segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Uma questão de foco!




Boa tarde, queridas(os)!

Tudo bem com vocês?

Por aqui, tudo em paz, graças a Deus!

No sábado, dia 05, tive a oportunidade de desenvolver um trabalho com as famílias de dependentes químicos que estão em tratamento em uma casa de recuperação. Nem consigo expressar exatamente o que sinto ao levar uma mensagem de esperança, de mudança, de fé e de superação, ou seja, de recuperação aos “meus iguais”.

Os relatos que recebo em razão do Blog me emocionam muito, mas a diferença é que nas palestras tenho um contato direto com as pessoas, sem essa “frieza” da tela do computador.

Os olhares, por vezes marejados; os sorrisos, as palavras, as entrelinhas das palavras, os abraços, e também as lágrimas, me são tão familiares que sou capaz de decifrá-los sem muito esforço, afinal, passamos por situações e sentimentos tão parecidos.

Enfim, sensação maravilhosa de dever cumprido, de estar fazendo a minha parte, contando a minha história, e mostrando como podemos ter uma vida melhor, mesmo com um familiar dependente químico, e com a dor que isso nos gera.

Brincamos de roda, fizemos dinâmicas, choramos, sorrimos, partilhamos, nos abraçamos, nos ouvimos, falamos: e falamos de nós, olhamos para nós, pensamos em nós, durante aquelas duas horas.

Foi muito gostoso!

Ainda haverá o segundo e o terceiro encontro (novembro e dezembro), e a primeira a ser ajudada nessas palestras sou eu mesma, pois é uma forma de estar sempre avaliando o fundo de poço no qual cheguei, e a mudança que tenho conquistado a cada dia. Afinal, nunca posso me esquecer que a minha recuperação de hoje, não me garante a recuperação de amanhã. É um esforço diário, pois sou uma codependente quase nata, e permanecer igual é sempre mais cômodo do que mudar. Mas, só por hoje, eu escolho a mudança para a minha vida!

Ontem pela manhã fiz a prova de um concurso público, infelizmente não me dediquei tanto aos estudos quanto gostaria, e agora é aguardar o gabarito. E, à tarde, foi a vez do maridão fazer sua prova de concurso. É muito bom tê-lo ao meu lado, lutando pelo melhor da nossa família.

Só por hoje ele está limpo há 6 meses e 11 dias. Eu não conto mais (só quando vou postar, que coloco a data na calculadora), mas opto por viver e aproveitar cada dia de paz ao seu lado.

Quem acompanha o Blog desde o início sabe que não estou aqui para falar dele. Claro que vez ou outra narro coisas a seu respeito (é amor pra mais de metro! rs), mas o foco, o ponto central somos nós, as famílias, as pessoas que sabem o que é amar dependentes químicos.

Por tanto tempo vivi escondida atrás da doença, ou das qualidades, ou dos defeitos do meu esposo, que hoje prefiro focar na vida que me diz respeito: a minha. Somente essa vida que posso mudar. E é somente a essa vida que cabe o papel da minha felicidade.

A vida fora de mim é instável. Meu relacionamento familiar, meu trabalho, as pessoas ao redor, o clima, os acontecimentos externos... Tudo é instável. Mas, olhando para mim mesma, me conhecendo, cuidando de mim, me amando, e sobretudo agarrada à Mão do Todo-Poderoso, encontro o suporte necessário para encarar qualquer obstáculo que apareça no caminho. Porque isso é certo, obstáculos e desafios existem na vida de todos, amantes de adictos ou não. Entretanto, nós, familiares, somos “agraciados” com uma instabilidade um pouco maior, e que tal tirarmos disso um aprendizado maior também?

Não falo para ninguém se separar, nem para se manter junto de um adicto, porque esse não é o meu foco. Não estou aqui para mostrar os dependentes como coitadinhos ou como monstros, esse também não é o meu foco. Tampouco estou aqui para dizer que sou certa ou perfeita. Nada disso.

Estou aqui apenas para mostrar que a mudança começa de dentro. 

Mude sua forma de pensar. Mude sua forma de olhar o mundo ao redor. A partir daí, você verá mudanças em suas atitudes. 

Mudando por dentro, você começará a fazer escolhas para a sua vida, e sobretudo, você será feliz com suas escolhas.

Há quatro anos tenho trabalhado em mim mesma, foi quando dei início a uma mudança de mente e de olhar (graças ao Nar-anon!). E, lentamente, reconheço os meus progressos a cada dia. E posso dizer que hoje sou feliz com minhas escolhas, e com a vida que tenho levado em razão delas.

Enfim, sou responsável pela Polyanna que conquisto a cada dia!

Beijo no coração!
Boa semana!




8 comentários:

  1. Poly estava precisando muito dessas palavras de incentivo, preciso focar em mim e não no outro, só posso modificar a mim mesma aos outros eu só posso amar!!!!
    Sph eu sei que funciona! TMJ

    ResponderExcluir
  2. EXCELENTE POST..É ISSO AI TMJ NEGA..BJUS

    ResponderExcluir
  3. Ai Poly...como suas palavras tem trazido conforto, força e ajuda. Obrigada por compartilhar suas experiências e através delas nos mostrar como é possível uma vida além de nós mesmos...de nossos limites e convivência com um dependente químico.

    ResponderExcluir
  4. A convivencia com meu adicto apesar de muita dor me fez despertar para algo maior,hoje percebo que posso muito mais do que imagino, mas sei tbm que essa força vem de DEUS ele me ajuda me guia me mostra que preciso de estar com outras pessoas para que possa ganhar e dar um pouco de conforto pro nossso s2 agradeço a oportunidade de poder dividir um pouco da minha vida com vc,s muito obrigada.

    ResponderExcluir
  5. É tudo tão verdadeiro o que vc diz.

    ResponderExcluir
  6. ai Poly, sepre que leio teus posts, penso...meu Deus faço tudo errado..Preciso e vou mudar....Não aguento viver paranóica, tentando contro lar tudo...extremamente tudo que diz respeito ao meu marido adct.Preciso e vou mudar.Obrigada.

    ResponderExcluir
  7. Obrigada Poly por suas palavras, tenho tentado focar mais em mim. Passei muitos anos vivendo em função de meu amado e sua doença, aprendi já a algum tempo o quanto eu também sou doente, mas entre entender isso e olhar verdadeiramente para dentro da gente e focar em nossas necessidades há uma grande diferença. Um dia me perguntaram... o que voce gosta de fazer? sabe, eu não me lembrava... e isso me fez realmente entender que eu precisava mudar. Estou começando, mas me sinto caminhando, e isso já é muito bom. Obrigada!

    ResponderExcluir