segunda-feira, 9 de maio de 2016

Uma palavra importante e séria às mamães!



Boa tarde a todos os leitores, e em especial a todas as mamães!!

Parabenizo a todas vocês, ou melhor, a todas nós pelo dia de ontem!!

Mamães de dependentes químicos, que têm dado suas vidas há anos e anos em prol de seus filhos... E também mamães que possuem filhos, cujos pais são dependentes químicos, o que exige delas, muitas vezes, uma dose maior de esforço e dedicação. Só posso deixar aqui meu abraço apertado e dizer: parabéns, guerreiras!!

E hoje eu gostaria de falar com vocês sobre um assunto muito importante, que é: mamães, não falem mal dos pais aos seus filhos, por favor...

Eu sei que às vezes é difícil segurar a barra! E como sei!

Mas, queridas, aprendi que isso é um erro. Falar mal do pai às crianças, seja para jogá-las contra o pai ou somente por desabafo mesmo, acaba dando um nó na cabeça dos nossos pequenos, e pode prejudicá-los, e muito, em seu desenvolvimento como ser humano.

Lembro-me que, certa vez, quando eu vivia uma fase muito negra aqui em casa, era dia dos pais e, após o trabalho, busquei meu filho do meio na escolinha. Ao ver o mural em homenagem aos pais, com fotos das crianças com seus papais, e ainda o meu filhote, todo feliz, me mostrando o trabalhinho que tinha feito ao seu pai, com a frase: MELHOR PAI DO MUNDO. Certifico com todo o meu coração que o meu pai é o meu herói, meu amigo e o melhor pai do mundo, aquilo me doeu tanto. Mas, quando postei isso aqui no blog, uma amiga querida, a Cicie, me disse: “não tire o direito do seu filho de ter um pai herói”.

E ela estava certa!!

Sei que muitas mães não sabem como falar aos filhos que o pai tem um problema com as drogas. Mas, sugiro que conversem com eles desde cedo, na linguagem deles, e usando a experiência do pai como um ponto a mais para que eles fiquem longe das substâncias psicoativas.

Por exemplo, meu filho de sete anos vê seu pai fumando cigarro (nicotina), e ele já entende o quanto o cigarro é prejudicial à saúde. Então, algumas vezes, ele pergunta: por que o papai fuma? E minha resposta é que, embora o papai queira parar, ele não está conseguindo, porque dentro do cigarro há substâncias que viciam, assim como outras drogas, incluindo as bebidas alcoólicas, e que, portanto, ele não deve experimentar o cigarro nem essas outras porcarias. Assim não denigro a imagem do pai, mas o faço perceber que o cigarro é ruim, mesmo que o seu papai herói fume.

A dependência química é uma doença. E se olharmos dessa forma, conseguiremos (por mais difícil que seja) reduzir o nível de mágoa e raiva do dependente químico, substituindo isso por compaixão (lembre-se que compaixão não é pena!).

E isso nos ajudará a tratar da situação com nossos filhos, sem falarmos mal do pai, e também sem a necessidade de mentiras que, mais cedo ou mais tarde, eles descobrirão.

Muitas(os) de vocês devem saber que, de acordo com a Lei nº 12.318/2010, falar mal do pai (ou da mãe) para os filhos é crime.

Poly, você está defendendo os dependentes químicos?

Não, estou defendendo nossas crianças que não têm culpa dessa confusão toda em que nos metemos...

Quando falamos mal do pai, que elas amam, contribuímos para que se sintam confusas, desprotegidas e infelizes, podendo causar prejuízos em várias áreas de suas vidas, e podendo gerar nelas, agressividade, depressão e ansiedade.

Não precisamos e não podemos exigir que nossos filhos amem a nós ou ao pai... Para eles, os pais são heróis e nós as heroínas. Eles são reis, e nós rainhas. Ambos perfeitos. E somente com o tempo eles entenderão que o papai e a mamãe são seres humanos falhos e cheios de defeitos.

Sei que muitas mamães fazem isso na melhor das intenções, mas, por favor, cuidado, pois o tiro pode sair pela culatra, e falando mal do papai, vocês podem acabar afastando os filhos na medida em que eles crescem.

Queridas(os), que fique claro que tudo o que falei aqui não se aplica aos casos em que acontece violência (física ou psicológica). Ok? Nesses casos é preciso denunciar o agressor!

Sei que não é fácil. Mas somos mães. E, sobretudo, temos a missão de proteger e educar os nossos filhos... Vai dar tudo certo, mamães!

Se a dor estiver grande demais, e você precisa de alguém para conversar (ou até mesmo para falar mal dele), ligue para uma amiga, procure um grupo de apoio ou um profissional da psicologia, ou até mesmo, deixe seu comentário aqui no blog (muitos recebem feedbacks dos leitores), mas poupemos nossos filhos!




Um grande beijo no coração de vocês! 
Fiquem com Deus!

7 comentários:

  1. Ótimo post. Obrigada por lembrar de mim. Torço muito por você e por todas nós! Feliz dia das mamães !

    ResponderExcluir
  2. Boa noite,sou casada com um adicto a 7 anos e 7 meses temos um filho lindo de 6 anos.
    Foi uma escolha minha permanecer ao lado dele mesmo sabendo que ele fazia uso de cocaína,mas eu criei uma ilusão muito grande achando que ele iria parar quando quisesse...Claro que não foi assim
    Hoje quando penso em como fui ingênua porque seu eu tivesse pensado com a razão teria evitado tanto sofrimento para meu filho e para nós mesmos.
    Fiz muita loucura para tentar ajudar ele até mesmo dei de dedo na cara de traficante,fui busca-lo na boca de fumo dentre outras coisas,ele sempre começava a fazer tratamentos mas como tinha a certeza que estava curado recaia.
    Sofri muito mas sempre estive ao seu lado,a exatamente 1 ano e 11 meses meu marido começou um tratamento com muita vontade de se manter limpo e como sempre dei muita força,mas com quatro meses de tratamento (4 meses limpo) ele teve um surto psicótico teve que ser internado em uma clinica de reabilitação onde ele ficou por 4 meses (os primeiros 40 dias ele ficou sem contato nenhum conosco)quando ele recebeu alta da clinica descobrimos que ele estava em uma depressão profunda aonde eu ouvia 24 horas por dia que ele não queria mais viver.
    Novamente fiquei ao seu lado e ele começou um tratamento psiquiátrico muito intenso e foi diagnosticado com bipolaridade e foi ai que ele realmente se perdeu.
    Hoje faz 1 ano e 11 meses que ele está limpo mas ele parou de viver e com isso meu sofrimento só aumenta,meu marido em alguns momentos finge que é feliz mas não consegue cuidar da nossa família.
    Estamos a beira da falência porque ele não sente vontade de trabalhar,não consegue fazer planos,não consegue assumir nenhum tipo de responsabilidade e claro nosso casamento ficou muito abalado com todos os acontecimentos.
    Estou tão cansada sabe, cada vez que ele se vê sobre pressão ele corre para a clinica de reabilitação e se interna,a ultima vez foi na quinta dia 5/5 eu disse para ele que nosso filho e eu precisávamos que ele reagisse porque do jeito que estava não dava pra ficar,então ele entendeu que era melhor nos separarmos eu e nosso filho irmos para casa dos meus pais e ele ir para clinica ficar lá por tempo indeterminado,claro que isso me machucou demais mas aceitei porque além de eu estar sofrendo como nunca sofri percebi que nós não estávamos mais nós respeitando e respeitando nosso filho (as brigas na frente dele estavam sendo constantes).
    Desde então estou na casa dos meus pais providenciando a mudança de nossas coisas e também a transferência da escola do meu pequeno,mas hoje aconteceu uma coisa que mexeu bastante comigo...Meu ex ou marido (digo isso porque minha razão pede que eu faça uma coisa mas meu coração pede outra) me mandou uma msg pedindo que eu retire todas as minhas coisas e as do nosso filho do nosso apartamento e entregue as chaves aos seus pais porque ele não me quer mais em sua vida uma vez que eu não aceito a maneira em que ele escolheu viver.
    Estou arrasada porque apesar de sempre ter ficado do seu lado e nunca ter esperado algum tipo de retorno o que sinto é que nossa família não tem importância nenhuma na vida dele,sinto que todo sofrimento todo esforço foi em vão,eu posso lutar por ele mas como ele já está na luta para permanecer limpo ele não precisa lutar por mais nada.
    Estou triste com raiva e perdida e não tenho ninguém para falar sobre isso porque as pessoas não entendem como eu ainda posso ficar com um adicto em recuperação.
    Não reconheço mais a pessoa por quem me apaixonei mas sei que de alguma maneira o amo mas amo mais ainda nosso filho e apesar de não sentir amor próprio sei que tenho que me amar e acima de tudo quero que meu filho cresça em um lar tranquilo e hoje não é o que nos estamos oferecendo para ele.
    Sei que adoeci junto com meu familiar adicto mas não consigo me recuperar.

    ResponderExcluir
  3. Nossa,me comovi com tua história,sabe que acho que fiz a escolha certa me separando quando meu marido teve uma recaida, pois deve ser muito difícil lutar anos por uma pessoa como você fez e a pessoa nao querer se ajudar. E por mais que a gente faça de tudo pra ajudar ,ainda somos a culpada. Meu marido usava crak e outras drogas a muitos anos atrás,ele se internou se recuperou e nunca mais teve recaida,elee contou me isso quando namltavamos ,mas mesmo assim quis ficar ao lado dele,nunca tive medo ou imaginei que ele fosse ter uma recaida,mas eu engravidei e ele veio morar comigo,quando eu estava de 4 meses ele sumiu por 5 dias eu fiquei desesperada ,ainda mais que estava gravida, quando acabou o dinheiro dele,ele apareceu na casa da mãe dele. Mas pedi pra ele não vir aqui em casa,a mãe dele veio buscar as roupas dele,e ele é a família dele me acham errada por eu ter mandado ele embora. Se ele tivesse me pedido ajuda com certeza teria tentado ajudar,mas ele sumiu gastou 3 mil reais sendo que não tínhamos nada ainda pro bebê. Até então ele não teve mais recaida,mas curte a vida dele enquanto eu carrego um filho na barriga. Penso que foi melhor ter cortado isso logo do que ver meu filho sofrer depois. Mas que é difícil é,ser trocada por droga é sentir um lixo. Parabens por ter sido guerreira todo esse tempo,que deus continue te dando forças,afinal ele não dá cruz maior do que a gente possa carregar né? Boa sorte que de tudo certo na vida de vocês.

    ResponderExcluir
  4. Querida, essa reação que seu adicto teve, passei por algo muito parecido e identifico como "transferência de culpa ".fui colocada por ele para fora de onde morávamos com nosso filho de 2 meses, depois de "segurar a barra sozinha" durante toda a gravidez (ele estava internado) e saiu no dia q nosso filho nasceu. Dei apoio, fiquei ao lado dele... Não adiantou de nada. Depois disso só me ofende, me trata sem o mínimo de respeito e nunca mais viu nosso filho. Em todas as mensagens q me manda ele deixa claro q eu sou a errada, inverte toda a situação. Tenho algo a lhe dizer. .. sangue do nosso sangue temos q batalha até o fim, mas eu simplesmente desisti pq a pessoa mais importante da minha vida sou eu, e eu tenho a estar bem para cuidar do meu bem mais precioso que é o meu filho. Ele fez a escolha dele e eu escolhi ser feliz. Pense nisso. Espero ter ajudado.

    ResponderExcluir
  5. Não tem como não ler esses posts de vcs e não relembrar o que vivi. Há 7 meses meses me separei do meu esposo adicto. Não tive alternativa em razão do que eu passava. Assim como vcs, fiz de tudo por ele, mas ele não fez nada. Hoje me arrependo amargamente de ter me envolvido com ele apesar dos conselhos que recebi. Casei contra a vontade da minha mãe e paguei um preço alto. Preço esse que pago até hoje, pois eu sou a errada. ele diz que eu tenho que assumir minhas responsabilidades de mulher casada. Que me casei pq quis. Realmente, tenho minha parcela de culp, pois achei q o meu amor curaria ele. Puro engano. Hoje ele me ameaça e diz que só a morte irá nos separar. Ando muitas vezes escondida, mas podem ter certeza de uma coisa: eu não me arrependo de ter saído de casa. Se eu pudesse voltar no tempo, não teria me envolvido com ele. Mas aprendi a lição. Se ele não quer, eu aconselho sim a largar. Pq é insuportável conviver com alguém que fica nos sugando. Espero que Deus continue me sustentando nessa decisão. Eu decidi me amar como nunca!

    ResponderExcluir
  6. Estou na mesma.situação..tres meses separada por causa das drogras, no meu caso o.pai dele mandou eu sair de casa, por causa de uma briga..eu escondi as chaves do carros para ele nsair na madrugada pra usar. E no dia seguinte ele.acordou revoltada e acabou machucando a mão batendo a porta. Chegou a ir ao hospital tomar pontos. E a familia dele n quis saber o q ouve. Tive q na mesma hr arrumar minhas coiaas e do.meu filho e esperar minha mae.me.buscar as vindo de floripa! Amo.meu ex... mas ele continua sem.respeito cmg..ja esfregou outra em.minha cara.... td vezq tento falar com ele..ele sempre está ocupado...sofro mto.por n ter mais.minha familia..mas minha mente ficou mais.em.paz longe da energia q ele tinha da cocaina...e de uma pessoa semrl palavra. Q so me magoa... eh mto difícil...me acabei tentando salvar ele...

    ResponderExcluir
  7. Sou DEPENDENTE QUIMICO EM RECUPERAÇÃO E LIMPO e também traços de codependente.
    Tenho satisfação em ajudar quem precisa, família que tem duvidas, precisa de auxilio, entender oque fazer nos momentos horríveis.
    Não importa se seu parente dependente é criminoso ou morador de rua, isso não é motivo para se esconder e não se abrirem ou procurar ajuda, estou querendo ajudar de coração, podem entrar em contato comigo. não estou aqui para julgar ou passar a mão na cabeça de adicto mas sim de ajudar ambos se precisar, sei como é dificil ser um adicto e ser codependente...
    OBRIGADO!!!
    quero ajudar você codependente, minha esposa é codependente e sei como é dificil essa vida...
    fiquem com seu poder superior, e vivem só por hoje meus amigos!
    FELIPE WHATS (65) 9 9217-0248

    ResponderExcluir