sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Sobre a Dependência Química!



Boa tarde, queridos!

Como disse anteriormente, estou participando do curso de Prevenção do Uso de Drogas promovido pela UFSC e SENAD.

Vi um assunto interessante que poderá ajudar a outros, então estou aqui para repassar a informação recebida.

Vamos entender um pouco sobre a oscilação de pensamentos/sentimentos do nosso amado dependente químico?

O dependente químico passa por estágios de motivação, não necessariamente sequenciais, podendo passar por eles várias vezes durante o tratamento.

Fiz um resuminho abaixo, das características, com as ações sugeridas a quem quer ajudar ao dependente químico.

Os estágios são:

Pré-contemplação – Nesse estágio ele não percebe os prejuízos relacionados ao uso de drogas. Segue com o uso e não pensa em parar. O que fazer? Convidá-lo à reflexão, evitar confrontação, tentar remover barreiras ao tratamento.

Contemplação – Nesse estágio ele percebe os problemas relacionados ao uso de drogas, mas não toma nenhuma atitude para parar, embora pense em parar. O que fazer? Discutir os prós e os contras do uso. Mostrar a impossibilidade entre o uso de drogas e os objetivos de vida, fazendo-o refletir.

Preparação – Nesse estágio ele ainda usa drogas, mas já fez tentativa de parar por pelo menos 24 horas, no último ano. Pensa em entrar em abstinência nos próximos 30 dias. O que fazer? Remover barreiras ao tratamento, ajudar ativamente e demonstrar interesse e apoio à sua atitude.

Ação – Nesse estágio ele conseguiu parar completamente com o uso nos últimos seis meses. O que fazer? Implementar um plano terapêutico.

Manutenção – Nesse estágio o dependente está sem uso de drogas há mais de seis meses. O que fazer? Colaborar na construção de um novo estilo de vida, mais responsável e autônomo.

Recaída – Retornou à utilização da droga. O que fazer? Reavaliar o estágio motivacional, para verificar para qual estágio ele foi.

Lembrando sempre de usar a empatia e a assertividade nos diálogos. Ok?


Além disso, como saber se nosso familiar precisa ou não ser internado?

A internação é indicada quando:

- Apresentar estados psicóticos graves, ideias suicidas ou homicidas, debilitação ou abstinência grave;
- Em caso de complicações orgânicas devido ao uso ou à abstinência de drogas;
- Dificuldade para cessar o uso de drogas, apesar dos esforços;
- Ausência de adequado apoio psicossocial que possa facilitar o início da abstinência;
- Necessidade de interromper uma situação externa que reforça o uso da droga.

Outras formas de tratamento/ajuda:

- Grupos de autoajuda: Narcóticos Anônimos e/ou Alcoólicos Anônimos: Pesquisas comprovam que os programas de recuperação desses grupos costumam ser bem-sucedidos.

- Comunidades terapêuticas

- Medicações (prescritos por Psiquiatra)

- Tratamentos Psicossociais – Procure o CAPSad da sua cidade para mais informações.

- Terapias


Bom, amigos, este blog continua tendo como foco os familiares de dependentes químicos, e a nossa própria recuperação. Entretanto, minha intenção com esse Post é trazer um pouco mais de informação sobre a dependência química, de forma técnica, e não na forma emocional que nós, familiares, enxergamos.

Sabemos que a chave para o dependente químico se recuperar é o querer dele. Mas, se queremos ajuda-lo, precisamos conhecer um pouco sobre essa doença.

Por outro lado, não nos esqueçamos que nós, familiares, podemos apenas AJUDAR, APOIAR, ESTIMULAR, e só. O papel principal cabe ao dependente. O querer parar deve ser dele, e a responsabilidade também.

Além disso, vale frisar que se queremos realmente uma família saudável, precisamos buscar ajuda para nós mesmos, para vencermos a codependência.

Somente assim poderemos oferecer uma ajuda eficaz a quem nos solicita, sem esquecermos de viver a nossa própria vida.

Fonte das informações: Adaptadas do Manual de Prevenção do Uso de Drogas – Capacitação para Conselheiros e Lideranças Comunitárias – 5ª Edição.


Bom fim de semana!





5 comentários:

  1. Poly,
    também estou matriculada nesse curso, mas não estou dando conta de fazer, pois estou cursando outro na área pela faculdade federal daqui do ES, que está beeeem mais puxado!
    Vou esperar o específico para professores do SENAD, que sai ano que vem.

    O que estou fazendo é "Capacitação em tabaco, álcool e outras drogas".
    Muito bom. Ano que vem vai ter nova turma, te aviso.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Polyanna, peguei parte de seu material para uma Palestra que farei com familiares de dependentes químicos em uma casa religiosa. Seu conteúdo é excelente. Espero que estejas bem. Luz!

    ResponderExcluir
  3. Polyanna, peguei parte de seu material para uma Palestra que farei com familiares de dependentes químicos em uma casa religiosa. Seu conteúdo é excelente. Espero que estejas bem. Luz!

    ResponderExcluir
  4. Polyanna, peguei parte de seu material para uma Palestra que farei com familiares de dependentes químicos em uma casa religiosa. Seu conteúdo é excelente. Espero que estejas bem. Luz!

    ResponderExcluir
  5. Polly, esse curso é aconselhavel a familiares ou apenas profissionais da área?
    será que ainda tem?
    thamiresgabrielamenon@gmail.com
    Queria TANTO conversar com você.

    ResponderExcluir