sábado, 8 de junho de 2013

Aceitar ou mudar? Está confuso?



Acho que uma das piores mentiras que a codependência me contava, e eu acreditava, era a de que eu era uma vítima das situações e da vida. Como se eu fosse um ser passivo sobre mim mesma. Como se eu não tivesse o direito de escolha.

Sabe quando você está amarrada pelo cinto de segurança, no banco do carona, a mercê de quem está conduzindo o carro? Era assim que eu me sentia.

Eu queria ir para a direita, mas o condutor ia para a esquerda, e eu me lastimava... Só me lastimava. Sentia-me uma sofredora, coitadinha.

Amigos, quanto mais autopiedade sentia, mais inerte eu ficava.

Sim, porque eu tinha justificativa para tudo. Eu sou infeliz por causa do meu marido adicto. Eu não cresço profissionalmente por causa dele. Eu não alcanço os meus sonhos por causa dele. Eu não tenho paz por causa dele... E por aí vai.

Culpar o adicto por nossas dores não muda a nossa vida. Talvez alivie a nossa culpa por não estar vivendo como gostaríamos, mas não resolve a situação.

Três simples frases da oração da serenidade têm mudado a minha vida, e a minha postura diante dela. 

1. Senhor, dá-me serenidade para ACEITAR as coisas que não posso mudar.

Queridos, nunca teremos uma vida 100% perfeita. Problemas fazem parte. Dificuldades fazem parte. E existem coisas que simplesmente não podemos mudar. Por exemplo, não posso mudar o fato da minha mãe morar longe há tanto tempo e ser ausente em minha vida. Não posso mudar o fato do meu esposo ser adicto. Não posso mudar o mau-humor de um colega. Não posso mudar a falta de educação de muitas pessoas no trânsito. Dentre várias outras coisas. Essas situações geravam em mim muito desconforto e sentimentos negativos, como medo, tristeza e raiva. E a ACEITAÇÃO do que não posso mudar, tem me ajudado a ser uma pessoa melhor, inclusive e principalmente melhor para mim mesma.

Senhor, dá-me CORAGEM para mudar o que posso.

"Coragem para mudar o que posso? Hum..." Quando ouvi isso pela primeira vez, logo pensei: “quero mudar o meu marido!”. Ok, mas isso não posso mudar, então fica na primeira parte da oração: aceitar.

Então, afinal, devo ter coragem para quê?

Coragem para mudar a mim mesma! Para mudar a minha vida! Para alcançar os meus sonhos, ainda que tudo ao redor diga que não é possível! Coragem!

O que você quer mudar? Está infeliz no relacionamento com o adicto? Ele não quer recuperação? Gasta todos os seus bens? Não te respeita? É infiel? Te agride? Já não existe mais amor? Querida, você não vai mudá-lo. Somente ele mesmo pode fazer isso, se quiser, e quando realmente quiser. Mas, você pode mudar a sua vida. Coragem!  Coragem para definir os seus próprios limites e respeitá-los!

Em outros casos, o dependente químico quer a recuperação, é uma pessoa super bacana, mas você se sente presa ao controle da vida dele. O que você quer mudar? No meu caso, não quero me separar. Não quero mudar meu status de relacionamento no facebook (risos). Mas, eu tinha (e tenho) muitas coisas a mudar, e isso exigiu (e exige) de mim muita coragem!

Coragem para lidar com o preconceito. Coragem para lidar com as inseguranças. Coragem para lutar pelos meus ideais e sonhos. Coragem para cuidar dos meus filhos. Coragem para me amar. Coragem para entender meus próprios sentimentos. Coragem para vencer a codependência. Coragem para me respeitar. Coragem para ser feliz, mesmo amando um dependente químico.

Senhor, dá-me sabedoria para saber a DIFERENÇA entre o que devo ACEITAR e o que devo MUDAR.

Já falei a história do círculo aqui, mas vale a pena repetir. Desenhe um círculo ao redor dos seus pés. O que está fora do círculo, você deve aceitar, pois não cabe a você mudar. E o que está dentro do círculo, você deve e pode mudar, se quiser.

Isso não quer dizer que minha atitude tenha que ser passiva com as coisas que devo aceitar. Se seu companheiro te agride, aceite a idéia de que ele é um homem agressivo, mas tenha coragem para mudar a sua vida e não conviver mais com essa situação.

Se o seu filho é dependente químico, aceite o fato dele ter essa doença. E tenha coragem para impor os seus próprios limites a você, ou seja, para dizer: “só consigo ir até aqui.” Tenha coragem para ir a grupos de apoio, para se ajudar, para entender melhor a dependência química e a codependência. Isso é saudável para ambos. Isso é amor.

Meu esposo é dependente químico há muitos anos. E eu confundia tudo. Aceitava coisas inaceitáveis. Tentava mudar aos outros, e pensava que não havia nada a mudar em mim. Era uma confusão.

Quando tive essa percepção da oração da serenidade, comecei a mudar. Sinto-me muito mais tranquila em relação a tudo.

Quando vejo atitudes que não concordo, em meu ambiente de trabalho, por exemplo, falo o que penso, discordo do que é necessário no meu ponto de vista, mas aceito a forma das pessoas decidirem seus próprios atos. Vou me estressar com isso? Eu não! A gente se estressa porque quer mudar o que é para aceitar.

Se o camarada, no trânsito, está me vendo dar seta, e não me deixa entrar na faixa, vou fazer o quê? (Acontece quase todos os dias aqui em Brasília...). Dá pra mudar o camarada? Não! Dá pra mudar a minha revolta com ele? Sim!

Espero que esteja conseguindo expor meus pensamentos direitinho, porque essa simples oração faz efeito em todas as áreas da minha vida.

Quando consigo aceitar o que devo, e mudar o que devo, nada estraga o meu dia, nem altera o meu humor.

E, pra completar, as situações que são difíceis de aceitar, entrego para Deus. Tenho dificuldade em aceitar a morte do meu pai pelas drogas. Tenho dificuldade em conviver com a ausência da minha mãe há tantos anos. Tenho dificuldade em aceitar que meu esposo é adicto e sempre será. Então, essas coisas, entrego para Deus em oração, e peço que venha Dele essa aceitação, para que eu tenha paz dentro de mim.

Nos momentos das adversidades, antes de agir, pergunte para Deus o que Ele quer que você faça diante daquela situação: aceitar ou mudar?

Queridos, desejo a vocês um maravilhoso sábado, com muita serenidade, coragem e sabedoria!

Vou deixar, abaixo, o vídeo do Secretário de Justiça, e Coordenador do Comitê Distrital de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas do Distrito Federal, Alírio Neto, falando sobre o livro Amando um Dependente Químico. Fiquei emocionada, surpresa, feliz e lisonjeada com as palavras dele. Confiram!



Para adquirir o seu livro, clique aqui.

Beijos!


4 comentários:

  1. Polyana sou um adicto em recuperaçao e tambem li seu livro e quero agradecer em nome da minha familia. Choramos juntos e nos vimos em muitas paginas. Meu, no meu ver tanto pra adicto como pra codepedente a oraçao da serenidade é bem util. Que esse reconhecimento do teu trabalho chegue bem mais longe ainda. Obrigado. Matias e Sil.

    ResponderExcluir
  2. Polly, boa noite!
    A oração da serenidade diz tudo na vida de nós codependentes e DQ.
    Realmente nós dá a dimensão do que cabe a nós mudar e o cabe aceitar.
    E acredito também que ela seja mais bem aplicada quando sendo acompanhada de tratamento, principalmente nos grupos de apoio, onde compartilhamos as mesmas experiências.
    E parabéns por mais esse reconhecimento por seu trabalho, vc merece.
    Bom finds.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Vale para todos essa oração Poly! Muitas pessoas vivem escondidas nas dificuldades e não fazem nada - ou tentam de tudo - quando na verdade precisam aceitar algumas e mudar outras..e com a direção do Espírito Santo temos sabedoria para isso! Deus abençoe sua semana, beijo!!

    ResponderExcluir
  4. é isso mesmo..dar aos problemas da vida a real importância que eles têm...aceitando que nem tudo conseguiremos mudar..então..é só escolher...rs..parece fácil, mais não é..É SIMPLES PORÉM NÃO FÁCIL...e assim caminhamos na nossa recupração ;)..bjus ótimo post...

    ResponderExcluir