quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

O Quinto (e último) Dia!

DIÁRIO DE UM TRATAMENTO COM IBOGAÍNA
QUINTO DIA




19/12/2014 às 07 horas.


Malas prontas. Hora de voltar para casa.

Um medo. Uma esperança. Se tivesse um jeito de avaliar para saber se o tratamento deu certo, né?

Mas, não tem...

Entretanto, tenho muita fé e estou acreditando!!

Meu esposo conversou a noite toda... Viu nossos filhos, nosso gato, riu, chorou, cochichou, gritou... Ou seja, eu quase não dormi...

Agora ele está no banho. Fisicamente está bem melhor, sem náuseas, mas ainda com tontura.

Ele está muito confuso, trocando as palavras e sem noção do tempo.

Está emotivo e reflexivo, falando sobre os seus medos e dores em razão do uso de drogas.

Passei por aqui rapidinho, deixa eu ir tomar meu banho para rever os meus filhotes!!

Uhuuu, é o início de uma nova vida!



21 horas

Finalmente em casa...

Acabei de fazer os meninos dormirem.

Caramba, estou exausta!

Meu esposo ainda está totalmente sob efeito da ibogaína.

Hoje ele tomou mais duas cápsulas.


Cápsulas de ibogaína


No aeroporto, pensei que não fossem nos deixar embarcar. Com o braço sobre o meu ombro, eu praticamente o carregava. Os funcionários o olhavam e perguntavam: Ele está bem?

“É só o efeito de uma medicação” ou “é só uma crise de labirintite” era o que eu dizia.

Ele tentava disfarçar, mas sua fisionomia estava péssima.

No saguão de espera, eu estava pra morrer de vontade de fazer xixi, mas e o medo de deixa-lo sozinho?!! E se ele tivesse alguma visão e saísse dali?!!

“Amor, pelo amor de Deus, não sai daqui, ok? Vou ao banheiro, mas já volto... Mesmo que alguém te chame, não vá. Ok?” Eu parecia estar falando com meus pequenos... Risos.

Fui correndo, morrendo de medo dele sair de lá, ou falar com alguém. Mas deu tudo certo.

Daí a pouco, uma senhora começou a ensiná-lo como ele deveria respirar para passar a tontura... Ai Senhor!! O levei para um lugar mais afastado...

Eu queria que ninguém nos percebesse, afinal, precisávamos embarcar de qualquer jeito. 

No ônibus que nos transportava no pátio do aeroporto, um passageiro fez questão de gritar aos quatro cantos que era para nos deixarem subir no avião primeiro, pois meu esposo estava passando mal.

"Não, senhor, está tudo bem..." Eu tentava dizer baixinho, mas o senhor gritava ainda mais alto: "Ninguém desce do ônibus, deixa o casal passar pois o rapaz está passando mal!"

Todo mundo nos olhando... 

Subimos as escadas do avião, ele apoiado em mim... 

Papai do Céu!!

Ufa, finalmente estávamos ali dentro da aeronave, presos aos cintos de segurança!!




Pela primeira vez nem me lembrei de ter medo da viagem... Risos.

Ele agora está deitado em nossa caminha. Está muito muito confuso. Não consegue discernir o que é pensamento, o que é sonho e o que é realidade. Troca as palavras, fala coisas sem nexo. E continua muito sensibilizado.

Quando dorme, fala o tempo todo. E ri, ri muito.

Confesso que está me dando medo, mas muitos me asseguraram que esses sintomas são normais.

Quero que passe logo...

É meio assustador.

Que Deus abençoe!

Beijei muito os meus pirralhos!!!

Por hoje, chega... ZZZZZzzzzzzz


♥♥♥♥♥

Boa noite, queridas(os)!

Tudo bem com vocês?!

Por aqui tudo bem, graças a Deus!

Posso dizer que valeu a pena toda essa aventura aí... Risos.

Hoje postei o ultimo dia do tratamento, mas os sintomas no dia seguinte se tornaram ainda maiores, e depois voltarei para contar... E também quero partilhar com vocês o relato do meu esposo...

Queridas(os), estou respondendo um a um dos e-mails enviados para ibogaina.adq@gmail.com, com perguntas sobre esse tratamento.

Além disso, quero deixar para vocês a indicação de dois blogs:

Clique aqui, e acesse o Blog informativo sobre a ibogaína.

Clique aqui, e acesse o Blog da Lu, que também fala sobre a ibogaína.

Quero ressaltar novamente que estou relatando a experiência do meu esposo nesse tratamento, e que os sintomas variam de pessoa para pessoa...

Grande beijo!
Poly

5 comentários:

  1. O mais importante de tudo é nunca desistir e nem perder a fé.
    Por isso, tudo já deu certo, linda.
    Beijos
    TMJ...

    ResponderExcluir
  2. de volta ao blog...só por hoje é o que da pra dizer... ;) bjus

    ResponderExcluir
  3. Poli, meu nome é Poliana e eu tbm vivo com um dependente... Penso em abandona-lo pois não posso ter compromisso com nada, pois ele as vezes recai e deixo meus compromissos pra ficar cuidando dele... Enfim, ele quer muito casar e será na quinta dia 5 no cartório .. . Eu não sei o q faço,pois neste momento estou trancada no quarto com meu filho, e ele perambulando pela casa... Quero desistir, pois a família luta com ele há 20 anos

    ResponderExcluir