domingo, 14 de abril de 2013

Codependência - Sofrimento - Desinformação.


Vou começar republicando o Post de 08/10/2012, vale a pena ler de novo!


O Desfile!

 
E eis que começa o desfile.

Tentamos nos arrumar da melhor forma possível. Cores. Brilhos. Sorrisos. Passos.

A música começa a tocar. E seguimos. Empenhados. No ritmo da canção. Dando o máximo de nós mesmos, pois sabemos que aquele desfile é único. A oportunidade é única.

Mas, de repente, avistamos um outro passista. Nos aproximamos. Nos unimos a ele. E pouco a pouco, mudamos o nosso jeito de dançar.

Alteramos o nosso ritmo para acompanhá-lo em seus passos. Por vezes, ele insiste em ir na contramão, e nós o seguimos. Outras vezes, ele tropeça e cai, e nós também paramos. Nos sentamos ao seu lado. Choramos. Sentimos culpa por não termos forças para mantê-lo de pé.

Nós o arrastamos. Tentamos lhe mostrar o ritmo e a direção.

Nós o impedimos de seguir em seu próprio desfile.

Nossa linda fantasia está rasgada. Nossos pés estão sujos. Estamos cansados. Suados. Com sede. E esse desfile deixou de ser prazeroso para nós, simplesmente porque não estamos mais na dança que é nossa.

E quando nos damos conta, já nem estamos mais na passarela, estamos somente na plateia. Com os olhos fitos nele. E não conseguimos ver a beleza do desfile. E não dançamos mais. Não acompanhamos a marcha. Não sorrimos... Viramos apenas expectadores. Batemos palmas quando ele vai bem no desfile. Ficamos sentados em silêncio, quando ele desliza. E nos esquecemos do nosso próprio papel no desfile da vida.

Queridas(os), vamos voltar para o desfile? Vamos voltar a desempenhar o nosso próprio papel? Qual é a sua dança? Qual é o seu ritmo? Cadê o seu sorriso e a sua alegria de viver? A vida está passando. O seu amado dependente químico está desfilando do jeito dele, vivendo a vida dele... E você? Que vida você tem vivido? A sua ou a dele?

Ouvi tantas histórias sofridas nesta semana. E sei bem o quanto é triste ver quem amamos nas drogas. Mas também é muito triste ver tanta gente esquecendo de viver sua própria vida, afundada na codependência.

Queridas, vamos buscar ajuda? Grupo Nar-Anon, Grupo Amor Exigente, Grupo CODA, Psicólogos já! Não brinquem com a codependência! Ela nos amarra no banco da plateia. Ela nos impede de viver. Ela nos mata.

***

Codependência é isso aí, minha gente. Vivi afundada nela por três anos, sem nem ao menos saber o que ela era. Eu pensava que meus problemas e infelicidade eram ocasionados pela dependência química do meu esposo. Mas, um dia descobri que a minha codependência era uma espécie de lupa que tornava tudo muito maior. Descobri que eu precisava me cuidar, me sarar, pois somente assim haveria alguma possibilidade de felicidade para mim, de salvação para o meu casamento, e até mesmo de ajuda para o meu esposo de forma efetiva.

Graças a Deus, o assunto codependência está cada vez mais debatido e conhecido, embora ainda estejamos longe do ideal.

Nesta semana, a Câmara Municipal de Fortaleza incluiu o tema codependência para ser discutido! Fiquei tão feliz ao saber disso...

Aqui em Brasília, existe um projeto nascendo na Secretaria de Justiça, voltado totalmente para as famílias codependentes.

Nossos blogs são fonte de informação, e hoje ao digitar em sites de busca palavras relacionadas a esse assunto, é listada uma relação enorme de opções, diferentemente do que acontecia há dois anos atrás, quando fiz essa busca, e nada obtive, decidindo então criar o blog.

Estou realmente feliz que, finalmente, estejam começando a enxergar aos familiares de dependentes químicos.

Nesta semana, dei duas entrevistas sobre o assunto, e estou aguardando ansiosamente pelas matérias: uma em um jornal local impresso, e outra em um Portal da internet. Conversei com as jornalistas por bastante tempo, e foi muito bacana perceber o entusiasmo delas diante do assunto, visto que muitas famílias sofrem por desinformação.

“Eu seguro a minha mão na sua, e uno o meu coração ao seu, para que juntos(as) possamos fazer aquilo que sozinha eu não conseguiria!”

Beijos no ♥!
E bom domingão!

2 comentários:

  1. O que tenho a dizer: OBRIGADA!!! MUITO OBRIGADA!!!

    OBRIGADA por dividir conosco suas experiências. OBRIGADA por dividir conosco seus conhecimentos.
    OBRIGADA por enxergar além da sua dor ... a dor de outros.

    Talvez você não faça ideia do tamanho da contribuição de forma muito positiva na vida das pessoas que vivem esse problema.

    Eu creio que Deus te recompensará por tudo!!!!

    Eu desejo a você Poly o que de melhor há ... Desejo que a Paz reine em sua família ... desejo a felicidades de seus filhos e a sua felicidade ... desejo a recuperação, cura e salvação do seu esposo ... desejo que você possa continuar esse trabalho que vem desenvolvendo. Obrigada Querida!!!!!

    Rizélia

    ResponderExcluir
  2. Hoje eu lembrei de vc em minhas orações!!! Que Deus te dê muita força para seguir em frente e não desistir!!! Você não está sozinha, fique em paz, DEUS ABENÇOE VC E SUA FAMILIA!! TMJ

    ResponderExcluir