligue antes da visita, pergunte se ele quer vê-la, as vezes se afastar também é uma prova de amor. Afinal, dessa vez ele procurou a internação sozinho, ele está querendo se encontrar, encontrar soluções. Fique em paz, acalma seu coração, e confie, vai dar tudo certo! Abraços.

      Excluir
  38. Olá Poly querida... há masi de um ano não olho o meu blog e nem os que fazem parte do círculo dos meus blogs, hj sem muita oisa para fazer no meu trabalho entrei... e li essa postagem sua. Chato isso com seu filho e agora sei bem que quando é com agente é uma coisa a gente vai levando, tentado.. mas quando é com um filho um probleminha que seja é tão mais difícil, mas arrumamos forças sabe se lá de onde para proteger... é assim!! Mas veja pelo lado bom, ele tem tem restrições um problema, mas é saudável e foi diagnosticado enquanto criança, te dando uma condição de fazer tratamentos, adaptar novas rotinas que o ajudarão a ser uma criança como qualquer outra e feliz.
    Quanto ao seu marido e vc se sentir anestesiada, são 27 anos como vc mesma diz, não tinha como ser diferente.
    Força querida! Deus te abençoe
    Bem, eu graças a Deus como vc ve nas redes, estou feliz casei com outra pessoa, sai desse circulo da adicção, claro que como boa co dependente, guardo resquícios da antiga Sharon, mas vivo muito feliz e agora com minha filha, realizada!!
    bjsss fiquem com Deus

    ResponderExcluir
  39. Olá todos. Boa noite. Preciso falar sobre minha codependencia pra aliviar as dores q sinto. Namoro um adicto há 2 anos. Ele, 23 anos, eu 43. Não conhecia nada sobre adicção muito menos tinha a dimensão exata da doença q ele tem. Acho que nem ele TEM a exata ideia do problema q tem, mesmo depois q passamos a conversar sobre. Fato é q por razões várias, mudamos de cidade (morávamos juntos), e não se passaram 2 meses no novo local e ele foi-se embora pra um local q nao conheço, ajudado por amigos q fez aqui há menos de um mês. Vim primeiro pra nova cidade e ele veio depois. Quando chegou aqui estava acabado pela droga. Exigi comprometimento dele pra se curar. Achei o NA aqui e, antes de ir embora, passou a frequentar. Fui duro com ele aqui. As vezes exagerei, mas estava um pouco sem paciência. Ele insiste em beber e q a bebida não é o problema. Estes novos amigos (q eu nao conheci) adoram beber. Depois de muito desgaste ele pegou as coisas dele e se foi Não se pra onde. Disse que eu o trouxe pra esta nova cidade pra fazer a vida dele um inferno. Não trabalha, não estuda e, até sair daqui, há uma semana, não estava trabalhando. Eu lhe oferecia o necessário pra viver bem. Afinal, éramos casal. Passamos por episódio de violência física e verbal, grosserias várias, crises, várias brigas cujos motivos não entendi. Conversamos muito e sempre a ele muita calma, o que ele não conseguia ter e eu tbm as vezes. Criava vários motivos pra brigar. Enfim, depois q ele se foi passei a pensar sobre e acredito q ele ele esteja passando pelo processo da recaida. Ele não me procurou ainda e me bloqueou em todas as redes sociais. Não há nada a fazer senao "deixar as coisas como estão pra ver como ficam." Mesmo porque sempre estive ao lado dele em todos os momentos. Fui seu conselheiro e ouvinte. Sempre o incentivei a coisas edificantes apesar de ele sempre me acusar de o "colocar pra baixo". Me chamou de "namorado lixo". Acho q é a doença dele falando por ele. Q triste, q chato. Tão lindo e tão jovem. Os olhos verdes mais lindos q já vi na vida. Me encantei por eles desde q o conheci. O único "primeiro beijo" do qual me recordo foi com ele. Sensação indescritível. Estou me sentindo muito só e triste por isso escrevi este texto pra ver das emoções fluem. Afinal não tenho coragem nem o habito de usar drogas (até pensei em fumar maconha pra relaxar, mas...) e tenho q encarar meus sentimentos com a "cara limpa". Espero q tudo foque bem pra ele e, apesar dos evidentes sinais de um processo de recaida, tudo não passe de uma "briguinha" e ele me procure pra voltar pra casa. Vamos dar tempo ao tempo...

    ResponderExcluir
  40. Oi pessoal! Conheci este blog há uns 5 anos atrás quando eu estava no auge da minha codependencia! Até cheguei a criar um e me apresentava como Lica... mas não seguir...Devorei o Blog e entrava todos os dias até o início de 2016...mas depois fui perdendo a vontade de querer entender tantas recaídas... aqui eu conseguia ver o sofrimento de outras pessoas além do meu... Eu eu meu marido acabamos nos separando em Abril/16... depois voltamos, separamos e ficamos nessa neste ano... mas este ano em Março decidi acabar de vez... nao aguentava mais... foi mto difiçil mas eu não tinha mais forças para continuar com ele... Com isso achei que ele fosse melhorar, se dedicar a nossa filha que tem 6 anos e mostrar que seria uma pessoa melhor até mesmo para pensarmos em voltar... doce ilusão...ele só piorou...um homem lindo, de familia classe media alta, de tudo do bom e do melhor... vendeu tudo que tinha... gastou horrores de dinheiro do pai e acredito que quando viu que nao tinha mais de onde tirar começou a roubar... ele foi preso no início deste mes... meu coração desabou...estou arrasada!!! Como pode o pai da minha filha, o cara que foi meu amor de infância e o amor da minha vida está preso por assalto? Pois eh... inacreditável!
    É muito triste... estou extremamente abalada... peço que todos possam ter cuidado pois o mundo das drogas está perdido!
    Poly, sempre lembro do seu blog para ter forças e seguir!

    ResponderExcluir