quarta-feira, 12 de junho de 2013

VONTADE: aqui começa e aqui termina!



Bom dia!

Hummm, hoje o dia acordou com cheirinho apaixonado no ar... Parabéns a todos os enamorados!

Queridos, quero partilhar com vocês algo que me ajudou muito a enfrentar a doença do meu esposo, e a minha: a descoberta de que a chave de tudo está na VONTADE.

Como assim?

Bom, primeiramente, vamos ver alguns conceitos de vontade:

1. Vontade é a principal das potências da alma, que inclina ou move a querer, a fazer ou deixar de fazer alguma coisa.

2. Nome dado à capacidade de uma pessoa agir com intencionalidade definida.

3. É instinto de praticar algo, a entrega de fazer algo que deseja.

No ano passado, durante uma sessão com minha Psicóloga (querida Patrícia, saudades suas!), eu lhe disse que queria entender o porquê do meu esposo ter passado 1 ano e 2 meses limpo das drogas, sem nenhum tipo de tratamento ou apoio de grupos e/ou instituições.

E a resposta dela foi: “uai, porque ele quis ficar limpo.”

Durante muito tempo me culpei por essa recaída do meu esposo. Morávamos fora do país, e foi um período muito gostoso. Trabalhávamos muito, mas sempre em sintonia, ele limpo, com comportamentos bacanas, eu grávida do nosso filho do meio, tudo perfeito. Vez ou outra, ele tinha suas crises de humor, mas quem não tem? Não era nada preocupante ou que me fizesse um mal exagerado. Tudo normal.

Eu ainda não sabia sobre codependência, nunca havia lido nada a respeito, nem ido a um grupo de apoio, então continuava adoecida, mas diante da paz exterior, minha doença estava adormecida.

Mas, quando regressamos ao Brasil, o caos começou. Nos dois primeiros meses, deu tudo certo pra nós: tomei posse em meu cargo público e entrei na licença-maternidade (nosso filhinho tinha menos de dois meses quando regressamos), e ele conseguiu emprego em dois hospitais, e retomou seus estudos.

Embora estivesse tudo bem, o comportamento dele mudou, ele não estava bem, e eu não entendia o porquê. É por que voltamos para o Brasil? É por causa do bebê? É por causa da cidade? É por causa de mim? O que está acontecendo? E eu me sentia muito culpada por termos voltado.

Dois meses depois, ele recaiu, e deu início a um período que considero um dos piores de nossa vida. Ele não conseguia se manter limpo. Eu com um bebê recém-nascido. Estávamos nos adaptando ao país e às novas rotinas. Sem familiares e sem amigos por perto. E nenhum de nós dois em recuperação. É um período que não gosto nem de me lembrar. Muita dor! Seis meses de dor, até que encontrássemos cada um o seu próprio lugar de recuperação.

E, naquela sessão com a Psicóloga, eu realmente pude me livrar dessa culpa. Ele recaiu porque a vontade de usar foi mais forte do que a vontade de ficar limpo. E isso não tem nada a ver comigo. E ele ficou limpo por esse tempo porque a vontade de ficar limpo era mais forte que a vontade de usar.

A gente complica demais. Diz que é porque eles não amam a família. Ou por isso e por aquilo. Mas, a chave de tudo está na VONTADE!

Hoje ele está limpo há 78 dias, graças a Deus! Não está indo a grupos, ou coisas assim, apenas levando sua vida normal com a família, no trabalho, e estudando. Sinceramente, quem sou eu para dizer que isso não vai dar certo?

Um dia, quando meu esposo havia desistido da sua segunda internação, após dois meses, eu estava chorando, quando a Psicóloga veio, me abraçou, e me olhando firme, disse: Acredite! Não é o fim. Isso não quer dizer que ele vai recair. Cada um é cada um! Na ocasião, ele se manteve limpo por mais três meses, e só voltou a usar quando quis.

Só por hoje, sua vontade de estar limpo tem sido maior. E é muito bom vê-lo centrado em seus novos sonhos, e novamente com comportamentos saudáveis. Deu certo hoje, e é o que importa. Internações, grupos, igreja, família, tudo isso serve apenas para alimentar o desejo do adicto de ficar limpo, e para lhe dar ferramentas para lutar contra o desejo de usar, mas se ele não quiser, nada adiantará. A realidade é essa, queridos.

Claro que, quando o adicto está em período de ativa, afundado na obsessão e compulsão pela droga, é preciso uma intervenção, até que ele tenha condições de decidir por si novamente. Mas, depois é com ele.

Agora, vamos falar um pouco de nós?

Nós também só iremos nos recuperar da nossa codependência, se tivermos VONTADE.

Já nos acostumamos a viver a vida do outro. A passar 24 horas tramando a melhor forma de fazê-lo ficar limpo ou entrar em recuperação.  A viver ‘fazendo cafuné’ em nossas culpas, medos e dores. E pra mudar esse estilo de vida, é necessária muita VONTADE.

Quem disse que olhar para si mesmo é fácil? Não é. Mas, nisso consiste o nosso desafio. A vontade de nos cuidar tem que estar acima de qualquer outra vontade. E precisamos lutar, todos os dias, para não nos entregarmos a uma culpa que não nos pertence, e a um desejo de controle sobre o outro, que não dá bons resultados.

Como você fará a sua recuperação, eu não sei. Afinal, ‘cada um é cada um’! Posso dizer aqui o que tem dado certo pra mim: grupo Nar-Anon (foi o diferencial em minha vida), grupo Amor Exigente (me ensinou sobre limites), leitura de muitos livros sobre codependência, fé em Deus (acho que esse deveria vir em primeiro), partilhar com outros codependentes que estão em recuperação.

Saber onde está a nossa recuperação, e onde está a recuperação do adicto é fundamental. Precisamos ter a percepção de onde começa e onde termina o nosso papel na vida do adicto.

Infelizmente, em sites científicos podemos ver que uma das características da dependência química é a recaída. Entretanto, após a recaída, nosso papel é o de ajudar o adicto a encontrar novamente o desejo de parar de usar, levando-o a pessoas capacitadas para essa ajuda.

Dependência química é doença. Não é falta de caráter, de vergonha na cara, ou de amor. Então é preciso sim tratamento. Mas, como é uma doença complexa, ainda não há um tratamento pré-definido como há para o tratamento de um vírus, por exemplo. O que o adicto precisa é de algo que desperte nele essa vontade de estar limpo, e de viver em recuperação!

Tem dado certo para muitos no N.A.. Fica a dica. Mas, lembre-se ‘cada um é cada um’. O nosso papel, enquanto familiar, é o de apoiar o desejo do adicto de ficar limpo, e não o de tentar impor o que julgamos ser o melhor para a vida do outro.

Aqui em casa, digo para o meu esposo: “quero de você o resultado (que fique limpo), mas o meio para conseguir esse resultado, é com você!”

Deixo essa dica para quem está com o familiar em recuperação. Mas, para quem está com o familiar na ativa, imponha limites!

É, queridos, amar um dependente químico não é fácil. Mas, Deus nos dá a força necessária, e precisamos buscar a sabedoria necessária para ajudar sem se perder.

Hoje meu esposo saiu logo cedo, com suas roupas brancas, para o trabalho. Deixou meu leitinho com café sobre a bancada da cozinha. Me deu um beijo na testa (eu ainda estava dormindo), disse que me ama, (te amo, minha namorada linda!), e foi.

Muitos dizem: Parabéns por manter o seu casamento! Mas, gente, o mérito por estar limpo é dele! O meu mérito é apenas por buscar, a cada dia, me recuperar da codependência, que também corrói qualquer relacionamento.

Cada um “no seu quadrado”. Cada um na sua própria recuperação. E, graças a Deus, com um amor que não morreu, apesar das grandes dificuldades, no mês que vem completaremos sete anos de relacionamento...

Feliz dia dos namorados! Feliz dia do amor!

Muito amor a Deus, ao próximo, e a si mesmo para todos nós!

Beijos.



6 comentários:

  1. bom o post, realmente cada um cada um, não existe receita de bolo, mais discordo em um ponto, EXISTE SIM UM CAMINHO PRA SE RECUPERAR, E SE NÃO SEGUIR É PORQUE TA NO AUTOENGANOA, não interessam os meios, se NA, Igreja, Clinica, trabalho, estudo, etc etc..MAS TANTO NÓS QUANTO ELES SE: NÃO NOS ACEITARMOS DOENTES, NÃO ACREDITARMOS QUE PRECISAMOS DE AJUDA DE SEI LA O QUE OU QUEM, NÃO PROCURAMOS NOS CONHECER E NOS MODIFICAR PARA MELHOR RECAIMOS EM NOSSAS DOENÇAS...ESSE É O CAMINHO: se aceitar, se conhecer, e se melhorar como SER HUMANO...se eles ou nós sairmos dessa linha de vida...viveremos em um mundo de fantasia que infelizmente nos levará a viver nesse cicli conhecido RECAIDA, USO E ARREPENDIMENTO...BJUUU

    ResponderExcluir
  2. A mais uma história..um adicto em recuperação há 3 anos hoje terapeuta de uma clinica disse o seguinte: eu fiquei limpo 4 anos, digo limpo não em recuperação, eu não usava drogas pq não queria, porém meu comportamento era o mesmo, até que recai, cai de cara no chão, minha mulher na época quando eu Said a internação deixou minhas malas prontas na sala e disse, agora volta pra casa dos seus pais, dessa vez eu aceitei pq percebi o quanto mau fiz a ela, e nem insisti pq ela estava no seu direito, mais eu a amava e não desistiria de nós dois, segui com a minha recuperação, admitindo minhas qualidades, e meus defeitos de caráter, fazendo meu inventário diário e procurando melhorar como pessoa, dois anos depois voltamos a morar junto....minha opinião: eu não citei o caminho que ele trilhou, mais foi fundamental ele quere se tornar uma pessoa melhor, que nada mais é que reconhecer seus erros, seus defeitos e saber que pode e deve melhorar, digo a todos querem vencer as drogas ou a codependencia...sigam esse exemplo...se comprometam a se tornar pessoas melhores..seja através de grupos, da religião, de psicólogos, aonde for..mais por favor..aprendam o verdadeiro significado do AMOR A TI MESMO E AO PRÓXIMO..ou se respeite e respeite o outro..não faça com os outros o que não gostaria que fizessem contigo, perdoe mais julgue menos..etc...etc...QUE COMECE POR MIM

    ResponderExcluir
  3. E isso vale para tudo né Poly? Que benção...
    Tenha um dia dos namorados lindo com seu amor, beijo!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia querida Poly!
    Realmente não existe a receita certa, existem caminhos, mas na verdade cada um é segue de um jeito, manter-se limpo, manter-se em recuperaçãp primeiro tem que existir o "querer", querendo isso pra si, cada um vai procurar oq ue melhor te ajuda. Meu esposo por exemplo, tem folgas que ele vai no NA, tem folgas que não, mas eu não fico de babá dele rs, hj trabalho fora e penso assim, ele vai se quizer, ele sabe das nessecidades dele, entendo tbm que nas folgas ele precisa resolver muitas coisas aqui, principalmente a atençao com as crianças, pois minha filha dispensa van escolar pq quer que ele a leve e busque na escola, assim tbm meu filho rs, e ele acab se ocupando com as tarefas familiar, mas o importante é estar bem, até qdo?? não sabemos, pode ser que siga assim pro resto da vida ou não, pode haver outras recaidas, mas tudo tem que ser pesado na balança, ate as recaidas, a recaida pode acontecer mesmo estando em recuperação, e isso ouço em muitas palestras. Mas vamos seguindo em frente trabalhando a nossa recuperação, sendo positivas com nós mesmas...Um gde beijo !!

    ResponderExcluir
  5. É isso aê, Poly!!
    VONTADE....
    Só por hoje, minha vontade está em continuar limpo e tentando vivenciar uma nova maneira de viver no mundo do espírito e da fé.
    Abração, minha companheira.
    TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  6. Adorei a maneira como falou de toda situação, parabéns pela postagem e pelo blog. Desejo muita sorte!

    ResponderExcluir