sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Você pode dizer: EU ME AMO?


Bom dia!

11/11/11, data estranha, tomara que queira dizer algo bom. Sexta-feira (ufaaa), véspera de feriadão emendado, ou seja, trabalho agora só na quarta-feira. Estou mesmo precisando de um descansinho.

43 dias que meu marido permanece internado e longe das drogas, graças a Deus.

Nesta noite tive um pesadelo horrível dele tendo uma recaída. Senti toda aquela angústia de uma forma tão real que acordei mal. Perdi o sono. Fiz uma oração, mas, ainda assim, demorei a tranqüilizar-me. É incrível como conviver com um dependente químico nos deixa emocionalmente abalados.

Mas, hoje eu gostaria de conversar com vocês sobre nós, co-dependentes.

Nos últimos dias, venho me observando, e embora esteja longe de chegar onde quero, já logrei alguns pequenos progressos em minha recuperação.

Estou feliz porque nas duas ultimas visitas ao meu esposo ele me fez alguns pedidos e eu me esqueci de levar os objetos solicitados. Sabem o que isso significa? Eu que sempre me antecipava para dar-lhe tudo, antes mesmo que ele pedisse, sem medir esforços, consegui me esquecer (por duas vezes) de atender aos seus pedidos. Esqueci, porque estou ocupada comigo mesma e com as crianças, e isso é um enorme progresso. Significa que o foco e razão da minha vida pouco a pouco estão sendo retirados dele.

Entendam que não é uma questão de deixar de amar, ou de cuidar. Amar é a coisa mais linda que cabe ao ser humano, e cuidar do outro faz um bem enorme, entretanto, quando esse amor e cuidado fazem com que nos esqueçamos de nós mesmos, quer dizer que há algo errado.

Muitas vezes nos julgamos pessoas maravilhosas pelo fato de tolerarmos verdadeiras barbaridades do adicto a quem amamos, e continuarmos bravamente com ele. Mas, muitas vezes, esse vínculo não é mantido pelo amor, e sim, por uma necessidade, podemos dizer até mesmo, por uma doença.

Adoro a forma como a Cicie (vejam o Blog) aborda sobre a co-dependência, me identifico muito com os relatos dela.

Sabem o que é deixar de pentear os cabelos, não se importar com o próprio corpo, sempre fazer escolhas para agradar aos outros, e até mesmo se esquecer de quais são suas próprias vontades?

Em dias de arrumar os armários, sempre comecei pelas roupas do meu esposo, depois das crianças, e por ultimo, quando chegava às minhas roupas, já estava cansada, e acabava deixando como estava.

O sabor da pizza, o lugar para um passeio, o programa de TV, tudo era escolhido pensando no outro.

Nunca havia tempo para uma atividade física, para rever amigos ou para um salão de beleza.

E como isso me frustrava sobremaneira, o caminho mais prático para aliviar esse desconforto era jogando toda a culpa no meu esposo. “Isso acontece porque sou casada com um dependente químico.”

Hoje consigo me enxergar, enxergar meus problemas e limitações, e sinto-me responsável por mim mesma.

É muito bom não precisar provar ao outro que você é perfeita, ou seja, que você é boa o bastante para ser amada por ele. Tenho defeitos, muuuitos, mas, ainda assim, sei que posso (e mereço) ser amada. Hoje não preciso manter a casa impecável, ser a melhor mãe, a melhor amante, esposa, companheira, cuidar do meu esposo, tolerar suas insanidades, e ainda manter um sorriso no rosto. Só por hoje, posso dizer “não posso” ou “não quero”, sem temer alguma rejeição por isso.

E assim, pouco a pouco, vou descobrindo a Polly em mim. E vou me apaixonando por mim mesma. E vou me curando...

Só fazendo esse percurso nos tornamos inteiros e aptos a ajudar ao próximo, no caso, ao nosso amado adicto.

Mas, enquanto nos mantivermos adoecidos, fazendo do nosso dependente químico uma verdadeira “lata de lixo” (me desculpem o termo), onde jogamos todas as nossas frustrações pessoais, o resultado só será dor de ambos os lados, e será muito difícil haver progressos ou recuperação.

A verdade é que não poderemos mudar quem somos até que aceitemos quem realmente somos. Entendem?

“Somos responsáveis por nossas escolhas e comportamentos. Somos responsáveis por iniciar, continuar ou terminar relações. É possível amar sem deixar-se anular emocionalmente pelo objeto do nosso afeto; é possível amar alguém sem deixar de amar a nós mesmos...” (Co-dependência Nunca Mais, Melody Beattie)

“Se outras pessoas me escravizarem emocionalmente, significa que meus limites ainda não foram definidos.” (CEFE, pág. 350)

Meus queridos, cuidem-se bem, amem-se, procurem ajuda. Amar um dependente químico nos faz trilhar um árduo caminho, e precisamos estar fortes e felizes para isso.

Bom fim de semana!

Fiquem com Deus!

12 comentários:

  1. Ótimas colocações, amiga!
    Valeu!
    Abração e TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz por ti Poly... Tudo se encaminhando!
    ótimo find...
    Beeijãooooo

    ResponderExcluir
  3. Oie Polly, é impressionante parece que cada post seu é especialmente para mim. Já nos falamos outras vezes mais gosto sempre de te elogiar e te parabenizar por td, principalmente te agradecer por me ajudar tanto. Hoje não estou em um dos meus melhores dias. Sou casada com um adicto, mudei td minha vida, minha rotina, mudei de cidade para tentar ajudar em sua recuperação. Faziam 22 dias que ele estava limpo, nossas vidas estavam em paz, frequentamos terapias, psicologos, grupos... Estava td tranquilo e sereno. Porém, como já pressentia (co-dependentes pressentem qndo algo vai acontecer, é incrivel), ele teve uma recaida. Há 3 dias está usando novamente, não foi as terapias. Eu trabalho e ele passa o dia em casa sem fazer nd, qndo eu chego ele está com aquele olhar, de arrependido. A casa uma bagunça, ele pede desculpas, diz que não vai mais acontecer, mais esse filme já conheço mto bem. Essa semana foi assim, não sei o que fazer, não sei como agir, não sei se brigo, ou se fico quieta. Meu coração está apertado, me sinto angústiada. Passo o dia tentando disfarçar o que estou sentindo, coloco minha cabeça td no trabalho. È dificil, mais estou tentando. As terapias estão fazendo eu ver as coisas de outra maneira, fazendo eu ver que não posso parar minha vida por causa dele. O que me conforta é isso, saber que amanhã vou ter alguém para contar td e quem sabe uma solução. Estou completamente triste, desolada. Na terça feira é niver dele, a mãe vem passar o dia conosco (ela não sabe que ele recaiu), ela nos ajuda mto. Comprei presentes, estou preparando surpresas, jantar romântico. Mais confesso que não estou no clima, não sei como será. È horrivel ficar assim, é horrivel saber que td pode voltar como estava antes. Ás vezes culpo ele pq parece que não tem força de vontade, tem td a sua volta, td a ajuda possivel e deixa se dominar dessa maneira. Depois penso na doença e já não o culpo tanto, mais ainda assim acho que ele poderia se esforçar mais. Acabei desabafando aqui, desculpe. Estou mto feliz e torcendo mto por vc e por sua familia. Que Deus continue nos abençoando e nos dando coragem para conviver com nossos adictos.

    Só por hoje seremos pacientes!!!

    Um grande beijo!!!

    ResponderExcluir
  4. Otímo final de semana pra você também Poly!
    Beijo
    Ana

    ResponderExcluir
  5. Anonimo antes de terapias, grupos etc que são fundamentais para um dep e codep tem que colocar o Poder Superior,no meu caso Jesus e entregar a sua vida e do adicto aos cuidados Dele e aqui na terra vcs fazem o que for possivel. Tire esse peso de suas costas, assim vc não ajuda em nada. Olhe pra vc pare de tratar o seu adicto como uma criança.Tente fazer diferente e confie em Deus porque Ele está no controle e não vc.

    ResponderExcluir
  6. Anonimo fazer festinha com jantar romantico depois de outra recaida dele? Porque é niver dele? O que é isso? Porque vc se violenta tanto assim? O que VOCE ganha agindo desse modo? Qdo vai começar a SE amar? Se vc continuar com as mesmas atitudes a cada recaida dele vc terá os mesmos resultados.Isso VC pode modificar, e vc já não percebeu que brigar não adianta NADA. Não entendo porque certas pessoas se anulam tanto!

    ResponderExcluir
  7. Junior, amigo, TAMUJUNTU! Obrigada!

    ***

    Jé, minha flor, cuide-se bem! Te amo.

    ***

    Querida Anônima, obrigada por suas palavras. Estamos juntas, ok, querida?! Sinta-se a vontade para desabafar. Só te peço que não faças nada que não traga felicidade a você mesma. Pense em você e cuide-se bem sempre, querida!

    ***

    Ana, bom fim de semana, querida!

    ***

    Anônimo (das 15:34), obrigada por ajudar nossa companheira!

    ***

    Anônimo (das 15:53), obrigada pela participação, mas, cuidado com as palavras. Se por vezes nos anulamos, não é conscientemente, e muito menos voluntariamente.

    Beijos a todos!!!
    Poly.

    ResponderExcluir
  8. Passando aqui pra te desejar um excelente final de semana, com um maravilhoso feriado.
    TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  9. Amigo, com toda certeza a sua recuperação está visível para todos nós que acompanhamos o seu blog desde o começo, é uma vitória a cada dia e posso dizer de boca cheia que eu vejo a recuperação em você.
    Obrigada por nos ensinar a nos o amor próprio.

    ResponderExcluir
  10. Olá Polly meu nome é Betty(Beatriz mas deixei o apelido pra manter anonimato) criei um blog
    http://amoredependencia.blogspot.com/

    Gostaria de saber se seria possivel vc divulgar ele em uma postagem? Eu criei para desabafar.Seu blog tem me ajudado muito mesmo, inclusive entender sobre a co-dependencia,entao decidi tambem, criar um blog pra commpartilhar minha experiencia e desabafar.Se puder divulga-lo em alguma postagem agradeço

    ResponderExcluir
  11. Muitas vezes os codependentes se anulam inconscientes mesmo eu concordo, por isso acho válido qdo alguem dá um chacoalhão nos codepemdentes porque eles precisam sair desse estado de inconsciencia para poder agir e tomar atitudes para melhorar as vidas tanto do dep qto a do codep. Esse chacoalhão é por amor as vidas e não uma critica ou julgamento. Pois está claro o sofrimento pelo vai e volta e tudo continua na mesma.

    ResponderExcluir
  12. Foi o dia que me casei, e era pra ser as 11, mas atrasou e começou as 11:11! Sabe o que isso quer dizer? Absolutamente nada!!! Casei, mas ate hoje nao sei o que é ter um marido.

    ResponderExcluir