terça-feira, 20 de novembro de 2012

A vida é simples!



Bom dia, queridos(as)!

Tudo bem com vocês?

Quero iniciar essa postagem fazendo uma homenagem a alguém muito especial para mim, e que partiu deste mundo no ultimo dia 14, quarta-feira: minha amada avó materna.

A vovó era mais que uma simples avó. Ela me criou até os meus 13 anos, e muito do que sou devo a ela.

Mulher guerreira. Mãe de quatro filhos. Ficou viúva aos 34 anos, e assim permaneceu até o fim.

Sua vida foi para os filhos, para os netos, para os bisnetos e até para o seu tataraneto. Sim, ela já era tataravó! E partiu aos 94 anos, após uma bela vida feliz, e cheia de amor.

Noventa e quatro anos pode parecer muito, mas ela amava viver, gostava da vida, e a valorizava. E para nós que tivemos a sorte de conviver com ela, dá uma sensação de que foi pouco... Eu queria que ela fosse eterna.

Ela ensinou, sobretudo, o amor à família, e o amor a Deus. Ensinou que quando queremos de verdade, nada é impossível, afinal, ela aprendeu a ler aos 62 anos de idade! E também a escrever! Seu estímulo era o desejo de ler a Bíblia, e ela conseguiu!

“Se Deus é por nós, quem será contra nós?!” Essa frase é sua marca registrada. E suas orações diárias levavam à Deus um por um dos seus familiares, por nome.

Sempre disseram que minha irmã e eu éramos suas netas preferidas, talvez pelo fato dela ter nos criado, e pelo fato de não termos pai, então sua preocupação por nós era maior. Mas, a verdade é que ela amava a todos.

Ela nunca viajou para longe. Nunca viu o mar. Nunca extravasou. Mas, ela viveu sim, e foi feliz, porque a sua felicidade era simples. Reunir todos em sua casa no final do ano, e pronto! Uma ligação da neta, e pronto. Uma foto e uma carta recebida pelo correio, e pronto! Isso lhe fazia tão feliz...

Com ela aprendi que a felicidade está nas coisas mais simples, aprendi o amor pela família, aprendi a fé em Deus, e também o quanto viver é importante.

Confesso que a saudade é grande demais. Ficou um vazio enorme. Mas, sei que ela está bem. E foi um descanso, pois nos últimos dois anos ela estava sofrendo muito em razão do mal de Alzheimer.

Minha avó amava demais ao meu esposo. Era até “puxa-saco” dele. Sempre lhe dava razão em tudo. O paparicava. E ele sempre retribuiu esse carinho todo.

Quando voltamos dos Estados Unidos, em 2009, minha avó viajou por cinco horas, de ônibus, para nos receber (com 91 anos de idade!!!). É, ela me fazia sentir amada de verdade!

Nas nossas ultimas idas à sua casa, ela já estava acamada. Meu esposo cuidava dela, lhe dava banho, comida, sempre com muito carinho. E eu sou grata a ele por isso.

A lembrança que tenho de sua ultima gargalhada, foi em nossa ultima visita, há 3 meses atrás. O causador daquele riso tão gostoso foi o meu caçulinha, o J.V.. Quando ela o viu peladinho, pronto para o banho, deu uma risada maravilhosa, e exclamou: “que trenzinho mais bonitinho, gente!” e ainda perguntou: “você tem muito leite, minha filha?”  Foi lindo! Há dias ela não reconhecia ninguém. Foi nossa despedida.

Infelizmente, meu esposo não foi liberado para ir ao seu enterro. Fui sozinha com meus filhos. Senti falta dele ao meu lado. E fiquei triste ao saber que nem mesmo a notícia lhe foi dada.

Por outro lado, fiquei feliz ao ver toda a família reunida. Não faltou ninguém! Apenas minha mãe e uma prima que moram fora do país. Todos os demais estavam reunidos, do jeitinho que ela gostava!

Obrigada por tudo, vovó! O amor e a saudade ficarão pra sempre!

Quanto ao meu esposo, ele segue limpo e internado há 28 dias. Estive com ele no sábado. Ele não está bem. Chora quase o tempo todo. Ainda não se livrou da culpa da recaída. E infelizmente ainda não entrou em recuperação. Peço que orem por ele, para que Deus lhe ajude a abrir a sua mente.

Peçam a Deus também por mim. O fardo tá meio pesado. Além de tudo isso, meu bebê está doentinho (de novo!). Teve febre a noite toda, logo mais o levarei ao seu pediatra.

No sábado, participei de uma terapia em grupo, e foi muito bacana! Conversamos sobre muitos temas, e principalmente sobre a dor. Saí mais leve de lá. E percebi, mais uma vez, que não estou sozinha.

Estou em um momento de muita reflexão.

Mas, uma certeza eu tenho: a de que tudo dará certo no final!

Beijo no coração!




6 comentários:

  1. Meus sentimentos pela sua vozinha Poly, cm certeza deve ser uma dor inesplicável. Infelismente,foi mais um momento da sua vida que n teve cm quem dividir e onde se apoiar! Isso torna o momento ainda mais doloroso,né?! Fico triste pelo seu esposo ainda está deprê,mas confie em Deus e tudo isso passará.
    Hoje faz 2 meses que o meu esposo está internado,foi o tempo que combinamos,mas n sei se ele está realmente preparado pra sair.
    Quase nem durmo direito pensando no que fazer, ele diz q n aguenta mais,que quer viver,voltar pra casa. Eu tbm quero muito ele aqui,sinto sua falta demais,porém tenho medo de n ser a hora. Por outro lado penso q se deixa-lo mais um mes lá dentro,ele pode n favorecer ao tratamento. sei lá... To indo lá na clínica conversar com a terapeuta dele e cm o médico. Vou deixar que Deus me guie lá na hora!
    Bom dia e fique cm Deus!
    Gabriela

    ResponderExcluir
  2. Meus sentimentos minha amiga!!!
    Vó é mãe duas vezes, tinha que ser eterna mesmo!
    Mas Deus vai confortar o seu coração e de todos os seus familiares, com essa difícil perda.

    Sobre seu esposo, é normal mesmo... o primeiro mes é dificil
    Mas tenho certeza que logo mais ele vai estar bem de novo, e vai caminhar novamente rumo a sua recuperação!

    TamuJuntas!!

    ResponderExcluir
  3. “Se Deus é por nós, quem será contra nós?!”
    Essa sabia das coisas! =)
    Meus sentimentos amiga, muita paz e serenidade pra vc.
    Com certeza sua avozinha é um espirito muito lindo e singular e sera muito bem recebida do lado de lá.
    ;)
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  4. oiiii...sua vozinha será mais um anjo velando por ti...acredite...
    felicidades pra ti moça..e vamo reza e ora..pra Deus conseguir perfurar a cabeça dura e oca das nossas prendas...q elef aça um furinho e que entre muita luz e muito esclarecimento pra esses cabeça dura...bjus

    ResponderExcluir
  5. a perda por is só ja é triste , de uma familiar querido , não tem explicação ..Força Poly ! Estarei orando e pedindo a Deus por você , por sua familia e por seu marido tbm , que Deus dê forças a ele tbm ! Beeijos fica com Deus !

    ResponderExcluir
  6. Polly, estou feliz por você estar se reerguendo, por estar novamente dizendo "meu esposo", uma nova chance, sempre é uma nova chance e nunca será "mais uma chance", deixe essa nova chance que você está se dando e dando ter a esperança que tinha a primeira chance...
    Se perdoe, perdoe quem deva perdoar, acho que esse é o momento de fazer o 8 e o 9 passo... Sem perdão as memórias machucam demais e constantemente... e converse, faça terapia de casal, faça o que ache que deva fazer... nunca se esqueça que a recuperação é individual e que a doença também, nossos defeitos de caracter e qualidades podem até ser parecidas, mas iguais.... NUNCA!
    Se fossêmos todos iguais e os adictos fossem todos iguais, não haveria necessidade de tantos blogs sobre o assunto, se percebemos bem a fundo somos todos diferentes com historias parecidas... apenas parecidas... nunca iguais!

    ResponderExcluir