quarta-feira, 19 de junho de 2013

Relato de uma mãe que mudou!




Poly, é difícil transmitir em palavras, todo o bem que a leitura do seu livro Amando um Dependente Químico - Dias de Dor, trouxe à minha vida.

É incrível o que as palavras escritas com o coração são capazes de fazer!

Um livro de linguagem acessível, simples, mas, nunca simplório, me fez enxergar tanta coisa importante...

Suas experiências me ajudaram a descobrir novas formas de lidar com o problema com drogas, que enfrentei na família. 

Quando conheci seu livro, eu estava saindo de uma depressão. Tomava remédios, me sentia fragilizada por que as drogas haviam atingido meu lar. Achava isso uma derrota terrível. Estava envergonhada, perdida, me sentido culpada. A pior pessoa do mundo. E não sabia como agir com meu querido, que estava, infelizmente, dando seus primeiros passos neste caminho maldito. 

Então, ouvi uma palestra sua Poly... Naquele momento, eu disse em meu coração: Deus, o Senhor sempre nos coloca no lugar certo! Na palestra, ouvi falar do seu livro. Comprei e li. E como foi bom ter lido!

Sabe aquela coisa de querer ajudar e acabar agindo de forma a facilitar o vício dos nossos queridos? Então, essa verdade caiu em cima da minha cabeça. 

Ao ler, percebi que estava fazendo isso, comecei por aí, a pensar que cada um deve “sofrer” as consequências de seus atos. A partir de então, parei de ser boazinha, parei de facilitar o vício alheio. Em nome do amor, comecei a dizer muitos “nãos”. Não foi fácil, mas, era possível.

Sabe o que você relata a respeito das loucuras que fazemos, quando temos um adicto em casa? Das insanidades? Se ele grita, a gente grita mais alto... Pois é, achando que isso iria resolver, eu gritava, chorava, tentava impedir suas saídas, fiquei desiquilibrada. Hoje eu sei, não preciso fazer nada disso. Não posso fazer isso comigo! E não faço mais. Nem vontade eu sinto. 

Palavras e expressões marcantes do livro Amando um dependente químico: serenidade, desligamento, “Viva e deixe viver!”, amor exigente, escolha... A grande descoberta: o adicto fez uma escolha, e eu não posso parar de viver por isso!

Durante a leitura pensei muito no conceito do amor que cuida, mas que não se anula. Comecei a ser mais assertiva, olhar nos olhos do meu amado filho e não aceitar culpas que não eram minhas.  Passei a observar a “folha” da minha vida e ver tudo o que havia de bom nela, apesar das drogas.

A informação de que a dependência química é uma doença, foi valiosa para abandonar preconceitos. Não é delinquência ou safadeza como muitos pensam, como eu mesma pensava. E ainda, a constatação de que as drogas não estão tão distantes dos nossos lares. Não é um mal de poucos. Infelizmente!

Estudei, sublinhei, tirei lições dos seus acertos e dos seus ‘erros’. Como você foi corajosa em relatá-los! Pensei: nossa, somos humanas, erramos!

Poly, te conhecer e ler sobre sua vida, mudou a nossa trajetória aqui em casa. 

Fui me tratar. Antes pensava que terapias de grupo não ajudavam. Hoje frequento uma no CAPS da minha cidade. Tenho aprendido muita coisa relevante com eles também.

Depois de uma licença sem vencimento, refleti e voltei a trabalhar. Disse a mim mesma: o problema da Poly é muito mais grave que o meu, e ela trabalha sorrindo todos os dias. Eu também posso fazer isso! Foi a mensagem que você me transmitiu, com sua coragem e resiliência.

Tirei uma licença por que queria vigiá-lo 24h por dia. Tinha a ilusão de que se fosse sua “babá”, ele nunca mais procuraria as drogas. Ilusão mesmo. Aprendi, a vida é uma escolha. Não posso impedi-lo se ele quiser se afundar nisso. Mas, o que preciso é estar bem para orientá-lo, o resto é com ele. Essa foi uma das lições mais preciosas.

Hoje não paro a minha vida por causa das besteiras que meu querido faz. Aliás, ele tem feito poucas bobagens depois que mudei de postura. Todos os dias, melhora um pouco mais!

Diante de tantos relatos de dor, o capítulo que me fez chorar foi aquele em que vc descreve alguns dos momentos felizes que passou ao lado do seu amado esposo. Como eu chorei!! Como vi espaços em branco em torno da mancha da sua codependência. Que linda história! Depois desse capítulo, adivinha? Comecei a fazer o mesmo com a minha vida. Passei a olhar tudo de bom que havia em mim e em tudo que Deus havia me propiciado de bom, até aquele dia.

Presenteei algumas pessoas com seu livro que, tanto quanto eu, precisavam de orientação. Uma delas foi uma cunhada. Ela largou seus afazeres e leu a obra em tempo recorde para uma dona de casa atarefada, em três dias. Fiquei feliz! Ela me contou que leu rapidamente por que queria saber como terminava a história... não via a hora de acabar, estava ansiosa! (risos)

Logo vi mudança nela e no esposo. Não como em um milagre ou por meio de fórmula mágica, isso não existe. Seu livro não é um amuleto. É uma experiência de vida. 

Preciso contar a minha cunhada que o segundo livro foi lançado, acho que vai querer “devorá-lo”. “Quando o outro for lançado, me avise, eu quero ler também!”, disse.

Quanto a mim, não comecei a ler o segundo livro: Amando um dependente químico – Dias de recuperação – quero parar para fazer isso. Livro bom a gente não lê, a gente degusta!

Olha, Poly, peço que o Senhor Deus te abençoe. Você é uma pessoa que alcançou a resiliência, mesmo sendo um ser humano, sem fórmulas mágicas para oferecer.

Obrigada Deus por ter nos dado a Poly!

Obrigada Poly por sua generosidade em dividir sua experiência conosco. Isso me ajudou, e com certeza ajuda muita gente, esteja certa disso!

Ao chegar na casa do Pai, terás um galardão reservado para ti.  Mais uma vez, muito obrigada!

Bjs!!

A.M, mãe de um rapaz lindo, que um dia experimentou drogas... e, por pouco, não se afundou.


Queridos, ler esse relato me deixou muito emocionada e grata a Deus pela oportunidade de ajudar pessoas com minha história. Já dei um abraço bem apertado nessa mãe, e já lhe disse que o mérito da mudança é dela, afinal, ela escolheu mudar, e mudou... Sempre podemos escolher!

Quem desejar ler os livros, acesse o site do Clube de Autores, CLIQUE AQUI.

Beijo no coração!
Poly.

2 comentários:

  1. Palavras fazendo a diferença onde não podemos chegar, que benção!!! Que Deus abençoe essa família e a sua também Poly!
    Bom final de semana, beijo!

    ResponderExcluir
  2. Que que seu possa ajudar tantas maes... esposas... que bom!
    Parabens.
    bjos
    TMJ
    Sha

    ResponderExcluir