segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Eu confio, acredito e espero...


 
“Mamãe, estou com saudades do papai.” Foi a primeira frase que meu filho de três anos falou, ao acordar hoje... Dói.
 
Na semana passada, eu conversei com ele, dizendo que o papai estava se tratando pra sarar do dodói. Achei melhor do que mentir que ele estava viajando, como fiz inicialmente.
 
“Que dodói”?
“Pra ele parar de fumar cacáca”. Respondi.
“Mamãe, eu já falei um montão de vezes pro papai não fumar cacáca, mas ele não obedeceu, agora precisou voltar lá pra Chácara, né, mamãe?!”
“Pois é, filho.”
“Eu nunca vou fumar cacáca, mamãe. Nem o maninho. Nem a mana. Nem você. Né?”
 
Para ele, cigarro é cacáca. Um dia ele jogou o isqueiro do meu marido fora, dizendo para o pai parar de fumar, pois fazia mal. Ele é tão pequeno, mas é muito sensitivo e esperto. Meu homenzinho! Ele ama o pai demais!
 
Treze dias que meu marido está limpo. Treze dias que ele está internado.
 
Às vezes dá uma sensação de que o tempo está parado.
 
Hoje estou com sintomas de saudades.
 
Estive no hospital onde ele trabalha para resolver sobre o seu afastamento. Foi difícil não vê-lo pelos corredores. Foi difícil estar lá, aquele hospital é a cara dele.
 
A médica do trabalho foi muito solidária. Desejou-me força. “Tadinho” foi o termo que ela usou, com sinceridade e compaixão nos olhos.
 
“Fé, querida. Muita fé!” Ela me disse, segurando em minha mão.
 
A chefe dele me disse que as mensagens com elogios, enviadas pelos pacientes, aumentam em 50% quando ele está trabalhando.
 
Já recebi várias ligações de pacientes preocupados com ele.
 
Ele é muito querido por todos. Sempre disse que uma das suas maiores qualidades é o profissionalismo. Entretanto, acho que aquele ambiente o prejudica, mas cabe somente a ele decidir quanto a isso.
 
Tudo isso dói.
 
Tenho tocado a minha vida bem. Trabalho. Filhos. Passeios. Quando começo a pensar sobre isso, desvio o pensamento para outras coisas. No fundo, acho que estou fugindo. Fugindo de mim mesma. Fugindo dos meus sentimentos. Então me ocupo quase o tempo todo.
 
Nesse fim de semana e feriado viajei para Anápolis e para o Rio Quente com as crianças. Aquelas águas termais com aquela natureza em volta me fez muito bem. As crianças amaram! Tudo perfeito. Mas, é muito difícil pra mim estar sem ele.
 
Como relatei a uma companheira, no dia em que fui no Instituto para levar suas roupas, ele me disse: “me espera”. E eu respondi: “me prova que vale a pena te esperar.”
 
Juro que não sei de onde sai tanto amor. Eu o amo demais.
 
Eu acredito na recuperação dele! Acredito mesmo. Mas, preciso que ele me mostre que ele também acredita.
 
Ainda estou muito machucada por essa ultima recaída. Mas, aos poucos, as marcas vão sumindo. O perdão vai me sarando. O amor vai reconstruindo.
 
Se vamos voltar a ser um casal, eu não sei. Mas, que vou amá-lo sempre, isso sim, eu sei que vou. Não consigo explicar, é uma conexão tão perfeita, uma cumplicidade, um carinho... E só pelo fato de sentir isso por alguém, e de saber que ele também sente isso por mim, já valeu.
 
Ele é uma pessoa linda. 
 
Sim, ele sofreu traumas horríveis quando criança. Sim, ele um dia experimentou a maldita droga. Sim, ele está com o cérebro alterado em razão da droga. Sim, ele está muito doente, vivendo em um ciclo, por causa da adicção. Mas, eu o amo.
 
Não vou me revoltar, nem questionar quanto ao porquê dele ser um adicto, afinal, acredito que acima de mim há um Deus que vê o que não vejo, e que vai muito além da minha compreensão, então simplesmente entrego a Ele as minhas dores e o que não consigo entender.
 
O amanhã também está nas mãos Dele.
 
Só me resta confiar...

12 comentários:

  1. Isso ai Poly confia em quem pode curar nossas feridas e trilhar nosso caminho... e essa saudade passa a dor passa e que na sua vida so fique amor e recuperação SPH te desejo dias de paz e gloria!!! um bjus

    ResponderExcluir
  2. ..força na peruca...rs...

    meu acho que além do ambiente em que ele trabalha ter o afetado...o fato dele estar feliz demais tb pode ter contribuido...ele tinha acabado de completar 1 ano limpo..to dizendo isso lembrando de 2 palestras a do Naranon que vi agora e no AE, Adicto chaves...e ambos disseram que os adictos não sabem lidar com os sentimentos sejam eles quais forem...tristeza demais ou alegria demais...o bom é que ele ta la tentando descobrir onde fica o "funil" dele...rs..
    e fugir dos sentimentos..é o que a gente acaba fazendo mesmo..é dor demais..ai a gente tenta fugi..mais ele pega a gente denovo...então vamo da uma descabelada...unidas...e logo logo passa..hahaha...bjus Polly...e tudo di bom pra vc

    ResponderExcluir
  3. Ah querida... a biblia diz que a fé move montanhas, nunca perca sua fé...na verdade o amor que vc sente por ele nunca vai permitir que sua fé morra...o tempo agora é tudo na vida de vcs...tenha paciencia, não é facil como vc disse parece que o tempo parou, parece que tudo está tão longe, serão longos meses novamente...só que passa! veja eu amiga, estou aguardando meu esposo sair de uma internação pela segunda vez, e foi seguida da ultima, qdo ele foi pra clinica, pensei... nossa mais 6 meses de novo, e olha só quarta-feira já começa a ressocialização, o tempo passou rápido...Tenha força, se renove indo aos grupos, a igreja e vc vai ficar bem, e qdo menos esperar os tão longos meses se passaram !!!


    Conte comigo sempre! bjs

    ResponderExcluir
  4. Nunca houve uma noite, ou um problema que pudesse derrotar o nascer do sol ou a esperança.´Paz e Seremidade.Márcia

    ResponderExcluir
  5. Chorei demais ao ler hoje, passei por tudo, igualzinho, meu filho de 6 anos contava nos dedos os dias do pai voltar para casa. estava cansada de todo descontrole aqui fora, mas lá dentro da clinica de recuperação sabia que ele estava bem. Era um vazio enorme, chorava como uma criança quando eu chegava em casa e ele não estava lá. E o amor renasceu e me fez recebê-lo de braços abertos.

    ResponderExcluir
  6. Polly venho compartilhar que tambem é um momento dificil da minha vida
    deixei meu namoro de 3 anos, amei, me dediquei , sofri...
    to desorientada
    vc fez faculdade a distancia...
    deixei meu emprego anterior que eu ganhava melhor pra morar com ele em santa catarina....agora quero te pedir uma ajuda.. sera que arrumando um trabalho em brasilia, sp conseguiria viver com uns 700 reais? to desesperada, sem trabalho

    ResponderExcluir
  7. Polly , nao é uma critica só pra entender...
    seu marido fuma crack tbm?fiquei confusa quando disse fumar cocaina no post...

    ResponderExcluir
  8. desculpe li cocaina era cacaca rs

    ResponderExcluir
  9. É moça só entregando a DEUS,deixemos nas mãos dele tudo que nós não podemos resolver,fica com DEUS linda e beijos nos seus filhotes continuo orando pela sua família...
    Força,foco e Fé sempre!

    ResponderExcluir
  10. É minha amiga, imagino que esteja doendo passar por mais essa situação, mas, você é a nossa guerreira (isso não significa que não possa fraquejar ok, vc não tem que ser 100% forte), mas, sei que você consegue, e ele vai conseguir mais uma vez!!!
    Fica bem!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Eu disse isso para a Kel, e digo pra vc tb, Polly:
    Isso tem um nome: abstinência....temos os mesmos sintomas que eles qdo estão sem a droga. E começamos a achar que nem era tão ruim, e a falta vai fazendo a gente se boicotar....
    Janete

    ResponderExcluir
  12. Oi Poly! Me ausentei um pouco porque meu marido recaiu... se puder, olhe meu blog, ficarei feliz com um post seu!
    Nossa, ontem que consegui ver seus posts e nossa, fiquei perdida com tantos comentários...rs
    Mas Graças a Deus seu marido está em busca da recuperação, isto é importante! Deixe que tudo Deus se encarega e vc não levará uma cruz maior do que pode carregar!
    Estou aqui na maior torcida para que tudo fique bem e em paz!
    Beijos

    ResponderExcluir