sábado, 21 de novembro de 2015

Posso chacoalhar você?!?


Era pra ser um dia feliz para aquele pai...
Seu aniversário de 76 anos!
Eu tentei felicitá-lo pela data...
E ele começou a recordar de quando seu único filho homem era um garoto, um adolescente...

“Eu tinha certeza que ele seria um médico. Tão inteligente, estudioso, de bom coração... Um menino sensacional...” Ele me disse, parecendo viajar no tempo.

“Mas, ‘aquela coisa’ acabou com a vida dele, e acabou com a minha vida também...”
‘Aquela coisa’ é a droga.



Era pra ela ser apenas uma filha. Trinta e poucos anos, dois filhos, casamento bacana...
Mas, ela incansavelmente busca melhores alternativas de tratamentos para a mãe, de 60, dependente química.
Em suas palavras é possível perceber o quanto ela se sente responsável por causar ou evitar recaídas da sua mãe...

São tantas histórias todos os dias. Histórias tão parecidas. Sentimentos tão parecidos.

A vontade que tenho é de chacoalhar esses familiares, e fazê-los compreender:

Ei, há muita vida pra ser vivida!! Pare de carregar o peso do outro sobre si!!
Você não é culpado, não pode controlar as escolhas do outro, e não pode curá-lo!!
Livre-se de tudo isso...

Sim, você deve amá-lo como ele é, mas isso não quer dizer que você deva se anular, se culpar, e aceitar todas as insanidades da dependência química. Não!

A droga não pode arruinar a sua vida, a não ser que você permita... 

Famílias, por favor, liberem um pouco de cuidado, amor e atenção a si mesmas!!

Eu sei o quanto é difícil... mas também sei o quanto é possível se buscarmos ajuda!!




Por falar em ajuda, nos dias 07 a 11 de dezembro, realizaremos o II Seminário de Multiplicadores Sociais de Ações de Apoio às Famílias, do programa “Ame, mas não sofra”, da Secretaria de Justiça do DF.

A intenção é levar informação e acolhimento às famílias de usuários de drogas, e também sensibilizar os profissionais para a necessidade de uma maior atenção a essas famílias. As inscrições não param de chegar!!

Essas ações me enchem de felicidade e gratidão a Deus, por poder levar adiante o que um dia recebi!!

Aproveito também para agradecer ao amigo Júnior, do blog Limpo só por hoje! , pelo convite para participar do seu programa na rádio São Francisco, de Bacabal, onde todas as quartas-feiras, ao meio-dia, fala-se sobre a recuperação da dependência química, e também da codependência emocional. Foi uma experiência fantástica poder ouvir o retorno dos ouvintes e leitores do blog! Muito obrigada!!

Queridos leitores, para curtir nossa nova página no Facebook CLIQUE AQUI! Como informei no post anterior, a página antiga foi desativada.

Grande beijo a todos!
E um fim de semana repleto de serenidade!

terça-feira, 3 de novembro de 2015

As escolhas fazem parte da caminhada...



“Mas é preciso escolher. Porque o tempo foge. Não há tempo para tudo. Não poderei escutar todas as músicas que desejo, não poderei ler todos os livros que desejo, não poderei abraçar todas as pessoas que desejo. É necessário aprender a arte de “abrir mão” – a fim de nos dedicarmos àquilo que é essencial...” (Rubem Alves)


Boa tarde!!

Uau, que saudades desse espacinho tão acolhedor...

Como estão vocês?

Comigo vai tudo bem, graças a Deus... Um dia de cada vez, um leãozinho por dia... E olha que não estou falando do meu familiar adicto, ok? Estou falando de mim...

“É preciso escolher...” Li a frase acima do Rubem Alves nesta semana, e a achei tão linda, tão real e tão profunda, e ao mesmo tempo tão simples, que decidi trazê-la para vocês.

A vida passa tão depressa... E por mais que queiramos abraçar o mundo e viver tudo o que a vida pode nos oferecer, aos poucos vamos aprendendo que as escolhas fazem parte da caminhada...

Não podemos ver dois filmes, em dois canais, ao mesmo tempo... Não podemos levar a vida livre de solteiro e ter a companhia segura de um casamento ao mesmo tempo... Não podemos exercer todas as profissões que gostaríamos, nem mesmo morar em todos os lugares que nos parecem aprazíveis...

Escolhas...

Elas sempre estão conosco... Na verdade, somos o resultado delas...

Não gosto de falar de certo e errado, e nem sei se eles existem (não falo de ilegalidades, imoralidades, amoralidades ou coisas assim, tá?).

O que quero dizer é que somos seres humanos únicos, e o que parece um absurdo para mim, pode fazer todo o sentido para o meu próximo...

Então tento me pautar sempre no respeito, tanto no blog, como em meu trabalho, no atendimento às famílias, com meus amigos, com minha família...

Respeito...

E que Deus me ajude a continuar assim, sempre, respeitando as escolhas do meu próximo, mesmo quando elas não fazem nenhum sentido para mim...

Sei que, por vezes, a escolha do outro nos machuca, mesmo que não seja intencional. E muitas vezes, gostaríamos de poder escolher pelo outro, por achar que nossa escolha é melhor. Não é mesmo?!

Mas queridas(os), não podemos escolher por ninguém, a não ser por nós mesmas(os). Não podemos controla-los. Não podemos conduzi-los...

E é interessante que quanto mais tentamos mudar os outros e controla-los, mais perdemos o controle sobre nossas vidas, e mais somos afetadas(os) pelas coisas externas.




Daí entra a prática da oração da serenidade:

Serenidade para aceitar o que não podemos mudar: o outro e situações externas a nós...
Coragem para mudar o que podemos: nós mesmos!

Não posso mudar o mau humor de um colega, mas posso mudar a forma como EU vou agir diante desse mau humor. Posso permitir que isso me deixe mal, pra baixo, ou posso simplesmente entregar para Deus as coisas que ele me diz e magoam, e amá-lo do jeito que ele é, mas sem permitir que esse seu jeito “azedo” me azede também.

Não posso, infelizmente, fazer com que meu familiar não use mais drogas. Mas posso “me blindar”, ou seja, não permitir que isso se torne o centro da minha vida e das minhas emoções...

Fácil? Não, não é fácil. Mas é algo simples.

Poly, você está dizendo que preciso ficar ao lado dele, mesmo ele usando drogas?

Não! Estou falando que você é responsável por suas escolhas. Você e só você! E estou falando também que você não pode muda-lo, portanto, não se iluda, não pense que suas atitudes o farão mudar, porque ele só mudará quando ele mesmo escolher isso...

Sei que a família pode ou não facilitar/atrapalhar esse processo de decisão do adicto, mas não é disso que estou falando agora...

Estou falando em se libertar do peso do outro...

Estou falando em vivermos em paz com nossas escolhas...

Estou falando, mais uma vez, em cuidarmos de nós com carinho...

Eu, Polyanna, sou uma pessoa intensa. Não sei amar pela metade, não sei trabalhar pela metade, não sei me dedicar a uma causa pela metade... Se estou dentro, estou dentro 100%, de corpo e alma...

Hoje estou 100% dentro do meu casamento. Estou 100% cuidando do Projeto “Ame, mas não sofra” de apoio às famílias de dependentes químicos. Estou 100% cuidando dos meus filhos.

E estou muito feliz com tudo isso...

Acho muito triste quando escolhemos uma vida, e a vivemos somente 1% porque gostaríamos de estar em outra vida...

Não tenho medo de mudar. Não tenho medo de trocar de opinião. Apenas tenho medo de não viver... E de um dia, lá na frente me arrepender disso...

“Quando descobrimos que absolutamente nada é definitivo, inclusive a vida, compreendemos a inutilidade do orgulho, a tolice das disputas, a estupidez da ganância, e a incoerência das tolas mágoas...” (Alexsandra Zulpo)

Meus amores, infelizmente perdi a página Amando um Dependente Químico do Facebook. Nem eu sei o porquê, mas acredito que tenha relação com os status de administração da página.

Criei uma nova, clique aqui e curta! E me ajudem, por favor, a divulgar... :(

Quanto ao trabalho, em dezembro, faremos mais um Seminário aos familiares, aqui em Brasília, e estou trabalhando muito nisso... Além disso, desenvolvi outro Projeto para a Secretaria de Cultura, que foi aprovado na primeira fase, e aguarda o resultado da segunda fase, para iniciar a execução... (Surpresaaa, depois eu conto!) E o livro “O Diário de Francine Deschamps” está em fase de conclusão... Muito difícil escrevê-lo!! Mas tá lindo!!

Acho a Fanpage uma ótima ferramenta de divulgação e de troca. Fiquei muito triste por tê-la perdido, pois éramos mais de 3.100 pessoas de mãos dadas, mas paciência... Não consegui mesmo resgatá-la. Bola pra frente! Página nova! (https://www.facebook.com/amandoumdq/?ref=hl). :)

No mês passado, fiquei muito feliz e surpresa ao ser indicada para receber o Prêmio de Mérito pela Valorização da Vida do Ministério da Justiça, em Brasília, e também por ter meu nome aprovado por 100% do Conselho de Políticas sobre Drogas! Muito feliz pelo reconhecimento! Sem dúvida, em meio a tantos “ventos contrários”, é muito gostoso saber que alguém dá valor a todo esse trabalho.

Amo o que faço! E se parasse hoje, levaria comigo a sensação de “missão cumprida”.

Queridas(os), cuidem de vocês, lutem por seus sonhos, façam suas escolhas e sejam felizes!

Se é pra escolher, que escolhamos o que é essencial... :)




Amo vocês incondicionalmente!

Beijos.
Poly