quarta-feira, 2 de abril de 2014

Aprendendo a velejar!



Boa tarde!

Tudo bem com vocês?

Comigo tudo em paz, e com minha família também, graças a Deus!

Hoje meu esposo saiu cedinho para o trabalho, e eu estava deitada, o observando, sem que ele notasse.

Ele havia deixado um café com leite sobre a bancada da cozinha para mim. Foi no quarto das crianças, e vi quando ele cobriu o nosso filho do meio. Em seguida, fez o mesmo com o caçulinha que dormia em nossa cama. Me deu um beijinho, e se foi.

É isso. Dias normais. Estamos enfrentando um problema grave, mas não é nada relacionado a drogas, nem ao nosso casamento. E sei que vamos superar.

Acho interessante quando me perguntam: como você pode ser feliz, convivendo com um dependente químico?

É importante destacar que não sou casada com um dependente químico. Sou casada com um homem maravilhoso, que sofre de dependência química, e que não se entrega a ela. Ele é muito mais do que a sua doença. E não desiste da sua luta.

Mas, independente dele, o bom mesmo é que aprendi a viver a minha vida, feliz.

E quando digo que sou feliz, não quero dizer que não há desafios, lágrimas, obstáculos ou cansaço. Há sim. Mas, ainda assim, levo uma vida feliz.

Acredito em uma felicidade que é acessível a TODOS, bastar querer, se apegar a ela, e valorizá-la.

Olhando para mim, vejo uma Polyanna mais feliz, desde que passei a ser mais positiva, a valorizar mais as coisas boas que Deus me dá todos os dias, a alimentar a minha fé, e sobretudo, desde que aprendi a acreditar mais em mim mesma e em meus ideais.

Querem uma dica? Parem de olhar para a “casa da vizinha”. Parece que na casa dela tudo é perfeito, né? Ela não tem familiar adicto, parece que para ela tudo é tão fácil... Ilusão! Certamente ela também tem os seus próprios desafios.

Cuidado também com as redes sociais. Elas te farão muito mal, se você não souber utilizá-las. Por favor, não acredite nas fotos maquiadas, sorridentes e festeiras. Isso nem sempre é real! Somente cada um sabe o que carrega no dia a dia.

Também não acredite nos roteiros de novelas.

A vida é mais que internet e TV. É algo real e palpável que acontece ao seu redor, pertinho de você, todos os dias, composta por alegrias e tristezas. Mas, ainda assim, ela nos propõe a felicidade, todos os dias.

Cada um tem a sua própria dor e desafio. E nós, familiares de dependentes químicos, também temos os nossos. Mas, ainda assim, podemos ser felizes. Só depende de nós e de nossas escolhas.

Quando aceitamos a nossa vida como ela é, e damos graças pelas dádivas recebidas, abrimos as portas para a felicidade real, e para a paz.

Gostaria de deixar um texto do Augusto Cury para vocês.

A vida é uma grande universidade, mas pouco ensina a quem não sabe ser um aluno...

Ser feliz não é ter uma vida isenta de perdas e frustrações. É ser alegre, mesmo se vier a chorar. É viver intensamente, mesmo no leito de um hospital. É nunca deixar de sonhar, mesmo se tiver pesadelos. É dialogar consigo mesmo, ainda que a solidão o cerque.

É ser sempre jovem, mesmo se os cabelos embranquecerem. É contar histórias para os filhos, mesmo se o tempo for escasso. É amar os pais, mesmo se eles não o compreenderem. É agradecer muito, mesmo se as coisas derem errado. É transformar os erros em lições de vida.

Ser feliz é sentir o sabor da água, a brisa no rosto, o cheiro da terra molhada. É extrair das pequenas coisas grandes emoções. É encontrar todos os dias motivos para sorrir, mesmo se não existirem grandes fatos. É rir de suas próprias tolices.

É não desistir de quem se ama, mesmo se houver decepções. É ter amigos para repartir as lágrimas e dividir as alegrias. É ser um amigo do dia e um amante do sono. É agradecer a Deus pelo espetáculo da vida...

Quais dessas características você possui?

Quem conquista uma vida feliz?

Será que são as pessoas mais ricas do mundo, os políticos mais poderosos e os intelectuais mais brilhantes?

Não! São os que alcançam qualidade de vida no palco de sua alma. Os que se libertam do cárcere do medo. Os que superam a ansiedade vencem o mau humor, transcendem os seus traumas. São os que aprendem a velejar nas águas da emoção.

Você sabe velejar nessas águas ou vive afundando?

(Dez Leis para Ser Feliz – Ferramentas para se apaixonar pela vida – Augusto Cury).




Vamos juntas(os), um dia de cada vez, aprendendo a velejar nessas águas, e a ser felizes! Você também vem, não é mesmo?! Por favor, não desista...


Para assistir a primeira parte da palestra sobre Codependência, CLIQUE AQUI.

Beijos.

Fiquem com Deus!

9 comentários:

  1. sou suspeita pra falar...fã do cury, fã de suas teorias...rs..... alias acabei de comprar mais um livro dele pra ler "o colecionador de esperanças"...e como o próprio Cury diz: "Aprenda a proteger suas emoções, mas não permita que a emoção domine a razão" o caminho do meio sempre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que quando somos felizes, somos mais inteiros e aptos para tomar as decisões que a razão demanda... Ele é demais mesmo! Bjão, Kel! ♥

      Excluir
    2. Nem sempre, as vezes nos escondemos de nós mesmos em um mundo que pintamos como "felicidade"....mais ai é outra história...bjusss

      Excluir
    3. É, aí é outra história...

      Excluir
  2. Obrigado pela esperança força e positivismo q sempre encontro aqui e q Deus seja contgo e com os teus!

    ResponderExcluir
  3. Lindo demais o texto e cheio de positividade, como sempre arrasando!...só discordo da parte

    "Querem uma dica? Parem de olhar para a “casa da vizinha”. Parece que na casa dela tudo é perfeito, né? Ela não tem familiar adicto, parece que para ela tudo é tão fácil... Ilusão!"

    Devemos olhar sim!!! E querer o melhor, sempre! Devemos para de olhar para o que não queremos ser, e olhar para onde queremos chegar, não como inveja, ou pra nos deixar pra baixo, mas para crescermos e melhorarmos, Deus não quer nos dar o pouco, Deus nos quer dar o muito, o melhor!

    Outra coisa Pollyzinha, quando você diz... " Por favor, não acredite nas fotos maquiadas, sorridentes e festeiras. Isso não é real!"

    Você está dizendo a mesma coisa que: "Nenhum dependente químico tem recuperação, apenas mudanças temporárias!" ou que a sua aparente felicidade nesse Blog, também não seja real....

    A felicidade existe sim e fotos felizes podem sim ser reais... A grama do vizinho pode ser sim mais verde! Isso só não pode afetar a minha grama, mas olhar pra ela e querer ter uma igual eu posso sim! Devemos ter sabedoria e nunca se contentar com o pouco, merecemos o muito, o todo, o melhor, merecemos siiiiiimmmm!!!!! :)

    Podemos e devemos sim ser felizes em um leito de hospital, ou em momentos cruciais de desespero, porém, não podemos ser felizes e sentarmos a bunda cadeira e pensarmos "sou feliiiz, nada me atinge, e ponto", devemos lutar para sair do leito do hospital, tomar remédio, porque nosso objetivo é sair do leito do hospital, queremos ficar bem, saudáveis e felizes mas não naquele ambiente, porque Deus não quer nos ver em um leito de hospital eternamente!

    Saudades desse cantinho!!!!! beijooos Gaby

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que saudades, minha linda Gaby!!!
      Na verdade, eu quis mostrar que a vida não é perfeita para ninguém. E o que vemos na redes é uma falsa perfeição, que muitas vezes frusta a quem está sofrendo. Mas, certamente sou a favor de lutarmos pelo que queremos, e também de lutarmos para nos livrarmos do que não queremos. É que esse blog não é escrito somente para esposas e namoradas, temos muitas mães, pais, irmãos e filhos aqui também. Muitas vezes não podemos mudar o fato de termos um dependente na família, mas podemos ser felizes mesmo convivendo com isso... Muito obrigada por suas palavras, sempre tão bem colocadas! Um beijão, querida! Seja sempre muito bem-vinda!

      Excluir
  4. Gosto sempre de ler o que vc posta,acho que vc muitas vezes coloca tudo de uma forma simplificada,entendendo que cada um ser,mas que nos da uma visão grande de coisas,que no cotidiano achamos pequenos,detalhes da vida,que faz parte de tudo que nos acontece,mas ou menos do que Cora Coralina,escreveu,"que qdo parei pra olhar,o que tinha fui mas feliz pois deixei de olhar para as coisas que não tinha",to sempre lendo suas postagens,pois elas me ajudam a ver luz no fim dos tuneis que atravessamos,parabéns,vc uma grande luz!bjs Joseane

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelos seus escritos, sempre pertinentes..tenho uma vida com outros problemas, que não são a adicção ou a doença.Mas são problemas.E sempre que leio o blog, me sinto mais fortalecida e esperançosa!Você passa uma boa mensagem, cheia de otimismo e desconfio que é um pouco disso que falta hoje na minha vida!!

    ResponderExcluir