terça-feira, 3 de novembro de 2015

As escolhas fazem parte da caminhada...



“Mas é preciso escolher. Porque o tempo foge. Não há tempo para tudo. Não poderei escutar todas as músicas que desejo, não poderei ler todos os livros que desejo, não poderei abraçar todas as pessoas que desejo. É necessário aprender a arte de “abrir mão” – a fim de nos dedicarmos àquilo que é essencial...” (Rubem Alves)


Boa tarde!!

Uau, que saudades desse espacinho tão acolhedor...

Como estão vocês?

Comigo vai tudo bem, graças a Deus... Um dia de cada vez, um leãozinho por dia... E olha que não estou falando do meu familiar adicto, ok? Estou falando de mim...

“É preciso escolher...” Li a frase acima do Rubem Alves nesta semana, e a achei tão linda, tão real e tão profunda, e ao mesmo tempo tão simples, que decidi trazê-la para vocês.

A vida passa tão depressa... E por mais que queiramos abraçar o mundo e viver tudo o que a vida pode nos oferecer, aos poucos vamos aprendendo que as escolhas fazem parte da caminhada...

Não podemos ver dois filmes, em dois canais, ao mesmo tempo... Não podemos levar a vida livre de solteiro e ter a companhia segura de um casamento ao mesmo tempo... Não podemos exercer todas as profissões que gostaríamos, nem mesmo morar em todos os lugares que nos parecem aprazíveis...

Escolhas...

Elas sempre estão conosco... Na verdade, somos o resultado delas...

Não gosto de falar de certo e errado, e nem sei se eles existem (não falo de ilegalidades, imoralidades, amoralidades ou coisas assim, tá?).

O que quero dizer é que somos seres humanos únicos, e o que parece um absurdo para mim, pode fazer todo o sentido para o meu próximo...

Então tento me pautar sempre no respeito, tanto no blog, como em meu trabalho, no atendimento às famílias, com meus amigos, com minha família...

Respeito...

E que Deus me ajude a continuar assim, sempre, respeitando as escolhas do meu próximo, mesmo quando elas não fazem nenhum sentido para mim...

Sei que, por vezes, a escolha do outro nos machuca, mesmo que não seja intencional. E muitas vezes, gostaríamos de poder escolher pelo outro, por achar que nossa escolha é melhor. Não é mesmo?!

Mas queridas(os), não podemos escolher por ninguém, a não ser por nós mesmas(os). Não podemos controla-los. Não podemos conduzi-los...

E é interessante que quanto mais tentamos mudar os outros e controla-los, mais perdemos o controle sobre nossas vidas, e mais somos afetadas(os) pelas coisas externas.




Daí entra a prática da oração da serenidade:

Serenidade para aceitar o que não podemos mudar: o outro e situações externas a nós...
Coragem para mudar o que podemos: nós mesmos!

Não posso mudar o mau humor de um colega, mas posso mudar a forma como EU vou agir diante desse mau humor. Posso permitir que isso me deixe mal, pra baixo, ou posso simplesmente entregar para Deus as coisas que ele me diz e magoam, e amá-lo do jeito que ele é, mas sem permitir que esse seu jeito “azedo” me azede também.

Não posso, infelizmente, fazer com que meu familiar não use mais drogas. Mas posso “me blindar”, ou seja, não permitir que isso se torne o centro da minha vida e das minhas emoções...

Fácil? Não, não é fácil. Mas é algo simples.

Poly, você está dizendo que preciso ficar ao lado dele, mesmo ele usando drogas?

Não! Estou falando que você é responsável por suas escolhas. Você e só você! E estou falando também que você não pode muda-lo, portanto, não se iluda, não pense que suas atitudes o farão mudar, porque ele só mudará quando ele mesmo escolher isso...

Sei que a família pode ou não facilitar/atrapalhar esse processo de decisão do adicto, mas não é disso que estou falando agora...

Estou falando em se libertar do peso do outro...

Estou falando em vivermos em paz com nossas escolhas...

Estou falando, mais uma vez, em cuidarmos de nós com carinho...

Eu, Polyanna, sou uma pessoa intensa. Não sei amar pela metade, não sei trabalhar pela metade, não sei me dedicar a uma causa pela metade... Se estou dentro, estou dentro 100%, de corpo e alma...

Hoje estou 100% dentro do meu casamento. Estou 100% cuidando do Projeto “Ame, mas não sofra” de apoio às famílias de dependentes químicos. Estou 100% cuidando dos meus filhos.

E estou muito feliz com tudo isso...

Acho muito triste quando escolhemos uma vida, e a vivemos somente 1% porque gostaríamos de estar em outra vida...

Não tenho medo de mudar. Não tenho medo de trocar de opinião. Apenas tenho medo de não viver... E de um dia, lá na frente me arrepender disso...

“Quando descobrimos que absolutamente nada é definitivo, inclusive a vida, compreendemos a inutilidade do orgulho, a tolice das disputas, a estupidez da ganância, e a incoerência das tolas mágoas...” (Alexsandra Zulpo)

Meus amores, infelizmente perdi a página Amando um Dependente Químico do Facebook. Nem eu sei o porquê, mas acredito que tenha relação com os status de administração da página.

Criei uma nova, clique aqui e curta! E me ajudem, por favor, a divulgar... :(

Quanto ao trabalho, em dezembro, faremos mais um Seminário aos familiares, aqui em Brasília, e estou trabalhando muito nisso... Além disso, desenvolvi outro Projeto para a Secretaria de Cultura, que foi aprovado na primeira fase, e aguarda o resultado da segunda fase, para iniciar a execução... (Surpresaaa, depois eu conto!) E o livro “O Diário de Francine Deschamps” está em fase de conclusão... Muito difícil escrevê-lo!! Mas tá lindo!!

Acho a Fanpage uma ótima ferramenta de divulgação e de troca. Fiquei muito triste por tê-la perdido, pois éramos mais de 3.100 pessoas de mãos dadas, mas paciência... Não consegui mesmo resgatá-la. Bola pra frente! Página nova! (https://www.facebook.com/amandoumdq/?ref=hl). :)

No mês passado, fiquei muito feliz e surpresa ao ser indicada para receber o Prêmio de Mérito pela Valorização da Vida do Ministério da Justiça, em Brasília, e também por ter meu nome aprovado por 100% do Conselho de Políticas sobre Drogas! Muito feliz pelo reconhecimento! Sem dúvida, em meio a tantos “ventos contrários”, é muito gostoso saber que alguém dá valor a todo esse trabalho.

Amo o que faço! E se parasse hoje, levaria comigo a sensação de “missão cumprida”.

Queridas(os), cuidem de vocês, lutem por seus sonhos, façam suas escolhas e sejam felizes!

Se é pra escolher, que escolhamos o que é essencial... :)




Amo vocês incondicionalmente!

Beijos.
Poly

21 comentários:

  1. Oi, Poly. Bom receber notícias sua. Mas, desculpe, preciso te fazer uma pergunta: Por ser uma mulher que já sofreu muito pela dependência do seu esposo, conseguindo se fortalecer diante dos sofrimentos, enxergando sua doença e lutando contra ela. Você não acha que mesmo diante de tanto estudo, tanta evolução, você ainda está sendo 'manipulada' pela doença do seu esposo? Porque sinto que você quer se libertar, isso devido seus textos, e se sente segura com essa decisão, mas de repente volta atrás e diz que está feliz novamente com ele. Essas mudanças, desculpe, mas deixa um pouco transparecer que você não consegue se desligar do seu familiar dependente químico, mesmo diante de tantos estudos e tantas experiências. Muitas vezes você encoraja as mulheres a seguir a vida, mas muitas vezes acho que você não está conseguindo. Você poderia falar um pouco disso? Obrigada. Ass. Kelly

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kelly! Tudo bem?
      Depende muito do ponto de vista...
      Eu não acho que quem se separa do dependente químico é mais forte, e nem quem se mantém junto. Apenas acho que são escolhas que fazemos. Hoje posso afirmar que ele não me manipula mais, mas talvez eu mesma ainda me manipule, e isso só o tempo vai me mostrar...
      Mas, fica a reflexão. Te agradeço!
      Espero que o blog sirva de troca de experiências e que o foco não fique somente em minha vida, caso contrário ele perderá seu poder de ajuda, pois não quero ser exemplo (nem bom nem ruim) para ninguém...
      Estudo muito sim sobre o assunto, por causa do meu trabalho, mas não para deixar de seguir meus sentimentos e intuição...
      Fiquei três meses separada, e vi que eu posso sim viver sem ele, mas não quero isso...
      Beijo.
      Obrigada.

      Excluir
    2. Vc está certa Polly! Sua vida, suas escolhas!
      À nos resta aproveitarmos o que julgarmos melhor das suas postagens! Vc é 10!
      Continuo torcendo! ;)

      Excluir
    3. Obrigada, Polly, pelo retorno. Te acompanho tem muito tempo e te admiro muito. Inclusive tenho seu primeiro livro e me fez muito bem lê-lo. O meu questionamento foi apenas um questionamento mesmo, nada além. Desejo o melhor pra você e pra toda sua família, que sabemos que é seu bem maior. Que Deus abençoe vocês.. Beijos. Ass. Kelly

      Excluir
  2. E ontem, no Dia de Finados, resolvi fazer a minha escolha e me afastar do meu namorado DQ. Depois de três anos de muitas brigas, confusões e problemas, nosso relacionamento chegou ao fim de forma abrupta, depois de um fim de semana de ameaças e mais brigas. Ele está na ativa, vendendo coisas de casa e tirando tudo que pode de mim. Nesse mês de outubro cheguei a gastar mais de mil reais solucionando os problemas que ele arruma em decorrência do vício... ou seja, dívidas de droga. Quanta dor, quanto sofrimento, quanta angústia esse relacionamento me causou. Descobri o vício dele há cerca de seis meses e foi quando decidi não virar as costas pro meu namorado, resolvi ajudar, e realmente fiz de tudo. Procurei tratamento no CAPS, agendamos consultas, ele foi, consegui comprar os remédios e tentei dar um suporte financeiro no que fosse preciso. Ele conseguiu um emprego novo e parecia que estava tudo bem, mas não estava. De setembro pra cá ele começou a me exigir mais dinheiro, quase que diariamente, ao tempo em que me maltratava verbalmente com coisas absurdas. Muitas vezes me mandava sumir da vida dele, mas no outro dia me ligava dizendo que estava devendo a traficante e que precisava de mim. E nessa história toda fui ao fundo do poço com ele. Me sentia triste, parei de sair, de ver meus amigos... parei de viver. Certo dia comentei com ele que estava me sentindo muito triste... ele respondeu: "Se enforca!!" E foi aí que ficha começou a cair. Não posso ajudar quem não quer ajuda, não posso anular minha vida por alguém que não tem um pingo de consideração por mim ou por minha família. Ontem saí da casa dele ao som de "vou me matar, vc pode esperar!". Nosso relacionamento ao longo desses três anos foi mantido na base de muita ameaça e chantagem emocional, mas ontem incrivelmente uma força muito grande tomou conta de mim. Quantas vezes nesses últimos meses chorei ao ponto do desespero, e de ontem pra hj não consegui derramar um lágrima. Cortei o contato, desliguei meus telefones e fechei minhas redes sociais. Não quero nem ouvir o nome dessa pessoa outra vez, não quero sequer pisar no bairro onde ele mora. Que ele carregue o peso das suas escolhas. Eu não tenho culpa disso, eu não posso curá-lo, a cura vem de dentro, não de mim. E se ele realmente pensa em se matar, tenho plena certeza que não sou o motivo. Fiz a minha escolha, estou preocupado, tenso e com muito medo do que pode acontecer comigo. Minha família não sabe do nosso relacionamento, não sabe da minha opção, e por isso temo escândalos dos mais diversos. Que Deus me ajude, e que o ajude também, pois não quero seu mal. Quero que acorde e busque se ajudar. E que seja feliz, mas bem longe de mim. Quero paz, quero voltar a viver. E é por isso que foi manter minha escolha, custe o que custar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. boa tarde!
      está parecendo q vc acabou de descrever minha historia!
      ha 18 tomei a mesma atitude q vc, tem dias mais fáceis, outros mais difíceis. Mas a gente segue em frente.
      Desejo sorte para vc, assim como desejo para mim. TMJ.
      Adriana Farias

      Excluir
    2. Anônimo
      Não te conheço mas desejo do fundo no meu coração que vc tenha forças pra se libertar. O pior é saber q vc fez tudo e a pessoa não tem a menor consideração por vc. Que vc possa ser muito feliz num relacionamento saudável.
      Sinta-se abraçado.

      Excluir
    3. Gente, muito obrigado pela força. Infelizmente as coisas não estão nada bem. Dois dias depois disso ele me procurou no meu trabalho e foi até a minha casa esperar por mim. Não fez escândalo, mas fui obrigado a conversar com ele de novo e desde então ele não me deixa em paz. Ameaça o tempo todo se matar e há dois não vai ao trabalho. E como se não bastasse ainda me pede dinheiro, o que eu resisti e não dei. Ontem ele me mandou msg dizendo que tinha tentado o suicídio tomando uma cartela de remédios.Fui lá às pressas e ele me tratou super mal. Não me pareceria alguém que tinha tentado o suicídio. Me pediu dinheiro de novo dizendo que estava sendo ameaçado por traficantes. Não sei mais o que fazer. A minha esperança é que ele aceite ir embora pra cidade natal da mãe, algo que ele diz que vai fazer assim que sair do trabalho. A mae dele está viajando e ele está sozinho em casa há mais de uma semana, já vendeu várias coisas. Estou rezando muito e temendo pelo que possa acontecer com ele e comigo, mas infelizmente não tenho mais o que fazer por ele. Fiz de tudo, estou no fundo do poço financeiramente e psicologicamente, aguentei tudo e mais um pouco, e ainda continuo ouvindo barbaridades. Estou refém dessa situação e minha vida está um caos. Que Deus me ajude.

      Excluir
    4. Querida, aguenta firme! Não caia em chantagem emocional. Independente do que acontecer, você não tem culpa, nem é responsável pelas atitudes e escolha dele. Liberte-se e cuide da sua saúde psicológica. Estou firme ainda. Se possível, procure um lugar seguro para vc e evite o contato. Boa sorte! TMJ, beijos.

      Excluir
  3. Nossa Poly, eu já estava achando que vc não escreveria mais no blog...vinha todos os dias aqui procurar suas palavas para acalentar meu coração. também vivo com um dependente químico a 8 anos e tenho 3 filhos (o mais velho do meu primeiro casamento). Como é difícil....muitas vezes tenho vergonha da situação que eu vivo, procuro esconder dos outros...trabalhamos juntos e os funcionários daqui já fazem até aposta quando ele sai, se ele volta ou não (vergonha, vergonha, vergonha!) Penso todos os dias em deixá-lo, mas me falta coragem, não sei mais o que fazer! bjs Du

    ResponderExcluir
  4. Meninas quem quiser participar do grupo no whats me mandem um email jessica_kanieski@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi eu quero participar jessica mas estou sem acesso ao meu email so posso usar o celular. Seria possivel me add por aqui? Meu numero 38 99133-9801 obgada Rakel

      Excluir
  5. Nossa Polly! li várias vezes pra ver se o texto não se tratava de postagem antiga. Fiquei sem entender,pois no ultimo post vc diz que ele já estava em outro relacionamento. Vcs voltaram mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!! Peço desculpas a você a outros leitores que talvez não tenham entendido também... É que postei algumas coisas em forma de comentários na postagem passada, e quando escrevi a postagem atual, a escrevi como se todos tivesse lido os comentários... :)
      Bjs!

      Excluir
  6. Poly eu moro em Planaltina e queria saber como posso participar deste seminário que haverá em dezembro. Jessica Loiane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jessica! Tudo bem? O link para inscrições é http://www.sejus.df.gov.br/projetos/ame-mas-nao-sofra/inscreva-se-aqui.html , e para maiores informações ligue para 61-21041820 e fale com a Rose. Será muito bem-vinda!! Bjs.

      Excluir
  7. Meninas ou meninos. Quem precisar de ajuda,ou so desabafar... temos o grupo de apoio no whats. Fique tranquila que la ninguem julga, apenas acolhe e ajuda. Me mandem um email jessica_kanieski@hotmail.com

    ResponderExcluir
  8. Poly, seu blog tem me ajudado muito! Tenho um namorado adicto que está limpo e em recuperação em um CT há 9 dias, isso tem me deixado muito mal. Comecei a ler seu blog e outros, para entender mais e aprender mais. Tambem comecei a escrever minha história em um blog, está me ajudando a passar o tempo, já que esses dias intermináveis não passam nunca, e a saudade do meu amor só aumenta. Obrigada por me ajudar.

    ResponderExcluir
  9. http://oamoreumaescolhasph.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Ola poly descobri a pouco tempo seu blog e de cara já gostei ótimas dicas. Eu tenho 20 anos e meu namorado 28 quando nos conhecemos ele tinha acabado de sair de uma clinica ele ficou um ano e cinco meses limpo mas infelizmente recaiu não tenho problemas em relação ao comportamento dele ele me trata muito bem por isso não desisti dele eu tenho esperança q ele vai sair dessa mas é muito difícil lidar com essa situação ele quer muito parar de usar mas pra ele é muito difícil estamos na luta e eu dou todo o meu apoio a ele. Espero ter bastante força pra lidar com td isso ! Bj

    ResponderExcluir
  11. Oi P0ly, tenho um sobrinho de 16 anos muito rebelde que fuma maconha a mais de dois anos, já internamos ele oque até piorou. Ele mal estuda e fica o dia inteiro fora. Muitas vezes e agressivo com a mae, não adianta conversar. Já fomos no amor exigente e naranon mas a minha irmã não gostou e pior que ela também perdeu a pasciencia, vivem discutindo. Ela sempre está falando em vencer tudo e ir embora. E ele que fique com Deus amigos. Eu sei devemos ter atitude drástica de que ele tera que ir embora. Estaremos fazendo o certo? Desabafo da Simone.

    ResponderExcluir