segunda-feira, 8 de abril de 2013

Fora do meu controle...




Dia 26/03 foi a ultima vez que o vi. Treze dias se passaram...

Nesse meio tempo, tirei dez dias de férias no trabalho para organizar minha mudança de residência.

O empenho para colocar tudo em ordem somado às obrigações de mãe de filhos pequenos me garantiram dias corridos e muito cansaço ao final deles.

Eu colocava as crianças para dormir, e depois me colocava a ajeitar as coisas. Quando não aguentava mais o sono, me deitava.

E assim, evitei ficar sozinha com meus pensamentos. Me mantive ocupada, fugindo de mim mesma. Mas, por vezes, era inevitável parar e enxergar tudo o que está acontecendo.

No meio das coisas sempre apareciam fotos, cartas, ou objetos que me traziam lembranças.

Em alguns dias me sinto forte, em outros penso que não vou conseguir.

Sinto falta dele, assim como sinto aversão pelo tipo de vida que estava vivendo. É tudo confuso.

Me perguntam se estou bem. Acho que é difícil estar bem em qualquer separação, e principalmente quando há um distanciamento de alguém que faz parte de você, não por falta de amor, mas por essa maldição chamada droga.

Meu filho de quatro anos sente muito, chora, e até ora ao Papai do Céu para trazer logo o papai que está demorando muito.

Tenho sonhado com ele todas as noites (cinco noites seguidas).

Tudo isso é difícil pra mim. Entretanto, não há caminhos a escolher. Ou me mantenho firme, ou volto a viver as mesmas dores.

Tenho notícias dele por uma amiga em comum. Ele está bem. Está na casa de recuperação. E com planos de voltar à sua profissão.

Desejo a ele força. Desejo a ele mudança. Desejo a ele toda a felicidade desse mundo.

Tenho medo de perdê-lo para as drogas, ou para outra pessoa. Mas, tudo o que posso fazer é viver um dia de cada vez, e ter paciência até que tudo se ajeite aqui dentro de mim.

O apartamento onde estamos morando ficou uma gracinha, as crianças amaram. Hoje regressei ao trabalho. Tenho tentado estar na igreja sempre que possível. Me dedicarei aos meus projetos. E assim seguirei adiante, feliz nas minhas atribuições. Mas, certamente com um vazio deixado por alguém a quem eu amo demais.

Lembram-se daquele lema: “expectativas nunca, mas esperança sempre”? Pois é. Estou tentando matar as expectativas, e dar alimento à esperança.

Sei que esse caminho (do afastamento) é muito incerto, e tudo pode acontecer. Então o melhor a fazer é continuar acreditando no melhor, e confiar em Deus.

Dessa vez, perdi totalmente o controle da situação, então talvez por isso me sinta assim, assustada. Codependentes têm necessidade de controlar. Eu tenho essa necessidade. Mas, agora é hora de deixar Deus no controle, e simplesmente esperar.

Por mais que eu conheça sobre codependência, e tenha me destacado por minha abordagem sobre o assunto, ainda sou uma codependente, e não posso nunca me esquecer do mais importante: minha recuperação.

Ainda estou muito desorganizada emocionalmente e até desequilibrada psicologicamente (bati o carro três vezes em uma semana, esquecimentos constantes, e por aí vai), mas sei que essa fase vai passar.

Quero agradecer pelas muitas mensagens recebidas. Acho que não conseguirei responder a todas, mas cada palavra está guardada em meu coração.

Fiquem com Deus!

Serenidade, só por hoje!

Bjos.
Poly

32 comentários:

  1. Comentário da Kel:

    Ixi..Polly..vc poderia ser formada em uma faculdade, com mestrado e doutorado em codependencia..que infelizmente seria impossível controlar as consequências dos atos de um adicto em uso...infelizmente...entendo muito bem esse vazio...entendo muito bem sua dor..lembra quando eu escrevia que tudo que eu queria era se eu pudesse, viajar uns 5 meses no tempo...pq a sensação era horrível...era apenas de sobreviver...pois bem..boa noticia o tempo passa...hoje fazem 5 meses que sai de casa e aquela dor...essa SUA dor de não poder estar com quem se ama, não pq o amor acabou mais, pq não da..pra sofrer mais as mesmas dores e RISCOS das consequências de uma doença devastadora dos nossos amados..., essa dor, ela ameniza viu...bastante...o tempo se encarregará disso...acredite..o vazio eu acredito que jamais será preenchido de verdade pelo menos é isso que sinto quando lembro dele..é o não poder estar com quem se ama...mesmo ele se tratando..ainda assim...felizmente ou infelizmente eu aprendi a reconhecer os sinais de uma pessoa que verdadeiramente se rende...e o Du pelo menos até hoje não se rendeu...não sei se vai se render e quanto tempo poderá demorar..pode ser amanhã, daqui uns, dias, anos ou nunca...quem sabe...já que depende dele né...mais eu acredito que enquanto a vida a esperança...e graças a Deus...hoje eu consigo entender bem o que é esperança e expectativa...ainda crio expectativas mais percebo quando faço isso
    O que posso lhe dizer...fia chora o quanto vc tiver que chorar...não fuja de si mesma...respeite seu luto...e continue caminhando como sempre vc fez..pq no final querida SÓ DEUS PODE PREVER...e vc será feliz com ou sem ele...pq vc planta o bem e colherá felicidade...bjus e tmj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nossa Kel vc sobreviveu ... minha dor hoje é intensa ! meu adicto saiu de casa ontem anoite e já são umas 13 horas sem notícias dele ... foi embora , quebrou o celular em pedaços , quase me agrediu e partiu ... preciso me tratar pois como vc sabe se eu continuar com ele vou ficar louca ... não dá mais , não dá mais ... é muita solidão viver ao lado de um adicto , é muito arriscado ... acredito no tempo e espero que essa dor passe .... quero ser feliz de novo ! bjokas e tmj

      Excluir
  2. amiga estou na mesma situação ... estou tentando tomar uma atitude para me separar pois sinto que estou mais doente do que meu esposo adicto ... agora sou eu que preciso de ajuda e assim como você disse sei que há vida lá fora ... bjo e obrigada por tudo que posta ! vc nem imagina como me ajuda

    ResponderExcluir
  3. Vivi com meu marido 12 anos de minha vida..8 anos ele como dependente quimico e eu como codependente.Hoje estou separada a quase 8 meses..ele ficou limpo 6 meses e recaiu..eu sei q é difíciel..mais nesse tempo ,tínhamos contato..pq sei que eu o amo..não sei na verdade que amor é esse.!! louco,mais sei que foi necessário esse afastamento..hoje sou mais tranquila,feliz..estou namorando firme ,só que as xs me bate saudades..tento ser forte ele me liga e as xs nos encontramos,sei que estou errada,até mesmo por eu já estar com uma pessoa e por ele tb,pq fica achando que o darei alguma chance.Não posso mais voltar atrás,tenho certeza disso,acho
    que seremos unidos para sempre,eu nem sei explicar o que eu sinto..ele fala em se matar,não tem mais vontade de viver,ele ta no fundo do poço,perdeu tudo,a mim,os filhos e os pais que nunca prestaram na realidade..me acho as xs responsavel por tudo..sei que não sou.mais não quero abandona-lo,isso é certo.Tenho um carinho enorme por ele..amor tb.Fica aqui um pouco da minha história.Beijos pra vcs.

    ResponderExcluir
  4. Não sei nem o que te dizer, temos historias muito parecias, tamo junta, te admiro muito e to aqui mandando força, fé e esperança pra vc, bajummmm Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  5. Poly, querida...

    Acho que essa foi a sua postagem que mais me identifiquei.
    Essa semana eu tbm resolvi abrir mão definitivamente, e tbm estou emocionalmente desorganizada e desequilibrada.
    Frágil...

    Tbm estou com dificuldades em controlar a codependência, por mais que tenha aprendido sobre ela.
    É tudo muito difícil.
    Meu amor está limpo, mas recaído em comportamento.
    E eu, completamente recaída tbm, na codependência!
    Hoje tenho horário co nosso terapeuta.

    Minha querida...
    A entrega é difícil e dói muito, tenho os mesmos medos que você, e as mesmas esperanças.

    Dei um tempo para mim.
    Não quero pensar em nada, e vou me ausentar das minhas postagens.
    Chega uma hora em que precisamos buscar por nós mesmas. Eu já nem sei meais quem eu sou e do que eu gosto.
    Só quando a gente se descobrir é que vamos conseguir, realmente, entregar...
    Fique com Deus!
    Cuide-se...
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Poly,
    Tenho acompanhado seu bloq e tenho você como um exemplo para nós mulheres de adictos.
    Não é fácil, eu já fiz isso e não consegui, mas na verdade, quando olho pra trás me arrependo de não ter conseguido, porque hoje com certeza eu seria mais feliz e meus filhos também.
    Tenha força

    ResponderExcluir
  7. Poly,
    Ultimamente tenho me espelhado em você.
    Sei que dói demais, eu já fiz o que você está fazendo agora, mas não consegui. A minha codependência foi mais forte e hoje eu me arrependo por não ter conseguido.
    Me sinta uma derrotada.
    Vá em frente.

    ResponderExcluir
  8. Poly.....não sei se vc concordará com minhas palavras e eu tbm não tenho o direito de julgar,nem de me meter na sua vida, mas como esse é um espaço em que todos podem expressar a maneira de pensar,então vou falar: por mais q seu pai ja fosse dependente quimico,vc já se especializava nesse assunto????pelo q vejo no seu blog,vc só começou a se interessar por esse assunto depois de conhecer seu esposo,então querida,por mais q vc ajude muitas pessoas com isso, isso faz parte da sua co-dependencia...por mais q vc foque em outras coisas parece q sua vida toda gira em torno de drogas, de dependencia quimica, de assuntos relativos a isso,e no meu parecer é uma maneira de vc estar no controle da situação, como se vc quisesse ser superior a ele próprio q tem a doença da adicção, por favor não me leve a mal, não estou querendo te julgar, nem tenho esse direito até porque meu esposo tbm é dependente quimico, quem me dera ter essa força de sair do meio disso tudo!!! parece q vc tomou a decisão de sair de casa precipitada, no momento do desespero e agora ta pensando em voltar atrás, vc vai sempre ter uma ligação com ele por causa dos seus filhos,como deve ter com o pai da sua filha mais velha, mas q seja só isso Poly, pq se vc decidiu sair do meio da tempestade, não fique tomando sereno, o q aconteceu não tem mais jeito de consertar, e se vc optou por deixá-lo se ''virar'' sozinho, siga a sua vida, não procure notícias, não procure saber como anda o tratamento, nem nada, se desligue totalmente dele, eu posso estar parecendo um pouco grosseira em dizer isso, mas se vc ficar sabendo sempre sobre ele, isso vai alimentar esperanças em vc e vc vai acabar voltando atrás...digo isso por experiencia própria, todos diziam pra eu não ir atrás nem saber, e eu fui e aqui estou eu de novo...na esperança de q tudo de certo...e se vc fizer isso, então ele vai ver que já q vc saiu e ele mostrou que melhorou e vc voltou atrás, sempre vai ser essa tática q ele vai usar.....lembra q eles são manipuladores querida, mesmo q ele não seja uma má pessoa, mas vc sabe q a droga transforma...enfim, não quero que me entenda mal e tbm não estou dizendo pra vc fazer o q eu falei nem nada, a vida é sua e vc melhor do q ninguém sabe até onde vc aguenta seu fardo...então força e mantenha firme sua decisão, acredite vai ser melhor pra vc e pros seus filhos, afinal melhor crescer sem o pai por perto do q crescer tendo um mal expemplo dentro de casa.....eles vão entender...tenha fé em Deus que tudo se encaixa tá bjsss e fique com Deus......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida! Obrigada por suas dicas.
      Realmente o assunto "drogas" se tornou importante para mim, porque vi meu pai morrer por causa delas, e também vi meus avós afundados na codependência. Geralmente, só nos interessamos por assuntos que vivemos. Como eu era uma adolescente, não sabia direito o que acontecia. Após meu sofrimento com a codependência, após o casamento, por desinformação, veio a vontade de fazer alguma coisa para ajudar a outros. E como fiz de coração, deu muito certo. Adoro dar palestras. Adoro o blog. Adoro responder emails. E meu trabalho tem sido muito reconhecido até em órgãos do governo. Hoje não falo de dependência química, mas da codependência. Se ler o blog, verá que em 80% do tempo, falo de mim, e não do meu esposo. Mas, você tem essa impressão pq é o assunto do blog. Entretanto, eu poderia também falar sobre ser mãe, sobre Gestão de Pessoas, sobre Contabilidade, sobre emagrecimento, e principalmente sobre a fé em Jesus, enfim, vários outros assuntos que são fundamentais na minha vida.
      Quanto a minha decisão de separar, é uma tática, como disse desde o início. Ainda acredito no meu casamento e em minha família. Mas, somente pelo afastamento meu esposo poderá encontrar seu caminho de recuperação. Isso é o que penso hoje, amanhã poderei ter mudado... Rs. Obrigada, querida. Beijos.

      Excluir
    2. Oi Poly também fiz isso ontem com meu esposo por tática mas será que esta tática vai nos ajudar ?

      Excluir
    3. Ai gente... Essa coisa de tática meio complicada... A gente sabe que a droga transforma a pessoa. Se não fosse essa doença maldita, eu teria o marido perfeito. Penso nisso também, mas mais pra frente pq estou grávida de 7 meses e acho q com o nascimento do bebê ele possa ter um estímulo a mais pra buscar ajuda.
      Tento ver o exemplo da minha mãe, meu pai era alcóolatra e ela o deixou... ele levou mais uns 4 ou 5 anos e deixou o vício. hoje já faz 14 anos q ele não bebe... mas ela nunca mais voltou com ele, diz que quando a gente cansa não tem mais jeito, ela esperou 10 aos ele melhorar aí desistiu, então não sei oque fazer, só rezo muito por nós 3, para que tudo certo...
      acredito que se for pra ele sair da minha vida, Deus vai se encarregar disso, e enquanto eu o ame, tenho que ter esperança.

      Beijos,
      Samanta

      Excluir
  9. Oi Polly, visito seu blog e admiro sua coragem em compartilhar tantos detalhes de sua vida. Acho que essa fase de mudança (de casa e de vida) é sempre desgastante, mas às vezes necessária. No entanto, acredito (apenas minha impressão, ok?), que agora você não só está amando um dependente químico, mas pela primeira vez, desde que acompanho seu blog, vejo uma atitude de amor próprio. "A gente só muda quando a dor de permanecer igual for maior do que a dor de mudar". Parabéns pela coragem, que Deus te abençoe e proteja seus filhos.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  10. Oi, passei por tudo isso vi minha filha chamando pelo pai e chorando por ele, mas um dia acredito que recebi um milagre em minha vida, começei a perceber que aquela culpa e aquela dor que eu carregava no meu coração estava passando foi muito gratificante, ficava emocionada toda vez que lembrava dele e percebia que não sofria mais, demorei quase 5 anos para enchegar isso, não me arrependo pq hoje eu sei que fiz tudo que pude por ele, chequei no meu limite e fiquei muito doente. Se dependesse de mim nós seriamos uma família daquelas que vivem felizes para sempre...
    mas não dependia só de mim, acompanhei ele em internações com nossa filha recém-nascida e ele ficou tratando durante o primeiro ano de vida dela todinho e eu ali firme com ele na esperança de ser feliz...
    mas não deu certo, hoje tenho pouco contato com ele, mas quero muito o bem dele e torço muito por ele, tenho um carinho especial por ele e qria muito ver ele bem, mas graças a Deus é só isso, sentimento de amor (culpa agora enchergo que senti u culpa) sumiu. e essa sensação é muita boa. Eu me amo muito e tenho que pensar em minha filha, qro ve-lá bem e para isso ela tem que me ver bem e feliz e hoje eu sou muito feliz...
    Desejo do fundo do meu coração que não desista dos seus propositos e consiga dar a volta por cima assim como eu consegui...

    ResponderExcluir
  11. Acho que a decisão de separar tem q ser uma coisa mt bem pensada,não reacionária,(ex;ele recaiu agora deu),pois se for uma tática pode ser q dê certo ou não(c/ foi o caso do Chorão),c/ DQ não c deve ficar voltando atrás,pois c/ disse nossa amiga acima eles são manipuladores.

    ResponderExcluir
  12. Polly, chega uma hora que temos que seguir nosso caminho e deixar que Deus cuide da situação.
    Talvez ele se cure e vocês possam unir essa linda família novamente, talvez ele passe toda a vida nessas recaídas e nunca tenha a paz desejada.
    O importante agora são seus filhos, o amor por eles vai te guiar pro melhor caminho.
    Estou na mesma situação que você, aguardando o tempo curar, e tenho fé que ele vai curar sim.

    Fica com Deus e boa sorte!

    ResponderExcluir
  13. Meninas, acabei de criar um blog. Precisava compartilhar a minha história. Tem o primeiro post.

    http://carolcodependente.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Polly,há 3meses eu tomei a decisao de me separar da pessoa que mais amava nesse mundo sofri , como sofri e sofro até hoje, sinto saudades, mas foi baseado no seu blog que já venho acompanhando há algum tempo que decidi me afastar. Me casei há 3 anos e foi tudo tão lindo e perfeito até a volta da lua de mel, onde descobri a DQ do meu amado, sofri, procurei ajuda lo mas sem exito e em uma das muitas noites sozinha sem saber onde ele estava que descobri seu blog, chorei com cada relato, me vendo em muitas situações que resolvi me amar e viver já que ele não fez a mesma opção.Estou relatando algo que muito poucas pessoas sabem para que vc saiba o quanto vc é importante na minha vida, mesmo sem me conhecer vc me trouxe a luz.Fique em Paz!!!!

    ResponderExcluir
  15. Ops... esse pot foi meu tá... Sha

    ResponderExcluir
  16. Poly, estou aqui chorando muito ao ler seu post. Hj meu amado foi para sua segunda internação, sinto-me mais doente do que ele, pois eu acabei indo para o fundo do poço junto com ele. Eu não soube lidar com a codependencia e baguncei toda minha vida.
    Enquanto ele estará dando um passo para iniciar sua recuperação, eu estou aqui, em uma cidade onde estou praticamente sozinha, sem emprego, meu carro com busca e apreensão, minha família de relações cortadas comigo (por puro preconceito) e uma ação de despejo caindo sobre mim... enfim, não to conseguindo ver a luz no fim deste túnel. Penso o tempo todo q não vou resistir a td isso,e para me magoar mais ainda, ele ao se despedir de mim hj, me deu um beijo no rosto... só após eu pedir para ele se cuidar, foi que caiu a ficha para ele do que estava acontecendo. Fomos bem rápidos na despedida para evitar mais sofrimento para ambos. Estou na primeira noite sem ele, sei que ele foi iniciar sua recuperação, mas estou tão desequilibrada que acho que não vou conseguir lidar com todas as responsabilidades que ficaram todinhas para mim. Sem mais, encerro meu comentário em lágrimas!!! ass.: Renata

    ResponderExcluir
  17. Bem, você já disse tudo: entregar nas mãos de Deus e viver um dia de cada vez.
    Nem sempre o tempo de Deus é o nosso tempo; nem sempre queremos fazer o que Ele determina para nós (falo aqui de seu marido). O importante é termos fé e sabermos que fizemos o melhor de nós.
    Estou há quase 5 anos limpo e sei que não é fácil. Até hoje tem gente que olha para mim com desconfiança, e tem até mesmo os que nem falam comigo. É uma barra, mas sei que são as consequencias. O perdão é um ato de mão dupla: ao perdoarmos, nos libertamos da mágoa que nos afligia.
    Acredito que há muitas entre vocês dois.Vou compartihar uma frase que li que quero que você reflita sobre isso. Talvez te dê mais serenidade para prosseguir:

    "...perdoar não é esquecer...perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer. Por isso é uma decisão, não um sentimento. "

    Busque libertar-se do sofrimento. Torço para que tudo dê certo. A vida pode não ser como planejamos, mas pode ser melhor de como está agora.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, meu amigo. Estava com saudades das suas palavras. Lembro-me que seu blog foi um dos primeiros que encontrei por aqui, e sua história sempre alimenta minha esperança.
      Obrigada, muito obrigada por suas palavras, eu precisava ouvir isso. Hoje estarei com meu esposo para entregar-lhe seus uniformes e documentos, e você me desarmou.
      Forte abraço.
      E boas 24 horas!

      Excluir
  18. Ontem recebi uma carta do meu querido. Fiquei muito feliz. O conteúdo do começo me deixou apreensiva. Ele tentou o suicídio na clínica. Esqueceram um cinto na mala dele, e ele se pendurou no cano do banheiro, que não aguentou o peso (graças a Deus). Ele conta que depois que recebeu minha carta tudo mudou. E que está decidido a terminar o tratamento. Que quer ser o melhor companheiro que já tive e nunca mais me fazer sofrer o que já fiz. Eu fiquei feliz, mas ao mesmo tempo um pouco preocupada, porque ele está focando tudo em mim. O que acham?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho que eles sempre ou quase, fazem isso qdo estão internados... lá dentro eles prometem tudo e mais um pouco, mas qdo saem, fazem completamente diferente. complicado demais... essa atitude dele ter tentado suicídio por exemplo, é típico de chantagem emocional, ele com toda certeza sabia que o cano não ía aguentar o peso... prometer que vai ser diferente e te fazer feliz, parece até que todos eles decoram essas promessas...

      Excluir
    2. promessas e mais promessas. Basta!! Como disse ao meu marido: MENOS PALAVRAS, MAIS ATITUDES!!

      Excluir
    3. Carol, ele ainda está muito confuso. Talvez tenha manipulado sim, falando da tentativa de suicídio, mas dê um desconto se quer mesmo apoiá-lo. Espere para ver se realmente vai se engajar no tratamento, observe as atitudes dele e enquanto isso cuide de si mesma para ser forte e serena, independente do que acontecer. O processo é longo para ambos. bjs

      Excluir
  19. Companheira, faço as palavas do Nar-Anon, as minhas para vc...
    O desligamento com amor não é me preocupar menos, é me preocupar mais com a minha própria serenidade, só por hoje, o ontem já passou, o amanhã ainda não existe. Vive, pois a única certeza que tens agora: Este dia ! Não se preocupe com ações futuras dos outros, tampouco espere que eles piorem ou melhorem, pois estas expectativa são pura criação, e este é um trabalho de Deus, NÃO SEU!
    Força companheira, pelo que acompanho teu blog, acredito que esta decisão que vc tomou, nao foi do dia para a noite, eu tb sou doente (Nar-Anon em recuperação)... por mais que vivamos o só por hoje, mais uma recaida de um adicto, nos detona........ beijos, de alguma forma eu lhe amo, beijos.....

    ResponderExcluir
  20. Carol, faço minhas as suas preocupações e anseios.
    Meu DQ é muito egoísta e estando lá dentro sem contato com a família, o filho e não sabe oque está acontecendo, as lutas as batalhas a força que estou fazendo na sua ausência para amenizar a tristeza do nosso pequeno, para apoiar a mãe dele... Estou sobrecarregada... com certeza outra namorada não faria 10% do que faço. Sou mãe, sem ser... nora com ares de mãe e mulher sem ser casada... não estou cobrando nada, pois eu quis aceitar tudo isso e ajudar. Mas, no mínimo eu gostaria que ele ouvisse e aceitasse as coisas que eu falo e ao contrario, jura amor e me pediu em casamento, mas ainda sim vê eu como seu eu tivesse querendo tomar conta da vida dele. Seu eu não acreditasse na recuperação dele jamais estaria me doando tanto... mas ingratidão e egoismo me fazem refletir no que o futuro me reserva...
    Mas uma coisa tenho certeza, estou fazendo tudo oque posso e está ao meu alçance, se amanhã as coisas mudarem eu posso dizer que tentei.
    De qualquer forma, esta semana em especial estou muito triste e pensativa...
    Bjs a todas...
    Sha

    ResponderExcluir
  21. amiga Poly você não imagina como é importante na minha vida e no meu momento ! suas palavras me deixam ter certeza de que não tenho culpa em nada apenas amor em excesso, sabe eu não tenho filhos , tenho apenas 01 ano de casada e neste 01 ano foi só adicção ! não tenho mais amigos , meu carro , meu dinheiro se foi ... objetos já foram tirados de dentro de nossa casa , minha bolsa não pode vacilar ... por mais que eu ame não dá mais para viver assim ... tenho minha família que precisa de mim ( mãe e vó doentes ) por isso não posso mais me afundar junto com ele .... como vc falou existe vida lá fora ... bjo

    ResponderExcluir
  22. Polly!!! Eu li seu post ontem com meu marido antes de dormir, nós sempre acompanhamos vcs. Sentimos muito por ñ estarem mais juntos! Ele me disse: " Imagino a dor e o sofrimento dele lá na clinica de recuperação, longe dos filhos e da mulher que ele tanto ama e perdeu!" Mas como vc mesma disse, a codependência é uma escolha, ela tem que compensar de alguma forma, talvez a nossa carencia. Amiga, desejo mesmo, do fundo do meu coração, que seja feliz, independente de ser ao lado dele ou não. As vezes algumas coisas tem que dar errado em nossas vidas p outras melhores tomarem o lugar delas. Toda mudança gera uma crise, e temos q passar por ela se quisermos mudar. O ser humano tem tendência ao comodismo, por isso a maioria reclama e continua na mesma. Eu já terminei com meu marido, quando eramos apenas namorados, mas ñ consegui, aguentei 7 meses, vendo ele ir de mal a pior. Eu sofria, ele tbm. Ai eu me apeguei naquela frase, do Livro Pequeno Príncipe de Saint- Exupéry: "Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas!" E fui atrás dele. Voltamos e estamos juntos. Até quando? Eu ñ sei! Mas enquanto houver amor suficiente e superação! ISSO ñ quer dizer que funcione para vc, mas "cada um sabe onde aperta o calo!" E as pessoas tem limites, cada um o seu. Querida, acredite que Deus tem um propósito na sua vida e q é o melhor para vc, ore bastante e peça para que te guie ao caminho certo!! FORÇA E FÉ!!!PS Te adicionei no face hoje, obrigada por me aceitar como sua amiga lá tbm! :)

    ResponderExcluir
  23. Ja passei por essa fase... é muito ruim. Tambem me senti assim... sem chao, desorganizada... mas passou! Fica um vazio... de algo interrompido que, as vezes, se preenche e outras vezes se esvazia novamente... e assim vai indo!!

    ResponderExcluir
  24. eu adorei seu blog, ele e mt lindo !!
    passa no meu e me seguii e se puder deixa um mensagem.
    bjos

    ResponderExcluir