segunda-feira, 17 de março de 2014

Será que existe recuperação?



Boa tarde, queridas(os)!

Tudo bem com vocês?

Estão gostando das histórias de adictos em recuperação?

A história de hoje, é do Sr. Altair. E para contá-la, extraí o texto das páginas 392 a 395, do livro Amando um Dependente Químico, que fala exatamente o que penso sobre a recuperação dos nossos familiares adictos, e sobre o nosso papel nisso tudo.

O título desse texto no livro é “Será que existe recuperação”?

Vamos à leitura? O que você acha: existe ou não existe recuperação?

“Recebi um e-mail de uma jovem, com as seguintes perguntas: “Existe mesmo recuperação de dependentes químicos? Qual é o índice de pessoas que se tratam e voltam a usar drogas? Existe algum motivo que faça com que a pessoa volte a se drogar?” 

Quando amamos um dependente químico, são tantas dúvidas e angustias que nos cercam e assombram, não é mesmo? Isso acontece porque buscamos certezas em um mundo totalmente incerto, queremos garantias onde não há. Então quando decidimos amar um dependente químico, devemos apenas amar, sabendo dos riscos e das consequências, e assumindo-os.

Vamos às respostas?

Sim, existe recuperação para os dependentes químicos, mas infelizmente não há cura para a dependência química. Assim como o diabético que até o fim de sua vida deverá ter uma alimentação regrada e outros cuidados, o dependente químico também precisa de cuidados especiais, dentre eles, manter-se longe da primeira dose e buscar um tratamento continuado.

Conheço pessoas que estão limpas há dois, quatro, onze anos, ou seja, em recuperação. Entretanto, se falarmos em estatísticas, nos entristeceremos. Os números são baixos. Meu esposo saiu de sua ultima internação há cinco meses, e todos os que saíram com ele já recaíram. É preciso muita vontade e força. É uma luta constante contra si mesmo. Não é fácil. Mas é possível. Na verdade, prefiro me apegar a outra porcentagem: se nossos amados realmente quiserem se recuperar, buscarem tratamento, e cumprirem o que é sugerido no programa dos Narcóticos Anônimos, a chance de se recuperarem é de 100%.

Mas, como pode perceber, isso não depende de mim nem de você.

Quanto aos motivos que os levam a recair são muito subjetivos. Posso te afirmar que se eles buscarem pessoas, hábitos e lugares da época de ativa, facilmente recairão. E também se tomarem bebidas alcoólicas, provavelmente buscarão as drogas. Entretanto, alguns recaem sem precisarem disso. Recaem porque estão tristes, ou porque estão felizes. Recaem por não saberem lidar com sentimentos e emoções. Recaem porque caiu uma folha da árvore, porque choveu ou porque fez sol... Infelizmente não existem porquês concretos.

O que nós, familiares de dependentes químicos, precisamos entender, é que não está em nossas mãos a chave para fazer com que eles se recuperem. Por um lado, isso nos dá um sentimento de tristeza e impotência, mas, por outro, podemos nos livrar do peso desse fardo.

Não cabe a você, nem a mim, somente a eles. Eles não são culpados nem responsáveis pela doença que têm, mas, são responsáveis pela recuperação.




Recuperação é possível, basta querer de verdade!
(Altair, faleceu aos 57 anos, e limpo há 30 anos)

“Gostaria de relatar a história de um senhor, para que tenhamos esperança. Esse senhor faleceu há poucos anos numa queda de um helicóptero. Morreu dignamente e amado por muitos. Ele fez um trabalho lindo de ajuda a dependentes químicos, durante vinte e cinco anos.

Esse mesmo senhor era dependente químico e alcoólatra. Sua família não aguentou a dor e o colocou para fora de casa. Ele foi mendigar. Chegou a vender o próprio sangue (anos 70) para comprar drogas e bebidas. Fez coisas inimagináveis para obter drogas, e sob o efeito delas.

Entretanto, um dia, no Rio de Janeiro, com seus pensamentos totalmente confusos, ele olhou para o Cristo Redentor, e falou: “Se tu realmente existes, me darás um sinal hoje!” Ali mesmo ele apagou sob efeito das substâncias.

Ao acordar, já desesperado para usar mais, começou a apalpar seus bolsos em busca de algo que pudesse trocar por mais drogas. E o que ele encontrou foi um cartãozinho dizendo: “Se você quiser continuar bebendo, o problema será seu, mas se você quiser parar, o problema será nosso!” Era dos Alcoólicos Anônimos.

De imediato ele se recordou das palavras que tinha dito em oração, e cruzou a cidade para buscar ajuda naquele endereço do papelzinho. Ele questionava muitas coisas do A.A., era resistente, e não parou com as drogas de imediato, mas, continuou voltando. Até que um dia, tomado por uma força maior do que a sua doença, ele disse a si mesmo: “a partir de hoje, nunca mais usarei droga nenhuma!” E ele cumpriu.

Sabe por quê? Porque a vontade de parar foi maior do que qualquer outra vontade. Ele recuperou sua dignidade, sua família, sua vida profissional, e ainda ajudou a muitas pessoas que sofriam do mal que ele conhecia tão bem. Se ele pôde, qualquer um pode, basta querer.

Não nos apeguemos a estatísticas. Ainda que o índice de recuperação de dependentes químicos seja baixo, eu te digo que 100% dos que querem sua recuperação mais do qualquer outra coisa, conseguem.

Por isso, embora não cultive expectativas, tenho uma grande esperança, sempre.

A escolha de continuar ou não com o seu amado está em suas mãos. Mas, a escolha de parar com as drogas somente cabe a ele."


Queridas(os), esse é o relato de hoje... Amo a história do Altair! E ainda teremos mais duas histórias nessa série.

Esses relatos vêm com o objetivo de ajudar a reacender a esperança das famílias, mostrando que existem muitos adictos em recuperação, e que se os nossos familiares realmente quiserem, eles também podem.

Entretanto, o objetivo maior desse Blog continua, que é o de ajudar a nós, familiares, a nos enxergarmos, nos amarmos e nos cuidarmos, tirando o foco da vida do outro, e colocando em nossa própria vida...

Mensagem de reflexão do CEFE de hoje: “Já tive muitas coisas em minhas mãos e perdi todas elas; mas o que quer que tenha colocado nas mãos de Deus, ainda possuo.” (Martin Luther King)

Boa tarde!

Beijos.

13 comentários:

  1. Eu acredito tbem !! Lugares, pessoas e hábitos, eles OS ADICTOS é que devem ter essa consciência Polly e não os familiares, acho que se eles querem parar de vdd vão se afastam disso ai, dai já fica bem mais fácil se manter limpos. Hj em dia as drogas estão em TODOS os lugares então só depende, unicamente deles mesmos. E outro "detalhe" importantissimo tbem é eles se manter em contato direto rsrs com o Poder superior . Pra quem não acredita mais, por causa das estatisticas, saiba que pra Deus nada é impossivel . Outra, creia que seu ente querido pode ser um desses vitoriosos nessa luta . O apoio familiar tbem ajuda muito, as familias precisam procurar ajuda, grupos familiares e etc parar de pensar que o único doente é o adicto.

    ResponderExcluir
  2. Acho que largar as drogas só depende da pessoa, conheço um caso de um rapaz que largou o crack, disse que foi a coisa mais dificil que ele fez, mas ele QUIS e parou. A pessoa tem que ter vontade.

    ResponderExcluir
  3. Oi Poly, eu queria saber o que você descobriu sobre a ibogaína? Lembro que li aqui que seu esposo se interessou na época, mas não achei depois você contando o que decidiu... Se ele não fez, por que optaram por isso? Pelo alto custo, ou ele não quis? Ou porque não é confiável?
    Desejo toda felicidade do mundo e paz ao seu coração. Você é uma pessoa maravilhosa, que se dedica a ajudar os outros, compartilhando suas e outras histórias. Gosto muito do seu blog, me conforta, mesmo quando fala de coisas tristes. Porque quando leio não me sinto mais tão sozinha.
    Muito obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, sou um adicto e não estou em recuperação no momento.
    Recuperação existe sim, para quem quer, para quem tem vontade, para quem tem personalidade forte e formada.

    Assim como obesos mórbidos, emagrecem com força de vontade, e outros que voltam engordar mesmo após uma cirurgia.

    Eu não sou desses. Infelizmente. Não tenho força de vontade, não tenho disposição para enfrentar todos os perrengues que estar em recuperação nos trás, e nem quero nada muito além do que já tenho.

    Tenho uma esposa doente, co-dependente, que me trata e cuida como filho, sei que nunca me deixará, visto que alimento-a com doses de "amor", sempre que possível. Tenho defeitos de carater, serissímos. Não vejo necessidade de parar, e nem tenho disposição para enfrentar tudo.
    Minto que quero parar, para dar um gás nas nossas vidas e um respiro para meu corpo, mas sei que cedo ou tarde voltarei a usar.

    Sei que meus filhos são bem amparados, pela minha esposa, amo ela por isso, por sua dedicação, amo ela quase que maternalmente. Pois em minha loucuras sexuais não é nela que penso.

    Ou seja, quero dar um alerta, a pessoa que entra na droga, já não é uma pessoas normal como as outras, é fraca, admito, manipuladora, e mentirosa, somos excelentes atores, visto o numero grande de adictos nessa profissão.

    Nossos sonhos e objetivos não são os mesmos que os seus.

    Não queiram nos transformar em outra pessoa.

    Quem quiser mudar fará isso. E eu digo que a mudança sempre será rápida. Nada de recaídas constantes.

    Poly, volte o foco do seu Blog para voces co-dependentes, e pare de nos bombardear com histórias de sucesso na recuperação, isso nós ja sabemos. Pois voce esta alimentando esperança, nas suas leitoras (e em voce claro). E o caso delas pode nunca ser uma história de sucesso, pois as pessoas são diferentes, e elas podem viver uma vida acreditando na recuperação de alguem que não vai acontecer.

    Porque minhas colegas recuperação acontece quando a gente quer, podemos estar juntos, separados, nas ruas, numa casa luxuosa, numa clinica, ou no bar bebendo, com familia, sem familia, nada importa...

    Não percam suas vidas por nós, adoramos isso claro, ter alguem vivendo pela gente, mas sinceramente, não é justo. É mais um defeito nosso, o egoísmo. Vejo minha esposa, relativamente bonita, bem sucedida, com filhos, presa a mim, e naõ tenho coragem de deixá-la livre, porque preciso dela, para me dar um suporte e naõ me deixar cair tanto, ela é meu freio.

    Volte seu foco a voces co-dependente, salvem-se...ponto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. me identifiquei demais, e vc abriu meus olhos, não quanto a não ter mais esperanças para a recuperação, mais pra usar a lógica na hora de acreditar, quantas vezes, vieram as promessas, os arrependimentos e as "doses de amor"...mais quando via histórias de recuperação me pegava suspirando no será que...sim pode ser..porém quando vai acontecer, e se não acontecer?..Vale a pena ficar esperando e vivendo sendo sugada, porque é isso que acaba acontecendo, somos sugadas, usadas como freio para que vocês não cheguem ao fundo do poço, e mesmo não sendo mais facilitadora na parte financeira, no meu caso, minha energia é sugada, minha atenção pra que ele respire..e depois volte a fazer o que ele ainda não está disposto a parar...bom eu to buscando ferramentas pra parar de doar energia pra alguém ficar de pé...sim mais uma milésima chance foi dada...e como minha terapeuta questionou, de 0 a 10, quanto você acredita da mudança dele, eu 0,5, só um milagre, pq sou pessimista, não tenho fé ou não acredito? Não porque sou coerente e olhando pra trás ele nunca me deu motivos pra acreditar de verdade, a não ser "o gás" que vc citou ai...EU ACREDITO NA RECUPERAÇÃO...quero deixar isso bem claro, mais como TODOS ADICTOS QUE CONHEÇO ME DISSERAM...a recuperação é pra quem QUER e não pra quem precisa, recaídas até podem ocorrer no processo, porém ela vira como uma advertência e lhe fará retornar com mais garra ao programa de recuperação, e não voltar a viver a mesmice.."o gás" pra respirar e depois usar mais um pouquinho..muito obrigada mesmo pela colocação

      Excluir
    2. Amigo, bom dia!
      Obrigada pelas palavras sinceras e reais.
      Meu trabalho continua focado na recuperação dos familiares. Ou seja, em mostrar que precisamos pensar em nossas próprias vidas, cuidar de nós mesmos, e bem menos dos nossos familiares adictos.
      Entretanto, essa série tem o objetivo de mostrar que recuperação existe. Ou seja, nenhum adicto é um coitadinho. Meu esposo não é um coitadinho, tampouco você o é. Vocês são o que estão escolhendo ser. E nós familiares também, somos frutos das nossas escolhas.
      Mesmo que um dia eu não esteja mais ao lado do meu esposo, nunca deixarei de acreditar na recuperação dele, ou na recuperação de qualquer adicto que seja, porque no dia em que vocês realmente quiserem, vocês conseguirão.
      Mas, claro que o objetivo não é o de incentivar ninguém a viver sofrendo, esperando pela mudança do outro. Esse não é o meu pensamento, e muito menos a minha experiência, e quem acompanha o blog sabe disso.
      Realmente muito obrigada pelo seu relato tão sincero.
      E seja feliz, amigo!
      Abraços!

      Excluir
    3. Anonimo adicto, gostei do seu relato, muito verdadeiro, mas vc fala como se merecesse um trofeu por ser assim, tão manipulador, qdo vc diz pra Poly voltar o fogo vc quer dizer a pra ela continuar alimentando essa doença de codependencia as esposas de adictos? Tipo aceite todas as recaidas de seu marido com um lindo sorriso no rosto, seja uma ótima profissiona le mãe como sua esposa? Pra quem vc acha que ela coloca relatos de adictos em recuperação? Ela não escreve para adictos aki . Esses relatos são para esposas, mães, familiares, sua esposa lê esse blog tbem ou só vc? Como vc é doente cara, vc tem prazer em ver o sofrimento das codependentes...

      Excluir
    4. Gente recuperação existe sim SOMENTE SE O ADICTO QUISER mas se depender de codependentes como a esposa do adicto acima, pode esquecer, ela só alimenta a doença dele do jeitinho que ELE gosta, vamos pensar, e se ela o deixasse ? Ele mesmo falou acima que adora essa situação que ela proporciona a ele, ele tem casa, comida, roupa lavada, dinheiro pra droga e paga com seu "amor" de migalhas e a enxerga maternal !! ACORDA MULHERADA, vcs merecem muito mais que isso! Mais claro que esse relato ai não tem como. Vcs antes de td são MULHERES e merecem um HOMEM com H maiúsculo.

      Excluir
  5. Conheço vários,qdo quer de vdd consegue, sem internação inclusive.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite Polly, preciso muito de ajuda, por muito tempo critiquei,briguei e bati. Sou casada com um usuario de crack há 10anos e já não sei mas o que fazer pra mudar essa situação. Ele já foi internado diversas vezes e fugiu, apòs a minha segunda filha nascer ele deu uma parada legal foi um ano de alegrias, e de uns 5 meses pra cá ele tem recaidas; hoje foi a pior pois passou o dia inteiro fora(vindo e indo) bom, entrei em desespero chorei e pensei ate fazer besteiras, foi quando comecei a pesquisar na internet sobre o assunto. E quando comecei a ler as suas mensagens que conforta corações desesperados como o meu pensei,será que estou agindo errado? O que tenho que fazer pra que a minha vida seja retomada e que ele não tenha recaidas. Muitas vezes me perguntei porque estou com ele? E após ler esses comentarios e postagem percebi que a única coisa que faz eu querer lutar e vencer e o amor que sinto por ele. Agradeço por chegar tão perto de tantas familias desesperadas muitas vezes sem direção pra ser feliz optando por estar ao lado de um dependente. Ok ja disse muito sobre a minha vida e meus "sentimentos". NN

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nega vc só pode fazer coisas diferentes pra retomar sua vida, quanto a fazer coisas pra evitar as recaídas dele, isso é impossível, não somos responsáveis pelas escolhas de ninguém somente as nossas, quando ao porque você está com ele, lhe aconselho busque ajuda em grupos de apoio, se possível faça terapia, além do amor, pode ter certeza que existem conflitos emocionais dentro de ti, que lhe permitem continuar a viver algumas situações que de certa forma te prejudica, e muito cuidado ao usar como motivo O AMOR...sim vc o AMA, mais nem sempre fazemos isso somente pelo amor...tem muito caroço nesse angu...rs..continua voltando que funciona e VC NÃO ESTÁ MAIS SOZINHA

      Excluir
  7. E tudo real presizo ajudar meu esposo de 51 anos

    ResponderExcluir