sexta-feira, 19 de abril de 2013

Alienada não, só otimista!




Olá!

Tudo bem com vocês?

Durante a entrevista à jornalista do iG (clique aqui, e veja), um dos pontos abordados foi sobre o pseudônimo que escolhi: Polyanna. E é justamente falando sobre isso que começo o meu segundo livro, a ser lançado no mês que vem.

Por que Polyanna?

Porque, para mim, Polyanna significa otimismo. É acreditar. É focar no que há de bom, e agradecer por isso.

Sei que algumas pessoas acham que ser otimista é ser alienada, é não olhar a vida com realidade, é fantasiar. E também existem outras que preferem focar no que está ruim, e viver reclamando dessas coisas que não estão boas em seu cotidiano.

Respeito a escolha de cada um. Afinal, quem tem que viver com o tipo de vida que escolhemos, somos nós mesmos. Não é?!

Para mim, ser otimista é acreditar na vida, apesar dos problemas, e independente das pessoas.

Para mim, ser otimista é aquele cara que mesmo vivendo a pior realidade consegue dar um bom dia, emitir um sorriso e uma gentileza, e sobretudo, agradecer pelo que há de bom, cultivando a paz dentro de si.

Minha vida hoje não está como eu gostaria. Eu gostaria que meu esposo não fosse dependente químico, ou ao menos, que não tivesse recaídas. Eu gostaria que ele estivesse aqui comigo. Eu gostaria de trabalhar meio período e de ganhar o dobro. Ah, eu gostaria de tantas coisas. E é bom termos metas, para nos impulsionar a correr atrás delas. E também é bom olhar para a realidade com consciência, saber exatamente onde pisamos: sou esposa de um dependente químico, ele tem uma doença crônica e incurável (mas, há recuperação).

Entretanto, a diferença está em como reagimos a essa realidade. Posso chorar inconformada com ela, e até me deprimir. Posso reclamar, me revoltar, questionar com Deus. Ou então, posso acreditar em dias melhores, e fixar o meu olhar no que há de bom na minha vida. Sim, sempre temos coisas boas na vida!!! E, acredite, mesmo amando um dependente químico, tenho certeza que as coisas boas são muito mais numerosas...

Eu prefiro acreditar. É minha escolha de vida!

Talvez você ache que o otimismo é uma fuga da realidade, para não encarar as dores de ter um dependente químico na família. Mas, eu encaro esse otimismo como o combustível que me impulsiona a vencer os obstáculos e as dificuldades, a cada dia.

Queridas(os), temos o direito de acreditar no melhor, sempre!

Eu sou a favor do otimismo sim. De um otimismo onde mantemos os pés no chão, ou seja, onde estamos cientes das dificuldades e riscos, mas onde temos a cabeça na lua, e vamos à luta, buscando ações que nos levem ao melhor resultado.

Sim, os índices de recuperação de dependência química são baixos. Sim, dependentes químicos têm dificuldade de se relacionar. Sim, nós adoecemos, nos tornamos codependentes. Mas, e daí?

A vida não se resume a isso.

Não desanime! Força!

Que tal começar cuidando de você mesmo(a)?

Pesquisadores da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, acompanharam 100.000 mulheres durante oito anos, e comprovaram: ser otimista promove um bem-estar mental, e também faz bem para o corpo!

Vamos acreditar, só por hoje?

Vamos olhar para o lado bom da vida, só por hoje?

Vejam só, se não fosse pela adicção do meu marido e do seu familiar, e por todo o sofrimento que vivemos em razão disso, nós não estaríamos aqui, não nos conheceríamos, não teríamos a oportunidade de aprender juntos... Viu só?! Tudo tem o seu lado bom. Cabe a você escolher onde colocará o seu foco.

Um olhar otimista abre portas, e se elas não existirem, serão criadas...

Beijos!

Feliz sexta-feira!

P.S: Maridão vindo pra casa hoje!!!



10 comentários:

  1. campanha otimismo com consciência EU APOIO..RSRSRSRS...:)

    ResponderExcluir
  2. Aprendi a ser otimista ainda muito novinha com minha mãe, ela sempre conseguia ver um lado positivo em meio as turbulencias da vida, e qdo algum eu confrontava algum problema ela sempre me mostrava o lado positivo, se não fosse esse aprendizado eu não teria forças pra estar ao lado do meu marido, e em todos os momentos dificeis que vivi com ele, principalmente qdo nosso relacionamento estava abalado e eu não via mais nada na minha frente ela me fazia enxergar o horizonte e não desistir, então consegui ver qta coisa boa estava acontecendo...sim temos que ter os pés no chão mas tbm precisamos acreditar, o indice de recuperação é baixo, mas se as pessoas deixarem de acreditar se tornará mais baixo ainda.... Vamos deixar os pensamentos bons tomarem conta do nosso dia, vamos sorrir, vamos ver qta coisa boa tem em nossas vidas, isso fará um bem enorme pra nossa alma! Bom dia Poly!

    ResponderExcluir
  3. Ê felicidade!!! Que Deus abençoe vcs!!! beijos

    ResponderExcluir
  4. Sou a favor do otimismo sempre! Ha muitas vezes em que fraquejamos, normal! somos humanos. Mas, a alegria e otimismo vem em seguida! Poly... te admiro muito, estou lendo seu livro... tantas coisas em comum... filha de dependente quimico tbm... falecido...s a familia nao entende porque buscar oque um dia ja vivemos... mas e isso.. ser otimista e buscar o melhor e encontrar felicidade so por hoje. bjss

    ResponderExcluir
  5. Um otimismo irritantemente otimista faz bem pra alma...
    TMJ, lindona...

    Seja feliz!
    bjs

    ResponderExcluir
  6. A esperança e otimismo são sentimentos maravilhosos..passei por tu do isso,e te digo, amor é muito melhor quando é sereno e principalmente sem sofrimento quando vem de graça.Minha história terminou de forma horrível em 20/10/06..não quero ofender ninguém, mais essas pessoas são manipuladoras e perigosas,são ladrões de emocões, só pensam em si mesmos..olhe só, seus filhos estiveram numa bocada a menos de um mês, e vc já está com esperanças novamente..É obvio que ele te ama, só um idiota não iria amar vc...O tempo de afastamento tem que ser muito maior, 2 anos no mínimo..ai sim, será merecedor de um amor desse tamanho e de uma nova chance..Um dia te conto toda minha história..todos os sacrifícios toda dor, todas as mentiras e descaramentos e depois que ele morreu ainda descobri as amantes, mulheres doces como eu, presas fáceis para os DQ..Tenho episódios de depressão até hoje, quase 7 anos depois de ter encontrado seu corpo..beijos Polly

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguém de bom senso! Amém!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    3. Conte-me sua história, procuro pessoas que passam ou passaram o que eu passo.

      Excluir