quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Se a Biles e o Phelps podem, você e eu também podemos!

Aquela menina tinha apenas três anos quando os serviços sociais tiveram que intervir para resgatá-la junto aos seus três irmãos, pois eram filhos de uma dependente de álcool e outras drogas. A custódia foi tirada da mãe. A menina foi criada pelo avô e sua esposa. Aquela garotinha poderia traçar uma história pautada nas dores de não ter sua mãe perto, da rejeição, da sua tristeza, mas ela optou por ser simplesmente a Simone Biles.


"Quando era mais nova me perguntava o que teria sido da minha vida se nada disso tivesse acontecido. Às vezes ainda me pergunto se minha mãe biológica se arrepende e se queria ter feito as coisas de forma diferente, mas evito me prender a essas perguntas porque não sou eu quem tem que respondê-las". Palavras de Simone Biles.

Certamente as medalhas de ouro não suprem o que as drogas tiraram dela, mas ela soube seguir adiante, apesar disso.

E o que dizer sobre Phelps? Michael Phelps atingiu o auge de sua carreira, com 8 medalhas de ouro, nas Olimpíadas de Pequim, em 2008. Mas, depois veio a crise, quando aos 23 anos, ele foi fotografado fumando maconha durante uma festa. Com isso, a Federação de Natação dos Estados Unidos o suspendeu por três meses. Em Londres, no ano de 2012, ele conquistou 6 medalhas, sendo 4 de ouro e 2 de prata, e após a competição, anunciou sua aposentadoria. No entanto, voltou a ser assunto em 2014, quando foi preso por dirigir embriagado e em alta velocidade. Perdeu a carteira de motorista e ficou 18 meses em regime de condicional. Como afirmou o seu técnico, “ele estava indo por um caminho ruim, e indo rapidamente”. Phelps chegou ao fundo do poço, tentando lutar contra o alcoolismo, mas com pensamentos suicidas o consumindo cada vez mais.

Entretanto, ele fez uma escolha: a escolha de não se entregar! Após a leitura do livro “Uma vida com propósitos”, de Rick Warren, Phelps se internou em uma clínica de reabilitação para tratamento. Além disso, decidiu perdoar e se reconciliar com seu pai, de quem ele guardava grande mágoa por ter saído de casa quando o nadador tinha 9 anos.


E o que vimos aqui no Brasil? Um Phelps de 31 anos de idade, com sua esposa e filhinho, e aquele sorriso da superação que parecia dizer: “Eu consegui. É possível!”... E claro, muitas medalhas de ouro obtidas na piscina!

Vai lá, Phelps, um dia de cada vez!

Por que estou falando sobre eles? Para mostrar que temos escolhas, sempre. E também para aumentar a nossa autoestima. Nós, familiares ou dependentes químicos, podemos ser o que quisermos e o que decidirmos ser.

Acho que já falei aqui que quando minha mãe descobriu a gravidez, uma enfermeira sugeriu que ela fizesse o aborto, por saber da história do meu pai com as drogas, e supostamente por acreditar que “filho de drogado” não tem futuro.

Na semana passada, algumas colegas (que não vivem e não entendem nada do assunto) estavam conversando, quando começaram a falar sobre uso de drogas. Fiquei quietinha, só ouvindo. De repente, uma delas falou que a esposa de um dependente químico se tornou dependente também porque é muito difícil não “usar” convivendo com um usuário.

Oi???

Ou seja, a realidade é que boa parte da sociedade condena os filhos de dependentes químicos, não acreditam na recuperação dos dependentes, e questionam a integridade das companheiras (namoradas, noivas, esposas e ex) de dependentes químicos.

O que eu quero dizer com esse post é: Ei, você que está lendo, não dê ouvidos a rótulos, você pode ser o que quiser, desde que se dedique a isso. Acredite! Lute! Você pode!

Sabe por que a Biles e o Phelps estão conseguindo? Porque eles são resilientes!

Ser resiliente é ter a habilidade de persistir nos momentos difíceis. É ter um objetivo na vida e focar nele. É saber que quando a tempestade passar, nos tornaremos mais fortes, e não é qualquer ventinho que vai nos derrubar, ou mesmo balançar. É saber que tudo passa. É ter força. É ter fé. É depois da queda, conseguir se levantar, apesar das cicatrizes, apesar da dor, e seguir adiante...

Ser resiliente é saber que, mesmo com o “apesar de” que nos acompanha, podemos ser felizes, e a vida segue... E ela vale muito a pena, sempre!


Quanto a minha família, passamos por uns dias difíceis por aqui.

Aconteceu uma recaída (ou lapso, sei lá) do meu familiar, no final de julho, após mais de 1 ano e 1 mês limpo.

Fácil? Não. Mas, é preciso seguir, não é mesmo?

Quando me perguntam como o familiar deve lidar com a recaída, digo o seguinte:

“Por um lado, nós familiares devemos nos preparar para as recaídas, mas por outro, podemos buscar viver cada dia como se elas não existissem...”

E é isso. Eu me permiti isso naquele um ano, um mês e doze dias... Quando ela chegou, doeu, tive medo. E agora, sigo novamente sem pensar nela... E trinta dias se passaram desde então. Um dia de cada vez.

E hoje vou finalizar com um texto que achei forte e muito real:

"Enquanto você não curar as feridas do seu passado, você vai sangrar. Você pode estancar o sangue com comida, com álcool, com drogas, com cigarros, com trabalho, com sexo; mas eventualmente, a ferida vai vazar e manchar a sua vida. Você precisa encontrar forças para abrir a ferida, colocar sua mão lá dentro e arrancar a raiz da dor e as memórias que te prendem ao passado e fazer a paz com eles." (Iyanla Vanzant)

Beijo no coração de vocês!
Fiquem com Deus!
Poly

32 comentários:

  1. Concordo! Nós podemos sim!
    Recaidas acontecem a gente tbém recai mas a mudança só depende de nós siga em frente Poly vc é minha inspiração beijos Mel

    http://soporhojevoucuidardemim.blogspot.com.br/


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos juntas, querida Mel.
      Beijos!

      Excluir
    2. Oi Poly. Adorei seu blog

      Excluir
  2. Poly ...
    bom ler seus posts
    Me encontro tão aflita por não saber realmente o que quero, amo um homem há dois anos, que é simplesmente uma ótima pessoa, e está se deixando levar pela cocaína, fiquei sabendo dois meses depois que ele era usuário,
    conheco várias pessoas bonitas, legais, mas meu coração gosta realmente dele. Não sei uq eu faço!

    Se sigo minha vida mesmo amando ele
    Ou se luto pra tentar salvar ele desse vício com toda minha força,

    Estou triste há 2 semanas ... não sei oq faço!
    Foi uma benção procurar depoimentos e achar o seu Poly!

    Queria conversar com vc!
    Pois vc parece ser uma mulher muito corajosa e que luta pelo bem do seu parceiro. E eu faria o mesmo pelo o homem que eu amo.
    Sofro calada, choro escondida!
    Para não expor ele pra minha família
    Minha família não sabe oq passa com ele... pq tenho fé que um dia ele vai ficar bem e vamos ficar juntos na paz!

    Poly qual seu e-mail?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá querida!
      Não é fácil fazer essa escolha, não é mesmo?
      E é uma escolha que somente você pode fazer. Por mais que eu e outras te falemos das nossas vidas e te passemos os nossos conselhos, a decisão será sua... e a vida escolhida também.
      Apenas quero destacar uma frase sua : "Se sigo minha vida mesmo amando ele, ou se luto pra tentar salvar ele desse vício com toda minha força". Flor querida, essa luta é dele, não sua. Por mais que você use toda a sua força será inútil, pois depende do querer dele, e não do seu. Entende?
      Bom, e qualquer que seja a sua escolha, cuide bem de você, e seja feliz, você merece!
      Beijos.
      Poly

      Excluir
    2. Obrigada, Poly!
      Muito obrigada.

      Sua palavra foi luz no meu caminho.

      Excluir
    3. Oi meu nome e Paula estou casada a 2 anos hj mas a mais ou menos 5ou6 meses descobri q meu esposo e usuário de cocaína eles diz estar limpo a 2 anos e agora teve recaída e joga a culpa em mim oque faço estou ficando loca. E toda vez q ele usa ele me comunica eu fico muito mal choro e fico muda. .sou inexperiente nesse assunto afinal nunca passei por isso amo muito ele como faço p conviver com um adicto sem me sentir tão culpada assim?

      Excluir
  3. Poly, na sua vakinha, vc respondeu um comentário com seu facebook pessoal. Como sei que vc é uma pessoa discreta, estou te alertando pra vc apagar. Um beijo!

    ResponderExcluir
  4. Namoro desde os 13 anos ambos tínhamos a mesma idade.passamos no vestibular aos 17 e se formamos aos 19 veio as drogas ele começou a usar e desde então me vi tão jovem e cheia de sonhos num abismo encobrindo suas falhas, justificando as agressões e até minhas idas frequentes as bocas de fumo para comprar droga justamente para ele não sair de casa.Tinhamos uma vida perfeita até elas virem.Suportei tudo que se pode imaginar,inclusive a família me culpando pelo vício dele é me julgando mas só quem mora e vive com um dependente sabe o que é uma luta diária.

    ResponderExcluir
  5. sofro isso , quatro anos de casamento e meu familiar sempre recaindo , já faz exatamente dois dias que não aparece em casa, sofro muito , mas sei que quando acabar o dinehiro e os objetos ira voltar, com as mesmas promessas com as mesmas historias . estou no meu limite , não sei mais o que fazer ! gostaria de conhecer alguem que passa por isso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Danielle, passei por isso, por longos 11 anos. Os filhos eram pequenos e eu o amava tanto, não tinha coragem de por um fim naquela situação. Mas cada vez mais ele se tornava agressivo, abandonou o trabalho, tinha um ciúmes excessivo e quando estava na ativa tinha alucinações que eu o estava traindo. Dei entrada no divórcio, aluguei um lugar para mim e para as crianças, e deixei ele livre para seguir a vida que escolheu. Quando ele se deu conta que realmente tinha me perdido, decidiu mudar de atitude, arrumou emprego, começou a me ajudar com as crianças, mesmo em casas separadas, mas como a confiança é difícil de se conquistar, falei pra ele que queria um tempo para voltar a morarmos juntos, pois já sofri demais e tinha medo, então ele usou isso como pretexto para se jogar de novo no vício, sempre querendo jogar a culpa de suas atitudes sobre mim, me acusando, dizendo que eu não o quis ajudar, mas sei que é mentira, pois vivemos juntos tantos anos e ele não quis minha ajuda. Me afastei de vez. Agora ele procurou ajuda, se internou em uma Clínica de Reabilitação em outro estado, faz um mês. Semana passada ele me ligou, disse que está bem, que vai se recuperar, trabalhar, cuidar da família, enfim, aquelas mesmas promessas. Mas agora, eu não o amo mais. Desejo tudo de bom pra ele, ele é o pai dos meus filhos (um menino de 10 anos e uma menina de 8), mas não tenho mais a mínima vontade de voltar a ter uma convivência com ele. Eu amo minha vida, eu e meus filhos. Já não ando atormentada pela sombra da preocupação, do desespero, de chegar e encontrar a casa vazia, de andar de boca em boca procurando, de ficar dias sem notícia, noites mal-dormidas, filhos mal-cuidados.... Não que eu não acredite que ele vai mudar, eu acredito, nosso Deus é o Deus do Impossível, quando dissemos que algo é irrecuperável, estamos limitando o poder desse Deus, e quem somos nós para isso? Mas eu sofri muito agora, fui ser feliz e não volto! Bjs, que Deus abençoe você e te dê sabedoria para tomar suas decisões.

      Excluir
    2. Oiii, deixe seu email... tbem gostaria d conversar com alguém

      Excluir
    3. O blog sempre me ajudou muito, me dava força nos momentos difíceis.... eu tive um relacionamento de 5 anos, 3 de namoro e 2 de casados... só descobri a dependência dele quando casamos, mas eu o amava demais e fiz de tudo para ajudá-lo... reuniões, remédios. Mas as coisas só pioraram, ele dizia que queria sair dessa situação, mas nao se medicava,gastava todo salário com a cocaína e sumia de casa por dias... enfim as histórias são parecidas né. Certa vez no meu de uma discussão ele me agrediu fiquei com o olho roxo por umas duas semanas, me escondi em casa faltei o trabalho ,muitas vezes me via a beira da loucura... Certa vez ele sumiu por dias , tinha recebido o dinheiro das férias dele... E quando voltou não tinha nada, ainda chegou machucado parece que brigou na rua... foi duro mas tive que tomar as rédeas da minha vida. Me separei, doeu muito no início, senti falta dele apesar de todos os problemas... mas hj já se passaram 5 meses e eu to muito bem, to estudando, viajando, cuidando de mim... apenas com os meus problemas e não mais carregando o peso do mundo nas costas... mas é uma decisão que veio depois de muita luta, as vezes fico imaginando como seria nossa vida sem a droga! Mas sei que Deus me dá força a cada dia... bom essa eh um pouco da minha história, fiquem com Deus !

      Excluir
  6. Oi Polly!! Quanto tempo não venho no seu blog e que alegria foi vir e ver que reatou com o adicto. Eu fiquei muito triste quando li que havia se separado Pq achei Q todos relacionamentos com adictos que não conseguiam permanecer limpos seriam fadados ao fracasso. Mas ver que vcs reataram e estão bem me alegrou muito.
    Infelizmente não posso ter esperanças para o meu, meu adicto faleceu a 7 meses e na ativa. A dor ainda é grande de mais e a tristeza Tb. Mas com a ajuda da sala de NarAnon e meia companheiros e literatura, esse processo está sendo menos doloroso com certeza.
    Um bjo grande para vc é muitas felicidades em sua vida e seus projetos maravilhosos.
    Bjo grande ! TMJ !!

    ResponderExcluir
  7. Essa doença eu conheço de perto, já lutei contra ela e hoje meu querido adicto está se expressando através desse blog https://adeusdrogas.com

    Força, meninas! E principalmente, não deixem de se cuidar. Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi meninas, realmente não é fácil. Ainda não sei lidar com as recaídas. Meu familiar recaiu após 8 meses limpo..muita dor, sensação de q não há mais saída.. Falta o chão. Será q existem adictos q nunca mais usam? Podemos ter esperanças?

    ResponderExcluir
  9. Oi meninas, Poly parabens amo seu trabalho.
    Sou mulher de um adicto em recuperação que conhece o sofrimento e a alegria de viver na recuperação também.
    Quem quiser ajuda ou desabafar... querer AJUDAR Á SI MESMA. e talvez ter algumas respostas.
    Meu whats (65) 9 9242-6247
    Jéssica

    Já estive no lugar de quem precisa e fui ajudada.
    Ajudar nos Ajuda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preciso de ajuda. 91 993685024
      Esposa de dq . tendo recaídas. Não sei o que fazer..

      Excluir
  10. Mais uma excelente postagem,amiga!
    Saudades de tu, visse?
    E vamos participar do próximo programa "A Voz da Sobriedade",porque o publico esta querendo sua participação. Abraços, amiga. TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  11. Ola,é a primeira vez que entro e vejo um de seus posts, é que estou passando por uma situação bem dificil. Meu companheiro e um usuario e a pouco mais e um mes ele ficou desempregado, e ae sem fazer nada, desesperado, acabamos brigando, ele recai , e dessa vez foi muito forte, minha mãe viu ele sendo agressivo comigo, e senti muito medo, ele saiu e ja faz 3 dias e ja não o vemos. To desesperada, amo ele muito , mais tenho medo dessas reações, temos uma filha de 3 anos e não quero que veja o pai assim. Mais tbm não quero deixar sem meu apoio, e amor que tanto tenho a oferecer. Me ajude, por favor! O que faço estou muito angustiada, porue também estou sendo muito julgada pelos familiares! Obrigada!
    Meu whats (35) 991259596

    ResponderExcluir
  12. Flor, quero te acompanhar, pq a minha situação não está nada fácil. Não te encontrei no facebook.

    ResponderExcluir
  13. Meu marido foi internando em uma clinica particular a 4 dias estou sofrendo muito pois ele nao queria e nao aceita tenho medo da revolta se alguém quiser conversar meu wats (011)9 52287744

    ResponderExcluir
  14. É a primeira vez na vida que peço ajuda de verdade. Nunca pensei estar em um relacionamento com um dq. Não entendo nada disso e não tenho com quem conversar. Pfv, não sei o que fazer. Preciso de ajuda.

    ResponderExcluir
  15. Pfv. Preciso de apoio. Não tenho com quem conversar. Estou em um relacionamento com um adicto. Não sei o que fazer, essa situação é nova pra mim e estou me sentindo num abismo. Não quero terminar com ele pq nos amamos e ele é, de fato, uma pessoa maravilhosa. Uma pessoa que ajuda à todos, ama a família, a filha, que é minha entiada. Não participei do passado das drogas dele. Quando o conheci ele estava limpo. Nunca pensei que ele teria uma recaída. Preciso de esperança. Eu quero lutar por ele por que ele merece. Não é agressivo, nunca sumiu nem um dia sequer. Pfv, só preciso de alguém que me diga que há esperança. Meu whatsapp 91 993685024

    ResponderExcluir
  16. Sou DEPENDENTE QUIMICO EM RECUPERAÇÃO E LIMPO e também traços de codependente.
    Tenho satisfação em ajudar quem precisa, família que tem duvidas, precisa de auxilio, entender oque fazer nos momentos horríveis.
    Não importa se seu parente dependente é criminoso ou morador de rua, isso não é motivo para se esconder e não se abrirem ou procurar ajuda, estou querendo ajudar de coração, podem entrar em contato comigo. não estou aqui para julgar ou passar a mão na cabeça de adicto mas sim de ajudar ambos se precisar, sei como é dificil ser um adicto e ser codependente...
    OBRIGADO!!!
    quero ajudar você codependente, minha esposa é codependente e sei como é dificil essa vida...
    fiquem com seu poder superior, e vivem só por hoje meus amigos!
    FELIPE WHATS (65) 9 9217-0248

    ResponderExcluir
  17. "Enquanto você não curar as feridas do seu passado, você vai sangrar. Você pode estancar o sangue com comida, com álcool, com drogas, com cigarros, com trabalho, com sexo; mas eventualmente, a ferida vai vazar e manchar a sua vida. Você precisa encontrar forças para abrir a ferida, colocar sua mão lá dentro e arrancar a raiz da dor e as memórias que te prendem ao passado e fazer a paz com eles." (Iyanla Vanzant)

    Como encontrar a raiz da dor? Me ensinem. Para curar minhas feridas e poder ser feliz, estou disposta a encarar tudo. Mas onde acho essa raiz? Por onde começo?

    ResponderExcluir
  18. Estou aqui em lágrimas, hoje passei o dia todo assim, meu maior amor, meu marido não tem cura, ele é dependente químico, uma pessoa maravilhosa mas que tem essa doença que tem destruido minha vida e nossa linda família. Em um momento de desespero, procurei por ajuda no Google e achei seu blog, não pensava que alguém pudesse passar pela mesma dor e angústia que passo, me emocionei com seus relatos, me identifiquei totalmente e descobri que os sintomas e a dor que essa doença causa na pessoa e em seus familiares é igual para todos, que desgraça isso, parece que não vai ter fim, me sinto inútil, me sinto impotente, me sinto descrente da vida, penso em me separar, penso em fugir disso, penso tudo e não chego a conclusão nenhuma, estou perdida, estou sem esperanças, estou sem rumo, estou ficando doente também com toda essa situação que não acaba nunca...é muito triste amar e não poder ajudar a pessoa, perder as forças e não achar saída...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fuja enquanto e tempo. De a ele uma perda pra mudar. Se nao quem vai perder sera vc e seus filhos. Faca isso por amor a vc e a ele. Fuja.

      Excluir
  19. A doença da dependência é algo que afeta a vida da pessoa e seus familiares, por isso é importante buscar ajuda médica especializada para obter apoio e tratamento profissional. Seja voluntária ou involuntária, já que muitas vezes a pessoa não sabe o mal que está causando, não percebe ou não quer se render.
    http://reabilitacaodedrogas.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Boa tarde,passo por uma situação parecida com a de todas. Mas gostaria de dar apenas uma sugestão,pois a decisão é única e exclusiva de cada uma. Para aquelas que escolheram permanecer...Tenham fé,ouçam e leiam testemunhos/Depoimentos daqueles que conseguiram vencer,parece que não mas há muitoooos que conseguem,se motivem, creiam no que não é visto aos olhos,peçam a Deus todos os dias por ele! Já que é pra "passar pelo furacão", passem com esperança e com fé que um dia isso vai passar...
    "Tudo é considerado impossível,até que aconteça"
    Beijos...

    ResponderExcluir