sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Autopiedade, um inimigo mascarado!


Bom dia, amores!

Hoje acordei pensando sobre a autopiedade. Gosto desse assunto porque fui (e às vezes ainda sou) vítima desse sentimento tão destrutivo.
 
Afinal, o que é a autopiedade? É sentir pena de si mesmo. É achar-se um coitadinho. “Puxa, ninguém me dá atenção”, “Ninguém me ama, ninguém me quer”, “Ninguém sofre como eu sofro”, e por aí vai.
 
O fato de termos um filho, ou esposo, ou irmão, ou alguém a quem amamos que sofre e nos faz sofrer em razão da dependência química, nos traz uma tendência natural de cultivar a autopiedade.
 
Não estou aqui para negar a dor que há em quem assiste a pessoa amada se matando nas drogas. Sei na pele o quanto essa dor sufoca!
 
Entretanto, estou aqui para dizer que, embora você tenha o “direito” de alimentar e de se afundar na autopiedade, você tem também a escolha de se libertar dela!
 
 
Quando nos concentramos apenas na nossa dor, nas nossas dificuldades e nos nossos problemas, e permitimos que essa pena do nosso próprio sofrimento conduza a nossa vida, passamos a “minar” a nós mesmos e aos nossos sonhos. É como se disséssemos: “meu sonho é ser isso, mas como sou esposa de um dependente químico, não posso, não consigo... tadinha de mim”. E assim não evoluímos. Estacionamos. E por vezes, até regredimos.
 
Até podemos sentir a autopiedade de vez em quando, mas quando ela se torna um vício é preocupante. E tanto os dependentes químicos como os codependentes têm uma tendência à autopiedade constante.
 
Esse sentimento tão destrutivo chega devagar, faz você se enxergar como vítima da situação, faz uma agradável massagem em seu ego, enaltece suas qualidades, coloca os defeitos dos outros (no nosso caso, dos dependentes químicos) em evidência, e joga os nossos próprios defeitos para debaixo do tapete.
 
 
De repente estamos muito acostumados a sentir essa pena de nós mesmos. Nossa força para lutar é sugada. Nossos objetivos são sugados. Nossos sonhos são sugados... Então, quem será o responsável por esse estrago? Passamos a culpar aos outros por nossos fracassos. Por vezes, nos tornamos amargos.
 
Você tem esse direito? Sim, tem. Viver com um dependente químico na ativa é algo que somente nós que passamos, sabemos. Entretanto, existem mães que não querem abandonar aos filhos adictos, e também esposas que não estão preparadas para um rompimento. E aí? O que fazer? Essas pessoas estão condenadas ao fracasso por isso? Não!
 
Eu convido você a se movimentar a favor das suas vitórias. Abra os olhos para a sua capacidade! Trace metas para você! Retome as rédeas da sua vida e da sua felicidade. Não deixe isso sobre as costas do seu dependente químico, ele está doente. Faça você por você mesmo! Não espere amor, carinho e cuidado dos outros... Ame-se! Cuide-se! E se dê muito carinho! Você merece!
 
 
Quando fui concebida, não havia muita esperança pra mim. Uma enfermeira ofereceu uma injeção para que minha mãe me abortasse, afinal, ela sabia das dificuldades da minha mãe com meu pai dependente químico (sempre na ativa). Minha mãe optou por minha vida. Passei por muitas dificuldades. Não é fácil ser filha de um dependente químico. Não tínhamos uma boa condição financeira. Perdi meu pai para as drogas, em uma overdose. Na fase adulta, me casei com um dependente químico. Muitas, muitas dores vividas. Eu tinha sim o direito de sentir pena de mim diante de tantas adversidades...
 
Mas, fiz uma escolha diferente. A escolha de lutar! E quando digo lutar, não me refiro a lutar pela recuperação do meu esposo, pois essa luta é dele. Minha luta é pela minha vida e pela minha própria recuperação! Escolhi lutar contra os meus traumas. Escolhi lutar contra o comodismo da autopiedade. Escolhi me enxergar de verdade, me aceitar com minha enorme lista de defeitos (sem precisar escondê-los atrás dos defeitos do meu adicto), e escolhi crescer como ser humano.
 
Hoje, aos 34 anos, sou muito feliz com minhas conquistas. E continuo lutando por outras conquistas (pessoal, familiar, financeira, profissional, espiritual e emocional).
 
Onde encontrei forças? Em primeiro lugar, em Deus. E em segundo lugar, dentro de mim mesma. Em alguns e-mails e comentários as pessoas me dizem: “não tenho essa força”, mas eu afirmo, você tem sim!
 
Uma dica: aproxime-se de Deus. Converse com Ele. E Ele pode te fazer feliz, independente do que está ao redor.
 
Houve dias em que meu esposo estava na ativa, mas ainda assim eu encontrava em Deus paz ao meu coração. A Bíblia diz em Jó que, “diante Dele (de Deus) até a tristeza salta de alegria”.
 
Não procure a razão para ser feliz fora de você, mas dentro!
 
Cuide-se bem! Olhe um pouquinho para você mesma(o). Ame-se! Esse é o ponto de partida para mudar o que está ao redor...
 
 
Para finalizar, gostaria de agradecer, de coração, pelos mais de 130.000 acessos ao Blog!!! E também pelas mais de 430 curtidas em nossa página no facebook!!! E pelos mais de 110 livros vendidos!!! E pelos 190 seguidores!!!
 
E de agradecer a Deus pelos quatro meses em que meu esposo se mantém limpo!!!
 
Beijo no coração!

8 comentários:

  1. Caríssima Polyanna, Olá!
    Muito bom o texto sobre Autopiedade.
    faço um pedido: quando puder, visite http://joseeduardoandrade.wordpress.com/.
    Gostaria de saber sua opinião sobre a abordagem que estou procurando fazer da temática. Seo blogg foi uma inspiração e motivação para essa minha incipiente iniciativa. Obrigado. TamoJunto
    José Eduardo

    ResponderExcluir
  2. né fácil não..mais tb se fosse fácil não teria graça...rs...
    ...Faça que os erros te façam crescer

    Na dúvida escolha o melhor pra você
    Dê mais importância a quem lhe quer bem

    E a vida há de ser bem melhor, pode crer
    E na vida ame mais sem porém nem porquê
    Que a vida passa depressa
    Não perca tempo
    Que o final só Deus pode prever

    .....

    ResponderExcluir
  3. Oi Polly, isso era tdo q eu precisava ler neste momento! Estou aqui me sufocando pq meu marido sumiu, ele foi trabalhar e falei com ele na hr do almoço ele disse q sairia as 13 ou no max 14hrs mas olha só já são 15:29 e nda, ñ sei se ele recaiu ainda, mas meu medo está me matando. Já estou sofrendo por antecipação, meu coração dói, da um nó na garganta e fico pensando oq será da minha vida se ele ficar nessa de usar drogas. Oq será das nossas vidas, sabemos q amor ñ enche barriga de ninguem e q para a gde maioria, inclusive para mim, dinheiro ñ é algo q vem fácil para ser "queimado". Estou aqui, orando p Deus guiar meu marido, ñ deixa-lo cair em tentação e fazer com q ele ache o caminho de volta p casa! Espero msm q eu esteja enganada, q ele tenha estendido seu hr de trabalho, q seu celular esteja sem bateria ou estragado, q ele volte e diga q está tdo bem!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá Polly, ñ trago boas noticias, já que estava iludida q meu marido voltaria bem no sábado retrasado, infelizmente ele havia recaido. Eu atualizei meu blog contado do episódio e citei esse post seu, com meu comentário, se importa? Se ñ posso retirar! Obrigada por suas palavras, me trouxeram conforto e me fizeram pensar mais em mim msm! Que Deus abençoe vc e sua família. Beijos...

    ResponderExcluir
  5. OLA POLLY REALMENTE DEUS FAZ SENTIIR ALEGRIA , ONDE NAO HA NO QUE SE ALEGRAR , OBRIGADA POR SUAS PALAVRAS , PROCURAR SER FELIZ POR DENTRO DE MIM . QUE DEUS ABENÇOE. BJS!

    ResponderExcluir
  6. Perdi minha identidade....em função do meu esposo D.Q

    ResponderExcluir