terça-feira, 4 de junho de 2013

Aos meus iguais!



Bom dia!

Que friooo! Eu, particularmente, amo! Hoje é dia de usar botas... risos.

Queridos, estou com um problema. Não estou conseguindo responder a todas as mensagens. E, como sabem, sou codependente. E ser codependente é achar que pode ajudar, salvar, enfim, fazer a diferença na vida de alguém.

São mensagens via inbox, no face, no email, pelo site do clube de autores, pelo blog. E quando vejo palavras escritas com tanta dor, e não consigo responder, me sinto mal. Por favor, me desculpem, mas minha vida é muito corrida, em razão do trabalho, dos três filhos, do marido, e até mesmo dos meus estudos para me manter sempre atualizada, e passar as novidades pra vocês via Blog. Respondo o máximo que consigo, mas tem sido pouco, eu sei.

Queridos, infelizmente não tenho a resposta que vocês procuram. Por favor, procurem ajuda nos grupos de apoio. Estou aqui para estender a minha mão. Para seguirmos juntos. Mas, não sou uma mulher perfeita. Não sou forte. Não sou heroína. Não sou nada disso, sou uma mulher que passa pelo mesmo que todas vocês, a diferença é que exponho minha vida aqui, na tentativa de ajudar a quem nunca havia pensado na possibilidade de ter uma vida feliz, atolado na codependência.

Não se comparem a mim, por favor. Não sou melhor que ninguém. Não sou um exemplo. Sou uma companheira, só isso! Não digam que não são fortes como eu, ou que não amam como eu, não me analisem, cada uma tem sua história de vida, seus limites, seus aprendizados.

Não estou aqui para me transformar em uma “popstar codependente”. Quero vocês do meu lado, preciso de vocês. Continuo sendo uma codependente em recuperação. Não me isolem. Por favor, não façam de mim um “mito”.

Não me queiram mal. Não desejem o mal ao meu esposo. Por favor.

Queridos, vamos cuidar da nossa doença? Grupos, Psicólogos, Psiquiatras, Igrejas... Escolha alguma coisa. Faça alguma coisa por si mesmo!

Muitas vezes choro ao acessar minhas mensagens, diante de tanta dor, de tanto sofrimento. Queridos, se ajudem! Se amem! Leiam o blog com carinho. Se der, leiam os livros. Eu tentei passar adiante os meus aprendizados nesses escritos. Mas, existem coisas que somente nós podemos fazer por nós mesmos.

Ontem meu esposo fez um home care. E ele havia ficado com o carro. À noite, tentei ligar, e seu celular só dava desligado. Liguei umas dez vezes seguidas... Percebem? Ainda estou doente. Mas, nessa hora, minha luzinha acendeu, e vi minha tentativa de ter o controle sobre a situação. Deixei o celular sobre a mesa, fiz uma oração com todo o meu coração, e me ocupei com as crianças. Logo ele me ligou. Deu tudo certo. Ele voltou para casa, com o carro e com o dinheiro do pagamento.

Meu esposo está tentando. Isso faz toda a diferença pra mim. Por isso, não tentem ficar com quem lhes trata mal ou desrespeita. Nunca falei sobre isso aqui. Se amem. Se cuidem. Olhe cada uma para a sua própria recuperação. E vamos juntas, adiante. Quando dizemos “tamu junto”, que isso seja verdadeiro! Quando dizemos “te amo incondicionalmente”, que isso também seja verdadeiro”!

Que hoje os laços que nos unem sejam mais fortes do que os que nos afastariam...

Não existe ninguém melhor, nem pior... Ninguém mais recuperado ou menos recuperado... Primeiro ou ultimo... Somos todos iguais. Sentimos as mesmas dores e esperanças. Somos falhos, todos. E temos qualidades, todos.

Se Deus me deu a oportunidade de levar essa mensagem através do blog, fico muito feliz. Mas, isso não quer dizer que sou isso ou aquilo, sou apenas uma codependente em recuperação, não se esqueçam.

Sozinha eu não consigo!

Grande beijo!

15 comentários:

  1. Não se aflija...Polly...vc não pode se sentir responsável pelo que pensam de vc, nós que expomos nossas vidas no blog estamos sujeitas a opiniões de todos os tipos...(esse é o preço por nos expor)..com tudo nessa vida não é perfeito e devemos tirar o melhor das situações "o aprendizado", assim como vc sabe fazer o balanço de seu casamento e ver o saldo positivo e negativo, use também isso na sua exposição...e vc tem ajudado muitas pessoas, mesmo que umas ou outras não entendam ou não concordem com tudo que vc diz...não precisamos nos explicar o tempo todo pra justificar nossas atitudes...fique em paz com sua consciência isso é o que mais importa para sua recuperação....é isso que tento fazer comigo :)...bjussss e tmj

    ResponderExcluir
  2. Polyana, seu exemplo já responde alguns questionamentos... a comparação é inevitável, ao ler suas postagens me pergunto até se amo mesmo meu namorado, depois, pensando em tudo que vivi e vivo, acredito sim em meu amor por ele, o que ocorre é um desgaste muito grande pelas dores já sofridas!
    Sinto culpa por não ajudá-lo como poderia, tenho frequentado o naranon, o mada e a terapia em busca de apoio... o vejo mascarando sua doença e me sinto frágil, acho que ainda não houve pra ele, um despertar espiritual e isso só acontecerá no tempo dele... o problema, é que enquanto isso eu dou corda a minha codependencia, controlando, respirando o ar que ele respira, querendo saber de todos os passos vividos por ele... é péssimo, para ambos... já mudei algumas atitudes mas, passo longe do equilíbrio, tenho o fantasma do ciúme me rondando uma vez que ele mantem contato com uma colega de trabalho e isso me incomoda, sempre acho que é mentira, que ele me traiu e ele fica irritadíssimo com isso, me chamando de neurótica, diante de todas as mentiras vividas me tornei uma mulher insegura, acho que ele vai se interessar por qq mulher... sempre tivemos muito ciúmes um do outro... depois que esta amiga de trabalho ligou pra ele no fim de semana, fiquei com raiva, briguei, falei muita coisa que magoa e ofende e terminei, me arrependi, liguei pra ele, mas não me atendeu... estou triste, não sei se ele voltará... não quero perde-lo as tb não quero viver o inferno que estamos vivendo, preciso de ajuda, me sinto vazia, não sinto tesão em nada!
    Torce pra ele mudar de idéia, só torce, vc é uma mulher de fé e, seu exemplo me encanta, não me comparo, as pessoas e as relações são diferentes, mas admiro sua garra e perseverança!
    Que a paz que tem reinado em sua casa se mantenha, um dia de cada vez, repleto de felicidade e amor!
    Bjssss

    ResponderExcluir
  3. Ola bom dia. Polly oque importa e sua contribucao social e o bem que faz aos familiares desses milhares de adictos peli mundo a fora... nao se importe com comentarios pequenos.
    por exemplo... fiquei quase 2 meses sen postar nada sem conversar c vcs em funcao do meu amado... mudou de clinica 3 vezes nao terminou o tratamento e quis vir embora.
    70 dias limpo e ontem recaiu pela primeira vez. estou tao triste, decepcionada... se nao fosse vcs seria muito mais doloroso... bjs Sha

    ResponderExcluir
  4. Qdo digo te amo... te amo incondicionalmente... vc sabe que é verdade.... Afinal já te amava pequena a muito tempo, naquele tempo em que até vc achava estranho esse "meu amor incondicional"... (Lembrando disso, dou risada até hoje).... Sempre estarei aqui, é o poder da corrente... uma ajudando a outra... trocando forças, sem se comparar... Quantas vezes eu ouvi : "Escreva um livro", de vc e de outras companheiras... e qtas vezes eu disse : "Não , meu ego não está pronto para isso"... Quantas vezes eu lia julgamentos nos blogs e ia em defesa... Precisamos entender que não somos "modelos" a serem seguidos, nem conselheiras, apenas COMPANHEIRAS.... Por isso, mesmo, estando mais quieta no meu canto ultimamente, estarei sempre aqui... com aquele abraço apertado e um sussuro pronto : "Continua voltando que funciona"

    ResponderExcluir
  5. Poly, você é guerreira menina, sim, tem sido uma companheira, mesmo eu não a conhecendo pessoalmente e nem ter trocado nenhum tipo de palavra com você.
    Além de eu ser uma bipolar, sofro também de dependência Emocional, no fundo todo bipolar é um dependente Emocional, assim como os adictos também o são. Ficamos muitas vezes alimentando um a doença do outro, mas não podemos desistir jamais de viver, mesmo limitados podemos superar os limites e buscar a recuperação um dia de cada vez.
    Reconhecer a si mesmo e os próprios limites ja é um bom começo...vamos lá, levando o dia de cada vez, pois a cada minuto que pensamos no amanhã é o minuto perdido do dia de hoje...
    Sabemos que terá alguém sempre a nos julgar, rotular e não compreender, mas isso já não pode nos atingir, somos parte da humanidade sujeitos a todo tipo de opiniões e julgamentos. VAMOS LÁ MOÇA, E SEM ESSA CULPA pornão conseguir abraçar o mundo...

    ResponderExcluir
  6. adorei seu desabafo... foi tão profundo, tão, tão.... senti, senti na pele o que vc quis dizer... me coloquei no seu lugar, senti tua angustia, senti teu apelo... tamo junto!

    ResponderExcluir
  7. Se vc soubesse o bem que faz naum se sentiria triste com essas coisas,Vc é linda, forte, guerreira, especial. ILUMINADA. Aprendo demais aki.

    ResponderExcluir
  8. Poly, minha linda...
    É assim mesmo... Você faz sua parte.
    Cada uma de nós que escreve, faz aquilo que nos é possível.
    Seu blog é o mais conhecido, e é natural que as pessoas pensem que você é a salvadora da pátria. E não é por mal.

    Seu desabafo foi importante...

    Todas nós, codependentes, sentimos necessidade de que alguém nos diga o que fazer...
    E, como você falou, apenas nós mesmas podemos decidir o que fazer.
    Algumas amigas dos grupos daqui também me pedem conselhos e me procuram com o intuito de serem ouvidas...
    Mal sabem elas o quanto eu também desejo esse "colo", o quanto me sinto fraca, frágil, com medo...
    Codependência pura!
    rsrs

    Tamu juntas, amiga...

    ResponderExcluir
  9. Quando leio seus depoimentos, me sinto em uma reunião de grupo de apoio... de verdade, serve como espelho seu desabafo... não conheço todo o blog mas, se sua intenção era apresentar sua história como espelho, vc conseguiu... beijo grande!

    ResponderExcluir
  10. Poly nunca frequentei grupo de apoio, mas só lendo seu blog já tem me ajudado bastante a enfrentar essa doença da codependencia, não ligue para as criticas e opiniões contrarias a sua, pois sua fé e sua força é maior que todas elas. Admiro muito a sua garra, para mim vc é um grande exemplo de superação. Poly coloque em suas orações as pessoas que te pedem ajuda, pois mesmo não conseguindo responder e dá conselhos, Deus fará o que tem que ser feito a cada uma delas. Obrigada por dividir sua história conosco.Deus te abençoe, abraços
    Olívia de Cássia

    ResponderExcluir
  11. OLA Poly,e primeira vez que leio seu blog,fico feliz que seu marido esteja se saindo bem e vc também,o meu esta em recuperação pela segunda vez em uma clinica,pelo menos desta vez foi compulsoria no inicio e depois ele decidiu ficar por conta propria.
    Sou co-depedente a 5 anos,e fui usuaria por 15 anos,do mesmo jeito que existe vida apos as drogas existe vida apos a co-dependencia,estou muito feliz por vc ,que Deus abençoe vc seu marido e seus filhos,apartir de hoje quero acompanhar sua vitoria sua e dele e compartilhar a minha,abraços de sua mais nova seguidora Evelyn Lopes.

    ResponderExcluir
  12. Saber do "tamo junto" é um alento. Obrigada pela ajuda que tem me dado.
    Cheguei ao seu blog depois que tinha iniciado o meu diário. Fui pesquisar outras pessoas como eu. Coincidência são os nomes quase iguais. Sem eu saber de ti, você foi a minha inspiração. E obrigada por isso também.
    M.
    http://amandoumdependente.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  13. Força, Poly! Continue sua jornada sem se importar com o que dizem ou pensam, se não daqui a pouco vc vai se ver em outra 'codependência", dessa vez do que os outros vão achar. Siga seu caminho. E melhoras sempre aos nossos amados, é o que desejo.

    ResponderExcluir
  14. Nossa, Como Deus é eficiente.
    Acabei de ter enviar um e-mail,e acabei de receber tua resposta.
    Aqui e agora!
    Está sendo uma benção ter siso conduzida até seu blog.
    Tamu junta na batalha!

    PS: Em anOnimo pois não tenho conta no Google. Hora de prividenciar uma conta djá!
    Impossível ficar em anonimato qdo a causa é divina!

    ResponderExcluir