terça-feira, 31 de março de 2015

Ah, essas páginas brancas... ♥



“Hoje ele me ligou duas vezes com voz apaixonada. Parecia feliz. Ele está em seu trabalho e eu no meu.

É engraçado como às vezes me pego pensando nele, como se ainda fôssemos um casal de namorados.

Já vivemos tanta coisa juntos.

Foi ele quem me ensinou a dirigir (eu tinha carteira de habilitação, mas não sabia conduzir). Era muito engraçado. Ele nervoso, eu aos gritos fazendo barbeiragens, depois os risos.

Fizemos um boneco de neve juntos. Escrevemos na areia da praia nossos nomes. Aventuramos como imigrantes num país estranho. Passeamos pelas ruas de New York.

Passamos horas olhando as estrelas e falando sobre extraterrestres. Já vimos mais de 300 filmes no DVD. Fomos apenas duas vezes ao cinema, preferimos o aconchego da nossa casa.

Eu o ensinei a tocar violão. Cantamos juntos numa igreja. Horas e horas ao telefone. Batemos o recorde de 30 horas conectados pela webcam, sem parar. Dedicamos músicas um ao outro. Fizemos planos. Sonhamos.

Ele me pegou no colo em meio às folhas caídas, no belo cenário do outono. Cozinhamos juntos.

Pescamos (ele caiu no rio e vimos uma cobra). Fomos ao zoológico. Faxina em casa dividida aos dois. Brincamos. Brigamos por ciuminho.

Sentimos saudades. Escrevemos cartas. Ele me deu flores algumas vezes.

Ele aprendeu a comer pequi. Eu aprendi a tomar chimarrão. Já torci muito ao redor do campo enquanto o meu goleirão jogava. Milhares de fotos e alguns vídeos. Torcemos pelo Brasil. Passamos 5 natais e réveillons.

Ele ama quando faço panquecas. Eu amo o seu churrasco.

Eu o vi patinar em um lago congelado, fiquei com medo de ir com ele, apenas gargalhava das suas quedas, e contemplava a paisagem mais linda que já vi, tudo branquinho de neve, 10 graus abaixo de zero. Inesquecível.

Ficamos perdidos num morro de São Paulo. Viajamos 2.000 km de carro. Ele deu uma casa completa da Barbie para minha filha. Ficamos “grávidos”. Passamos juntos a emoção da chegada do nosso filho, numa véspera de Natal.

Dançamos vaneirão. Fizemos amigos. Entramos na família um do outro. Jogamos sinuca sem saber. Oramos juntos.

Surpresas. E-mails. Bilhetinhos. Chocolates. Roda gigante em Ocean City.

Virginia. Maryland. New Jersey. Washington. Distrito Federal. Goiás. Minas Gerais. Paraná. Santa Catarina.

Nos casamos. Numa igreja cheia de familiares e amigos? Que nada. Só nós dois, no lindo estado de Virginia, numa Court, com um Juiz que nos perguntou se queríamos nos casar em Inglês ou em Português. Respondemos que queríamos em Português. No entanto, o Português dele era uma mistura de Espanhol, com Inglês e Italiano, tudo, menos Português. Não entendíamos quase nada, a gente se olhava com vontade de rir. Mas entendemos que estávamos ali jurando amor e companheirismo eterno. Eu lhe disse sim. Ele também me disse sim. Foi sério. E ainda hoje dizemos sim um ao outro, a cada dia.

Dormimos de conchinha. Falamos de baleias. Criamos um gatinho. Acordamos de mal humor. Fizemos bagunça com as crianças. Batemos o carro. Tomamos sorvete. Dez horas de viagem de avião, segurando um na mão do outro com medo.

Rimos muito. Choramos também. Comemoramos conquistas. Nos abraçamos muitas vezes. Nos amamos.

Essa é a história da nossa vida sem as páginas negras manchadas pelas drogas.” (livro Amando um Dependente Químico)





Se me perguntarem qual é a página do livro Amando um Dependente Químico que mais gosto, afirmarei que é essa. Sei lá, ela mexe comigo todas as vezes que leio, porque parece um pequeno filme de nossas vidas.

Esse texto foi escrito em 2011. Hoje, quatro anos depois, várias “páginas brancas” foram acrescentadas à nossa história. Sim, ainda houveram páginas manchadas, mas quando leio a história completa, me dá uma sensação de “valeu a pena”!

Quem ainda não leu o livro Amando um Dependente Químico, CLIQUE AQUI, e adquira o seu.

Quem não tem condições de comprá-lo, pode me pedir uma versão em e-book, enviando um e-mail para polyp.escritos@gmail.com com o assunto "pedido de e-book".

Mais de 600 pessoas já leram o livro! Fico muito feliz em saber que minha história não é mais somente minha, e que tudo o que vivi, de alguma forma, hoje pode ajudar a outras pessoas que passam e sentem o mesmo que eu... Coisa linda isso, né?!!

Desejo muitas páginas brancas na vida de todos nós!


Fiquem com Deus! 

Beijos!

5 comentários:

  1. Assim como você, eu adoro essa página do livro. Alias, todo o livro é excelente. Sabes o quanto te admiro e sua história escrita só poderia ter uma admiração por mim e por tantas outras pessoas que seguem seu blog e leem suas publicações.
    Fico na torcida de que estejas bem e desfrutando de muita saúde e paz, extensiva à toda sua família, especialmente ao seu esposo, meu amigão que estou com saudades.
    Um forte e carinhoso abraço. Lembrando que este ano tem novamente o evento aí em sua Cidade e de já, faço o convite para que possamos nos encontrar novamente.
    Bons momentos e TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  2. AMEI TUDO QUE LI, PARECE QUE RETRATEI MINHA VIDA COM MEU AMOR, HOJE É UM DIA MUITO TRISTE PARA MIM, PORQUE DEPOIS DE NOVE ANOS, ONTEM MEU AMOR CAIU E USOU NOVAMENTE DEPOIS DE TANTO TEMPO LIMPO. AGORA ESTÁ FORA DE CASA, NOS FALAMOS ATÉ MEIA NOITE E MEIA, E AGORA NÃO TENHO NOTÍCIAS, ELE NÃO ME ATENDE, NÃO RESPONDE E MEU CORAÇÃO DÓI EM DESESPERO!!!! MAS VOU LUTAR E BUSCAR A DEUS PORQUE DEUS NOS MANTERÁ CAMINHANDO E TRARÁ MEU AMOR DE VOLTA PARA CASA. #TUDOVALEAPENAQUANDOAALMANÃOÉPEQUENA# Pandinhadele

    ResponderExcluir
  3. Poliii, que historia mais linda, e o que é mais bonito: é verdadeira, é real (como diz na tv, baseada em fatos reais)

    Estamos juntas amiga, na força, na esperança e na perseverança.

    Obrigada pela coragem de sempre escrever e compartilhar um pouquinho conosco.

    ResponderExcluir
  4. Olá, li suas postagens e gostaria mesmo de conversar contigo. Acredito que possas me aconselhar sobre o assunto, pois estou completamente confusa. Se puder fazer isso, me responda para que eu possa te passar meu whatsapp. Att.

    ResponderExcluir
  5. Amo ler suas publicações! Obrigada pelos seus relatos, de alguma forma me dão forças e creio que para os demais que o leem também!

    ResponderExcluir