sábado, 29 de junho de 2013

Luto!


Bom dia, queridas(os)!

Tudo bem com vocês?

Meu esposo segue limpo há 95 dias.

E, a cada dia, vejo o quanto tenho crescido, e principalmente o quanto tenho aprendido a enxergar a delimitação de onde termina a minha vida, e onde começa a dele.

Nesta semana, fiquei triste diante de três notícias arrasadoras, e queria partilhar com vocês.

Uma companheira, participante do nosso grupo virtual, estava à procura do seu filho, adicto, há mais de um mês. E, antes de ontem, ela nos relatou:

“Minha luta contra as drogas foi perdida. Meu filho foi assassinado. Tiraram ele de mim como se fosse um cachorro. Sumiram com o corpo para esconder as provas. Mas, Deus tem tanto amor que ouve nossas orações. Os assassinos foram presos, por roubo. E a polícia está terminando as investigações para ter provas que foram eles, e relatarem onde enterraram o corpo... Peço que orem para que esses assassinos falem, e paguem pelos vários crimes cometidos. Meu coração está sangrando, é uma dor que parece sem fim. Quero pelo menos enterrar meu filho e poder saber que agora ele está sob os cuidados do Senhor!”

Como não chorar diante da dor dessa mãe?! Querida E.T., que Deus conforte esse coração de mãe, enchendo de paz e de força, e que tudo se encaminhe bem ao menos para que justiça seja feita. Nem tenho palavras, mas deixo o meu abraço sincero...

Ontem, uma companheira (A.L.S.) me chamou no inbox do face, para me dar a notícia que ela havia recebido a pouco: seu ex-marido morreu na madrugada de ontem, supostamente por overdose de cocaína.

A jornalista Roberta Trindade postou o seguinte sobre o caso:

“Instrumentista (saxofonista e flautista), luthier e professor, o músico R.S., 53 anos, morreu esta madrugada no Motel Calypso, na Estrada do Pontal, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio.

Funcionários do motel contaram que ele chegou ao estabelecimento por volta das 2h desta sexta-feira, dia 28 de junho, e que pediu a conta cerca de 40 minutos depois.

O gerente administrativo do motel contou que ele saiu do apartamento totalmente transtornado e alterado, chegando a quebrar alguns objetos e que precisou ser contido por prestadores de serviço.

O músico ainda arrombou a porta do almoxarifado, caindo em seguida e permanecendo desacordado. Bombeiros foram chamados e quando chegaram ao endereço constataram que ele estava morto. Registro na 42ªDP.

Além de ser um profissional especializado na construção e no reparo de instrumentos de corda, R.S., como instrumentista, participou da trilha sonora das novelas "Direito de amar" e "Chocolate com pimenta" (Rede Globo).

Ele também assinou a direção e a produção musical do CD do espetáculo "Nos embalos da fama", de Milton Prado e atuou como diretor musical, músico e arranjador, no espetáculo "Rio Jazz", do coreógrafo José Roberto Ferreira.

Além disso, participou como solista convidado da inauguração do Memorial Tom Jobim, em 25 de janeiro de 1997, no horto do Jardim Botânico, no Rio.

Ao longo de sua carreira atuou com vários artistas - entre eles, Cidade Negra, Marvio Ciribelli, Paralamas do Sucesso, Elza Soares - e foi professor de música no Colégio São Paulo Apóstolo e professor de educação musical e regente de coral na Escola Técnica Ferreira Viana (Faetec). Foi coordenador e professor do curso para músicos profissionais realizado no centro cultural Lugar Comum Arte e Cultura e lecionou no Centro Musical Antonio Adolfo.”

Ele não era apenas um músico de sucesso. Ele era mais uma pessoa adoecida pelas drogas. E ele era o herói de uma garota de 14, sua filha, M.E.S. Vejam o relato da menina:

“Ta sendo horrível saber que perdi a pessoa que eu mais amava, a pessoa que eu mais ouvia os melhores conselhos. Como vai ser acordar e saber que não vou poder mais te ligar, meu pai? Saber que você não vai estar mais aqui comigo... Cuida de mim até mesmo aí de cima, eu não vou te esquecer, meu rei..."

Oh, querida, conheço a sua dor...

Estou relatando tudo isso, para que vejam que a dependência química mata sim. É grave. E ela não escolhe classe social, nem religião, nem idade... Qualquer um pode ser sua vítima, basta experimentar uma droga, e acionar o gatilho dessa doença terrível.

Mas, estou relatando tudo isso, principalmente para que vejam que, nós familiares, sempre expostos à ansiedade, medos e preocupações diárias, precisamos nos cuidar, pois adoecemos!

Esse ultimo caso, que relatarei abaixo, mexeu demais comigo.

Na quarta, outra companheira do grupo virtual, V.V.V., deixou o seguinte relato:

“Fui em uma reunião, e tive a noticia desagradável. Uma mãe cometeu o suicídio. Seu filho de 32 anos, adicto, casado, com 3 filhos pequenos, nunca parou de usar.
A mãe sempre facilitando, dando abrigo, comida, dinheiro, a chave da casa, o carro... Às vezes lembrava que tinha reuniões, mas, quando ia, não compartilhava. As companheiras sempre amorosas tentavam deixá-la mais tranqüila. Hoje de manhã seu filho foi fazer o que sempre faz, a esposa também facilitando, enfim... Ela não agüentou. Tomou uma caixa inteira de calmantes, o coração não agüentou... E morreu de overdose.”

Amigos, a família adoece. Por vezes ficamos mais doentes do que o próprio adicto. Vejo pessoas se afundando na codependência, na depressão, na síndrome do pânico, e em disfunções alimentares (bulimia, anorexia e compulsão), e muitas delas não percebem que precisam de ajuda, e que não são tão fortes quanto imaginam.

Familiares, vamos nos cuidar?

Por que carregar um fardo tão pesado sozinha(o), se temos pessoas dispostas a nos ajudar?

Deixo, abaixo, alguns links de onde poderá obter ajuda.

http://www.naranon.org.br/ (para familiares).


Disque saúde: 136, nesse número poderão te informar o CAPS mais perto da sua casa (para familiares e adictos).

http://www.na.org.br/ (para adictos).

Bom sábado!

E vamos orar a Deus pelos familiares desses que se foram, para que Ele lhes traga o conforto e a paz.

4 comentários:

  1. Nossa Polly, quantas notícias tristes.
    Senti muita dor medo ao ler seu post.
    Muito triste, mesmo!
    Meu noivo está há menos de 30 dias limpo... recaiu depois de 80 dias. Não está se tratando, diz que sozinho vai se recuperar, não somos Deus para definir se vai ser possível ou não, mas essa é a vontade dele e nada posso fazer a não sei apoiar e acreditar que Deus é muito piedoso e o ama e quem sabe a vontade dele seja atendida.
    Sinceramente, creio que sem recuperação, sem tratamento é muito difícil...
    Fico pensando nisso tudo que foi descrito acima e penso, que realidade triste! Pessoas bonitas, inteligentes e com toda a vida para viver tendo esse destino cruel e implacável como é o das drogas. Estou profundamente triste e compartilho com a dor dessas famílias.
    TMJ.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se o seu noivo não está se tratando, melhor cair fora... ou no futuro você e os filhos que tiver com ele poderão ser personagens de uma dessas histórias tão tristes.

      Excluir
  2. BOM DIA MEU NOME É HARLEY SOU UM DEPENDENTE QUIMICO, E SEI O QUE É ESSE MUNDO DE DOR , TRISTEZA, ARREPENDIMENTOS E LUTA PARA CONSEGUIR SAIR DE UMA COISA QUE NOS MATA POUCO A POUCO.
    É COM EXTREMA DOR QUE VEJO O RELATO DESSAS PESSOAS E SEUS FAMILIARES QUE LUTAM PARA SIMPLESMENTE TER UMA VIDA , UMA VIDA DE CONQUISTAS E PRAZERES DA QUAL TODOS TEMOS DIREITO MAS QUE PARA ALGUNS É UM CAMINHO ARDUO DE GRANDE SOFRIMENTO.
    FICA AQUI UM ABRAÇO EM TODOS OS CORAÇÕES E UM PEDIDO A TODOS QUE PASSAM PELA PROVA DE DEUS , TENHAM FORÇA , TENHAM FÉ , E LUTEM , LUTEM PELA VIDA, SUA VIDA E DE TODOS AO SEU REDOR . FIQUEM COM DEUS.

    ResponderExcluir
  3. tão triste e tão dificil de entender...q só nos resta aceitar e entregar....chega um ponto q pensar sobre os SE dói tanto...que não existe outra escolha caso queriamos sobreviver a essa triste realidade..é escolher sobreviver...sim somos sobreviventes...de uma realidade dificil de ser vivida..tmj...bju

    ResponderExcluir