terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Tem muito mais estrada no meu coração...



Bom dia, queridas(os)!

Tudo bem com vocês?

Hoje, dia 03 de dezembro! Meu Deus, não acredito que já estamos em dezembro outra vez! Este ano passou muito rápido!

Eu amo o mês de dezembro: Natal, aniversário do meu filho do meio, aniversário de casamento, shoppings enfeitados, as músicas de fim de ano na TV e no rádio, a sensação de encerramento de um ciclo... Tudo isso mexe comigo.

Após uma deslizada, meu esposo segue limpo há 34 dias. Ele está bem, trabalhando bastante, e ansioso por sua convocação no concurso público em que foi aprovado e bem colocado.

E eu? Bem, estou com uma vida muito corrida. Me sinto cansada. Levanto muito cedo, arrumo as mochilas das crianças, limpo a casa mais ou menos, tomo o meu banho correndo, acordo as crianças (com preguiça), dou-lhes café, e as levo para a escolinha. Durante o dia, me desdobro na Secretaria, trabalhando com Gestão de Pessoas e com as famílias de dependentes químicos. Ao final do expediente, volto correndo pra casa, pego um trânsito pesado, busco as crianças na creche, e venho para casa lavar/passar roupas, preparar uma comidinha, dar atenção aos filhotes. Meu esposo me ajuda em dias de folga. Mas, ainda assim, está pesada essa rotina. Não estou conseguindo me dedicar como gostaria ao Blog, face, email, livro, etc... Mas, posso dizer que estou feliz. Acho que é uma fase transitória. E tudo o que consegui em minha vida foi assim, na base de muito esforço! Agora não seria diferente.

Neste sábado, estive em um Instituto fazendo um trabalho com as famílias. Foi muito gostoso estar ali mais uma vez. Éramos 48 familiares. Falei sobre a codependência e sua recuperação, e a maioria das famílias respondeu muito bem às informações.

No trabalho, o I Curso de Multiplicadores de Ações de Apoio às Famílias formou 82 Multiplicadores, e foi muito elogiado pelos participantes, alcançando a avaliação de Excelente ou Bom por 93% dos alunos. Isso me deixou muito feliz!

Ontem abriram as inscrições para a segunda turma, e já temos mais de 30 inscritos!

Sabe, quando penso em desistir, parar com tudo isso, e simplesmente levar minha vidinha normal, Deus me mostra que se Ele está comigo, me dando forças e condições para ajudar a outros, por que não fazê-lo? Gente, e Deus foi e é tão bom comigo sempre, que não tenho como seguir adiante, sem fazer a Sua vontade, e acredito sim que a vontade Dele seja que eu (e todos nós) levemos essa mensagem de uma vida mais leve e mais feliz aos familiares de dependentes químicos que estão sofrendo. A cada atendimento, a cada telefonema, a cada palestra, a cada e-mail isso fica mais claro pra mim. E isso me sara... Enquanto cuido das dores dos outros, Deus cuida das minhas!

Quero deixar a vocês uma Carta que me ajudou muito em minha recuperação. É a Carta Aberta à Minha Família, do Nar-Anon. Leia com atenção esta carta, do seu familiar adicto a você.


“Sou um usuário de drogas. Preciso de ajuda.
Não resolvam meus problemas por mim. Isto somente me faz perder o respeito por vocês.
Não censurem, não façam sermões, não repreendam, não culpem ou discutam, esteja eu drogado ou sóbrio. Isto pode fazer vocês se sentirem melhor, mas só vai piorar a situação.
Não aceitem minhas promessas. A natureza da minha doença me impede de cumprí-las, mesmo que naquele momento tencione fazê-las. As promessas são meu único meio de adiar a dor. Se um acordo foi feito, mantenham-se firme nele.
Não percam a paciência comigo. isto destruirá vocês e qualquer possibilidade de me ajudarem.
Não permitam que sua ansiedade por mim faça vocês fazerem o que eu deveria fazer por mim mesmo.
Não encubram ou tentem poupar-me das consequências do meu uso de drogas. Isto pode diminuir a crisem, mas fará a minha doença piorar.
Sobretudo, não fujam da realidade como eu faço. A dependência de drogas, minha doença, torna-se pior enquanto eu persistir no uso.
Comecem agora a aprender, a compreender e a fazer planos para a sua recuperação.
Procurem o Nar-Anon, grupos que existem para ajudar famílias daqueles que usam drogas.
Preciso da ajuda – de um médico, de um psicólogo, de um conselheiro, e de um adicto em recuperação que encontrou a sobriedade em Narcóticos Anônimos, e principalmente de Deus. Eu não posso ajudar a mim mesmo.

Seu usuário.”


Gente, hoje é um dia importante pra nós. Hoje será divulgado o Levantamento Nacional com Familiares de Dependentes Químicos, na UNIFESP. Uma pesquisa do UNIAD e INPAD. Esse estudo trará o perfil sociodemográfico das famílias e dos pacientes em tratamento, as motivações e o tempo médio para a busca de tratamento, e o impacto da dependência química na saúde e finanças das famílias, dentre outros.

Infelizmente fiquei sabendo muito em cima da hora, por isso não poderei ir, mas estamos aqui “de olho” nos resultados que serão divulgados.

Bom, queridas(os), é isso. Agora preciso ir... Beijão no !


“Desistir... eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a serio; é que tem mais chão nos meus olhos que cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça...”
(Cora Coralina).



6 comentários:

  1. Bom dia, Flor do Dia!

    Essa coisa de ser mulher é muito cansativa, rsrsrs... Vixi... Dá um trabalhão danado...

    Mas mesmo assim eu amo ser mulher!

    Amiga, compartilho os sentimentos simultâneos de cansaço e de força. Nesse momento, por exemplo, tenho a sensação de que estou no meu limite de forças...
    Mas eu também creio que Deus quer que levemos a mensagem...
    É o mínimo que podemos fazer.

    Tamujuntas...
    bjs e bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá Boa tarde,
    eu acabo de descobrir este blog e eu estou desesperada.
    Eu namorei durante 10 meses com um garoto (eu tenho22 anos e ele 19) e nos demos um tempo ha nao mais que 3meses e ontem eu acabo de descobrir que ele esta mexendo com drogas e eu estou realmente desesperada porque eu o amo muito e nao vou deixar ele acabar com a vida dele.
    Pelo que meu amigo me contou e o melhor amigo dele me falou ele ja esta nessa ha uns 2 meses e ja se afastou dos antigos amigos e muitos se afastaram dele, esses amigos "reais" ja tentaram conversar com ele varias vezes e ele nao parece ouvir ninguem.
    Eu ja estava desconfiada do que estava acontecendo porque a mae dele conversou comigo perguntando se eu sabia se estava acontecendo alguma coisa, e eu sabia que ele ja tinha usado algumas vezes mas nao sabia que era frequente como me contaram ontem.
    Eu chorei a noite inteira, nao sei o que fazer por favor me ajudem eu nao faço ideia do que posso fazer pra ajudar ele.
    Eu estou rezando muito a Deus e Nossa Senhora para Eles me darem o poder de ajudar a mudar ele, porque eu nao posso deixar ele, eu nao vou deixar ele nunca.
    Obrigada, me ajudem por favor, beijos
    ass: flor**

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, tente se acalmar e procure conhecimento nos grupos de ajuda para familiares...lá você vai conhecer ferramentas para ajudar de forma eficiente e como dizem a dependencia quimica não é contagiosa mais contagiante, tornando as pessoas que convivem com um ente adoecido um codependente com esse desespero de querer salvar, va com calma vc não está sozinha

      Excluir
    2. Não se desespere querida...a principio agimos assim, queremos ser o Messias, salvá-los! mas nao cabe a nós essa função, mas acredite podemos sim ajudar, a oração a fé nesse momento é muito importante, atitudes nossas é que podem não contribuir...somente eles podem encontrar o camnho de volta a Paz!(0**88) 94442288Janea

      Excluir
  3. Polyanna...

    de um tempo pra cá tenho acompanhado seu blog...desse mesmo tempo pra cá meu marido, 12 anos mais novo que eu, "desandou" nas drogas...e não é um baseadinho, é crack. eu sabia,desde qd o conheci há um ano e pouco atrás...mas até então,segundo ele estava controlado...ele tinha parado...e na verdade eu nunca percebi...trabalhamos na mesma empresa,fazemos tudo junto...tenho 33 e ele 21...tenho um filho de 8 anos que o ama como nunca amou o próprio pai.eu trabalho todos os dias, ele trabalha por escala, 12x36...e é no meio dessa escala que ele se perde.só percebi pq a um dia a nóia dele foi tanta que ele estava usando no banheiro de casa, o dia todo, comigo em casa...me perguntei qts vezes ele já fez isso e eu nunca tinha percebido?qts vezes ele ficou sozinho com meu filho e fez isso na frente dele?eu,tão ingênua,um dia coloquei-o na parede...ele me disse q usava, no passado, pasta base...e eu nem me toquei q esse era o nome menos impactante para crack.eu ter pego ele usando dentro de casa foi há duas semanas...a família dele não quer saber,a mãe coitada,até quer ajudar,mas ela mora na casa da filha, ex usuária de drogas, e ela tem um filho da idade do meu...e não aceita o irmão lá.vai sobrar pra mim.hj minha mãe vem de Barretos buscar meu filho para passar as férias escolares com ela...graças a Deus...meu filho está aflito,triste,grudado comigo...não tem idéia da dimensão do problema,mas sabe que o "pai" estã "desandado".há 15 dias atrás qd ele usou dentro de casa,isso foi num sábado...na segunda feira fomos procurar um médico da família e pedir uma internação...meu "namorido" quer se tratar...tentamos conseguir através da defensoria publica e ontem saiu um resultado positivo,a juíza determinou que ele seja internado numa boa clínica na chapada dos Guimarães...mas agora esbarramos na burocracia...precisamos aguardar o município ser intimado a disponibilizar essa vaga pra ele e providenciar transporte até lá.nesses 15 dias eu sabia que estávamos vulneráveis,que ele podia usar a qualquer momento,mas ele me dizia que estava sereno,aguardando sair a internação.ontem eu vim trabalhar,ele ficou em casa fazendo uma cerquinha pros nossos cachorros,pois fomos obrigados a nos mudar,o dono do apto onde morávamos nos expulsou devido ao problema dele...em fim...cinco minutos bastaram para ele gastar o ultimo dinheiro que tínhamos em droga.usou dentro de casa na frente do meu filho...a mãe dele foi até lá levar comida pra ele e pro meu filho e viu...tirou foto...pegou a lata q ele estava usando e levou de souvenir...e me ligou no trabalho dizendo pra eu correr até em casa...voei 17 km do trabalho até minha casa...meu marido não estava lá,estava meu filho sozinho...dei comida,levei pra escola e voltei ao trabalho.de noite fui no centro espirita...mandei uma msg pra ele,dizendo q não sabia mais o que fazer,que ele não podia perder a esperança..q voltasse pra casa da mãe dele q o estava esperando...q viesse trabalhar hj...bom,ele foi pra casa da mãe dele,veio trabalhar hj e agora no café ele me disse q precisa dessa internação,pq sozinho ou só com o NA ele não consegue.eu não tenho mais forças,não agora.preciso de ajuda tanto quanto ele.nesse momento Polyanna,apenas o seu blog entende a dimensão do que estou sentindo...rezo para alcançar o seu conhecimento, sua serenidade...fazendo um esforço maior do que eu para conter as lágrimas agora, em cima do teclado do meu pc do trabalho.

    ResponderExcluir
  4. entrei comente e me ajudem a conhecer mais sobre esta doença.

    ResponderExcluir