quarta-feira, 11 de junho de 2014

Floresceu novamente!



Boa tarde!

E então, animados para a Copa do Mundo? Começa amanhã!!

Eu andei bem chateada (revoltada) com os altos custos dos estádios, mas sou uma verdadeira apaixonada por futebol, e quando vejo as camisas amarelas em campo não consigo não torcer... Lembro-me de quando eu era menina (copa de 90), minha irmã e minha mãe não entendiam nada de futebol, e eu explicava tudo, pois já sabia as regras, e conhecia todos os jogadores. Na copa de 94, fui sozinha ver os jogadores na Esplanada dos Ministérios, e me sapequei toda no sol... É, eu nunca fui muito normal... haha

Quanto aos estádios superfaturados, acho que o melhor lugar para mostrarmos nossa indignação em relação à forma como o dinheiro público vem sendo gasto, é nas urnas. Não é mesmo?!

Amanhã a pipoca e o verde e amarelo estarão garantidos aqui em casa.

Por aqui, está tudo bem. Meu esposo segue limpo, matando um leão por dia! E sei que se ele se mantiver firme, com o passar dos dias, os sintomas ficarão mais leves. No caso dele, o sintoma mais forte é a instabilidade emocional.

Daí, nesses dias, a família tem a opção de embarcar com eles nessa instabilidade, ou de reconhecer isso como um sintoma da abstinência, algo deles e não nosso, e que vai passar.

Em alguns dias, me saio bem. E em outros, me saio muito mal. Mas, hoje temos humildade para reconhecermos os nossos erros e pedirmos desculpas um ao outro, quando necessário.

É interessante vermos como vamos crescendo com o tempo, não é mesmo?

Hoje estava conversando com uma amiga, irmã de um adicto. Ela e sua mãe são pessoas muito queridas, e nos conhecemos já há alguns anos. A senhora sua mãe, tempos atrás, era alguém muito (muito mesmo!) codependente, e que pouco sabia sobre a dependência química. E aos poucos (com muito custo), ela buscou informação, buscou tratamento, e recebeu acolhimento. Daí, um dia desses, ela viu uma outra mãe falando sobre a internação do filho, e que ele sairia “curado” de lá. Surpreendentemente, ela virou e disse: “Hum, não sabe de nada... inocente!” Eu ri muito com isso. É bom ver o crescimento das pessoas. Hoje o filho dela está limpo há vários meses, mas ela sabe bem o que é a dependência química, e mais que isso, ela está se tratando com Psiquiatra, Psicólogo, buscando ajuda espiritual, enfim, se fortalecendo... E ela voltou a viver a própria vida. Bom demais ver isso!

E quando penso em parar com o meu trabalho, chega alguém como uma esposa que conheci nesta semana. Casada há 33 anos. Não tem mais nada em casa (nada mesmo!). O marido, usuário de crack já trocou tudo por drogas, e é violento com ela. Há mais de 10 anos eles não têm uma relação de marido e mulher. E ao conversar com ela, vejo uma prisão tão enorme entre ela e o esposo, algo tão doentio, que somente com o tempo, e com amor, podemos realmente ajudar. Mas, é aquela coisa, ainda que ela não queira mudar de vida, o abraço acolhedor é sempre bem-vindo nessa hora de dor...

Aprendi a não ter pena de nenhum familiar e de nenhum adicto... Hoje sinto apenas compaixão. Pois sei que todos eles podem sair dessa, se quiserem.

Eu acredito muito nas pessoas. Acredito que qualquer mãe de adicto pode voltar a viver, acredito que as esposas podem ser felizes, e acredito que as namoradas podem fazer boas escolhas para as suas vidas... Acredito que qualquer adicto pode ser o que quiser ser... Tudo depende do tamanho da decisão de cada um, e da sua fé!

Mas, claro que nada vem de graça, há um preço a ser pago. Você está disposto?

Ontem recebi um convite para dar o meu depoimento no Grupo de Apoio que mudou a minha vida. No dia 22 do mês que vem, estarei lá, naquela mesma sala... Comecei frequentando o grupo, buscando algo que curasse o meu marido, mas na verdade lá estava a “cura” para mim mesma. E eu não desisti. Todas as terças-feiras, estava lá, com meu bebê no colo. Era difícil, longe de casa, marido recaindo, e eu só sabia chorar e chorar. Mas, também sabia ouvir. Fui com minha mente aberta, com humildade. Fiz o que me sugeriam. Li os livros que me indicavam. E pouco a pouco, fui me libertando daquela dor que me consumia e que dominava a minha vida... E vejam só, eu nunca imaginei que, quatro anos depois, estaria ali dando o meu depoimento, para outras pessoas que estão chegando, afundadas naquela mesma dor, tão conhecida.

Isso é a prova do amor de Deus na minha vida. É a prova de que vale a pena não desistirmos de nós mesmos, nunca.

Bom, e amanhã é dia dos namorados! Ahhhh...

E quero contar uma história para vocês.

Em 25 de maio do ano passado, fiz uma postagem aqui no blog, falando sobre a publicação do meu segundo livro: Amando um Dependente Químico – Dias de Recuperação (CLIQUE AQUI, e veja). E na ocasião, falei que sobre a mesa de autógrafos, estava a orquídea que meu esposo havia me dado, representando o nosso amor. Se lembram?


Nossa orquídea sobre a mesa, em 2013.


Vocês sabem que as orquídeas só florescem uma ou duas vezes por ano, né?

Pois é. Passado o mês de maio de 2013, as pétalas caíram, e ficou apenas o tronquinho da orquídea. Durante todo o ano cuidamos dela...

Neste ano, novamente no mês de maio, ela começou a brotar, e ficamos super entusiasmados. Mas, nosso filhinho caçula, em um descuido nosso, arrancou o galhinho que estava brotando. Quase chorei quando vi. Achamos que ela havia morrido...

Dias depois, para a nossa surpresa, aquela plantinha deu um jeito de brotar novamente em um outro galhinho. Era inacreditável! Ela estava viva! E brotando novamente.

Continuamos cuidando dela. E na semana passada, novamente ela floresceu! Linda!

E ela está aqui, em nossa mesa da sala...

E ela descreve muito bem o nosso amor.

Viva e linda, em 2014!

Feliz dia 12 de junho a todos! E boa sorte, Brasil!!!

13 comentários:

  1. Nada acontece por acaso, e o papai do céu conhece exatamente quais são nossas capacidades, por isso aquela frase: ninguém carrega um fardo maior do que possa suportar....ainda é, e acredito que por muito tempo ainda será necessário segmentar os caminhos que levam até o conhecimento interior, até o amar ao próximo como a ti mesmo, ainda precisamos de rótulos pra nos encontrarmos em meio a tamanha diversidade de situações, enquanto isso precisaremos de pessoas que atuem em cada área, em cada porta de cada estrada, vc encontrou a sua, eu a minha e chegará o dia em que não será mais necessário várias estradas, nos encontraremos em uma única estrada vivenciando a paz e a felicidade que tanto buscamos...Namastê, paz e luz pra todos..fiquem com Deus

    ResponderExcluir
  2. Esse blog é ótimo. Poly, você consegue explessar o que muitos não traduzem em palavras. E se dispõe, se dedica. Como lhe agradeço! Te encontrar me fez entender o que acontecia com "o amor da minha vida". Não entendia o vício e nem que eu estava (estou) tão ou mais doente do que ele... Aqui encontro algumas explicações, caminhos para tentar por minha mente em ordem. Amo tanto, mas tanto meu marido, que tentei! Tentei mesmo! Em cada recaída, vinha ver o blog, ter esperança... mas hoje é diferente... acabo de voltar do iml, exame de corpo e delito, delegacia, ps. Minha casa destruída, meu corpo violentado e meu coração dilacerado... Já não sei se foi a abstinência de 3 dias, se cheirou ou se tento esconder que a realidade é que ele é violento mesmo. Também tinha planos para amanhã, dia dos namorados com meu amor, minha vida... Não consegui! Não consegui separar. Não consegui separar nossas emoções. Até que contestei a maneira que eu vinha sendo tratada e ... tudo se foi. Mas tentei... obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida, em primeiro lugar receba o meu abraço apertado, e saiba que não está sozinha!
      Em segundo lugar, talvez seja a hora de você dar menos atenção às partes do blog em que falo de amor, e ler de forma mais atenta aquelas partes em que falo sobre a codependência, sobre o amor-próprio, sobre não permitirmos que ninguém nos faça mal, sobre limites e sobre buscar ajuda.
      Espero que esse fato tão ruim em sua vida, marque um novo início, um início diferente!
      Seu dia 12/06 pode sim ser feliz, só depende de você. Faça boas escolhas e ame-se, querida!
      Um grande beijo!
      Poly

      Excluir
  3. Que lindoo!!
    Por aqui também está tudo em paz só por hoje, especialmente dentro de mim mesma... Curti muito o "sabe de nada inocente" rsrsrs... mas brincadeiras á parte é maravilhoso poder crescer e ver os nossos iguais crescendo junto também... imagino a emoção de dar seu depoimento no grupo de apoio que te acolheu, a melhor parte de amadurecer é poder olhar ao nosso redor e colocar a nossa experiência de dores e alegrias á disposição do crescimento de quem chora as mesmas lágrimas... é muito gratificante! a gente vê que vale muito a pena, não só por nós e pelos nossos amados, mas também para muita gente... aliás, você sabe muuuito bem o que isso significa né? :)
    Paz e serenidade a você e ao maridão, só por hoje, sigamos em frente em nossas lutas, com os leões, dragões e outros monstros que aparecerem pela frente... rsrs...
    Grande abraço, e como nunca me canso de dizer: O-BRI-GA-DAAAA!!!!!
    Bjs,
    Cris

    ResponderExcluir
  4. Olá Poly, antes de mais nada gostaria de agradecer mais uma vez, como sempre suas postagens me ajudam muito, essa em especial veio a calhar, realmente hoje precisava florescer, e renascer como sua orquídea.
    Estava escutando umas músicas, e como sempre elas falam aos nossos corações, e lembrei de vc, ou melhor de nós, rsrs.
    "Um amor tão puro que ainda nem sabe A força que tem, É teu e de mais ninguém...DJAVAN"
    É realmente assim que vejo meu amor pelo meu marido, PURO, é o único sentimento capaz de transformar e fazer renascer.
    Um grande Abraço, e muitas vitórias, um dia de cada vez.
    Muito Obrigada.

    ResponderExcluir
  5. Oi Poly! Nossa, o texto de hoje me emocionou. Você não deve ter lido ainda mas ontem, antes de você postar esse texto, te mandei um e-mail falando justamente da instabilidade emocional do meu marido e como você e o blog me ajudaram e me ajudam a lidar com isso, como aprendi sobre a co-dependência e estou buscando mudar, e mudando tenho ajudado também o meu marido e nossa relação a melhorar. Antes eu entrava em desespero com a instabilidade dele, e quanto mais eu me desesperava mais elas duravam e eram cruéis. Agora já lido um pouco melhor e ele cai em si mais rápido... parece que os efeitos da abstinência estão diminuindo com o tempo... Graças a Deus

    ResponderExcluir
  6. Oi Poly, procurando na net "como ajudar um adicto" encontrei seu blog, um post antigo de 2011 quando seu marido estava interno e vc grávida. Ao atualizar a página fiquei muito feliz e esperançosa em ver que o blog continua atualizado, seu marido limpo e vcs bem. Meu marido se manteve na ativa durante 1 ano, depois de passar por uma depressão, ele mesmo me contou tudo e pediu ajuda, está em recuperação com tratamento semi intensivo 3 vz por semana as tardes com um grupo de psicólogos e outros adictos tb em recuperação, 1 vez por semana eu vou a reunião da família. Somos praticamente só nós 2, não conto com a parte da família dele que sabe (a maioria bebe muito e os encontramos em ocasiões de festas, o que temos evitado há um bom tempo) e decidimos não falar para minha, optamos por não gerar mais co-dependentes. Ele está no primeiro passo e semana passa quando completou 1 mês limpo pediram para que fizesse um texto, fiquei contente pois nele ele relatou que esse primeiro mês foi relativamente fácil e tinha contado com grande ajuda minha. Mas como bem sabemos não é fácil e essa semana ele me disse que a vontade de usar voltou há uns 3 dias, me desesperei, mas não demonstrei minha aflição. Não sei bem o que posso fazer para ajudá-lo, os textos que li dizem que essa fase passa, que depende dele. Sei que tenho que me manter serena e cuidar de mim, mas como é difícil! Sonho em ter nosso filho ( estamos juntos há 14 anos, desde os 16), mas agora praticamente desisti, disse que quando ele completasse 2 anos limpo voltaria a pensar no assunto. Meu maior medo é a recaída e que ele precise ser internado, seria terrível pra ele e pra mim, 6 meses sozinha, tento não pensar nisso e viver o Só por Hoje, um dia de cada vez. Lerei suas postagens antigas para me fortalecer, tb estou lendo o livro Co-dependência nunca mais. Obrigada!

    ResponderExcluir
  7. Oiii, Poly tennho uma duvida: a vida social pode atrapalhar? Por exemplo: ir a um show, ir em uma festa???

    ResponderExcluir
  8. Boa noite! Poly econtrei seu blog por acaso,mais fiquei super feliz ,pois só em ler algumas postagens ja me identifique uma vez que estou vivendo uma situação bem parecida..neste exato momento meu esposo(um adicto em cocaina) saiu de casa à tarde e bem sei que só voltará amanhã.Mais tenho procurado ajuda para minha co-dependencia, e com relação a ele,agora resolvi deixa-lo arcar com suas escolhas.Seu blog será mais uma ajuda para minha vida.fique com DEUS
    Ana

    ResponderExcluir
  9. Oi Poly,
    meu nome é Tatiana, sou namorada de um adicto e mandei um e-mail para você para conhecer um pouquinho da minha história. Passo por aqui para dizer que amo você e seu blog que tanto me fizeram bem e foram instrumento de Deus para que eu começasse minha recuperação. Obrigada! Aproveito para dizer que estou com saudades de você, mas fico feliz que esteja se realizando nesse novo desafio na vida profissional que também vai alcançar muitas pessoas que precisam. Deus abençõe vc e sua família. Bjão

    ResponderExcluir
  10. Oi Poly! Cadê vc? Saudades das suas postagens. Bjo

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde Poly

    acabei de achar seu blog e estou encantada! Estou passando por um momento muito ruim e suas postagens me deram ânimo para prosseguir. Meu marido está internado a 5 meses e neste fds saiu para uma ressocionalização e eu não consegui manter a serenidade que vinha cultivando a vários meses, Recaí no meu surto de controle, briguei, chorei... ele voltou para a clínica e eu estou com o gosto amargo na boca de alguém que fez uma coisa idiota.Mas Deus conosco e sábado estarei pronta para recebê-lo na segunda ressô. Estou grudada no pc lendo tudo avidamente e espero aprender com você. Deus abençoe e que só por hoje você fique bem e eu também. :)
    Gisele

    ResponderExcluir