sábado, 17 de dezembro de 2011

É bom saber que alguém se importa!


Bom dia!

Agora são 07h36min deste sábado, dia 17 de dezembro de 2011.

79 dias se passaram, desde a internação do meu esposo.

Alguns dias são fáceis, outros difíceis...  Mas, a felicidade por ele estar limpo e em recuperação é constante.
Nesta semana, na quinta-feira a noite, minha filha, uma coleguinha dela, e eu, fomos assistir a apresentação do caçulinha. Ele vestido de anjinho cantando músicas de Natal com as tias e coleguinhas. Foi tão lindo. Fiquei muito emocionada. Feliz de ver o meu pequenininho ali em sua primeira apresentação da escola. Mas, não posso negar, que algumas lágrimas caíram por pensar que o papai não estava lá. Meu pequeno não perguntou nada sobre o pai, mas, às vezes ele diz coisas que doem em mim: “Mamãe não tranca o portão porque o papai vai chegar pra brincar comigo...”

Ontem a tarde foi a festinha de aniversário do nosso pequeno na escola. Ele fará 03 aninhos no dia 24. Nunca tínhamos feito uma festinha só dele. Nos anos anteriores apenas encomendávamos um bolinho e cantávamos os parabéns na ceia de Natal mesmo. Ele ficou radiante de alegria. O tema escolhido por ele foi dos Carros. Muitos balões, bolo, salgadinhos, docinhos (com direito a brigadeiro), e muitos presentes dados pelos coleguinhas da creche e tias. Ele não cabia em si de felicidade. E essa felicidade me contagiou demais. Entretanto, por vezes, senti falta da presença do papai ali...

Postei uma foto da apresentação e uma do aniversário. É bom partilhar esses momentos bons com vocês!

Hoje haverá visita na Instituição e levarei as fotos para meu esposo ver. Ele pode se revoltar e achar que deveria sair para curtir esses momentos, ou ele pode usar tudo isso que tem perdido para aproveitar seu tratamento ao máximo, e nunca mais ser ausente à sua família, nem por internações, nem por drogas.

Hoje irei sozinha à visita. Uma tia ficará com meu pequeno em casa, pois, amanhã haverá a confraternização de Natal com as famílias na Instituição. E levar meu pequeno os dois dias é muito cansativo. Ou seja, hoje teremos mais tranqüilidade para conversar.

É isso aí, o verei hoje e amanhã, e depois, somente no dia 02/01/2012. Se tudo continuar indo bem no tratamento, em janeiro ele dará início à ressocialização, onde virá dois ou três dias de algumas semanas para casa.

Eu continuo acreditando! Vai dar certo!

Agora mudando um pouco de assunto, queria falar sobre algo que vi ontem no Facebook. Um ex-colega de faculdade postou a seguinte mensagem em seu face: Não tenho pena de drogado, experimentar foi escolha não coação.” Duas pessoas curtiram sua frase preconceituosa. Não consegui ficar quieta diante de suas palavras, ao que respondi:  “Experimentar é escolha, adoecer não. Dependência Química é doença reconhecida pela OMS. E posso te afirmar que é uma triste doença.” Ele respondeu-me: “Temos visões muito diferentes do tema e fui nascido e criado em uma periferia.”  Como se as drogas só estivessem na periferia, não é mesmo? Típica resposta de quem só conhece o assunto de ouvir.  Então, eu lhe respondi: “Certamente não tens nenhum dependente químico na família, essa é a diferença.”

Fiquei triste com isso. As pessoas tem tantas coisas boas pra compartilhar nessas redes sociais, mas, por vezes, preferem espalhar pensamentos cheios de preconceito, induzindo à discriminação. E pior, são pessoas que não sabem do que estão falando. Esse carinha deve ter uns 27 anos. Não sabe nada da vida. Não sabe nada de drogas. Não sabe nada da dor de um dependente químico. Não sabe nada do sofrimento das famílias de adictos. Mas, se achou no direito de difundir essa mensagem tão julgadora, como se ele fosse melhor que os outros. Doeu.

Mas, deixa pra lá.

Por outro lado, recebi um comentário muito especial nesta semana. O comentário da Débora:

“Oi Poly, meu nome é Débora, sigo seu blog há alguns meses, encontrei-o por acaso, estava procurando algo totalmente diferente, mas me deparei com ele e comecei a ler. Desde então venho aqui todos os dias para saber notícias suas. Se temos algo em comum não sei, não tenho problemas com drogas, álcool ou nada parecido na minha família, graças a Deus. Aliás, muito pelo contrário, tenho um marido perfeito, nem sei se merecia tanto. A única coisa que me aflige é o diagnóstico de autista de um sobrinho de um ano, mas estamos cuidando dele e isto está longe de ser um problema, pois, se Deus mandou este anjinho sem asas para nós cuidarmos, então faremos isso agradecendo sempre a Ele. Mas enfim, por que acompanho seu blog?? Porque simplesmente torço por vc, penso em vc e me preocupo com vc, não nos conhecemos e provavelmente isto nunca acontecerá, mas quero que vc saiba que de longe, do sul de Minas, vc tem a mim que torce e ora pela sua familia. Vc tem toda a minha admiração. O poder da oração é muito forte e continuarei orando pela sua felicidade. Beijos no seu coração.”

Esse comentário foi especial pelo fato dela não ter problemas com dependência quimica, e ainda assim, se importar. Parabéns por sua humanidade e sensibilidade, Débora!

A maioria das pessoas não se importa com os cancerosos ou aidéticos, até alguém que elas amam adoecer. Não se importa com a violência ao redor, até que alguém próximo seja vítima. Não se importa com os portadores de necessidades especiais, a não ser que haja um dentro de casa. Não se importa com a dor de quem está ao lado, até que aquela se torne a sua dor. Não se importa, e ainda julga e discrimina os dependentes químicos, até que alguém a quem elas querem bem caia nas garras das drogas...

Prefiro não julgar. Prefiro me compadecer do próximo, ainda que eu não saiba ou não compreenda o que ele sente...


9 comentários:

  1. Bom dia Poly !
    Esses momentos de festividade é complicado a ausencia do marido, eles estao lá e perdendo tudo aqui fora, mas é para o bem deles né, pra poder passar uma vida inteira curtindo todos esses momentos depois.
    Amanha é aniversario do meu filho, e hoje a noite vou fazer uma festinha em casa, e ele nao estará aqui, na estara em nenhuma foto que iremos tirar...nada, dói muito, mas faz parte.
    Que bom que nessa instituiçao voce pode visita-lo sempre, aonde meu marido está é só uma vez por mes, ele está lá a dois meses e meio, a primeira visita aconteceu um mes depois, qdo ele foi internado eu estava gravida de um mes, poucos dias antesa da minha visita perdi o bebe com 3meses de gestaçao, ele nem viu minha barriguinha que ja estava apontando, nem estava comigo qdo fui para o hospital, passei por tudo sozinha...
    Na proxima visita vou levar as crianças, minha peuqena ja esta doentinha, tendo febre, e fala nele o tempo todo, preciso leva-los pra matar a saudade !
    Desejo um lindo final de semana pra vc, que vcs possam namorar, trcar carinhos e palavras amaveis, que voce saia de lá muiot feliz !!!!
    Um beijo em seu coraçao !

    ResponderExcluir
  2. Oi Poly, olha eu aqui de novo, a Débora.
    Morri quando vi seu último post, fiquei imensamente feliz por vc ter considerado meu comentário especial. Que bom que umas poucas palavras, mas sinceras, pôde fazer a diferença.
    Poly, sobre o que vc falou sobre o facebook de um amigo, só tenho a dizer: abstrai. É só ignorância, digno de pena. O mundo está cheio de ignorância e inveja, sendo a inveja, na minha opinião, a pior. Sem falar da hipocrisia, muitas pessoas que julgam fazem coisas muito pior, muitos que criticam os dependentes químicos tb já experimentaram drogas, apenas deram sorte de não se viciarem e adoecerem. Mas que tanta ignorância irrita, ah isso irrita.
    Certa ocasião, assim que soube do diagnóstico de autismo do meu amado sobrinho, ainda sob o efeito do choque, comentei com uma pessoa conhecida o que estava acontecendo. Ela acha que eu sou rica por ter um marido cirurgião plástico, então ela me respondeu: Isto é para mostrar que dinheiro não traz felicidade. Poly, parece idiota, mas tanta falta de sensibilidade me deixou arrasada, parecia que o fato de ter uma criança especial era motivo de tristeza, meu sobrinho é um anjo na minha vida, me ensina a ser melhor, comemoramos todos os dias as conquistas dele, é uma alegria imensa na família, deixou-me mais próxima ainda da minha amada irmã, como pode alguém dizer que o fato de ele ser diferente das outras crianças é uma coisa ruim na minha vida. Minha vontade era falar um monte para ela, mas não tinha como argumentar diante de tanta ignorância. Fiquei quieta e vi que ela não servia para ser minha amiga.
    Houve um tempo tb que fiquei doente, tive sindrome do panico na minha gravidez, e morri de ouvir que era frescura. Não desejo mal a ninguém, mas desejei que cada um que tinha falado isto sentisse por apenas um dia o que eu senti por meses.
    Mas enfim, é dificil, mas temos que abstrair e sentir apenas pena dos ignorantes.

    ResponderExcluir
  3. Poly, obrigada por compatilhar estes momentos, eles me ajudam a crescer e a continuar firme na minha recuperação (co-dependência) e ver que podemos e devemos sempre continuar com nossos planos, independente do nosso amado adicto estar ao nosso lado ou não... triste, claro que é, mas tenho certeza que quando tudo isso passar teremos crescido muito espiritualmente.
    Desejo a vc e sua família muita luz, muita harmonia e que vc fique firme nessa sua força que incentiva a cada um de nós que entra aqui para acompanhar e torcer por vcs.

    Enorme beijo e fica bem.

    ResponderExcluir
  4. Ei Poly, apenas quem passa por certas situações, sejam elas quais forem, sabe, de verdade, a dor ou alegria que se pode colher.

    Nós duas temos algo em comum, começamos o namoro sabendo a verdade sobre eles, mas com a certeza de que daria tudo certo.
    Eu sabia que seria difícil, que o caminho teria muitos obstáculos. Sempre soube.
    Hoje vejo que está muito difícil, mas sei que Deus renova minhas forças a cada dia, que Ele está comigo.
    Às vezes, quando vejo meu amor relutando em procurar um especialista, sinto vontade de abandonar o barco.
    Nessas horas, me coloco em oração com toda fé que há dentro de mim e logo vem a resposta de Deus: "Eu quero que você permaneça ao lado dele".

    Esse fim de semana foi muito dolorido, e ontem pela manhã saí de casa aos prantos e fui até a Igreja perguntar a Deus por que ele estava me castigando daquela maneira, já que a única coisa que sempre sonhei na vida foi uma família feliz. Permaneci lá por mais de 1 hora. A resposta veio à noite, na missa, quando o Padre falou em um português bem claro: "Algumas pessoas pensam que Deus é cruel e nos castiga, mas não, Deus nos permite viver situações difíceis porque Ele nos usa como instrumento de conversão".
    E logo mais tarde, já em casa, orei novamente e pedi a Ele que me mostrasse o que fazer.
    Reposta imediata: liguei a TV na Canção Nova e eis alguns trechos do que Padre Jonas falava numa pregação:

    "Em um casamento, um precisa edificar o outro. Muitas vezes Deus une duas pessoas para que um seja Santo na vida do outro... Deus pode ter te dado um homem muito difícil, cheio de defeitos, para que você santifique este homem... Deus não quer que você o troque por outro melhor, Ele quer que você permaneça na missão..."

    Respondi para Deus: AMÉM!! rsrs
    Renovei minhas forças e minha esperança.

    Meu amor me ligou agora pouco dizendo que voltará a frequentar a Reunião do NA hoje e disse que sentia muito pelo fim de semana.
    Vou ficar aguardando na alegria de que dará certo.

    É difícil quem está de fora de uma situação dessas, ou quem não tem um olhar cristão entender, por isso, não converso sobre o assunto com minhas amigas, por mais que eu as ame e confie nelas, prefiro que elas não saibam sobre as recaídas.
    Deixo para falar apenas com as amigas do A. Exigente, elas me entendem bem. Mas, acredite, mesmo lá já escutei coisas como "Aproveite que ainda não é casada e saia dessa vida".

    O preconceito é algo gritante no ser humano.

    Ah, só mais uma coisa, por ironia do destino, sou professora de química em uma escola na periferia localizada num dos pontos de tráfico mais fortes da minha cidade. A maioria de meus alunos (meus grandes amores) tem alguém preso, usuário, traficante, ou coisa parecida na família.
    A droga é algo comum na vida deles e, nas turmas de 3ano, falamos abertamente sobre isso nas aulas, sem pudores. Falamos sobre efeitos, preço, etc, pois há um ponto da matéria que trata o tema.
    Este ano, no dia em que dei essa aula, meu amor havia recaído na noite anterior, e até aquele momento eu não sabia onde ele estava. Foi dolorido e difícil!
    Mas Deus me deu forças e consegui manter o profissionalismo.

    Eu fico muito feliz por sua felicidade.
    Sei que você colherá os frutos em breve, assim como eu e muitas como nós, que acreditam no amor e não perdem a esperança.
    Deus abençoe você e sua família, vocês estão em minhas orações.
    Fique em paz!
    Bj

    ResponderExcluir
  5. Polly, querida, parabéns pelo pequeno, você é guerreira e merece curtir esses momentos...
    Sinto com você a mesma revolta, como existe pessoas dispostas a julgar sem saber não é mesmo? Eu tb não admito que falem de um d.q do meu lado, não admito que diminuam o tamanho do sofrimento de um adicto e de um familiar...
    Polly, vai dar certo, eu sei que vai!!
    Estou na torcida!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Primeiramente afirmo que estava com saudades de postar aqui no seu blog.
    Em segundo lugar, afirmo minha felicidade pelos dias alegres que tens desfrutado, pela recuperação de seu esposo, à quem mando um forte e carinhoso abraço, bem como pela festa de seu filho.
    Em terceiro lugar, deixo aqui o meu repúdio ao posicionamento do mano lá que foi infeliz em suas colocações. Lamentável isso que ele fez!
    Finalizo desejando-lhe uma excelente semana, com ótimos momentos.
    Abração e TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  7. Polly...

    Continuo acampanhando seu blog... sua história não é diferente da minha... forçaaa, fé, esperança e não estamos sozinhas nesta caminhada !
    Fique com Deus !

    ResponderExcluir
  8. Tambem continuo a lutar por uma grande amor perdido nas drogas mais quando leio seu blog encontro mais forças para lutar, só preciso urgentemente de uma clinica para internar o meu amor afinal ele está disposto a se tratar, só que infelizmente não tenho condições nenhuma de paga mais continuo a orar e pedir que Deus envie um Anjo para me ajudar, peço Polly para que ore por mim e que tudo se resolva logo. Fico muito feliz ao saber que o tratamento do seu marido está dando certo e tenho certeza que será só Benção neste ano de 2012, mais continue assim a fortalecer desconhecidas que passa, por situações tão dificeis como essa. Um grande beijo e um feliz Natal cheio de amor e paz a vcs!!

    ResponderExcluir
  9. Comentário feito por R.R., via e-mail:

    Parabéns...por estar conseguindo se manter forte..e feliz...coma recuperação do seu marido...parabéns pela festinha do seu filho...tudo de bom pra vcs..
    Sobre o preconceito...com os dependentes quimicos...infelizmente...existe...e até atrapalha na recuperação deles....pelo menos...segundo meu marido é o que mais incomoda ele...as palavras dele nesse final de semana:...mesmo que eu me recupere, mesmo que isso nunca mais aconteça...as pessoas que souberem..sempre vão me olhar como o "viciado"..o "maloqueiro"..o "ladrão"...o "irresponsável"...e infelizmente sabemos que algumas pessoas reagem assim....eu disse a ele...eu sei é dificil ser rotulado...todos na sociedade de alguma forma são...mais vc precisa ignorar...esses preconceitos...por vc...pra vc conseguir ser feliz....se determinada pessoa não vai te acrescentar nada...ignore a existência dela...
    E uma coisa eu posso afirmar por experiência propria...só conhece a dependencia quimica quem convive diariamente com um dependente, só entende tudo o que se passa...quando a D.Q. está bem próximo dentro de casa...antes de namorar com meu marido...cresci com pessoas usuarias..de droga de todos os tipos...maconha, cocaina, crack, extasy...mais eram colegas e amigos...que apenas nos viamos e conviviamos an rua...e infelizmente..por mais que eu puxe pela memoria nenhum...sobreviveu...então eu achava que sabia de tudo sobre drogas...mais eu não sabia nada...só fui ter a noção...do sofrimento...qd vivi na pele...
    Fala pra esse seu ex colega de faculdade...que ele pensa...e acha que sabe sobre drogas...assim como eu achava e eu pensava q sabia....eu só não entrei nessa cilada por um unico motivo...medo de morrer...não pq tinha preconceito...pq ja guardei droga na bolsa pra amigo meu.......o limite entre..o caminho certo e o precipicio é uma linha bem fina...muito fina...e quem convive com "amigos" ou 'colegas" usuarios...acaba banalizando...e pra vc colcoar o pezinho no precipicio e não perceber aonde está se enfiando...é muito fácil..é fácil de mais...só que depois que cv cruzou essa linah e caiu nesse buraco...a subida...é absurdamente dificil..muito dificil...
    Ele que agradeça a Deus de não te-lo deixado conhecer...esse mundo..de não ter aberto essa porta....assim como eu agradeço todos os dias...

    Deus obrigado por ter me guiado quando estive perto de cair...e ter me alertado...pra não...virar mais uma escrava....dessa maldita substancia...que foi criada pra destruir a humanidade...

    ResponderExcluir