domingo, 14 de fevereiro de 2016

Será que vai dar certo?



Bom dia!!

Tudo bem com vocês?

Tenho recebido muitas mensagens perguntando se meu ‘familiar’ adicto está bem e como está nosso relacionamento.

Alguns seguidores do Blog leram a postagem O fim do fim, de 14/09/2015, mas não se atentaram para os comentários. Então hoje vou falar para vocês, por alto, sobre os acontecimentos e como andam as coisas por aqui.

Como sabem, em 14 de junho passado, meu marido e eu havíamos nos separado. Por causa de uma recaída? Não. Por causa de uma série de fatores...

Em dezembro de 2014, quando com tanto sacrifício o acompanhei em seu tratamento com ibogaína, eu disse para mim mesma (e para ele) que seria a última tentativa. Não que ele tivesse a obrigação de nunca mais recair, pois já aprendi que as tais recaídas fazem parte da doença, no entanto, eu havia decidido não conviver mais com isso.

Nosso relacionamento estava caótico, mesmo sem recaídas às drogas. Ele estava limpo, mas recaído em seu comportamento. Estávamos distantes.

Após seis meses limpo, veio a recaída de fato, e após, a separação.

Eu havia decidido colocar um ponto final nessa história de tantas dores na minha vida. Havia decidido me afastar, esquecer.

Foram pouco mais de três meses completamente longe um do outro. E foi muito difícil.

Meus filhos sofreram muito pela ausência do pai. Eu sofri muito pela separação e por ter que me manter firme diante dos meus filhos. Sinceramente, não gosto nem de me lembrar.

Nesse período, ele iniciou um relacionamento com outra pessoa. E eu, embora não tenha me relacionado com ninguém, pela primeira vez, após tantos anos, senti uma admiração por outro alguém... Ou seja, achei que era o fim do fim mesmo.

Mas...“E quem, um dia, irá dizer que existe razão para as coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer que não existe razão?” Né?!

Acho que nossa missão de um para com o outro ainda não havia acabado.

Em um belo dia, marcamos de conversar sobre nossos filhos e outros assuntos, e quando dei por mim, estávamos juntos de novo... Decidimos tentar outra vez... Lutar por nossa família.

Assim como muitos me criticaram quando decidi me separar, muitos também criticaram minha decisão de voltar. E eu, sinceramente, não estou preocupada com o que pensam não. Fiz o que achei certo fazer.

Estamos juntos novamente desde o dia 18 de setembro (2015). E ele se mantém limpo há sete meses.

Está tudo muito diferente desde a nossa volta.

Infelizmente, como outras pessoas entraram em nossas vidas de alguma forma, vira e mexe, vem à tona mágoas guardadas e inseguranças. Mas temos superado tudo isso juntos.

Eu mudei muito com tudo o que aconteceu. Vi que não sou insubstituível, nem única no mundo... E que ele não morreria sem mim. E tudo isso foi muito bom para eu me livrar de vez dos meus comportamentos codependentes.

Estou relendo o livro Amando um Dependente Químico, e por vezes me vejo exclamando: “Nossa, como eu mudei!”

Eu não mudei em relação ao meu esposo. Eu mudei em relação a mim mesma.

Alguns me perguntam: “você acha que seu casamento vai dar certo?”

Nem sei o que dizer. Estamos a caminho do décimo ano de casamento, temos filhos maravilhosos, e uma história incrível juntos. Ou seja, já deu certo!

O importante é que hoje, tanto ele como eu, temos nos empenhado para que nossa família esteja unida e bem. E enquanto houver essa luta de ambos, certamente essa história dará continuidade...

Como hoje é 14 de fevereiro, ou seja, é “Valentine’s Day”, vou deixar um trecho do livro Amando um Dependente Químico, que fala o que penso e sinto sobre o amor...

Escrito em 14/02/2007, em Woodbridge, no estado da Virginia, nos Estados Unidos da América:

Hoje é Valentine's Day, o dia do amor. Balões em forma de coração, chocolates, sorrisos seguidos de “Happy Valentine's Day"! A paisagem é bem favorável aos enamorados: árvores secas cobertas pela neve que caiu a noite, céu nublado, friozinho gostoso. E estou aqui para falar um pouquinho sobre esse tal de amor, afinal, o que ele é? Esse sentimento que nos faz rir e chorar, que acalma e atormenta, que refrigera e queima. Por que será que necessitamos tanto dele? Alguns podem até disfarçar e dizer que não acreditam nessa “bobagem”, ou que preferem ficar sozinhos para não se machucar. Mas, no fundo, todos sempre estamos ansiosos por sermos amados e amar, independente de classe social, idade, religião. Simplesmente porque o amor é necessário e vital a todos nós. Não falo de um amor fantasioso, aquele perfeito da novela, mas, de um amor real, palpável, para ser vivido dia a dia. Aquele sentimento que te faz abrir mão de bilhões de pessoas para prestar atenção de pertinho em uma só, a fim de não deixá-la passar desapercebida por essa vida, pois, você estará sempre na primeira fila da plateia, torcendo, acompanhando, vibrando com suas vitórias e sendo apoio nas derrotas. Falo daquele amor que te faz poder acordar com cabelos desgrenhados e sem maquiagem e, ainda assim, saber que, para ele, és a mais linda. És única. Falo do prazer que só quem ama sabe sentir, ao fazer uma faxina em casa juntos. É preparar um jantar com carinho, é fazer contas mensais, é rir das bobagens, é brigar por besteira, é saber pedir desculpas, é dar o abraço esperado, é receber o beijo inesperado. É sentir-se acompanhada sempre, mesmo que ele esteja no trabalho e você em casa. É quase morrer de saudade, mesmo que por poucos instantes de ausência. É sentir uma alegria inexplicável diante do sorriso dele, ou uma dor aguda no peito quando ela sofre. É ver filme e comer pipoca encostados um no outro. É dançar na sala, juntinhos, ao som “daquela” musica. Não importa se ele prefere músicas norte-americanas e você, as latinas; nem se ele quer dormir quando você quer dançar; nem se ele quer ver TV quando você quer tagarelar, o importante é que o amor está lá, e você sabe-se amada, e ele também. Enfim, não vou tentar decifrar o amor, afinal, ele não existe para ser explicado ou compreendido, mas apenas para que seja sentido, vivido e explorado, ao máximo. Desejo um “Happy Valentine's Day” a todos, e que você se permita ser contagiado por essa maravilha que é o amor!”




Quer saber? Apesar de tudo, o amor continua o mesmo do narrado no texto acima...

E vale a pena dizer que nesse início de 2016, estou passando por uma ‘barra’ enorme, e quem está do meu lado, me apoiando e me ajudando a prosseguir, todos os dias? Ele mesmo, o maridão.

É triste a forma como a sociedade ainda encara a dependência química de forma tão preconceituosa. Mas acredito que, com o tempo, isso mude cada vez mais. Ao menos estou fazendo a minha parte para isso...

Para terminar, quero dizer que dependência química é doença, e que a postura do adicto diante de sua doença é muito importante. Ele não é um coitadinho ou um incapaz. Não! Ele não optou por ser dependente químico, mas ele (e só ele) pode escolher lutar contra isso.

Entretanto, mulheres, agressão física ou psicológica, ou outros tipos de abusos não são doença, são crime. Ok? Abram o olho!

O objetivo de tudo o que escrevo nesse blog é você, querid@! Você que se deixou afetar pelos problemas de outra pessoa e acabou esquecendo de cuidar de si mesm@.

“Somos responsáveis por nossas escolhas e comportamentos. Somos responsáveis por iniciar, continuar ou terminar relações. É possível amar sem deixar-se anular emocionalmente pelo objeto do nosso afeto. É possível amar alguém sem deixar de amar a nós mesmos. Muita gente aprendeu a fazer isso. Você também pode aprender.” (Melody Beattie)

Feliz domingo pra você!
Bjim!

54 comentários:

  1. Oies...tudo se ajeita para o nosso crescimento...a grande dificuldade de se conviver com um dq não é apenas o uso de drogas....como dizem isso é a cereja do bolo...o mais dificil é lidar com os comportamentos e consequências antes e pós o uso....e de fato qd ELES decidem que não querem mais e param de ae autoenganar e nós tb o caminho se torna mais claro e mais fácil saber exatamente onde estamos pisando...onde ficam nossos limites...é preciso de fato aprender a amar para seguir essa caminhada...amar um amor saudável e não mais adoecido...bjuss

    ResponderExcluir
  2. Na noite em que a codependência dizia: Não posso me afastar do fulano pq ele vai morrer sem mim.
    Abro o blog e me deparou com a seguinte frase:
    "E que ele não morreria sem mim..."
    ...

    Obrigada pela sinceridade que toca nos pontos certos.

    Sim, eu posso me afastar do "meu" adicto se eu quiser. Se eu decidir que é a melhor escolha. A vida dele não está em minhas mãos.
    E posso permanecer também. A vida dele continua fora das minhas mãos.
    Ainda bem.

    Boa Semana!
    Paz e harmonia para a família!

    ResponderExcluir
  3. Ohh Poli, você não sabe o quanto eu fico feliz de ver que o amor permaneceu apesar de tudo. Sua Historia é muito parecida com a minha. Também estava totalmente afastada dele a quase 4 meses. Ele se afundou, ( não arrumou ninguém) nem eu. Diante da possibilidade de ficar sem ter pra onde ir, pois a família não estava aguentando mais, ele está morando numa fazenda longe de tudo e trabalhando lá. A família o apoia e o ajuda lá, longe das drogas. Ele está a 1 mes e 7 dias lá limpo. Estou indo visita-lo aos finais de semana. também me criticam por isto..tentam me desanimar e tal. Mas o sentimento sou eu que sinto e sei que temos alguma missão juntos. O amor não acaba, apesar de tudo que passamos. Vejo que ele sofre com a doença e quer sair dela. Vou apoia-lo enquanto ele decidir que quer vencer. Obrigada pelas suas lindas palavras Poli..somos todas guerreiras e Amamos de verdade. E num some do blog não viu?Abraços. Lu

    ResponderExcluir
  4. Parte 1
    Olá Poly!
    Como você e tantas outras aqui também tenho minha história com meu adicto e gostaria de compartilhar com vocês se me permitirem. Ele entrou em minha vida por uma msg errada de celular,se tornou meu amigo, falávamos sobre tudo,mas ele nunca me falou sobre sua dependência,talvez pq nem ele a percebesse,enfim o trajeto dele iniciou como o de muitos, cadeia, parece que nossos destinos já estavam traçados, eu que só tinha uma linda relação de amizade por telefone resolvi ir vê lo naquele lugar horrível, ali ele me deu meu primeiro beijo, o acompanhei lá dentro por quase 2 anos. Nunca o encontrei drogado mas começaram a aparecer as dívidas, e com a ajuda dos pais dele que me apoiavam incondicionalmente fomos pagando uma a uma e foram muitas...ele saiu...

    ResponderExcluir
  5. Parte 2
    Já fomos morar juntos, eu lutava contra esse vício incansavelmente, ele ainda no regime aberto conseguiu alguns empregos e era um funcionário exemplar, mas a droga estragava tudo, por ela ele chegou a voltar ao regime fechado e eu por amor, por acreditar que era um amor escrito nas estrelas continuei ali, firme, pagando dívidas e acreditando nas promessas que aquela era a última vez,chegou a um ponto em que todos que sabiam, pois nunca abrimos essa situação aos familiares e amigos por vergonha mesmo,me diziam para largar,uma servidora pública, estabilizada, de bem com a vida não precisava passar por isso, a família dele era quem mais insistia para que eu seguisse minha vida, não ouvi ninguém...Fiz muitas loucuras, encarei traficantes, vigiei, ameacei, gritei, chinguei, chorei...

    ResponderExcluir
  6. Parte 3
    ...Por 3 finais de semana seguidos em 2013 ele se drogou muito, sumiu com "amigos", roubou meu carro, mesmo tendo o dele, tomei uma decisão nesse dia, coloquei todas as roupas dele dentro do carro e quando ele chegou no meio da manhã com o meu carro e totalmente drogado entreguei a ele as chaves do seu carro e mandei ir embora,confesso que tive medo que ele morresse naquele carro. Sofri muito mas me sentia aliviada, emagreci 5 kg em 5 dias, depressão total, resolvi viajar sozinha, lá vem o tal do destino de novo...no aeroporto recebi uma msg dele pedindo minha aliança para vender,coloquei meu melhor sorriso tirei uma foto linda com a mala na mão e mandei de volta como resposta, ele ficou desesperado, passou 8 dias me ligando, mandando msgs insistentes e eu só respondia com fotos lindas, vou contar um segredo pra vocês, eu me arrumava de noite, maquiava só para tirar fotos...ele não sabia nem aonde eu estava. Deixei que ele me buscasse no aeroporto, ele parecia uma criança, saiu correndo quando me viu, me abraçou, me beijou e eu totalmente indiferente, ele estava gordo , um pouco sujo, olheiras, não era o homem bonito que conheci um dia, conversamos e ele implorou que eu o aceitasse de volta...

    ResponderExcluir
  7. Parte 4
    nesse dia ele ainda trabalhava em um órgão público muito bom, eu dizia que não iria voltar e que a única chance disso acontecer seria ele se tratar, uma internação com no mínimo 6 meses e para minha surpresa ele me ligou no outro dia de manhã dizendo que já havia pedido demissão e que estava pronto para a internação...Não foi fácil, ele tentou desistir umas 3 vezes, mas seguiu e eu conforme prometido fiquei ao lado dele, mas deixando claro que só voltaria mesmo depois de 4 meses de internação, passei a frequentar grupos de apoio à família, convoquei os pais a fazerem o mesmo. Faltando 20 dias para o final da internação ele abortou o tratamento, por sugestão da psicóloga dele o aceitei em casa, por mim eu não teria aceitado...Já em casa ele continuou com a mesma rotina da clínica, passou a frequentar Narcóticos Anônimos, conseguiu outro emprego, por um ano ele ainda teve alguns comportamentos que não condiziam com a recuperação, mas nada que não desse para contornar, no início ele dizia que ainda sentia vontade algumas vezes de beber, mas com o tempo passou, ele me pediu em casamento e fez até greve para que eu aceitasse rsrs Enfim, esse milagre se repete a 2 anos, 4 meses e 17 dias...

    ResponderExcluir
  8. Parte 5..
    Hoje tenho um marido de verdade, ele realmente vive uma recuperação, sei que tenho minha parcela, tomei uma decisão de verdade e se ele no dia que pressionei não tivesse me dito sim eu teria ido embora, havia chegado ao meu limite, mas o motivo principal desse milagre, dele ser um ficha única foi ele querer e sempre ele me diz que não é difícil, o único segredo é não praticar Hábitos, Lugares e Pessoas se fielmente praticar o HLP não tem como dar errado, o comportamento da família é essencial, procurar aprender, entender, participamos de 5 cursos do Ame mas não sofra, acompanhamento psicológico, atividades físicas (ele emagreceu 20 kg), e muito amor de ambas as partes. Acredito que por maior que seja a codependência devemos respeitar nossos limites e cada um que deve determinar o seu, graças a Deus só por hoje está dando certo, tenho fixo em minha cabeça que se um dia houver uma recaída seguirei meu caminho sozinha, conheço meu amado e se ele tiver uma recaída cairá sempre, características próprias e depois de viver tão bem como tenho vivido me recuso a passar por todo aquele sofrimento novamente. Desejo a felicidade de cada um que sofre ainda com essa triste realidade mas posso afirmar, já que aqui só fiz um pequeno resumo e não contei nem 1 décimo do que passei, se funcionou para o meu marido funciona para qualquer pessoa. Acreditem. TMJ

    ResponderExcluir
  9. Desculpem os textos tão grandes, mas senti um enorme desejo de fazer essas partilhas e espero que venha ajudar alguém. Um grande beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amiga!
      Tenho vivido isso há 9 anos. Ouço da família dele que não sabem o que uma mulher bonita, independente e inteligente está aguentando isso.
      Não tem sido fácil. Ainda me iludo com os nunca mais, parei e a partir de hoje minha vida vai ser outra.
      Mas... Ainda o amo.

      Excluir
  10. Até parece que me vi nisso tudo, como todos os casos. Estou separada de meu marido há quase 2 meses (um nos falando direto e desde 19/01 ele foi pra São Jose, pra espairecer e desde 27/01 ele está com outra), ele estava em recaídas comportamentais desde Novembro e em Dezembro (há 6 meses "limpo") usou, disse que foi uma vez só (depois de 2 tubos de gás) mas sumiram tantas coisas de casa, não sei como.Não aguentava mais tantas desculpas pra tudo, idéias mirabolantes, tanto ócio, enfim tinha que arriscar dar um chacoalhão pra ver o que ia dar. Bom ele já está com outra, depois de me prometer mundos e fundos implorar pra voltar, dizer coisas como:vou reconquistar minha família essa é a meta desse ano, curar suas feridas, ser o melhor, e eu acreditar como uma clássica codependente, mas firme no propósito que queria que ele mudasse as atitudes dele, não apenas parasse de usar o problema são as atitudes. Pra melhorar ele ainda fica me dizendo como ela é maravilhosa e está tirando ele disso, pois com ela não pensa em drogas ela a faz feliz e vao ter filhos e morar juntos!! Gente como dói, Jesus!!! Como ele pode ser tão cruel?? Eles acreditam apenas no que querem e nas fantasias que criam para se sentir menos culpados de suas atitudes. Como ele diz, vc largou tem quem quer. To passada!! O pior é q temos um filho canino e dividimos a guarda e ele usa isso pra me falar essas maravilhas dela. E eu que só queria paz! :(

    ResponderExcluir
  11. Coincidentemente eu me separei do meu adicto perto de você (01/08/2015) eu já estava cansada de ser denegrida, extorquida, humilhada e comecei a ter gastrite nervosa em função da ansiedade do entorno que eu viva - não saber nunca se eu o veria quando chegasse em casa. Nesse meio tempo um amigo me resgatou, acabei eu tendo uma recaída no meu relacionamento porque deixeo me envolver pelo calor e carinho de outra pessoa, uma pesssoa saudável, que conversava e me ouvia e me divertia fazendo esquecer das minhas angustias, enquanto meu adicto sumia e me ignorava. Dei um basta, já não estava mais eu sendo verdadeira. A cocaína estragou todo o amor que empenhei nessa relação e destruiu com minhas crenças nos milagres e fé. Passei bem longe dele, porém de um tempo para cá eu vireo uma pessoa amarga, rancorosa e até mesmo perversa. Desacreditei do amor e estou mais cética do que nunca imaginei ser na vida. Jamais voltaria com ele, mesmo ele aparecendo limpo a 10 anos. Estou tendo dificuldades para ser aquela garota de sorriso fácil, abraços apertados ( não consigo abraçar alguém direito, me tornei fria ), e acreditar no melhor da humanidade. Nem mesmo em Deus estou conseguindo acreditar. Já fui a médicos de saude mental verificar se não estou em depressão e os mesmos verificam que não, já que continuo sociavel e ativa. Apenas perdi minha fé, mas o pouco que resta me diz que o tempo a trará de volta. Espero que você siga corajosa e forte nessa luta, eu não consegui, desisti. Não é para todas, é para poucas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jéssica... Força garota...Tenho fé que vc terá a fé novamente...

      Excluir
  12. Oi Poly, me chamo Débora e tenho 25 anos, estou tão desesperada, precisando de ajuda, não sei mais o que fazer da minha vida, estou em um relacionamento a 4 anos com um viciado em drogas e agora esta começando a beber e me deixar em casa com nosso filho de 2 anos e esse fim de semana ele passou dos limites, saiu com nosso filho e voltou drogado, nunca pensei que ele seria capaz, e desse dia pra cá, todos vem se drogando, e eu não posso achar ruim, que ele me trata muito mal. Por favor preciso de ajuda!! Meu email deboraa.freitasc@gmail.com! Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Meninas...convivo com um adicto há 10 anos....estamos juntos ainda pq ele está bem...procurei n respostas e formas pra ser feliz com ele...resumo da ópera...ou a droga ou eu....junto é impossível....parece simples e é...mas pra tomarmos essa decisão e seguirmos fortes sabendo lidar com as situações precisamos mergulhar dentro de si mesmas...autoconhecimento na veia...pra não ultrapassarmos nossos limites...precisamos quebrar paradigma e jogar fora a idéia do amor romântico e cor de rosa...que tudo suporta....precisamos mudar a concepção de amor e entender que mais do que momentos mágicos o amor está no dia a dia...na rotina...no companheirismo...precisamos entender que a felicidade estará ao nosso lado qd assim decidirmos a nos amar e nos respeitar...a vida é feita dr altos e baixos...de desafios...e de um olhar apurado nas tomadas de decisões...ouçam o coração...maaaas não deixem a cabeça pra traz....bju

    ResponderExcluir
  14. Olá Poliana. Gostaria de uma ajuda. Tenho um dependente na familia que já se internou fixou anos limpo. Mas acho que nos familiares achamos que nunca mais aconteceria algo. Eu acredito que esquecemos os ensinamentos sobre tudo. E agora não sei como buscar. Vejo algumas que vc fala. Sobre os comportamentos de codependete e como devemos agir. Mas eu queria saber onde posso buscar mais. Quais são esses comportamentos o que devemos fazer em determinadas situações. Como devemos agir com eles para ajudá-lo. Aguardo e obrigada. Beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá Polly! Qto tempo...
    Bom saber que estão juntos por um motivo tão importante em nossas vidas: A família!
    Li seu post hj pensando: Como pode, vidas tão diferentes e uma história tão similar!!
    Pois eu e meu dq continuamos juntos após uma separação de 8 meses, tbm houveram outras pessoas, claro nesse tempo, mas isso não foi suficiente para a história ter um fim. 'Enquamto houver razões eu não vou desistir'
    Olha só vc me inspirando outra vez! :)
    Estou torcendo por vcs!
    Oq realmente importa é o respeito um pelo outro e a família unida!
    Bjos

    ResponderExcluir
  16. Bom dia meninas... eu novamente aqui... haha!! Então... vou fazer um ano dia 20/03 de separação do meu ex dq, creio que são 9 meses sem nos vermos ou nos falarmos. E hoje senti vontade de ler sobre esse nosso assunto tão delicado e falar de mim... Até agora estive bem, sozinha, não tive nenhum relacionamento, foquei no trabalho, na minha vida. Cresci demais trabalhando na igreja a qual pertenço, pois trabalho no ministério infantil e acreditem as crianças são grandes professoras da alma, do amor! Mas, apesar dessa paz e tranquilidade adquirida nesses meses, semana passada de quinta à domingo tive um recaída, não sei explicar que tipo de recaída foi, mas foi dolorosa e deprimente! Perdoei já o Kleber por tudo oque aconteceu nesses 5 anos juntos, pelas agressões físicas e verbais e por toda a ruína que se transformei algo que tinha tudo pra ser bom, perfeito e agradável. Não penso nele, nem no que passou, talvez eu criei um bloqueio e passei por cima de tudo p não sofrer. Mas, mesmo assim as lembranças vem... e como vem... boas e ruins e logo trato de esquecer, não quero reviver nada! Porém, sexta feira algo estranho aconteceu... senti saudade! Comecei a ficar mal, com uma angústia, um peso, irritabilidade...passei o dia assim, chegou a noite, fui dormir e o sono não vinha... vi passar as horas, com elas sentimentos tão reais como os vividos há anos com ele... medo, estado de alerta, exatamente como era do medo de ele chegar louco e me agredir, nervos à flor da pele, tremedeira, um cansaço extremo... passei a noite acordada! No outro dia foi trabalhar podre! Na noite de sábado a mesma coisa, porém pior, eu já não tinha dormido antes... e acrescentou a sensação que vem do inferno, de quando se usa muita droga, que não se consegue nem respirar, suor, calor, aceleração de corpo mente... enfim, exatamente como vivi quando experimentei essa merda, chamada cocaína, quando quis saber o porque ele agia daquela forma... (sim, fui até as últimas consequências p entender... mas de nada adiantou! ... e isso se seguiu até segunda feira... 4 dias e noites de terror.
    Agora após passados alguns dias posso dizer que revivi o passado, não sei responder o porque, mas foi oque vivi e revivi! E me trouxe grande tristeza!
    Às vezes penso, será que um dia ia dar certo... ele parar com as drogas, ter uma vida normal.. tranquila? Não tenho a resposta, mas uma coisa é certa e é exatamente oque a Poly fala... uma coisa é dependência química outra é agressão verbal e outra ainda agressão física.. e essas duas me levaram à seguir minha vida.
    Porém, me desliguei de tudo, mas não busquei minha recuperação e estou agora depois de tanto tempo sofrendo as mesmas coisas, sem estar em contato com qq coisa que se relacione à isso. ENTÃO INDEPENDENTE DE ESTAR OU NÃO COM SEU AMADO DQ, BUSQUE SUA PROPRIA RECUPERAÇÃO, SEU AMOR PROPRIO, SUA VIDA... SEM SEU EU BEM É IMPOSSÍVEL ESTAR BEM com as coisas bem ou não.
    Bjs e saudades... Poly, Kel, Flor, Ellen, Lilian, Gisele...
    bjs

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sharon,bom saber noticias suas e saber que a vida está seguindo.

      Excluir
    2. Que riqueza de testemunho, Sharon!

      Saudades também...
      Gratidão pelo seu eterno carinho.
      Beijos e beijos...

      Excluir
    3. Sharon, exatamente o que sinto. Casada há 11 anos com um adicto, quando ele mesmo com um tumor cerebral , apos uma cirurgia com 45 pontos, decidiu usar drogas e sumir por tres dias, vi que era hora de me afastar, porque se nao quem ia morrer era eu. O ajudaria de longe e foi o que fiz. Porém em Setembro ele faleceu. Passei muitas coisas e sinto me igual relatou, com saudades, com medo, com preocupação. Só que estou ha 2 anos fazendo terapia e mesmo assim sinto me assim. Sempre com recaidas.

      Excluir
    4. Carla.... saudades! e ai como estais? me manda um oi no face ou um email sharonzapelini1@gmail.com
      Flor.... sua guriazinha q amooo... obrigada

      Excluir
  18. eu como um adicto em recuperação hoje vejo o quanto é difícil aos co-dependentes o convívio, fui tão egoísta que não conseguia enxergar o mal que fiz a minha esposa. Se tivesse a chance de reparar td talvez fizesse a mesma merda de sempre, Mas to tentando a recuperação , fui internado e hoje vivo a filosofia de narcoticos anoninos. Vivo um dia de cada vez , mas me sinto preso á um passado em que decepcionei muita gente sem falar nos olhos de reprovação . Como se nunca fossem mais confiar em mim. Me sinto o mentiroso que quando fala a verdade ninguem acredita
    vivendoarecuperacao.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anderson, é assim mesmo! Levamos anos para construir uma relação de confiança e um segundo para destrui-la! Agora será uma nova história a qual vc terá que ter paciencia para reconstruir uma nova relação de confiança com quem vc vive e convive. boa sorte

      Excluir
  19. Não acredito que achei pessoas que vivem o mesmo que eu!
    Gratidão e o que sinto!
    Mas o meu caso é um pouco diferente, fui casada 14 anos e sofria violencia domestica(ele não era adcto), me separei e conheci o meu atual marido e nos tornamos amigos e ele me contou tudo sobre seu problema, mas estava limpo por decisão própria há quase um ano, achei lindo aquilo e a amizade foi só crescendo... tivemos uma briga devido ao meu ciúme e nos separamos por 7 meses. Quando voltamos alguns meses depois achei cocaina escondida no closed, queria morrer eu não sabia o q fazer... conversei com ele e ele disse q foi ao uma vez e que não se repetiria... mas não foi bem assim, esta usando muito, mas ele só faz mal a ele mesmo, fica falante, engraçado é carinhoso... nunca me desrespeitou ou me agrediu... Não vende nada e não me falta nada! Mas estou morrendo lentamente o vendo se acabar... É me sinto como a maioria, codependente! Me culpo e me aflinjo muito! Mas já disse pra ele que não vou conseguir ir pra frente com isso, antes de ler sobre o não eu já tinha decidido isso, dizer não é me cuidar, e é o que estou fazendo, parei de fumar e dei um tempo da bebida, e vou continuar andando pra frente, não gostaria de ficar sem ele, mas não me permito ser infeliz, e continuarei a subir só depende dele se vai comigo ou não! Não tenho o direito de ser infeliz, isso eu decidi!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. força querida... a decisão vem na hora certa. o importante é que vc não mude seu pensamento que primeiro é vc! bjs

      Excluir
  20. A minha história com o meu adicto é um pouco diferente, e a situação atual dele também. Nos conhecemos na ala Psiquiátrica de um hospital, eu estava lá por depressão e ele pela dependência química. Ao todo ele ficou 5 meses, e já tinha tido uma outra internação, também de 5 meses e recaiu em uma semana, retornando ao hospital e assim nos conhecemos. Como sai antes dele fiquei por 3 meses esperando a alta dele, e nesse período mudei totalmente a minha rotina, para não recair na depressão, pois eu também estou em recuperação, e não tenho a menor intenção de recair. Enfim, chegado o dia da alta dele, foi maravilhoso, fui para a cidade dele conheci a família dele, foi um final de semana perfeito, isso foi no fim de semana passado 05.03.16. Pensei nossa tudo dando certo, eu realmente acreditava na recuperação dele, no entanto na terça feira, 15 dias após a alta dele, ele foi receber o dinheiro do INSS e sumiu, não voltou para a casa dele. Na quinta feira á tarde ele me liga dizendo que "vacilou", se eu poderia perdoá-lo. Na hora fiquei com muita raiva dele, chorei de raiva no telefone, liguei para a irmã dele e soube que ele seria internado novamente, e assim foi ele foi internado ontem, e me pediu se poderia me ligar de lá, e eu disse que sim, pois ficar sem noticias dele me enlouquece. E hoje a raiva se transformou em uma tristeza sem fim, além disso, estou sofrendo com uma duvida terrível, não sei se arrisco a minha recuperação, que até agora estava indo muito bem, e dou uma segunda chance ou se simplesmente desisto antes que fique mais sério...estou aberta a sugestões...
    Fiquei lendo os relatos do Blog e isso só me deixou mais confusa. Não quero passar pelas coisas relatadas, mesmo porque eu, atestadamente, não tenho estrutura psicológica para somente ajudar e não ser ajudada. Eu sai á 3 meses, e á 3 meses estou firme,tomo meus remédios não misturo com álcool, como eu fazia antes, minha meta é um ano sem álcool, levo muito á sério o tratamento, eu odeio ter depressão e quero controlar a minha doença. Não entra na minha cabeça que ele em 15 dias recaiu, parece que ele nem tentou, que não quer mudar, uma coisa é a pessoa não aceitar ajuda, por isso acho o caso dele diferente, ele aceita a ajuda, fica internado numa boa, não pede para tirar ele, faz todo o programa sem reclamar, jura que quer mudar que está cansado de dar o dinheiro dele suado para traficante, mas ai sai de lá e recai.O pior de tudo é que ele é um menino maravilhoso, tem um bom empreg tem o coração muito bom, uma família nota 1000 que sempre o apoiou, não bebe nem fuma, mas usa essa porcaria.
    Complicado, devo parabeniza-las, á todas que relatam suas histórias no Blog, vocês são fortes, são guerreiras e com toda a certeza amam muito. Eu sinceramente não sei o que vou fazer, mas acho que tenho mais uns 6 meses para decidir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Devido à sua doença, depressão e ao seu tratamento penso que realmente essa batalha não será boa e se fosse minha filha ou alguém próxima a mim eu te aconselharia a não seguir em frente. Cuide-se e deixe que a familia dele cuide desse problema que não é de fácil solução, essa é uma longa guerra e você não tem estrutura para isso.

      Janete

      Excluir
    2. Se voce não estiver bem, ele também não vai estar. Não adianta a familia internar, veja bem, é uma decisão da familia, ele só entrará em recuperação no dia que ELE decidir entrar, no dia que ELE aceitar sua condição de dependente químico. Pense bem, reflita, é a sua vida, infelizmente muitos , como foi o caso do meu, só resolvem entrar em recuperação depois de chegar lá no fundo...te convido a ir a uma reunião de grupos de apoio, talvez te ajude. Que Deus te ilumine em sua decisão

      Excluir
    3. quer de fato uma sugestão, caia fora! furada! é a doença do se... se não dormiu na rua, vai se não te agrediu, vai se não rouba, vai... etc etc... creio que se houvessem coisas boas a respeito da adicção a se falar... ninguém teria que fazer análise, recuperação, não ficaria doente... tem quem queira de fato sair, tem e conseguem! E tem quem tente e não saia e se escondem atrás das recaidas para justificar a sua fraqueza. Quem quer de fato sai, conheço muitas pessoas. Eles sofrem, sim! Muito. Mas tem que querer e querer de verdade p sair... até isso acontecer quem sofre dobrado é quem está do lado, esposas, mães e filhos...
      desculpa a radicalidade, mas foi a duras penas q mudei minha opinião. bjs

      Excluir
    4. Obrigada a todas pelas sugestões. Enquanto ele está lá a unica coisa a qual tenho me preocupado é comigo mesma e em passar na OAB, esqueci de mencionar, me formei em direito e devido a depressão não havia conseguido prestar antes, e agora que estou me tratando foquei nisso. Agradeço de verdade, achei que ninguém nem iria ler. Sharon Zapelini, imagina tem que ser radical mesmo tenho plena ciência que não posso colocar a minha sanidade em jogo também. Renatinha Araujo, não tenho a menor ideia de onde tenha uma reunião de grupo na minha cidade, mas vou procurar saber, obrigada.

      Excluir
  21. Boa noite a todos!
    Cm disse em outro comentario, namorei um adicto por 9 meses e n suportei.Surtei. Era td novo p mim. N sabia cm lidar c aa situaćoes e n acresitava nele. Ele eatava em recuperaçao, mas nao cri, e terminei. Ficamos separados poe uns meses, mas ele n desistiu de mim. E eu o amava. Li muito sobre o assunto, e esse blog me ajudou bastante a entender cm tudo funciona e que posso sim, acreditar q há soluçao p esse problema. Entao, voltamos. Com minha cabeca no lugar. Hj, me amo preocupo c ele, o apoio, sem medos, porem vigilante e me amando tb. Estamos bem, enfrentando as dificuldadea juntos. N é um conto de fadas, mas quem disse q gosto de conto de fadas??? Gosto de ser util a alguem, e qdo esse alguem é quem amo, faz toda diferença. Ele esta firme, se recuperando e evoluindo. Estarei do lado dele, enquanto ele estiver focado e qdo n estiver tb.

    Fico feliz em saber q vcs retomaram o casamento, pois eles so precisam disso: alguem q os apoie e acredite neles, enquanto estao se reconstruindo.

    Beijos a todas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que seu adicto está em recuperação... eu não sei onde esta meu marido que sumiu ha dois dias... eh enlouquecedor. Eu acompanho o blog e tento mudar minhas atitudes. Tento pensar mais em mim, comecei a faculdade esse ano sabe to tentando. Ele por sua vez nao tem dado sinais de melhora... ano passado estava tomando carbamaZepina e eu via melhora sabe. Mas no fundo vejo q ele nao quer. Nao se esforça. .. logo parou de tomar o remédio e de vez enquanto dorme fora de casa. Desliga o telefone e some. Nao vai trabalhar e simplesmente some.eu moro ao lado da casa dos meus pais oq me apavora mais pq morro de medo do meu pai descobrir... a sociedade nao entende a doença enfim... so um desabafo nesse momento de angústia sem saber onde esta a pessoa q vc ama... um abraço a todas e força sempre

      Excluir
    2. Olá meninas.. após esse meu desabafo ai de cima muitas coisas aconteceram, e hoje resolvi contar... estou ainda muito triste, mas resolvi não passar mais por isso. Após sumir por dois dias ele apareceu como se nada tivesse acontecido, cheio de promessas de mudanças. .. aceitei, mas na semana seguinte ele tirou férias do trabalho pegou aquele dinheiro e se achou dono do mundo sumindo por mais dois dias, quando apareceu estava sem o celular e a carteira perdeu os dois, enfim meu pai acabou percebendo e quis saber oq ele nada fazendo, bom resultado de cinco anos juntos, dois anos de casamento, muito planos e sonhos que a droga roubou de nós. .. acabou ontem ele levou as coisas dele e disse q alugou uma casa pra ele e ainda jogou a chave na minha cara... to muito magoada, muito ferida, pois em nenhum momento ele reconheceu que estava errado, saiu de casa ainda gritando que acabou nosso casamento e que ele não queria mais viver comigo, sendo que eu tinha pedido pra ele ir.... enfim quanta dor,foi duro ver que realmente ele não quer sair dessa, ao contrário me pareceu q estava se livrando de mim pra poder viver em paz... bom to tentando me reerguer aqui, se alguém puder me dar um Conselho... pois ainda sinto um enorme vazio e muita tristeza...

      Excluir
    3. Se você ainda o amo, deixe bem claro que esse comportamento dele não é aceitável.
      Há anos vivo esse mesmo drama...quando ele tem as recaídas (nos últimos 02 anos tem sido constante) vai embora de casa e sai me acusando de não querer ajuda-lo ou simplesmente me ignora como se eu não significasse nada; mas geralmente volta muito pior do que foi um trapo humano. Atualmente fora de casa há quase um mês estou seguindo a minha vida e me mantendo forte no próposito que essa foi a última vez que ele me faz sofrer. Tenho relatado minha jornada no meu blog...dá uma passada lá.

      http://euamoumadicto.blogspot.com.br/

      beijos

      Excluir
  22. Ai, que saudade!

    Ai quanta coisa linda, ai que tudo!

    Poly, estamos juntas sempre...
    Porque, afinal, a distância geográfica é mínima quando consideramos que a distância do coração não existe!
    Beijos saudosos.

    ResponderExcluir
  23. Oi gente sou nova por aqui, ando bem perdida com a cabeça cheia de dúvidas e pesquisando aqui e ali achei o blog, estou adorando pois vi que tem várias pessoas passando por problemas que eu jamais pensei que enfrentaria. Mas quero dividir com quem vai me entender e não vai me julgar por eu lutar por alguém que gosto muito. Estamos juntos a 2 meses mas nos conhecemos a 9 anos sendo que faz 8 anos que ele não usa mais cocaína, quando nos aproximamos novamente eu jamais pensei que ele enfrentasse esses problemas ainda, até porque eu não tinha noção de como era e de que isso é para sempre esses cuidados. E de uns dias para cá eu notei ele estranho, distante, não me da atenção. Ai resolvi conversar porque percebi que não estava nada bem entre a gente, claro que a primeira coisa que me veio a cabeça foi traição, mas isso é pior, ele está lutando pra não ter recaída, ele fumava maconha também mas de tanto eu falar certas coisas ele resolveu parar, mas mesmo assim continua estranho, ele me disse que comigo ao lado dele é melhor que eu fui um dos motivos a deixa-lo forte pra largar as drogas, mas que por enquanto vamos continuar assim, ele some uns dias e aparece. Eu sei que preciso estar forte para poder ajudar ele a passar por esses momentos, mas não vou mentir que as vezes tenho vontade de abandonar-lo, mas sei que vou sofrer porque ele foi meu 1 amor e depois de 8 anos a gente ter se reencontrado eu acredito que algum propósito tenha. Só quero uma ajuda pra saber como lidar com essas distâncias sem que a gente precise nos separar definitivamente, estou bem perdida pois nunca pensei passar por momentos assim de angústias em que eu fico pensando será que ele está bem, será que está limpo ou já recaiu. Está sendo um tremenda barra e o que mais me machuca são as pessoas me dizerem que eu devo abandoná-lo pois mereço alguém melhor, pois sou nova demais para abraçar isso tudo. Mas eu acho que ainda vale a pena eu tentar ajudar ele, pra gente poder ser feliz. Ele me disse que esta começando a colocar a cabeça no lugar para que possamos nos entender melhor, porque está difícil mesmo. O blog é maravilhoso consegui entender várias coisas que não sabia.

    ResponderExcluir
  24. Me separei e depois de 6 meses conheci um rapaz me apaixonei por ele e ele desde o começo me disse que usa cocaína fiquei muito preocupada pois tenho 5 filhos mas como estava apaixonada não vi problema nisso então eu namorei ele mas ele sempre me falava que iria parar isso nunca aconteceu então eu e ele brigavamos e voltamos muitas vezes por conta disso e ele sempre me dizia que isso só prejudicava ele mas ele perdia tanto emprego bom eu chorava muito e um dia ele me pediu pra casar eu não aceitei pois tinha e tenho medo de colocar um homem que usa droga dentro de casa c meus 5 ,filhos ..então ele desistiu e foi morar em outra cidade alegando que seria bom ver a familia e procurar ajuda espiritual ele foi embora e antes me perguntou se eu queria que ele fosse eu disse claramente se VC optar por querer ajuda ai sim mas ele disse que não iria procurar ajuda que eu estava exagerando que ele não tinha nenhuma doença então ele se foi passou 1 ano e 3 meses ele noivou por lá mas me procurou mentiu me bloqueou das redes sociais fiquei muito triste e ele quando usava a droga vinha atrás de mim ...contei tudo para noiva ela descobriu tudo e eu pedi que nunca mas me procurasse 3 semanas depois ele liga pra uma amiga da gente e pede meu numero eu já estava em outra ai ele diz quer que eu volte ?nossa aquilo mexeu comigo eu disse VC ainda me ama ,? Ele disse que nunca havia me esquecido ele voltou mas continua usando e eu não acredito mas nele mas sou completamente apaixonada por ele choro sofro e ele foi expulso da casa de um amigo onde ele ajudava ele me pediu abrigo eu não deixei ele morar comigo agora ele esta revoltado comigo me fala tantas coisas de Deus mas sei que isso é sô prata pegar minha confiança tenho saidobum pouco c as colegas para tentar esquecer sei lá ficar muito em casa eu fico pensando onde ele esta se esta usando ou não ..mas eu amo ele..mas amo mas minha familia pois não posso correr o risco e deixar ele querer mandar na minha vida quando eu saio ele fica louco vai atrás de mim fica me espionando etc...mas sei que o melhor é esquecer ele ele é um mentiroso vai a igreja e em seguida tem recaidas esses dias tenho chorado muito mas sei que não devo mas ajudar ele pois ele tudo que pega sô gasta no vicio ...triste realidade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. típico de uma adicto afundado nas drogas, que se engana enganando os outros que está em recuperação! vivi isso! Se conselho fosse bom... mas esqueça esse rapaz, pro seu bem, tens 5 filhos para dar exemplo, pra mostrar o caminho e com certeza numa vida onde a droga está no meio, brigas, insegurança e incertezas não será nunca um ambiente de bons exemplos! Procure alguém que te traga alegrias, problemas sempre teremos, mas as alegrias devem ser maiores e superiores à agonia e dessabores de uma vida na adicção!
      Um dia se ele quiser ele vai sair e se recuperar, enquanto isso infelizmente só trará sofrimento e dor pra ele e pra quem estiver perto! E esse um dia pode nunca chegar... Pense nisso!

      Excluir
    2. Isso dói tantooo...Polly dói tanto

      Excluir
    3. Querida, você tem cinco filhos e tenho certeza que deve amá-los muito, não continue com esse relacionamento se não for por você faça pelos seus filhos!!!
      Uma relação com um adicto é muito difícil, passamos por dores e constrangimentos que jamais imaginaríamos que um dia pudéssemos passar, sei muito bem disso pois tenho um relacionamento com um adicto há 15 anos e temos um filho de 04 anos.
      Confesso que até antes do meu filho nascer eu não dava nenhuma importância para doença dele, pensava que o que ele fazia só prejudicava ele mesmo, mas depois que o meu filho nasceu minha cabeça mudou muito...hoje não quero que o meu filho sofra com o comportamento do pai; tenho certeza que você também não quer isso para os seus filhos
      Você merece alguém que além de te amar muito deve ser espelho para os seus filhos.
      Pode parecer preconceito, mas esse homem não é o pai dos seus filhos e esse relacionamento entre eles ficará mais difícil na medida que seus filhos forem crescendo e convivendo com os abusos provocados por um dependente químico acredite também já vivi esse outro lado e até hoje (tenho 35 anos) trago dentro de mim as dores causadas pelo relacionamento que minha mãe teve com o meu "padrastro" dependente químico ao ponto de quando nós (eu e minha mãe) conversamos ela me diz o quanto esse relacionamento prejudicou suas filhas (eu e minhas irmãs).

      Beijos, visita meu blog lá eu conto um pouco dessa minha jornada.

      http://euamoumadicto.blogspot.com.br/

      Excluir
  25. oi,
    Me ajuda a divulgar meu blog rsrsrs

    lá eu assino como Cristina Flor, passa lá e deixa seu comentário.bjs

    euamoumadicto.blogspot.com

    ResponderExcluir
  26. Meninas, o que acham de montarmos um grupo no whatsapp, às vezes temos a necessidade de conversar e com um grupo provavelmente sempre terá uma disponível para levar uma palavra de força, fé e esperança.O meu número é 61 91287664

    ResponderExcluir
  27. O que houve? Desistiu do blog?

    ResponderExcluir
  28. telasmosquiteira-sp.com.br

    telas mosquiteira
    telas mosquiteiro

    As telas mosquiteira sp , telas mosquiteiro sp garantem ar puro por toda casa livrando-a completamente dos mosquitos e insetos indesejáveis. As telas mosquiteira garantem um sono tranquilo a toda família, livrando e protegendo-nas dos mais diversos insetos. Muitos destes insetos são transmissores de doenças e a tela mosquiteira é indispensável no combate a mosquitos transmissores de doenças.

    A dengue, por exemplo, já matou centenas de pessoas só na capital de São Paulo e um pequeno investimento em nossas telas mosquiteiras podem salvar vidas. As telas mosquiteiras também impedem a entrada de insetos peçonhentos como as aranhas e os escorpiões, estes insetos também oferecem risco, pois seu veneno em poucos minutos podem levar uma criança a morte.
    telas mosquiteira jundiai
    telas mosquiteiro jundiai
    telas mosquiteira aplhaville
    telas mosquiteiro alphaville
    telas mosquiteira granja viana
    telas mosquiteiro granja vinana
    telas mosquiteira cotia
    telas mosquiteiro cotia
    telas mosquiteira tambore
    telas mosquiteiro tambore

    A chegada da temporada Primavera/Verão traz consigo a elevação da temperatura e a maior ocorrência de chuvas. Mas não é só isso. As estações mais quentes do ano causam muita dor de cabeça e muitos zumbidos indesejáveis em função das pragas urbanas – pernilongos, baratas, cupins e outros insetos -, que afetam todas as regiões brasileiras.

    Nossa missão é oferecer telas mosquiteiras de qualidade a um preço acessível, fazendo com que as telas mosquiteiras sejam uma opção viável para muitas pessoas.

    telas mosquiteira industrial
    telas mosquiteiro industrial
    telas mosquiteira industria
    telas mosquiteiro industria
    telas mosquiteira restaurante
    telas mosquiteiro restaurante
    telas mosquiteira empresa
    telas mosquiteiro empresa

    ResponderExcluir
  29. Oi Poly. Gostar da sua opinião. Meu esposo é um adicto. Eu o conheci em 2012. Tivemos alguns problemas porque nãoentendia o que era isso. Hoje entendo melhor de tanto ler. Tenho 2 filhas. Uma de 9 anos e outra de 3. Minha família o odeia. São todos preconceituosos. Por essa razão estou sem minhas filhas pois entraram na justiça em 2014 e falaram uma porção de injúria e calúnias, as quais foram provadas não ser verdade. Meus pais levaram minhas meninas. Só vejo aos domingos. Ele nunca mais viu. Por essa razão ele não aguentou e um recai a todo tempo. Dias bons dias ruins. Já nãosei mãos o que pensar. Separar? Étudo que minha família quer. Mas eu o amo de verdade. Éum excelente pai e marido. Me ajuda muito. Sinto que me ama muito também. Chora muito e se desespera , pó o tem que provar na justiça que não usa mais, porém não consegue. Fez exames ja, nao constou nada. Mas para o juiz nao foi o suficiente, pois que uma prova que pelo menos a seis meses não usa. Muito complicado tudo isso. Minha mãe é irredutível e quer que eu me separe dele para devolvê-las. Éjusto?

    ResponderExcluir
  30. Polyanna, vi no seu post que o seu marido fez o tratamento com a ibogaína, já li alguns relatos a respeito do tratamento com ibogaína. Mas, queria saber se o tratamento está sendo satisfatório, se puder me relatar agradeço. Meu e-mail é sirlene.fmar@gmail.com

    ResponderExcluir
  31. Nossa... Não conhecia esse blog e estou maravilhada ...
    Qdo conheci meu marido tudo era perfeito pois nos víamos nos fins de semana .. Sentia que ele queria me contar algo é um belo dia ele me falou sobre a vida que ele teve... Só para resumir .. Foram 6 internações .. Mas estava limpo e o apoie ... Após dois meses de casamento o que achei que não aconteceria aconteceu ... Ele recaiu ... Foi muito doido ... Pensei em ir embora na verdade quis ... Mais o amor falou mais alto ... Pensei em tudo que vivemos o quanto ele me ama e respeita ... E há exatos 10 dias ele levantou numa bela manhã me olhou e disse hoje eu vou conseguir ... Tenho conversado muito com ele,ficou 5 anos limpo e sereno .. E vai conseguir .. Juntos iremos superar as dificuldades !!

    ResponderExcluir
  32. Tenho 20 anos , moro no espirito santo , e conheci um homem dentro do coletivo , que esta internado em um instituição chamada MANASSES, que oferece tratamentos a viciados.
    Conversei com ele durante alguns minutos , e ele me contou um pouco de sua história, falou que se sentia fracassado , que estava ali para começar uma nova vida , me falou que era adicto , que isso era um doença, falou sobre sua vida , sua profissão ele é de Segipe, morou no Rio de Janeiro e agora esta aqui. O encontrei por acaso novamente, começamos a nos ver com frequência. Estou gostando dele , mas estou com medo. Por não saber muito sobre o assunto. Ele diz que não vai mais recai, que esta firme que se continuar na presença de Deus não vai querer usar nada .
    viciado em maconha , cocaína e cigarro ! Estou confusa , por que ele me parece muito confiante no que diz , mas é impossível não se sentir insegura !

    ResponderExcluir
  33. Makena, boa tarde!
    Se postou algo é pq quer conselho então...
    Querida as pessoas podem mudar, podem! Mas, é extremante difícil e complicado um adicto ficar em abstinência! Se fosse só o problema de usar drogas, ainda vá lá, mas não são atitudes, comportamentos, caráter, que acabam se modificando em decorrência do uso! Cai fora, há tantas pessoas que querem compromisso, ter uma família que não usam drogas! Pra que correr o risco de levar uma vida de altos e baixos, de sobressaltos, que acaba refletindo na sua vida, se ele recair vc pode adoecer, como eu e tantas outras adoeceram na codepêndência! Sendo aprisionadas por uma doença sem usar drogas! Não dê chance para o "SE" siga em frente sozinha, daqui a pouco vc conhecerá alguém legal e se não conhecer seja feliz sozinha, a felicidade não está no outro mas sim em nós mesmas! Conselho de quem sofreu 5 anos e um ano e meio depois de uma separação, depois de ter sido espancada, ainda junta cacos! Caia fora enquanto é cedo! Ah, se eu tivesse ouvido os conselhos de quem me dizia p cair fora!
    Mas, a vida é sua e a escolha cabe à vc... se resolver ficar tenha plena consciência que vc não é a salvadora de ninguém! Estude a doença e vá em busca de ajuda, porque sozinha, não consegue.
    Abraços e boas escolhas!

    ResponderExcluir
  34. ' preciso de um contato seu , uma pessoa que realmente tenha vivido o que estou passando agora.!

    me ajuda 031 92384693

    ResponderExcluir