sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Se quiser, diga "não"!


“Posso dizer ‘não’ ao adicto e a outras pessoas sem ter mais que me sentir culpada. Sou importante, tenho que cuidar de mim e permitir que os outros cuidem deles mesmos. ‘Não’ é uma frase completa. O foco da minha vida tem que estar em mim mesma.” 
(Pág. 22, CEFE)

Bom diaaaa!

Um 2016 repleto de serenidade, amor próprio, saúde e paz a todas(os) nós!!!
Estou um pouquinho atrasada, mas ainda está valendo (nem passou o carnaval)! Rsrs.

Dois meses depois, estou aqui de volta, e decidi começar a primeira postagem de 2016 com essa frase do livro Compartilhando Experiência, Força e Esperança (CEFE).

Posso afirmar que aprender a dizer ‘não’ aos outros foi um dos meus maiores aprendizados. Ainda estou longe de ser uma expert no assunto, afinal, desde pequenininha fui programada para dizer ‘sim’ sempre, independente dos prejuízos que esse ‘sim’ causasse a mim.

Após quase cinco anos trabalhando com familiares de dependentes químicos, essa característica do ‘sim’ desgovernado aos outros ficou muito evidente para mim.

Para uma boa parte das famílias de dependentes químicos, dizer ‘não’ a um pedido (principalmente do adicto) ou impor limites na relação com ele (e com o mundo) é uma tarefa bem difícil.

A família se solidariza tanto com as dificuldades do dependente, que se sente na obrigação de estar sempre a disposição, mesmo quando isso lhe gera prejuízos nas mais diversas áreas (financeira, psicológica, emocional, e outras tantas).

E assim seguimos. Dizendo ‘sim’ ao outro, dizendo ‘não’ a nós, e com a infelicidade nos consumindo cada vez mais.

Por que você faz isso? Por que eu faço isso? É bom questionarmos e refletirmos a respeito.

Medo de magoar? De causar decepção? De perder o amor do outro? De não ser aceit@ pelo outro? De fazê-lo recair?

E essa tática tem dado certo? Ele para de recair diante dos seus ‘sim’s?

Tenho certeza que a resposta é ‘não’.

Claro que em todo tipo de relação, algumas vezes, precisamos ceder. Mas, por favor, não deixe que isso chegue ao ponto da autoanulação.

Vejo mães que vivem para satisfazer as vontades de seus filhos dependentes químicos. Esposas que parecem sombras de seus maridos, pensando 24 horas por dia em como agradá-los, ainda que isso custe o seu desagrado próprio.

Se você diz ‘sim’ ao dependente químico, à sua família, aos seus amigos, ao seu chefe, sempre, simplesmente pelo medo de não ser aceito e amado, está na hora de se amar um pouco mais.

Lembre-se, você merece ser amad@ pelo que você é! Ponto. Não é necessário ser um “gênio da lâmpada” capaz de atender a todos os desejos para merecer amor.

Quantas vezes eu disse ‘sim’ de forma automática, impensada, e depois fiquei com aquele sentimento de frustração. “Puts, fiz isso de novo! Por que eu aceitei isso dele(a)?!”

Como resolver isso?
Com limites. Com respeito à sua própria individualidade. Com assertividade. Com equilíbrio. Com amor próprio. Com análise prévia das consequências do seu ‘sim’, antes de dizê-lo.

Você não precisa ser o bonzinho ou a boazinha sempre. Você precisa, sim, respeitar quem você é.

Não estou dizendo aqui para você ser o ‘não’ em pessoa daqui pra frente. Não é isso. Até mesmo na hora de dizer ‘não’ podemos fazê-lo com respeito e gentileza. Ou seja, com assertividade, sem ofensas.

E se, apesar de todos esses cuidados, o outro não entender e/ou não respeitar a sua decisão, quem perde é ele(a)!

E se você é aquele(a) que diz sempre ‘sim’ ao adicto por medo dele recair, lembre-se dos três Cs: não foi você quem causou a dependência química dele, não é você quem vai controlar a doença dele, e tampouco será você o salvador capaz de curá-lo. Entenda, não está em suas mãos.

Portanto, se anular, só servirá para machucar-se mais, e ainda dificultará o processo de recuperação de quem você ama!

“Eu acredito que é importante a gente aprender a dizer não. Toda a minha vida eu disse sim. Sim, eu faço. Sim, eu cuido. Sim, eu assumo. Sim, eu me rendo. Sim, eu aceito essa pizza. Sim, eu levo. Sim, eu busco. E isso só me fez mal. Já fui usada, já fui traída, já fui negada, já fui rejeitada, já fui humilhada. Já fui um pouco de tudo.(Clarice Corrêa)


Como são muitos assuntos acumulados, decidi separá-los em diferentes postagens. Espera aí que o segundo post já está saindo do forno! Será um desabafo que preciso muito fazer para não explodir!!

Clique aqui para curtir nossa página no facebook "Amor, Dependência Química, Codependência e Superação"!

Clique aqui para adquirir o seu livro Amando um Dependente Químico.

E fique a vontade para deixar o seu comentário, no campo abaixo!

Grande beijo, e até já!
Poly. :)

16 comentários:

  1. Como sempre me identifico com suas postagens. Obrigada Poly

    ResponderExcluir
  2. Participei do último seminário 'ame más não sofra' e falo por experiência própria o quanto esse projeto é valioso e multiplicador.

    ResponderExcluir
  3. Participei do último seminário "ame más não sofra" e sei o quanto esse projeto é importante e multiplicador na vida das pessoas.A conscientização e o esclarecimento sobre o tema é muito útil.

    ResponderExcluir
  4. Participei do último seminário 'ame más não sofra' e falo por experiência própria o quanto esse projeto é valioso e multiplicador.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite. Meu nome é Maurício e essa é a minha experiência em relação ao meu ex (há duas semanas). Ele é adicto e eu sempre disse "sim" às suas necessidades e depois me sentia frustrado, usado e um grande idiota. Quero e preciso romper esse ciclo!

    ResponderExcluir
  7. Poly, e seu ex? tem noticias dele? O que ainda sente por ele? Preciso muito de suas experiencias. Voce me deu muita coragem pra minha decisão de separar.

    ResponderExcluir
  8. Ola, Polly! Tenho acompanhado suas postagens, e tem me esclarecido muitas coisas. Namorei um adicto por 9 meses, o amo, mas não pude continuar nesse relacionamento. É um mundo novo, intenso e extremo. Estou sofrendo por estar longe dele, creio que mr tornei meio que dependente dele de alguma forma. Mas tambem creio que tenha sido a melhor decisao, apesar da dor que sinto. Obrigada por suas postagens.

    ResponderExcluir
  9. Seu texto e bastante esclarecedor. Namoro um adicto há 3 meses. A meu pedido, ele deixou de usar drogas, mas tem bebido muito todos os dias. Ele está sempre sem dinheiro, e tão eu que pago as contas do bar, compro cigarros p ele e dou dinheiro p outras necessidades. Me sinto triste e humilhada todos os dias, tento conversar com ele, mas tudo aquilo q ensaie dizer, na hora, parece q não faz nenhum sentido. Ele me manipula e eu sei disso. O que eu não sei e como sair dessa. Penso em sumir, em terminar c ele, em

    ResponderExcluir
  10. Poly: boa noite. Espero que tenha um tempinho e que possa me responder a essa duvida. Sou a msma mulher qur mencionou a historia ai em cima, namorei um adicto por 9 meses. Um namoro complicado, porem o amo demais. Ele esta em recuperacao a 3 anos, mas me disse por varias vezes, que sempre sera adicto. Minha pergunta é: existe real mudança? Conhece casos em que deu certo? Nos amamos muito, e gostaria de uma luz. Obrigada e um grande beijo.

    ResponderExcluir
  11. Infelizmente, ele não parou de usar. Isso é fato. Se vc quiser continuar c ele saiba q estará entrando em uma guerra muito difícil de ganhar, não impossível mas com certeza muito desgastante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele frequenta as reunioes e tem mudado de comportamento. Nao bebe e nem usa mais. A pergunta é: existe mudanca no carater qdo esta em verdadeira recuperacao?

      Excluir
  12. Olá a todos e a todas!
    Namorei por um ano um dependente químico,e nunca sofri tanto na minha vida. Sofria em ver ele desgraçando a vida dele e tbm a vida das pessoas que amam ele de verdade(inclusive eu). Comecei a observar algumas atitudes da parte dele, e da forma como as pessoas sempre o trataram... "Tadinho, ele é doente! Ele recai porque ele é doente!" E assim, ele recaia e passava dias fora de casa e vendia tudo o que ele tinha levado de valor com ele, quero deixar claro que ele não vendia coisas de outras pessoas, e sim coisas dele mesmo. Saia SÃO, e voltava dias depois sem nada, até com roupa de outras pessoas no corpo, pq ele trocava até as roupas por drogas. Conclusão: Eu comecei a adoecer! Tive começo de depressão. Fora que, quando ele voltava depois de dias se drogando, ele ainda queria mostrar que tinha razões para ter recaído. Pq??? "Tadinho, ele é doente!" Conclusão Final: Se um adicto não teve força de vontade de sair dessa vida DESGRAÇADA por causa das pessoas que mais amam ele nessa terra que são os pais e filhos, não vai ser por uma mulher que ele vai mudar! Saibam que uma vez dependente, sempre será um dependente! Se continuarem com a esperança da mudança total, parabéns a vcs, pq sempre viverão sem segurança em relação a recuperação do adicto. No caso do meu ex, ele ficava meses e meses sem a recaída. E quando ele começava a conquistar a confiança de todos, ele recaía outra vez. Ele demorava recair pq ele queria tudo aquilo que ele tinha perdido por causa das drogas, ex:. Carro. Celular. Roupas e sapatos de marca. Relógio caríssimo.
    E quando estávamos felizes, lá vinha ele com abstinência, ofendendo todo mundo, xingando, querendo agredir fisicamente que tentava impedi-lo. A dependência química é uma doença sim, mais o adicto tem que ter pelo o menos vontade de sair. Mais pela minha experiência, eles são pessoas que tem grande lábia, pessoas que você na hora da raiva tem intenção de xingar e quando chega na hora, eles fazem tanta sua cabeça, que o sentimento de raiva se torna de pena. Ai o que acontece???? Você tbm fica presa e assume um problema, uma bomba que estão querendo que você carregue nas costas! Pq??? Pq aos olhos dos familiares do adicto, você é a esperança para eles despacharem essa cruz na qual eles carregam a muito tempo. CONSELHO A TODAS E A TODOS: Pensam muito bem em suas vidas, em suas famílias, e vejam se vale a pena sofrer tanto. Pq uma coisa eu digo: Tem aqueles(a) dependentes que tem vontade de se recuperarem, mais em sua grande maioria é falta de vergonha na cara. E não aceitem parar na sargeta, por quem está no fundo do poço e bem em sua frente tem alguém querendo tira-los, mais que muitas vezes eles podem fazer VC cair no buraco para ficar junto na DESGRAÇA por achar que o amor que sentimos pelo adicto é maior do que o amor próprio.

    ResponderExcluir
  13. Olá a todos e a todas!
    Namorei por um ano um dependente químico,e nunca sofri tanto na minha vida. Sofria em ver ele desgraçando a vida dele e tbm a vida das pessoas que amam ele de verdade(inclusive eu). Comecei a observar algumas atitudes da parte dele, e da forma como as pessoas sempre o trataram... "Tadinho, ele é doente! Ele recai porque ele é doente!" E assim, ele recaia e passava dias fora de casa e vendia tudo o que ele tinha levado de valor com ele, quero deixar claro que ele não vendia coisas de outras pessoas, e sim coisas dele mesmo. Saia SÃO, e voltava dias depois sem nada, até com roupa de outras pessoas no corpo, pq ele trocava até as roupas por drogas. Conclusão: Eu comecei a adoecer! Tive começo de depressão. Fora que, quando ele voltava depois de dias se drogando, ele ainda queria mostrar que tinha razões para ter recaído. Pq??? "Tadinho, ele é doente!" Conclusão Final: Se um adicto não teve força de vontade de sair dessa vida DESGRAÇADA por causa das pessoas que mais amam ele nessa terra que são os pais e filhos, não vai ser por uma mulher que ele vai mudar! Saibam que uma vez dependente, sempre será um dependente! Se continuarem com a esperança da mudança total, parabéns a vcs, pq sempre viverão sem segurança em relação a recuperação do adicto. No caso do meu ex, ele ficava meses e meses sem a recaída. E quando ele começava a conquistar a confiança de todos, ele recaía outra vez. Ele demorava recair pq ele queria tudo aquilo que ele tinha perdido por causa das drogas, ex:. Carro. Celular. Roupas e sapatos de marca. Relógio caríssimo.
    E quando estávamos felizes, lá vinha ele com abstinência, ofendendo todo mundo, xingando, querendo agredir fisicamente que tentava impedi-lo. A dependência química é uma doença sim, mais o adicto tem que ter pelo o menos vontade de sair. Mais pela minha experiência, eles são pessoas que tem grande lábia, pessoas que você na hora da raiva tem intenção de xingar e quando chega na hora, eles fazem tanta sua cabeça, que o sentimento de raiva se torna de pena. Ai o que acontece???? Você tbm fica presa e assume um problema, uma bomba que estão querendo que você carregue nas costas! Pq??? Pq aos olhos dos familiares do adicto, você é a esperança para eles despacharem essa cruz na qual eles carregam a muito tempo. CONSELHO A TODAS E A TODOS: Pensam muito bem em suas vidas, em suas famílias, e vejam se vale a pena sofrer tanto. Pq uma coisa eu digo: Tem aqueles(a) dependentes que tem vontade de se recuperarem, mais em sua grande maioria é falta de vergonha na cara. E não aceitem parar na sargeta, por quem está no fundo do poço e bem em sua frente tem alguém querendo tira-los, mais que muitas vezes eles podem fazer VC cair no buraco para ficar junto na DESGRAÇA por achar que o amor que sentimos pelo adicto é maior do que o amor próprio.

    ResponderExcluir
  14. Olá a todos e a todas!
    Namorei por um ano um dependente químico,e nunca sofri tanto na minha vida. Sofria em ver ele desgraçando a vida dele e tbm a vida das pessoas que amam ele de verdade(inclusive eu). Comecei a observar algumas atitudes da parte dele, e da forma como as pessoas sempre o trataram... "Tadinho, ele é doente! Ele recai porque ele é doente!" E assim, ele recaia e passava dias fora de casa e vendia tudo o que ele tinha levado de valor com ele, quero deixar claro que ele não vendia coisas de outras pessoas, e sim coisas dele mesmo. Saia SÃO, e voltava dias depois sem nada, até com roupa de outras pessoas no corpo, pq ele trocava até as roupas por drogas. Conclusão: Eu comecei a adoecer! Tive começo de depressão. Fora que, quando ele voltava depois de dias se drogando, ele ainda queria mostrar que tinha razões para ter recaído. Pq??? "Tadinho, ele é doente!" Conclusão Final: Se um adicto não teve força de vontade de sair dessa vida DESGRAÇADA por causa das pessoas que mais amam ele nessa terra que são os pais e filhos, não vai ser por uma mulher que ele vai mudar! Saibam que uma vez dependente, sempre será um dependente! Se continuarem com a esperança da mudança total, parabéns a vcs, pq sempre viverão sem segurança em relação a recuperação do adicto. No caso do meu ex, ele ficava meses e meses sem a recaída. E quando ele começava a conquistar a confiança de todos, ele recaía outra vez. Ele demorava recair pq ele queria tudo aquilo que ele tinha perdido por causa das drogas, ex:. Carro. Celular. Roupas e sapatos de marca. Relógio caríssimo.
    E quando estávamos felizes, lá vinha ele com abstinência, ofendendo todo mundo, xingando, querendo agredir fisicamente que tentava impedi-lo. A dependência química é uma doença sim, mais o adicto tem que ter pelo o menos vontade de sair. Mais pela minha experiência, eles são pessoas que tem grande lábia, pessoas que você na hora da raiva tem intenção de xingar e quando chega na hora, eles fazem tanta sua cabeça, que o sentimento de raiva se torna de pena. Ai o que acontece???? Você tbm fica presa e assume um problema, uma bomba que estão querendo que você carregue nas costas! Pq??? Pq aos olhos dos familiares do adicto, você é a esperança para eles despacharem essa cruz na qual eles carregam a muito tempo. CONSELHO A TODAS E A TODOS: Pensam muito bem em suas vidas, em suas famílias, e vejam se vale a pena sofrer tanto. Pq uma coisa eu digo: Tem aqueles(a) dependentes que tem vontade de se recuperarem, mais em sua grande maioria é falta de vergonha na cara. E não aceitem parar na sargeta, por quem está no fundo do poço e bem em sua frente tem alguém querendo tira-los, mais que muitas vezes eles podem fazer VC cair no buraco para ficar junto na DESGRAÇA por achar que o amor que sentimos pelo adicto é maior do que o amor próprio.

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde, são nos momentos de maior angustia que acabamos usando as ferramentas da internet com simples frases tipo "como se separar de um adicto sem ele recair" para ver se encontramos algum relato parecido com o nosso e pelo menos tirar o "peso" de que não somos os únicos que vivem este problema. Desde agosto do ano passado as "recaídas" passaram a ser com muita frequencia e isso me fez começar a pensar em separação, pois no início achei que poderia "muda-lo" que iria conseguir fazer parar com o uso da droga, mas definitivamente... ninguém muda ninguém, só mudamos a nós mesmos.
    E hoje estou passando exatamente por esse momento, quero me separar pois não tenho estrutura, emocional, financeira e nem física para estar ao lado dele e ver suas recaídas com tanta frenquencia, mas ao mesmo tempo as discussões estão sendo cada vez mais acaloradas por causa da minha decisão e estou sendo julgada por ele o tempo todo de fria, calculista, que nunca o amei... Só DEUS sabe tudo o que fiz, gastei e mudei para estar ao lado deste homem. E hoje tão chateada e confusa até ler este post, vi que não estou prejudicando ninguém! Que preciso cuidar de mim senão sou eu que vou parar no fundo do poço! Faz um ano que não sei o que é entrar em um salão para cuidar de mim... Que não consigo chegar em casa do trabalho e não me preocupar com ele, tipo "será que está tudo bem? Será que está sóbrio?" Esse sentimento, essa angustia já me trouxe vários problemas físicos, pois acredito que não poder falar e desabafar a gente acaba somatizando e interiorizando essas angustias. Tive um crise terrível de psoríase (coisa que não sabia nem o que era!) nas mãos a ponto da médica querer internar mas não poder devido ao risco de contrair infeccção hospitalar, pois as feridas estavam abertas... Depois foi uma hérnia cervical que vira e mexe sinto as dores... Principalmente depois das crises dele de uso excessivo da droga. E desde o último sábado (12 de março) que estamos dormindo separados (um em cada quarto) eu sem pensar em como ele estará, se cheirou algo ou não, parece que tirei uma tonelada de cima das minhas costas!! Mas ao mesmo tempo tenho chorado todos os dias ainda confusa se esta é a decisão certa para mim ou não... Afinal ele me julga que o estou abandonando no momento que mais precisa de mim, mas eu juro que tentei de tudo antes... de agosto para cá saí de casa umas cinco vezes, até mesmo dormindo no chão do meu trabalho para não ver as crises que ele fica depois da cocaína, e quando passava o efeito aí ligava, chorava, usava de todo os artifícios emocionais que ele sabia que me desestabilizava e eu acabava perdoando, voltando e cedendo, achando que assim ele nunca mais iria ter recaída. Ledo engano... Agora vou dizer NÃO E NÃO!!
    Afinal está no estágio onde as agressões psicologicas estão cada vez maiores e é um esforço brutal vc escutar de quem ama ou amava (ainda não sei o que sinto...) palavras que doem tanto depois de todos os esforços que fiz para ajuda-lo. Enfim agradeço a DEUS, pois tenho orado muito que ELE me ajude a encontrar uma saída para nós dois e a vc Pollyanna por manter este blog ativo.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir