segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Parabéns, Papai!



12 horas desta segunda-feira, 13 de agosto de 2012.

Só por hoje o papai aqui de casa está limpo e em recuperação há 318 dias (10 meses e 14 dias)!

Tivemos um dia dos pais diferente. Logo pela manhã ele foi para a reunião dos Narcóticos Anônimos. E a tarde, passamos em gravação de uma matéria sobre a dependência química, os familiares, o Blog e o livro, para o Bom dia DF e o DFTV. Deveria ter ido ao ar hoje, mas acredito que tenha ficado para amanhã ou para a noite.

Deixei meu esposo bem à vontade quanto a ficar ou não durante a gravação, e ele optou por ficar e por colaborar. Entretanto, em um determinado momento, receoso de que a moça que veio para cuidar das crianças estivesse ouvindo os seus relatos, ele não quis continuar.

Compreendo a sua reação, afinal existe mesmo muito preconceito. E ele é uma pessoa extremamente preocupada com a imagem, com o que os outros pensam ou falam a seu respeito. Entendo, mas acho que ele deveria esquecer um pouco dos outros, o que vale mesmo é o que ele é e ponto.

Mas, falando da matéria, penso que será de grande valia a muitos familiares que sofrem sem saber do seu próprio problema. Estou aqui na expectativa!

À noite, comemos uma pizza, os cinco juntos. Momento em família para dizer um “parabéns, papai”! Parabéns, pela força e por conquistar sua liberdade dia após dia. Parabéns por ser um pai carinhoso e presente. Parabéns pelo amor incondicional aos filhos. Certamente nossos pequenos te consideram um herói! E eu também, amor! Muito obrigada por ter me dado os filhos mais lindos desse mundo! Estamos todos orgulhosos de você!

“Amor é aceitação e compreensão. Eu amo o meu esposo, o escolhi e quero envelhecer ao seu lado. Mas, ele tem uma peculiaridade: é um dependente químico. Ele terá que lutar pelo resto de sua vida contra o desejo de sentir mais uma vez o prazer proporcionado pela droga. E isso, para ele, é muito difícil. Ainda assim eu o amo? Sim!” (Livro Amando um Dependente Químico – Dias de Dor)

Para adquirir o seu exemplar do livro, clique aqui, e acesse a página do Clube de Autores.

Abraços. E muita serenidade!

3 comentários:

  1. É minha amada amiga, infelizmente tem muita gente preconceituosa que não entende essa doença, talvez seja bom mesmo que ele se mantenha no resguardo ne... Olha, logo logo vou fazer uma postagem la no blog sobre o seu livro e vou divulgá-lo também no face, vamos bombar com ele amiga!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Minha amiga, pesquisei na net... e achei sua entrevista!!!
    Adorei, tenho certeza que vai ajudar muita gente!
    Parabéns!!!

    Eu também, vou recomendar seu livro pra todo mundo... Tenho certeza que ficou ótimo!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. A doença do co-dependente é muito parecida com a do dependente. Ambas são incuráveis. Vejo o caminho de tratamento muito semelhante também. Os grupos de apoio que passam pela ACEITAÇÃO, pela PACIÊNCIA e pelo AMOR, principalmente este último são os que reputo de maior eficácia. Mas não o amor pelo dependente (importante também), mas AMOR por si mesmo. Porque amar a si mesmo é a melhor forma de estabelecer os limites entre o dependente químico e os seus co-dependentes, sem entrar nos espaços uns dos outros. Perceber estes limites cabe ao co-dependente saudável. Um co-dependente embolado com o problema do dependente é incapaz de se amar, portanto também incapaz de amar o DQ. A saúde física vem de dentro e passa obrigatoriamente pela participação em grupos de apoio. A reforma íntima é necessária a ambos e só encontram quando verdadeiramente procuram. Parabéns pelo teu tratamento, muito bem aproveitado.

    ResponderExcluir