domingo, 27 de novembro de 2011

A História de uma "Maria"!

“Bom dia Polly! Devorei seu blog em dois dias...e chorei..chorei como criança!!! Eu podia ser Amanda, Cristina, Rafaela, Joana, mas sou só Maria... Uma mulher que como tantas outras, ama um dependente químico, e como tantas outras sofre, chora, tem raiva, grita, se desespera, tenta ter esperanças, acredita... Lê mais sobre dependência química do que sobre co-dependência, vê as estatísticas e pergunta: por que meu Deus? Por que meu marido? Alguém que não sabe com será o amanha, nem o hoje. Que liga 80 vezes no celular e sabe lá no fundo que ele não vai atender nenhuma... Estou com meu marido a 7 anos (entre namoro e casamento) e a 1 ano descobri sua dependência. Ele se envolveu com drogas na época da faculdade, depois que já estávamos juntos. Muito inocente, eu nunca percebi nada, e sinto raiva de mim por nunca ter notado... Depois que soube de tudo, minha vida virou um inferno... Passei noites em claro, sentada numa cama chorando, fui enlouquecendo, pirando... Não conhecia nada a respeito, não conhecia ninguém com esse problema. Perdi meu emprego e comecei a viver a vida dele. Não pensava em outra coisa além de droga. Em junho deste ano, ele ficou muito mal e pediu ajuda. Se internou, mas ficou só um mês, saiu e ficou dois meses limpo aqui fora. Mas, como poderia ficar mais? Eu ficava o tempo todo controlando a vida dele, não dei nunca um voto de confiança, e ele caiu e caiu feio. Isso aconteceu em outubro, quando estava quase a ponto de cometer uma loucura de tanta dor, mandei ele embora. Há um mês ele se foi, e tá doendo tanto... Ficou na casa de um amigo, mas não deu certo... Na casa da avó e também não deu certo... e há uma semana, na casa da mãe... Sinto saudade... Meu peito dói... Nossa filha pergunta cadê o papai... Ele quer voltar, mas estou perdida, não sei o que quero. Ele pediu pra gente mudar para SC, moramos em SP. Falou para sairmos daqui, ficar um pouco longe por um tempo, que lá a gente procura ajuda, ele no NA e eu no Amor Exigente. Que a gente vai se conhecer, se tratar, ficar tranqüilo longe dessa bagunça que virou nossa vida. Ele disse que sabe que a doença vai junto com ele, que está dentro dele, mas quer ver o mar, pisar na areia, se sentir amado, cuidar da nossa família... Sei que ele fala de coração, sei que ele sofre, sei que ele me ama e quer ficar bem, mas, tenho tanto medo de tudo ser em vão, de não adiantar. Mas, tenho medo de seguir em frente sem ele, sem ter ajudado meu marido, aquele a quem falei na frente de todos que nem a morte nos separaria, pois nosso casamento seria eterno... Me identifiquei tanto com seus relatos, droga é igual em todo lugar... É sempre a mesma história: mentiras, manipulação, noites em claro, dinheiro perdido, controle do carro, dos cartões... É sempre igual... Polly, você conhece melhor do que eu essas histórias, me dá uma luz, uma opinião mesmo, se devo tentar mais uma vez, se devo viajar ou se devo seguir minha vida e deixá-lo com suas próprias escolhas... Vou orar pedindo a Deus orientação, mas quero saber sua opinião... Obrigada por suas palavras que me fizeram sentir e saber que não estou sozinha... Obrigada mesmo.”

5 comentários:

  1. Maria, seja qual for a decisão de vocês, o principal vocês já sabem, a Droga está dentro dele, e se ele de fato acreditar e reconhecer isso, ele saberá como lidar, não se pode lutar contra um inimigo se nem sabemos que ele existe, apenas lembre-se de que ambos precisam de ajuda...
    Boa sorte.
    Estamos juntas!

    ResponderExcluir
  2. Nessa loucura toda não esqueça de vc, cuide-se coloque-se ou tente ficar em primeiro lugar,pois assim vc ajudará melhor seu amor, ele precisa encontrar um pouco de força, serenidade e esperança para lutar contra essa doença pois ele já não tem mais. E a espiritualidade (Jesus) é a âncora p/ vc se apoiar pois Ele está a todo momento com vc.

    ResponderExcluir
  3. Querida “Maria”, cada história parece ser tão igual e ao mesmo tempo é tão única e especial, porque envolve tantos sentimentos, tantos sonhos... Minha querida, é tão difícil opinar, afinal, será você quem arcará com as conseqüências das suas escolhas. Eu até poderia arriscar a dizer-te algo, mas, você só expôs as razões dele: ver o mar, pisar na areia, estar longe de tudo. Mas, e quanto a você? Quais são os seus sonhos e expectativas em Santa Catarina? Vai ser bom pra sua vida pessoal, profissional, familiar e emocional? Seu foco deve estar em você, em qualquer direção que decida seguir. Caso contrário, se o foco estiver nele, corres o risco de se frustrar e de cobrá-lo por algo que você escolheu, entende? Siga na direção da sua felicidade e dos seus próprios sonhos, que eu te apoio. Que Deus te oriente em sua decisão, querida!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Ele disse e você sabe, o problema está dentro dele e vai acompanhá-lo onde for. Talvez ele esteja sendo sincero nesse pedido, mas acredito que seja ilusão. Minha opinião é que ele deve se tratar primeiro, e depois vocês decidirem sobre essa viagem. Neste momento a prioridade seria cuidar da saúde de vocês.

    Janete

    ResponderExcluir
  5. Eu poderia me chamar Maria...
    Maria te amo companheira!

    ResponderExcluir