terça-feira, 25 de novembro de 2014

A "Santa" Ibogaína?



Bom dia, queridas(os)!

Tudo bem?

Diante da recaída do meu esposo, dezenas de leitores do blog me sugeriram o tratamento com ibogaína.

A ibogaína está na mídia, e as reportagens sensacionalistas garantem que ela é a “cura” para a dependência química.

Como muitos familiares me pediram para falar sobre esse assunto, aqui estou eu.

A primeira vez que ouvi falar sobre a ibogaína foi em junho de 2011, e como a maioria, fiquei muito eufórica. Juntamente com a Giulli, do Blog Valeu a Pena, comecei a fazer pesquisas e mais pesquisas. (Clique aqui, e veja a postagem que fiz na época).

Me lembro que o título da revista Galileu dizia “A droga que cura o vício” e havia uma matéria empolgante também na Superinteressante.

De imediato, encontrei uma clínica em Curitiba que fazia o tratamento. Conversei com a Dra. Cleuza Canan, dona da Clínica e Psiquiatra, e também com o gastroenterologista Bruno Ramussen Chaves, idealizador do tratamento no Brasil.

Dias depois, recebi um DVD em casa, que trazia uma palestra dada por esses profissionais, explicando os efeitos da iboga no organismo, e depoimentos de pessoas que fizeram o tratamento e conseguiram a abstinência das drogas.

Eu parecia estar sonhando! Como uma boa codependente, não conseguia pensar em outra coisa!

E por que meu esposo não fez o tratamento? Porque poucos dias antes, ele recaiu, e eram necessários 60 dias limpo para a aplicação da ibogaína. Além disso, o investimento seria muito alto.

Após aquela recaída, nunca mais falamos a respeito desse tratamento, porque duvidei da motivação dele em relação a se “livrar” do vício.

O tempo passou, e agora o assunto está em alta.

Agora, com os pés nos chão, voltei a fazer pesquisas.

Conversei novamente com profissionais da Clínica da Dra. Cleuza Canan e com profissionais do IBTA – Instituto Brasileiro de Terapias Alternativas, e infelizmente não consegui falar com o Dr. Bruno, que hoje não trabalha mais com a Dra. Cleuza.

Hoje o tratamento está custando de R$6.900,00 a R$8.500,00.

E o que a ibogaína faz?

Falando de um modo bem simples, ela parece dar um “ctrl+alt+del” no cérebro do indivíduo, apagando a memória da droga, e "reiniciando o sistema".

É muito louco porque somente a lembrança do prazer proporcionado pela droga é deletado. O restante permanece intacto.

Durante a aplicação, o indivíduo terá vômitos, tontura e ficará em um “transe”, que durará cerca de cinco horas.

Conversei com o Dr. Leonardo Moreira e com o Dr. Evandro Faganello que são Psiquiatras Especialistas em Dependência Química, aqui de Brasília, e ambos acreditam que a ibogaína seja algo promissor no tratamento da dependência química, mas alertam que existem poucos estudos sobre esse tratamento. Ou seja, não podemos afirmar o que acontece com o indivíduo após muitos anos dessa aplicação. Além disso, eles alertam para o fato de que, no passado, muitos morreram em razão da aplicação da ibogaína.

Segundo as clínicas brasileiras, não houve nenhum caso de morte no Brasil. É necessário cuidado para que não se misture a ibogaína a outras drogas, e para que a dose administrada não seja excessiva, o que poderia causar uma parada respiratória.

Mas, e aí, Poly? A ibogaína cura mesmo a dependência química?

Não, ela não cura. Ela gera uma enorme redução dos sintomas da síndrome de abstinência, alguns afirmam que ela retira 100% desses sintomas, mas isso não é a cura.

Muitos dependentes químicos conseguiram ficar anos abstinentes, o que acaba reduzindo, e muito, os sintomas da fissura, entretanto, em um determinado período da vida, recaíram.

Isso acontece porque a adicção é uma doença comportamental, e não meramente física.

Sim, acredito que a ibogaína pode ajudar, e muito! Mas ela só vai ajudar aquele que realmente QUER parar com o uso de drogas.

Antes e após a aplicação da ibogaína é necessário e fundamental que o adicto faça terapias, vá aos grupos de NA, procure uma igreja, se apegue à família, e cultive hábitos saudáveis, para buscar um resultado duradouro no tratamento.

Quanto à pesquisa da UNIFESP, observem bem: a pesquisa utilizou apenas 75 pacientes, que além da substância, se mantiveram em psicoterapia, e 72% conseguiram se manter abstinentes após um ano.

Claro que, se comparado a uma internação convencional, é muito animador, afinal, apenas 3% a 5% conseguem se manter limpos por mais de um ano! Mas, por favor, famílias, não confundam isso com “a cura”!

Além disso, não há garantias que o efeito da ibogaína dure “para sempre”. Não é mesmo?

A exemplo disso, o rapaz que me ligava em 2011, de Curitiba, para incentivar meu esposo a se tratar, hoje está recaído, mesmo após a ibogaína.

Então, onde está a cura? Onde está o milagre?

Está no QUERER e na DECISÃO do dependente químico.

Ah, e por favor, quem for aderir a esse tratamento, pesquise direitinho, pois tem muito charlatão a fim de ganhar dinheiro às custas do desespero alheio. Nada de chás, ou de comprar pela internet, viu?! O procedimento deve ser feito por especialistas!

A Luciana está relatando, em seu Blog, a experiência do marido dela, que fez a aplicação da ibogaína recentemente, clique aqui, e acesse. 

Espero ter ajudado!




Quero contar para vocês como andam as coisas por aqui... Tenho boas notícias!

Meu marido está limpo há 08 (oito) dias!

Após encarar a perda da família, e se ver sozinho em uma pensão, ele ficou quatro dias afundado no uso... Confesso que tive medo de perdê-lo de vez... Mas, ele fez uma escolha, a melhor escolha: na segunda-feira, dia 17, ingressou novamente no N.A., e mesmo sozinho, se manteve limpo em todos esses dias!

Viu só, famílias, como não depende de nós?!!

Ele está indo às salas todos os dias, e voltou ao tratamento, graças a Deus!! Fez tudo isso sozinho.

Ele passou o fim de semana conosco, e foi muito bom! As crianças ficaram radiantes de alegria! Papai pra lá, papai pra cá...

Ele está muito magro ainda, mas é bom vê-lo novamente buscando a recuperação, só por hoje!

E sim, conversei com ele sobre o tratamento com ibogaína. Falei sem muita ênfase porque não quero distraí-lo do seu propósito e da sua luta diária. Mas, se tudo der certo, em dezembro ele fará esse “tratamento inovador”. Acredito que com a vontade que ele tem, se os sintomas do uso se amenizarem, vai dar certo, um dia de cada vez!

Sem grandes expectativas, mas com muita esperança.

Não, eu não desisti da minha família... E se há uma pequena luz no fim do túnel, é pra lá que vamos!

Se ele escolhe a droga, não há espaço para mim, mas se ele escolhe a recuperação, certamente minha mão estará sempre estendida...

Ele continua na pensão. Eu continuo aqui. Mas agora estamos mais juntos do que nunca...

Para finalizar, vou deixar, abaixo, um pedacinho do VI Curso de Multiplicadores de Ações de Apoio às Famílias para vocês, realizado de 18 a 20/11, aqui em Brasília.



Foram formados mais 232 novos multiplicadores! 



 Dra. Amanda Wanderley, Subsecretária de Políticas sobre Drogas do DF, na abertura.



Polyanna P.: "A família precisa de cuidados!" 



Público presente no auditório da Câmara Legislativa do DF.



Dr. Theodoro: "Tráfico e uso de drogas: aspectos legais."



Antonia Nery: "A família como fator de proteção!"



Visita aos stands: N.A., NAR-ANON, AL-ANON e AMOR EXIGENTE presentes.



Música ao vivo. 



Dr. Evandro Faganello: "O tratamento da dependência química e da família."



Dr. José Fernando:  "Um panorama da codependência."



Depoimento de Cesar Ricardo, ex-usuário, e de sua mãe, D. Ana Lucia, fundadora do Amor Exigente em Brasília.



Dr. Leonardo Moreira: "O cérebro e a droga."



Sorteio de brinde aos multiplicadores.



Parte da Equipe Ame, mas não sofra!

Fiquem com Deus!
Beijos.

23 comentários:

  1. Exatamente...NADA MUDA SE EU NÃO MUDAR ...rs...boa sorte...e acredito que em breve também poderei falar sobre a Ibogaína...rs...sem expectativas...mas com esperança que SE ELE QUISER...ele consegue...tmj

    ResponderExcluir
  2. Olá. Comecei a acompanhar seu blog há pouco tempo. Moro em Planaltina-DF e gostaria de saber mais informações sobre este curso. Atenciosamente.

    ResponderExcluir
  3. Juntas podemos mais...

    A verdade é que nós nunca desistimos!
    bj grande!

    ResponderExcluir
  4. Ibogaina é um alucinógeno e deve ser tratada como tal. Não é a cura apenas a dopagem do cérebro por uma nova droga. Não é legal, procure mais informações antes de uma decisão final.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc deve se informar mais, pois não é alucinógeno

      Excluir
  5. Amiga querida, acompanho o seu blog, as suas postagens são úteis demais.
    Não se iluda quanto a ele ter ido buscar tratamento, pois ele pode estar fazendo isso apenas para impressionar, para ter você de volta.
    Falo isso porque namorei um dependente químico no passado e, toda vez que recaia e ele sentia que ia me perder, ia lá e se internava. Mas, depois saia das internações e logo usava.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Polly, ibogaína só tira a fissura da droga. Depois do drogado desintoxicar e se ver livre do vício é hora de cortar o mal pela raíz: acabar com a ansiedade, que é a mãe de todos os vícios, TODOS. Para isso o mais eficaz tratamento que existe (para drogadicção, para ansiedade, para depressão e uma pá de problemas) é a HIPNOSE! Não fique sem essa terapia. Faça o tratamento com a ibogaína e já na semana seguinte, inicie a hipnoterapia. Senão a pessoa vai voltar a usar... a ibogaína é apenas para parar a fissura, o tratamento mais eficaz que exite é a HIPNOSE!!

    ResponderExcluir
  7. Meu nome é C. E, Tenho 20 anos, tive meu primeiro contato com álcool e drogas com 12 anos, no qual com 17 anos fazia uso diário e hoje sou um dependente em recuperação, tive a oportunidade de conhecer a ibogaina no qual facilitou a minha recuperação no meu tratamento. Tive um acompanhamento de 90 dias antes de tomar a primeira dose de ibogaina, Tive muitos pensamentos sobre minha vida, facilitando muito o discernimento do que estava certo e errado em minha vida e a cada pensamento que vinha eu me perguntava( como não pensei isso antes) é obvio, além da dependência química, desde a infância sofro de déficit de atenção com a ibogaina hoje consigo me concentrar e até ler livros inteiros, antes da ibogaina eu não compreendia a importância da leitura. Depois de um tempo tomei uma segunda dose no qual tive varias experiências positivas porem diferentes, não era os mesmos pensamentos da dose passada. Hoje consigo superar a cada dia com muita fé em deus, com o apoio de minha família que estavam ao meu lado a todo o momento e um tratamento realizado na clinica cleuza canan, agradeço a Dra. Agora continuo a ter pensamentos positivos e observando os momentos críticos e com muita facilidade de dizer não.

    ResponderExcluir
  8. Meu nome é J. Tenho 49 anos, comecei a beber aos 15 anos nos finais de semana, Aos 25 anos usei cocaína pela primeira vez. Durante meses usei sem nenhum prejuízo, até que o uso atrapalhou os estudos. Foram 17 anos de adicção.
    Cheguei perder a esperança de voltar a viver. Em 2007 mudei minha vida, coloquei na mão de deus, mas firmei o compromisso de seguir os passos e o programa de recuperação da Dra. Cleuza Canan. Hoje continuo no mesmo grupo terapêutico e agradeço todos os dias aos meus pais e minha esposa, que me apoiaram e permaneceram ao meu lado.
    Não estou fazendo propaganda mais quem quiser sobre a ibogaina ou sobre a Dra Cleuza Canan
    segue o site abaixo
    www.ibogainabrasil.com.br / www.cleuzacanan.com.br
    Obrigado por tudo.

    ResponderExcluir
  9. Olá , eu tenho o contato do Dr Bruno Chaves , caso alguém tenha interesse... meu namorado esta se tratanto para ficar limpo e tomar a ibogaína, o Dr Bruno Chaves é o idealizador do uso da Ibogaina no Brasil e outra foi ele o responsável juntamente com o Dr Dartiu Xavier a provar a tese feita com pacientes na UNIFESP e com sucesso de 80% entre os pacientes. quem desejar o contato do Dr Bruno Chaves basta ligar para : ‪01433727187‬
    Falar com Luciene (Secretária Dr Bruno)

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde

    Me desculpe mais os pacientes não era do Dr Bruno Chaves, eu participei da pesquisa e os pacientes vieram da Clínica Cleuza Canan, o estudo foi feito lá, eu estava internado na época da pesquisa, não é somente a ibogaina mais sim um tratamento completo com uma equipe multidisciplinar e a ibogaina a Dra Cleuza Canan usa a ibogaina como uma ferramenta no tratamento da dependência quimica a unifesp pegou os pacientes prontos para estudo, mais a fases da desintoxicação, aceitação e mudança comportamental é toda a equipe da Dra Cleuza que faz esse trabalho
    Tenho o site da Dra Cleuza quem quiser saber o trabalho dela www.cleuzacanan.com.br

    ResponderExcluir
  11. Basta procurar na internet e ver realmente quem é citado juntamente com Dr Dartiu Xavier , é o Dr Bruno Rasmussen Chaves , meu sobrinho fez o tratamento e está limpo há 4 anos . Eu recomendo, cllaro que é como aqui muitos comentaram o adicto tem que desejar deixar as drogas .

    ResponderExcluir
  12. sofro muito com o vicio do crack pretendo comprar ibogaina se aiguem tiver informaçao me ajude elvisberna76@gmail.com

    ResponderExcluir
  13. Ibogaína foi testado e provado ser o remédio mais eficaz para dependência de drogas. Você está cansado de seu vício em drogas, álcool, cigarros, etc. E-mail; ibogasolutions@live.fr, para obter detalhes. Ibogaína é uma nova terapia para dependência química que elimina sinais de abstinência físicas e interrompe o comportamento ânsia de drogas. É tanto um vício-breaker terapêutico e psicoativa. Ele ajuda a quebrar ambos os vícios de drogas e álcool. Todas as informações e ajuda sobre como administrar o tratamento ibogaína também é fornecido.

    ResponderExcluir
  14. Infelizmente muitos lugares aplicam de modo errado a ibogaina , inclusive tem gente vendendo na internet dizendo q a pessoa pode tomar em casa , isso JAMAIS PODE OCORRER!!!! A Ibogaina é um remedio vindo de uma planta africana e é muito potente !!! Meu namorao fez o tratamento com Dr Bruno Chaves que nos foi recomendado pelo Dr Dartiu xavier da UNIFESP. Porém uma coisa é fato, se o adicto não se esforçar em tratar , ser firme e após a ibogaina nao fizer tratamentos que devem ser feitos como o psicologico , realmente não irá funcionar! A Ibogaina é forte , é potente, porém tem que haver a força de vontade de querr se livrar das drogas . Eu dou meu testemunho, ja que passamos por tudo isso e nao foi fácil! Meu namorado infelizmente nao seguiu os tratamentos sugeridos e recaiu e agora coninua a se internar para tratar sua dependencia.

    ResponderExcluir
  15. que maravilha estou partindo para um tratamento no mato grosso, e se Deus quiser estarei livre da droga, Deus e bom e cria varias maneiras de ajudar a gente viver uma vida normal !!!! obrigado pela ajuda !!! tirei varias duvidas no seu blog, lê voce falar sobre um dvd, como consigo? abraços

    ResponderExcluir
  16. Alguma indicação de tratamento rápido (5 dias) com ibogaína em Brasília?

    ResponderExcluir
  17. TRATAMENTO COM IBOGAÍNA DEVE SER REALIZADO COM RESPONSABILIDADE.
    No Grupo ViDA o tratamento com Ibogaína é realizado com total segurança, responsabilidade e respeito, administrado por profissionais da área da saúde e em ambiente hospitalar.
    https://www.grupovidasorocaba.com.br/ibogaina

    ResponderExcluir
  18. Gostaria que meu filho fizesse esse tratamento, pois a situação em que ele se encontra é desesperadora para uma mãe,ele tem 31 anos ,é morador de rua a três meses

    ResponderExcluir
  19. Tudo o que eu digo a vocês é: muito cuidado, esse medicamento não tem liberação da ANVISA, eu nem sei como permitem que as clinicas ministrem essa substancia. Imagina a dor dessa familia, perder alguém tudo por causa de GANANCIA, não pensaram na dor da familia, tem gente que só visa o dinheiro, nao esta nem ai pra suas fraquezas...

    ResponderExcluir
  20. Olá por favor, alguém sabe informar se existe alguma clínica que realiza o tratamento no boleto bancário e parcelamento
    Desde já agradeço

    ResponderExcluir
  21. Não sei o que é pior, por um lado viver diariamente com um dependente químico ou temer a morte durante uma tentativa desse dependente l largar o vício.
    Será que não há como controlar mais de perto os pacientes para que sejam socorridos antes da parada cardíaca?
    MD como dói isso. Estou cansada de só receber msg de meu filho pedindo dinheiro, dele não parar em nenhum emprego, de ter que me preocupar com os quatro filhos dele, que são vítimas assim como os demais que convivem com ele...
    Estou economizando um dinheiro todo mês, tirando de onde não posso, para que ele faça esse tratamento, mas será que ele quer? Será que vai dar certo?
    Por enquanto estou tentando juntar, depois vou pedir que ele mesmo faça a pesquisa de IBOGAÍNA para então decidirmos o que fazer.
    Não é fácil. Para dizer a verdade é difícil demais.

    ResponderExcluir
  22. Alguns comentários dessa postagem foram excluídos por solicitação da clínica IBTA, por entender que tais comentários denegriam a imagem da clínica em referência.

    ResponderExcluir