sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Perdoar NÃO é esquecer!



Bom dia!

Muitos de nós ouvimos a vida inteira que perdoar é esquecer...

Não, perdoar não é esquecer. Como diz o Pr. Cláudio Duarte, isso é amnésia. Risos.

Então, afinal, o que é perdoar? Perdoar é se lembrar, mas sem sentir dor. É sarar a mágoa e o sofrimento em razão de um ato cometido por outros, ou por nós.

Falando de mim: eu não conseguia perdoar ao meu esposo, por ele ter trocado a aliança do nosso casamento por drogas, em uma recaída, após passar 1 ano e 2 meses limpo. O tempo passava, e isso não sarava. Como era doloroso lembrar-me disso. Inconscientemente eu sentia como se ele tivesse me trocado pela droga.

Hoje sei que, para quem está em um processo de fissura, querendo usar drogas, é muito fácil passar por cima de si mesmo, machucar a si mesmo, como se fosse um trem desgovernado. Então, magoar a quem está do lado é fichinha, né? Sei que é doença, e tal, mas o fato é que era doloroso pra mim.

Consegui perdoá-lo por isso. Hoje me lembro, mas não dói. Certamente nunca vou me esquecer, mas não sofro mais por isso. E como essa sensação me alivia! Entretanto, não esqueci. E, claro, que não compraríamos uma aliança com pedras preciosas para repor, né? No máximo, uma de biju... Risos. Ao menos pelos próximos anos... Vai depender dele mostrar o seu crescimento em relação à recuperação da sua doença.


Ouço relatos dolorosos de familiares. Como uma mãe pode esquecer que o próprio filho a furtou? Como uma esposa pode esquecer a ausência do marido no momento do parto? Como perdoar alguém que troca o dinheiro do gás ou do leite das crianças por drogas? Certamente não dá pra esquecer. Mas, dá sim para perdoar.

O perdão não favorece ao outro, mas a nós mesmos.

Imagine o quanto é doloroso também para o adicto saber que não tem controle sobre si mesmo. Perceber-se cometendo barbaridades na busca pela droga. Ser refém dos seus próprios desejos. Sim, eles também sofrem. Mas, cabe a eles perdoarem a si mesmos, e buscarem recuperação como tantos têm feito.

Por outro lado, cabe a nós buscarmos perdoá-los. Mas, como disse anteriormente, perdoar não é esquecer.

Se nos esquecermos, viveremos em um mundo irreal, na fantasia.

Posso perdoar o ladrão que roubou minha casa, mas isso não quer dizer que deixarei a porta aberta novamente. Posso perdoar meu esposo por uma traição, o que não indica que eu tenha que me manter ao lado de alguém infiel. Posso perdoar o adicto por suas loucuras, mas isso não mostra que eu deva facilitar o seu vício, e muito menos ser conivente com isso.

Tem uma mãe no grupo que há um ano adquiriu o seu carro zerinho, e estava muito feliz com a conquista. Seu filho, adicto, pegou o veículo emprestado, e voltou com o carro depenado, em razão das drogas. Foi um trauma horrível para essa mãe. Acho até que ela já o perdoou, mas até hoje ela não empresta o carro para o filho, embora ele esteja limpo e em recuperação. Entendem?

Perdoar é lembrar-se sem sofrer, sem doer, sem chorar...

Acho importante a gente lembrar. Mas, também é importante saber perdoar. E, inclusive, saber perdoar a si mesmo!

Mas, como perdoar, se dói tanto? Nem sempre é fácil. Algumas coisas vividas por mim, não somente com meu esposo, ainda não consegui perdoar. Então o que faço é levar isso em oração a Deus, afinal, o que não posso fazer, Ele pode.

Além disso, freqüentar grupos de apoio nos faz enxergar como outras pessoas que vivem o que vivemos têm praticado o amor e o perdão, e assim vamos aprendendo uns com os outros.

Não pense que simplesmente enterrar uma mágoa é perdoar. Nem acredite que o tempo sara tudo. Na verdade, se não curarmos nossas mágoas e ressentimentos, com o tempo, eles tendem a crescer, fazendo mal somente a nós mesmos.

“Se ficar agarrada aos meus ressentimentos, eles me manterão prisioneira. Podemos comparar isso a uma armadilha para macacos. O macaco vê um doce dentro de um buraco estreito, então, enfia a mão e agarra o doce. Se não soltá-lo, não consegue tirar a mão. Ele está preso, como eu estou quando não há o verdadeiro perdão.” (CEFE, pág. 271)

“Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou.” (Colossenses 3:13). Na verdade, a Bíblia fala em perdão, do início ao fim.

E é isso, queridas(os), se por um lado, a mágoa e o ressentimento nos aprisionam; por outro, o perdão é a chave que nos liberta.

"Só quem entende a beleza do perdão pode julgar seus semelhantes." (Sócrates)


Liberte-se! Sinta-se leve! Perdoe! ♥


5 comentários:

  1. uma forma de aprender a perdoar é o autoconhecimento, pois quanto mais nos conhecemos, mais vemos como somos imperfeitos e como temos a necessidade de sermos perdoados e reconhecendo essa necessidade perdoamos a nós e aos outros mais facilmente...ótimo findi..bju

    ResponderExcluir
  2. Querida Polly, me identifiquei tanto com seu post de hoje, pois tenho com muita dificuldade em perdoar meu marido(estamos separados a 03 meses, mas ainda temos contato ). A todo instante as más lembranças me atormentam que tem horas que fica difícil seguir em frente, mas como tenho aprendido muito com você vou vivendo um dia de cada vez. Sei que somos todos imperfeitos, como mesmo disse a Kel no comentário acima , mas a tarefa de perdoar ( pelo menos pra mim ) não está sendo nada fácil,quando me lembro de tudo que passei( que me permiti passar) na minha convivência com ele sinto uma dor imensa. Um grande abraço .

    ResponderExcluir
  3. Verdade, quanto mais a gente se conhece mais sabemos como perdoar e com autoconhecimento também sabemos até onde podemos e devemos ir.

    Mas acho que essa justificativa de que todos somos imperfeitos não cola. Há erros e erros, tem coisas que um adicto pode fazer que comprometem a segurança e a saúde emocional dos outros e é complicado, pra não dizer impossível, evitar se se escolhe por ficar com ele. Mas se mesmo assim a escolha for por permanecer com o adicto cada um é responsável pelas próprias escolhas e deve aceitar as consequências que vierem.

    ResponderExcluir
  4. ANONIMO DIZER QUE SOMOS IMPERFEITOS E PERDOAR NÃO QUER DIZER TER QUE SER CONIVENTE...PERDOAR É NÃO GUARDAR MAGOA ISSO É PERDÃO...PERDOAR NÃO É ACEITAR SER MULA E CARREGAR OS OUTROS NAS COSTAS ..DEU PRA ENTENDER???...NINGUÉM AKI DISSE DEIXE O TO APRONTAR CONTIGO E O ACEITE PQ AFINAL VC TB É IMPERFEITO...PERDOAR É BOM PRA NÓS MESMOS....ANTES DE SER PROS OUTROS É SE LIVRAR DE UM PESO SÓ ISSO

    ResponderExcluir
  5. Eu acredito que o perdao é um ato de grandeza ,é um ato de desapego as coisas futeis e pessoas sem conteudos de amor por isso exercitar o perdao é diario porque com certeza ja fizemos coisas erradas e nos perdoram se feliz é a melhor opçao viver na agustia aprisiona a alma e faz mal pra saude .
    Sei que é dificil mais quem disse que na vida as coisas sao faceis .reagir o que se vem pela frente e colocar pra funcionar o que aprendendemos .
    Ouvi um amigo semana passada dizendo todos entram no meu facebook e me dao os parabens ,por levar mantimentos e cobertores pra moradores de rua ,mais estao dentro de casa quentinhos tomar atitulde é complicado quero ver sair no frio de madrugada e levar uma palavra amiga pra quem sofrer ,a mesma coisa é o perdao tem que ser diaria e nao so adimirada .

    ResponderExcluir