sábado, 16 de novembro de 2013

Vida normal!



Bom dia, queridas(os)!

Tudo bem com vocês?

Por aqui, tudo bem e em paz, graças a Deus!

Tenho trabalhado em excesso, confesso, mas é apenas por um período e logo se normalizará.

Em casa, maridão limpo há 17 dias. Em alguns dias ele está bem, em outros apresenta os sintomas da abstinência, mas segue firme. Estamos quase chegando em nossas bodas de lã (7 anos)!

Ontem ele estava de plantão e aproveitei o feriado para ir ao parque com as crianças.

Na verdade, posso dizer que estou vivendo uma fase muito feliz da minha vida! O Projeto Ame, mas não sofra!, às famílias, foi implantado na Secretaria de Justiça do DF, e dentre as atividades, sou uma das profissionais que faz o atendimento às famílias de dependentes químicos. É a oportunidade que tenho de levar a ajuda que um dia recebi.

Nesta semana haverá a primeira turma do Curso de Multiplicadores de Ações de Apoio às Famílias. Serei a ultima palestrante. Estou muito ansiosa.

As 110 vagas oferecidas foram rapidamente preenchidas, e as inscrições para a segunda turma já possuem lista de espera. As pessoas querem informação!

A codependência, embora esteja presente na vida de muitas pessoas, ainda é um tema desconhecido da maioria. E eu sei, na pele, como a informação e o acolhimento são capazes de mudar a vida de alguém. Mudou a minha!

Aqui estão algumas notícias sobre os primeiros dias do Projeto:

Jornal de Brasília, clique aqui

Justiça.inf, clique aqui

Agência Brasília, clique aqui

Secretaria de Justiça, clique aqui


Fazendo acolhimento na Unidade de Apoio às Famílias.

Muitas pessoas têm me parabenizado pelo trabalho, correria, e vai e vem... E, nesta semana, ela veio me visitar: A codependência chegou, lançou um pouco de tristeza em mim, e sussurrou em minha mente: “aposto que você trocaria toda essa realização e alegria pela recuperação do seu esposo, por uma vida normal, com um pai normal, com um marido normal e sendo uma mulher normal”.

Sinceramente, até acho que trocaria sim, mas a temporada para trocas não está aberta, não é mesmo? Risos...

Queridas(os), voltei à oração da serenidade: “aceitar o que não posso mudar e mudar o que posso...”

Tantas coisas a aceitar, e estou aprendendo isso, um dia de cada vez...

Por outro lado, o que posso mudar, estou mudando. Estou mudando a mim mesma. Estou trabalhando para levar a oportunidade de mudança a outras pessoas. Estou cuidando de mim. Estou crescendo.

Há um tempo atrás, nada tinha graça se meu esposo não estivesse presente. Hoje consigo curtir a minha própria companhia. Passar batom para mim mesma. Pegar as crianças e curtir uma tarde no parque, tomando sorvete, fazendo bolinhas de sabão, correndo atrás dos patos e jogando futebol com elas.

Amo demais ao meu esposo, mas estou me apaixonando por mim também, a cada dia.

Sinceramente, para mim, isso é uma vida normal!

Então percebo que, muitas vezes, o que me aprisionava não era a doença do meu marido, mas a minha própria doença...

Bom sábado!


7 comentários:

  1. É VERDADE, TBM POR MUITAS VEZES PENSEI QUE DEIXAVA DE FAZER COISAS SIMPLES COMO IR A IGREJA OU A UM CASAMENTO OU UMA FESTA ERA CULPA DA DOÊNÇA DO MEU NAMORADO ATE QUE COM MUITO CUSTO ENTENDI NÃO PODIA FAZER NADA POR ELE SE ELE NÃO QUISESSE, MAS TINHA QUE CONTINUAR A VIVER E HOJE PERCEBO QUE NA VERDADE EU TBM ESTAVA DOÊNTE . E PRECISO LUTAR CONTINUAMENTE CONTRA ESSA DOÊNÇA.
    QUE O SENHOR JESUS POSSA NOS AUXILIAR NESSA BUSCA CONSTANTE PELA SOBRIEDADE NOSSA E DE NOSSOS ADICTOS. GRANDE ABRAÇO

    ResponderExcluir
  2. Essa semana deixei um pouco a peteca cair... Sai do centro e me perdi na labirintite q insiste em rodopiar a minha vida. Depois de 6 meses limpo, meu esposo recaiu e insiste em não voltar para o tratamento.No momento prefere o uso compulsivo da droga, jogando tudo o q fez até agora para o alto. Insisti, conversei, briguei, até chorei."Discentrei", se é q existe essa palavra. Mas hj, graças ao meu PS e a minha boa vontade, a minha primeira frase da manhã foi : Viva e deixe viver. É isso aí...tamu juntas... bjus .....belo trabalho.

    ResponderExcluir
  3. Poly leio o seu blog a um bom tempo e nunca deixei mensagem mais hoje me deu vontade de te dizer uma coisa. Não pense desse jeito mesmo com a dor de um familiar dependente. Olha as coisa lindas que voce ta fazendo, o tanto de gente que voce ta ajudando. Se voce tivesse uma vida normal como disse nao teria tantas experiencias para nos passar. Voce me trouxe de volta a vontade de lutar por minha vida. Obrigada e nao deixa a co te enganar. Beijo. Wanessa.

    ResponderExcluir
  4. Ah então era ela a co dep. tentando me levar de novo. Mesmo em meio a realizações como a entrada em uma universidade pública, mudança de estado, novas amizades, deixei me levar pelo pensamento :" Eu não queria nada disso, só queria que o fulano de tal estivesse bem, limpo, fazendo o que gosta, feliz e principalmente em recuperação".
    Um grande engano depositar a responsabilidade da minha felicidade em suas mãos. Mas esta é a doença, é preciso sempre estar atenta.
    Sim, quero muito o que citei acima na vida dele, mas ele tem que querer primeiro.
    Ele tem tido melhoras, consegue ficar alguns dias limpo, mas não está em recuperação, logo...
    Mesmo distante, já que me mudei não o vejo com frequência e somos apenas amigos atualmente, ainda me importo e o incentivo a buscar ajuda.
    Sinceramente queria que fosse diferente, porém é isso aceitar o que não posso mudar e mudar o que posso.
    Liberdade para nós (da co dep) e para eles (da adicção).

    Com fé pois enquanto há vida há esperança.

    Força e Luz na caminhada. Paz na alma.

    ResponderExcluir
  5. quando aprendemos a nos amar, não aceitamos mais viver situações que nos machuquem, então decidimos ser feliz, o duro é quando chegamos em uma estrada e damos de cara com uma bifurcação, e sabemos que da-li em diante, não tem como mais voltarmos atrás, o que podemos fazer é orar, aceitar e ter fé de que um dia quem amamos decida mudar de rumo.....por isso é importante demais nós familiares nos tratarmos, somente estando muito seguro de si..conseguimos seguir pela nossa estrada..bjus e sucesso

    ResponderExcluir
  6. bom eu so um dependete quimico em recuperação to pretendendo montar um blog com um xat para depentendes quimicos que queiram conversa queiram algumas dicas para sucesso no seu tratamento .. visitem meu blog para genter trocar experiencias um ajuar o outro . link do meu blog http://dependetesquimicosanonimos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Quero muito participar destes cursos sou agente comunitaria de saude e mae de um dependente quimico

    ResponderExcluir