terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Escolho mudar apenas o que posso...



Bom dia, queridas(os)!

Tudo bem com vocês?

Estava com dificuldade em postar, pois meu computador de casa deu vírus e parou de funcionar.

Mas agora estou de volta.

Estou devendo pra vocês o desfecho do tratamento com ibogaína, não é mesmo?

Vamos lá...

Em 20/12/2014, sábado, às 07 horas, fiz o seguinte registro:


Ontem meu esposo passou o dia todo no mesmo estado. Não fala nada com nada. Loucura isso!

Liguei na clínica e me disseram que amanhã ele deve voltar ao normal. Disseram ainda que o efeito nele foi mais forte porque ele já estava muito abalado emocionalmente, e a planta está remexendo tudo por dentro.

Essa noite ele falou menos, e agora ainda está dormindo.

Olha só algumas das coisas que ele falou ontem:

“Puxa, como o mar está sujo hoje” – falou apontando para a parede.

“Você sabia que a Fê (nossa amiga) morreu? Foi um acidente horrível, morreram seis pessoas. Eu estava lá e vi tudo...”

“Caramba, o Palácio da Alvorada está podre, tudo enferrujado, vai cair tudo...”

“Quem é aquela menininha linda, que gracinha, ela deve ter a idade do nosso caçula...”

“Filho, desce dessa janela, você vai cair!!” – ele gritava, enquanto nosso filho via TV sentadinho na sala.

“Amor, olha ali pela janela aquele Monza anos 80, acredita que vim dirigindo esse carro?” (Que carro???)

“Gente, que loucura, acabei de chegar de uma festa milionária, onde implantavam chips nas pessoas...”

“Cadê a carne que eu acabei de assar e deixei aqui no forno, amor? E o sorvete que você trouxe?” (Não tinha carne nem sorvete).

Tudo isso ele fala com convicção e apontando para algum lugar. Me assusta.

Na madrugada, ouvi meu caçula resmungando, daí me levantei e fui ao seu quarto, e lá estava o papai tentando colocar biscoitos em sua mão.

“Amor, o que está fazendo?” Perguntei.

“Ele está com fome...” Foi a resposta.

“Ele está dormindo, querido, vamos deitar...”

Durante todo o tempo ele se preocupava muito com as crianças, com sua carteira e com o seu celular.

Quero que tudo isso passe.

E quero que dê certo!


No domingo, dia 21/12, ele ficou bem melhor, mas me chamou de “mãe” o dia todo.

E somente na segunda, dia 22/12, ele realmente voltou ao seu estado normal... Ufa!!!

E aí? Depois de tudo isso, encontramos realmente a cura?

Bom, queridas(os), infelizmente, nesta semana, fiquei sabendo que o irmão da minha colega de trabalho, que fez esse tratamento há alguns meses, recaiu. E também o esposo da Lu (clique aqui, e acesse o Blog) teve uma recaída.

Meu esposo segue limpo há 64 dias (graças a Deus!!!).

Mas, infelizmente, voltou a fumar (cigarro/nicotina) na semana passada.

Escolhas...

Existem muitos relatos de tratamentos bem sucedidos com a ibogaína, e sigo acreditando, mas o que vivi nos últimos 40 dias, me fez refletir sobre mim mesma.

Levar meu esposo para fazer esse tratamento, investir um alto valor financeiro, sonhar com uma “cura” possível, acabou me levando novamente para o fundo da codependência.

Cheia de expectativas, passei novamente a viver 24 horas pensando nele e em sua recuperação.

E me deparar com a possibilidade de recaídas, me fez voltar os pés ao chão.

Neste mês de janeiro, estou cumprindo algo que a cada ano novo eu prometia a mim mesma, e nem sempre realizava: estou cuidando de mim.

Finalmente encontrei tempo para ir a um ortopedista (há meses sinto dores lombares fortes), e ao gastro (averiguar o porquê da dor constante no estômago), bem como para fazer exames de rotina: prevenção ginecológica, exames de laboratório, e etc.

Além disso, estou retomando a psicoterapia e alguma atividade física será o meu próximo passo.

E assim vou me conscientizando novamente que o futuro dele, depende dele, das escolhas dele, e não de mim...


“Por quanto tempo ainda continuarei a tentar ter controle sobre outras pessoas, lugares e coisas, mesmo sabendo que a única pessoa sobre a qual tenho algum controle sou eu mesma? Minha urgência por controlar reaparece rapidamente assim que foco no outro. Tenho que aprender a me ocupar dos meus próprios assuntos e me lembrar quais são eles... Vou me concentrar nas coisas que posso modificar e deixar aquelas que não posso para Deus!!” (CEFE)


Amo muito ao meu esposo, estamos vivendo dias maravilhosos, e peço a Deus para que sua recuperação se prolongue por todos os seus dias, mas não vou permitir que os seus problemas mal resolvidos me esmaguem como faziam no passado...

Bom, queridas(os), é isso...

Estou respondendo aos e-mails enviados para ibogaina.adq@gmail.com. Como disse, meu computador está com problema, e por isso a demora na resposta.


Esperança sempre!!

Beijos no ♥!


Fiquem com Deus!

23 comentários:

  1. Torço muito por vc e por sua familia, vivo o mesmo problema e percebo que a cada dia me afundo mais com meu marido, vivo a vida dele 24 horas por dia, estou no trabalho pensando se nesse momento ele está usando drogas ao invés de trabalhar, ou se amanhã vai sair e não voltar mais e novamente inventarei mentiras a minha filha explicando o porque ele não vai coçar suas costinhas esta noite. Me pergunto como me permito passar por isso?? Porque não penso em mim e em minha filha ao invés de pensar nele?? Sou totalmente codependente, mas não acho forças para buscar ajuda, estou a cada dia mais sem dinheiro porque não consigo trabalhar de forma adequada, estou cada dia mais com aparência ruim pq não quero me arrumar, estou a cada dia mais triste, amarga e frustrada pq não consigo ter uma família normal, por não poder ter mais filhos com meu marido pq sei que vou passar noites sozinha cuidando de mais uma criança, queria muito ser mãe novamente e isso me frustra muito. Desculpe o desabafo, a frase que vc postou é ótima e vou tentar com todas as minhas forças absorve la.. ‘’ Vou me concentrar nas coisas que posso modificar e deixar aquelas que não posso para Deus!!”’’

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou nesta mesma situação, vivendo a vida do meu 24hs por dia, durmo quando ele dorme, acordo quando ele acorda, essa semana pedi demissão do meu emprego pois já não tinha mais estrutura psicológica de seguir em frente, madrugadas em claro chorando esperando ele voltar, sem saber se estava morto ou preso.. de um mês para cá as coisas pioraram muito, a maldita pedra tirou toda dignidade, moral e bom senso que ele tinha.. já relatei algumas vezes minha história aqui, ele é policial, está afastado do trabalho pois as drogas o dominou totalmente. Choro noite e dia, essa semana a mãe dele colocou para fora de casa pois ele vendeu muitas coisas da casa dela, o pai também em uma briga anunciou que ele ñ era mais filho, fizeram a pior coisa que poderiam fazer para um dependente: abandonar! Viemos para minha casa, no outro dia pedi demissão do meu emprego ao qual eu me orgulhava de ter conquistado. Ñ temos filhos, eu ñ tenho família, só um irmão em SC que se afastou de mim pois ñ aceita que eu me relacione com ele, já são quase 10 anos que estamos juntos, separamos em 2013 pois ele se envolveu com outra pessoa, quando ela descobriu o vicio o abandonou no inicio de 2014 quando ele foi afastado do oficio e se afundou totalmente nas drogas.. mais uma vez por amor e compaixão estendi minha mão a ele no momento mais difícil da vida dele. Sinto falta de carinho, de conselhos, me sinto perdida, sinto falta do amor e dos conselhos da minha mãe.. eu não sei como reagir a isso, ele já foi internado três vezes, uma involuntariamente onde fugiu em 10 dias de internação, não aceita tratamento, apenas se entope de remédios para "baixar" a fissura e conseguir dormir.. agora, neste exato momento, ele está há dois dias sem dormir, sem comer e tomar banho.. saiu essa madrugada e voltou no inicio da tarde, eu apenas cochilei com medo de ñ escutar ele chamando e ficar na rua andarilhando.. agora há pouco terminou o dinheiro e ele saiu com uma furadeira dele e duas peças de roupa, falei que estava no meu limite, porém ele chora e diz que só eu acredito nele e que precisa da minha ajuda.. senti o cheiro vindo do banheiro, ele fumou esta porcaria agora há pouco.. entendo e tua dor minha amiga e imagino o quanto deve ser difícil quando se tem filhos. Mas o que importa é ñ perder a Fé, enquanto há vida há esperança!!!! Força, minha amiga!

      Excluir
    2. Passei por isso de me preocupar e trabalhar mal,perder emprego mais por ter uma filha pequena quando aperta a situação corro pra casa de minha mãe.Também queria ser mãe novamente mais sei que não poderei.Tive câncer dois anos e nessa época quando mais precisei foi sua pior recaída.Estamos separados a um mês,ele está internado pela milésima vez e mesmo o amando não aguento mais.Ainda me trato do câncer,sou mãe e pai financeiramente como psicologicamente de uma menida de 3 anos.Dói muito e pra piorar os pais ainda facilitam o uso dele,dão dinheiro,objetos e deixam ele usar em casa.Triste não poder ajudar mais triste ainda é que minha família acabou.

      Excluir
    3. Leiam os livros da Darlea Zacharias...ela é dependente quimica e escreve para codependentes....lá vcs aprenderam exatamente como lidar com o dq e com a codependencia.... darleazacharias.com.br

      Excluir
    4. Meninas, voltem o olhar para si mesmas.
      SE cuidem e não ultrapassem os próprios limites em nome da doença do outro, pois estarão alimentando a codependência. E se anular pelo outro, não reduz ou elimina o vício.
      Se eles precisam de ajuda? Sim, é claro.
      Mas e vcs tem SE ajudado?

      Muitas vezes não encontramos espaço para partilha entre amigos e familiares, pq eles só enxergam o sofrimento e não sabem como orientar, mas procurem grupos de ajuda para familiares de adictos.
      Às vezes o abraço que vc precisa estará lá.
      Além de continuar buscando atividades prazerosas e de crescimento pessoal.

      Não entrem no barco da doença, mas no da recuperação.

      Força todos os dias! E cuidem de si!!

      Excluir
    5. Nossa! lendo seus relatos eu senti como se eu que estivesse escrevendo pois comigo é do mesmo jeito! Quando a situação sai do controle,pelo fato de termos uma filha de 4 anos eu vou pra casa da minha mãe. os pais dele faciltam demais o uso, além dele vender tudo que ver pela frente,ainda usa dentro de cada,mesmo tendo muitas crianças presentes.
      ele já passou por mais de 10 internações e toda vez é a mesma ladainha,pedi ajuda,diz que vai mudar,que não quer mais,porém sempre acaba cometendo os mesmos erros. Quero ter esperança de dias melhores ao lado da minha familia,mas toda vez que leio outros relatos e vejo como é tudo tão igual,eu me desanimo demais! Na fase da vida estou muito dividida,uma hora olho pra trás e penso em tudo que ja vivi e passei por causa da doença dele,em outra, eu lembro dos bons momentos juntos e de suas qualidades. Mas confesso que sinto inveja ao ver outras famílias vivendo felizes e com problemas familiares normais rsrs
      Quero paz,quero poder criar minha filha num lar de verdade.
      Deus nos ajude a seguir os caminhos corretos e fazer as escolhas certas!

      Excluir
    6. Já vivi assim,ou ainda vivo,só q estou melhorando antes só dormia qnd ele dormia,achava q ele iria sair qnd adormecesse,q eu estar ali iria mudar algo.Nunca mudou,mas eu aprendi q a vida é dele e q ele faz o q quiser com ela,q independe de mim.Saiu faço coisas com amigas,curto nosso filho e deixo ele de fora pra ele ver o q está perdendo.Até hj nada mudou,só eu,q perdi 7 quilos,estou em um trabalho novo,fazendo planos,ainda estamos juntos,ainda quero ajuda-lo mas,estou vivendo minha vida.Meu coração está mais tranquilo,menos ansioso,e estou deixando ele aberto se alguém limpo quiser cuidar.

      Excluir
    7. Hj estou vivendo mais eu,novo emprego,novos amigos,planos,curtindo meu filhote.Ainda estamos juntos,mas agora durmo qnd estou cansada,não mais qnd ele vai dormi,aprendi q na vida dele manda ele e q não posso fazer nada.ainda não consegui largar essa situação,ainda quero ajuda-lo,mas estou com meu coração aberto.

      Excluir
  2. simmm...a Ibogaína funciona no que se propõe, porém escolhas sempre serão escolhas....no início é dificil nos segurarmos esquecemos o que passou...mas aos poucos a realidade bate de novo na porta e sim precisamos colocar os pés no chão... e assim seguimos...aprendendo que a vida é feita de altos e baixos...de escolhas e consequências...bom pelo menos hoje penso mais antes de me jogar..prefiro apenas observar

    ResponderExcluir
  3. Uma coisa é certa, milagres existes, mas o nome diz tudo - raridade.
    A ajuda foi dada, o tratamento com a Ibogaína foi feito, nada barato e com certeza com um vestimento muito grande de amor e de expectativa... agora é a parte deles que deve ser feita, grupo, psicóloga e se ajudar de coração.
    E como todas nós sabemos, nos vamos ficar no camarote assistindo tudo, sendo bom ou ruim... não depende de nós nem da nossa torcida.
    Sei bem que as oscilações de humor, a volta ao cotidiano, o reconhecimento e a busca por ser um novo ser é muito complicado e doloroso, vivencio isso hoje.
    Mas, somos fortes guerreiras e inteligentes para não nos deixar recair na co-dependência... senão ai desanda tudo de vez!
    Forças queridas! Pra mim tbm porque a minha lua ta sendo árdua!
    Bjss no coração fiquem com Deus e TMJ

    ResponderExcluir
  4. A nossa esperança nunca vai morrer, querida...
    O cuidado que devemos ter é não deixar a "esperança" se confundir com "expectativas".
    A primeira nos nutre, enquanto a segunda nos leva a frustração.

    Direcionar o foco para nós mesmas é, sem dúvida, o melhor exercício, e é simples, mas essa simplicidade não significa que seja fácil.

    Tamujuntas...
    Eu seguro a minha mão na sua...

    ResponderExcluir
  5. http://thoughtcatalog.com/lucie-baudin/2014/12/i-live-with-a-junkie/ eh Em ingles mas vale a pena ler.
    Mulheres cuidem de voces. Ele vai fazer oq qser e qdo qser. Cuide de ti.
    Sou esposa de um dependente quimico mas nao sou a "ajuda" dele. Nao pago conta, nao aceito droga dentro de casa e se usar q fique p rua. Eles tem q sofrer p mudar. Quem nao ta cansado nao muda.
    Sempre acompanho o blog e te admiro muito.
    Sou enfermeira e trabalho na recuperacao de viciados. Cura nao existe, mas tratamento tem. E recuperacao tb, basta a pessoa qrer e buscar.
    Moro nos Estados Unidos e aki a droga esta por todo lado.
    Educacao ainda eh a melhor saida p Os jovens....

    ResponderExcluir
  6. Bom saber notícias suas!! Rs
    Bom saber que embora a codependência tenha batido, vc está procurando alternativas para voltar a focar em si mesma.

    Força e luz todos os dias, para vc e para os teus.
    Paz na alma.

    ResponderExcluir
  7. Sua história de luta e persistência é o que motiva muitas mulheres, como eu, a não desistirem de seus casamentos. Meu marido está em tratamento com medicação... Mas as vezes tem recaída, nunca o vi usando nada, mas aprendi a reconhecer seu comportamento quando está sob efeito da droga. Ler os relatos, me fez refletir que não estou sozinha!
    Um abraço a todas!

    ResponderExcluir
  8. Tantas histórias porem todas iguais... eu fco me perguntando até quando aguentarei? ate quando irei dormir e acordar chorando? ate qdo vou viver em função dele? eu quero viver!!! ter uma família, não quero ser livre de problemas...isso é impossível, porem quero os problemas normais q todos têm!!! as vezes ouço minhas amigas casadas reclamando das brigas por causa de mercado,por causa da escola, por causa do futebol...e eu queria te-los!!! queria mesmo
    Segunda meu marido se interna, é a primeira vez, foi ele quem decidiu...mas ele ao msm tempo q pede ajuda ele me afasta, me isola, não conversa... vivo em função dele querer conversar, dele acordar bem, dele querer sair, enfim.... até quando? eu sigo minha vida, frequento o NA, partilhou, ouço... mas estou cansada, e olhaq eu vivo muito minha vida...mas tds queremos ser amadas, ter um marido companheiro, ter uma familia não é??? quem poderá julgar nossa desistência???
    A luta é difícil, porem msm não querendo acreditar, lutamos sozinhas, a espera de um milagre q pode nunca chegar ,porém estamos ali sempre a espera...
    Meu abraço carinhoso a todas co dependentes e a Poli por sempre compartilhar aqui

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também me faço essa pergunta frequentemente: "Até quando aguentarei?!"
      Não sei, mas sempre busco força para continuar a espera de um milagre. Ainda não tenho filhos, mas gostaria de ter o mais breve possível...
      Cada dia é um desafio pra nós... Me sinto sozinha nesta luta.
      Abraço a todas...

      Excluir
  9. Oi...conheci seu blog agora.... já li quase tudo... meu esposo é adicto, desde a adolescência, usa crack, hoje depois de quase 3 anos e 2 meses ele recaiu...está sem dar notícias...levou nosso carro...
    agora estou aqui...com nosso bebê de 1 ano 5 meses...esperando notícias...
    quase 10 anos de casados... essa é a 4a recaída nesse tempo... todas muito dolorosas...afinal ele vai pra rua, mora embaixo da ponto....una situação muito difícil...mas com fé em Deus tudo vai dar certo...
    beijos conte comigo sempre.... Carol

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde quase boa noite meninas. Sou mais uma a estar no mesmo barco vivo a 1 ano com um dependente quimico. Ele me fez acreditar que precisava de mim pra ajuda-lo a mudar e eu acreditei nisso mais do q acreditar me dediquei a isso mas com o passar dos meses (Durante esse ano estava limpo quando o conheci a 7 meses mas quando estávamos juntos a 2 meses descobri que estava usando e agora ficou de agosto a dezembro limpo mas recaiu novamente no natal isso da um total de 1 ano juntos 6 meses limpos 6 meses na ativa) com o passar dos meses vi que a recuperação dele não era responsabilidade so minha nem a metade da responsabilidade e minha fiz o que estava ao meu alcance para ajuda-lo mas hoje vejo q não posso fazer mais nada. nesse período de agosto a dezembro q ele ficou limpo fizemos muitos planos um deles era ter um filho sempre quis ser mais e ele queria muito ser pai novamente (tem 1 menino de 10), achei q seria mais um ponto positivo para ajudar na recuperação dele duas semanas após ele ter recaído descobri q estou gravida tive a esperança dessa noticia ser o que faltava pra ele voltar a ter o foco na recuperação pois ele ter ficado limpo tanto tempo me encheu de esperança mas não ele continuou usando e mentindo e a mentira q doi pois vejo q ele esta mentindo e ele continua pra no outro dia poder usar mais e mais. hoje descobri q faz dois dias q ele não vai trabalhar trabalhava em um mercado e comprava comida pra trocar por droga nem sabia q se fazia isso a dias que venho pensando em desistir por mim e principalmente pelo filho que estou esperando não quero passar a gravides chorar e trazendo sofrimento para o meu filho e sou filha de um dq sofri por ver meu pai daquele jeito e perdi ele com 10 anos não quero que meu bebe passe pela mesma coisa nenhuma criança merece isso. Sabe o que e pior ele acha que quem ta errada sou eu. ele usa me rouba mente me faz passar vergonha e eu q estou errada fica agindo como se nada fosse nada. Diante disso descidi deixa-lo pois não vejo vontade nele de mudar então não vou mais sacrificar minha vida e a vida do meu filho por causa de alguém que não quer ajuda. ler esse blog e ver o depoimento de vocês queridas me fez pensar no que realmente vale a pena e vejo q a nos primeiros meses quando ele me pediu ajuda foi sincero tanto q não medi esforços mas hoje não esta valendo mais. vou continuar orando por ele pedindo a Deus pra resgata-lo e o q eu posso fazer e se um dia ele quiser reconstruir a vida dele e ter uma família vou estar esperando vou esperar pra sempre mas agora preciso cuidar de mim e do nosso filho (Aiana)

    ResponderExcluir
  11. Oi aiana. Filho é um presente de Deus seja em qualquer situação, parabéns pelo seu bebê!!!! Tenho um filho com um dq e sei que não é fácil. Mas apesar das dificuldades de criar praticamente sozinha meu filho quando olho nos olhinhos tão lindo e tão cheio de esperança do meu filhote. ... Não consigo parar de agradecer esse presente que Deus me deu. Daí eu vejo que apesar de tudo como eu sou feliz!!!!

    ResponderExcluir
  12. Cadê vc Polly? Mais de um mês sem postar, sempre fico preocupada quando isso acontece (cabeça de co-dependente) rs.

    ResponderExcluir
  13. Gente, cadê a Polly??? Todos os dias acesso para ver se tem postagem e já faz tempo que ela não coloca nada... que triste!!!

    ResponderExcluir
  14. Bom dia!
    Atualmente não tenho relação nenhuma com "meu" adicto além de algumas palavras casuais qdo o encontro na rua.
    Porém quando lembro de quem ele era antes da adicção me bate uma saudade...
    Já que o nome é amando um dq, hj me peguei relembrando rs


    Polly
    Bom Dia!!
    Espero que esteja bem e tua família harmoniosa!
    Boa Semana a todas!
    (Apareça, rs)

    ResponderExcluir
  15. [2] Cadê vc Polly? Mais de um mês sem postar,...

    ResponderExcluir