terça-feira, 22 de abril de 2014

Sou pequena demais!



Boa noite, queridas(os)! Tudo bem com vocês?

Por aqui, tudo bem, graças a Deus!

Acabei de colocar os pequenos para dormir (ufa!), e hoje meu esposo está de plantão à noite, daí resolvi aproveitar esse momento sozinha para vir aqui, escrever.

Estou há oito dias em casa, com uma conjuntivite forte, que não passa. Hoje até fui para o trabalho, mas me fizeram voltar para casa. Não sei se por cuidado comigo ou por medo do contágio. Risos.

Peguei do meu bebê, e o maridão também pegou. Então no feriado ficamos de molho em casa...

Mas, ainda assim, foi muito divertido. Nesse ano, fiz as pegadinhas do coelho para meu filho de 5 anos seguir. Foi o máximo! Ele tontinho de sono, seguindo as pegadinhas feitas com tinta guache pela casa, e colhendo os chocolates. Deixei o ovo que ele tinha pedido (do Hot Wheels) no local mais difícil para ser o último a ser encontrado, e vocês precisavam ver a cara de felicidade dele ao ver esse ovo!

Fiquei encantada com a inocência e fantasia do meu filho! É muita doçura! Acredita piamente que foi o coelhinho quem trouxe os ovos, e deixou as pegadas. Por falar em pegadas, deu um trabalhão para limparmos a tinta da cerâmica. Missão para o maridão ajudar... Tadinho. Risos.

Além disso, meu filhote participou de uma peça sobre a morte de Jesus, na escola. Não pude ir, mas vi o vídeo, e acompanhei a empolgação dele em casa. Ele foi o soldado que prendeu Jesus.

“Puxa, sou tão amigo de Jesus, não quero prender Ele! Não vou fazer isso com Jesus...”

“Mamãe, sabia que Jesus morreu para nos salvar? Mas, ainda bem que Ele já sarou!”

Essas foram algumas das “pérolas” ditas por meu filho, nesses dias. Lindo demais, né?

Quanto ao meu esposo, ele segue bem. Quem acompanha o blog sabe que, no ultimo ano, ele teve um lapso em novembro e outro no início de março. Ou seja, ele recaiu. Mas o interessante foi que após o uso, ele não caiu na compulsão, mas sim na repulsa, se levantando novamente para um novo período abstinente, que já passa de 50 dias.

Puxa, tomara que isso o afaste de vez da droga. Digo isso porque quando o conheci, ele tinha um outro vício, o álcool. Ele bebia todas as semanas. Entretanto, ele começou a passar mal com a bebida. Então cada vez que bebia, não tinha mais a compulsão por beber mais, mas a repulsa. Até que ele parou de vez. Hoje, ele está há mais de seis anos sem beber nada nada de álcool. Algo que eu imaginava ser impossível de acontecer.

E nesses últimos dois usos de cocaína, mesmo usando pouco, ele passou muito mal, e não caiu naquele ciclo de recaída, culpa, uso, compulsão, uso, culpa, etc. Simplesmente usou, se enojou, e se levantou.

Sei que a doença é progressiva, mas quem sabe a cura também seja?!! Nem precisa vir me dizer o be-a-bá da doença, viu, gente? Eu sei, eu sei. Mas, eu continuo acreditando que verei o meu marido livre disso.

Ele quer! Eu quero! Deus quer! Então, acredito e ponto!

Nos últimos trinta dias, tenho passado momentos difíceis. Nada a ver com adicção ou codependência. Ou talvez seja sim consequência desses dois juntos, que ainda temos que arcar.

Mas, o fato é que são dias difíceis.

Então muitas vezes, nesses dias, meu marido e eu nos abraçamos e dissemos um ao outro: “Já passamos por coisas muito piores, esse vento não vai nos derrubar. Vamos passar por isso juntos. E ainda vamos rir de tudo isso.”

E eu realmente acredito em dias melhores!

Quando meu esposo recaía quase toda semana, quando a dor era tão grande em meu coração, muitas vezes eu não tinha forças nem mesmo para conversar com Deus. Então eu simplesmente fazia a oração da serenidade, em meio a tantas lágrimas. Às vezes sem forças, cansada, com vontade de desistir, mas no meu coração ainda era possível sentir o calorzinho da fé.

Na semana passada, meu esposo cuidou de um dependente químico no hospital, e passou o número do meu telefone para a mãe do rapaz, para que eu conversasse com ela. Ela nem imagina que meu marido também é um dependente. Ao telefone ela disse: “parabéns pelo marido maravilhoso que você tem, Deus o colocou no meu caminho. Ele é tão generoso e de tão bom coração. Agradeça a Deus todos os dias pelo marido que você tem, minha filha.”

E é isso o que faço, agradeço a Deus todos os dias pela vida do meu marido. Ele cresceu muito. E eu também.

Tem dias que dá vontade de mandar ele ir catar coquinho na esquina, e às vezes até mando mesmo... Risos... Mas, ele é o homem a quem eu amo, e também o homem que me ama. Somos complicados, temos tantos traumas, tantas dores, tantos desafios... Mas, juntos nos sentimos mais fortes, e melhores.

Hoje, mesmo longe das drogas, estamos vivendo dias difíceis. Mas, Deus sempre esteve do nosso lado. E se Ele está do nosso lado, não tem pra mais ninguém!

Eu tenho CERTEZA que um dia virei aqui nesse blog, fazer um post narrando a forma como conseguimos dar a volta por cima, nesse desafio das nossas vidas.

Um dia alguém me perguntou por que Deus permite que soframos. Daí pensei e respondi: Sou pequena demais para saber...




Como assim, Poly?

Eu creio em um Deus de amor. Um Deus que é meu Pai, Cuidador. Ou seja, não acredito em um Deus sádico que quer nos ver sofrendo. Mas, então, por que sofremos?

Bom, tenho um filho de dois anos. Ele adora colocar coisas nas tomadas, comer sabonetes, e subir na estante. Para que ele não se machuque, por vezes, preciso repreendê-lo e retirá-lo desses lugares. E ele chora muito, contrariado. Mas faço isso porque o amo, mesmo que ele não entenda.

Muitas vezes chorei. Muitas vezes doeu. E algumas coisas ainda estão doendo. Mas, a única coisa que não quero perder nunca é a minha fé, e a minha certeza do amor e cuidado de Deus por mim.

Algumas coisas não sei explicar o por quê de acontecerem. Não sei por que seu filho é um adicto. Não sei por que meu marido também o é. Não sei por que sentimos dores. Não sei por que cada um tem o seu próprio sofrimento. Mas, uma coisa eu sei: Deus nos ama! Então, nunca vou questionar com Ele... Afinal, é como se eu tivesse apenas “dois anos”. Algumas coisas não consigo entender. Sou pequena demais. Simplesmente confio que Ele sabe o que é melhor para mim, sempre!

Então o melhor a fazer é descansar nos braços Dele... e esperar a tempestade passar.





Grande beijo, queridas(os)!

9 comentários:

  1. É dificil!!! Muita vontade de desistir. Mas ainda resta aquela pontinha de esperança. Só Deus pra nos manter de pé!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia! Querida Jessica, voce nao esta sozinha... Converse com Deus, faça suas escolhas, e viva em paz... Voce pode desistir de tudo, menos de si mesma... Com amor. Poly.

      Excluir
  2. somos pequenos que juntos somos mais fortes...que Deus lhe de sabedoria e ilumine seu caminho para que tudo se resolva da melhor forma para o aprendizado de vocês..um abraço...fuiiiiii

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Poly !!! Como é bom ler seus depoimentos...me identifico muito...a unica coisa que realmente tambem não quero perder é a fé...este fim de semana estivemos em um evento de NA...e sei que é possivel... vejo que é possivel talvez não tenha chegado a hora do meu marido... de realmente ficar limpo sem recaidas...mas ao lçer alguns depoimentos seus mais antigos consegui nestes ultimos dias que ele ja esta bem melhos que á dez anos atras hoje ele busca as crianças na escola,faz tarefa com elas,é carinhoso e compreensivo comigo paga as contas... mas não consegue ficar limpo por um longo periodo e isso me desespera... me apavora de pensar que em uma dessas recaidas ele pode ser preso,ou não voltar para casa como aconteceu no passado...tenho medo de reviver o passado novamente...estou me colocando como anonima porque ninguem sabe que ele esta recaido e alguns nem sabem que ele tem problemas com droga os pais dele acham que desde 2007 quando ele saiu da clinica ele nunca mais usou...por isso muitas vezes me sinto sufocada as unicas pessoas que sabem das recaidas são os companheirois de NA com os quais desabafo...por este motivo vou me manter anonima !!!Mais uma vez muito obrigado!!!! Fran

    ResponderExcluir
  4. Bom Dia Poly estes Post nos da animo estou passando por um momento bem complicado, meu namorido já estamos a 7 anos nessa luta ficou até inicio deste ano 5 meses na Fazenda em tratamento quis sair antes e em 1 mes é a segunda recaida dele , faz uma semana que não aparece e nesta semana descobri que estou esperando um filho dele , e é angustiante não ter noticias pois mandamos ele embora la de casa , mas sempre deu noticias , a preocupação é contante até mesmo porque agora tem uma outra vida na história , sempre nos amamos muito mas esse vicio parece não ter fim já foram tantas as tentativas :( Angélica

    ResponderExcluir
  5. Conheci seu blog hj e me identifiquei muito ... Não tinha noção que muitas passam pela mesma situação que eu ... Sou casada a 18 anos, meu marido é 10 anos mais novo, adicto (cocaína), temos 3 filhas lindas e ele esta em sua primeira internação ... Estou muito mal, sinto muito a falta dele,apesar de todo sofrimento que já passamos sei que vale a pena lutar com ele , não perdemos a fé, e a oração da serenidade também me faz levantar.. Parabéns pelo blog, estamos juntas...Vou te mandar um email me identificando, é que muitos não sabem ...Uma ótima noite Deus abençõe vc e os seus...

    ResponderExcluir
  6. Bom dia, muito humano este blog. A luta é diária.
    Já estive do outro lado, hoje estou do lado da sobriedade.
    Familiares, não cedam a algum capricho do tipo, "Só uma cervejinha" ou "só um baseadinho". O Adicto se ilude que pode controlar , mas não consegue.
    Sugiro a quem não conhece que apareçam em Nárcoticos Anonimos ou Alcoolicos Anônimos.
    Que Deus proteja a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hola Anonimo, no meu caso meu esposo não quer reconhecer que tem essa dependência tanto da maconha como da bebida, que foi o que te levou a frequentar esses grupos? como caio a ficha de que tinhas problemas com adicção?

      Excluir
  7. Oi bom dia, sou casada com um dependente de maconha e as vesses cocaína e não sei que mas coisas, o constante e a maconha. Também adora beber. Levo com ele 10 anos e temos duas filhas, uma de 8 y outra de 5. é muito dificl e doe muito ver a pessoa que voce ama nessas situações. Ainda nao tive tempo de ler toda sua historia mais eu vou ler. e gostaria de te perguntar como encaras a situacion da dependencia quimica perante teus filhos? como lidas com o emocional deles? Abraços !

    ResponderExcluir