terça-feira, 1 de novembro de 2011

Estúpido Preconceito!


Boa tarde!

1º de novembro de 2011. Terça-feira com cara de sexta, véspera de feriado.

33 dias que meu esposo está internado, limpo, e se recuperando.

Vamos seguindo, um dia de cada vez. Não é fácil estar sem ele, sei que também não é fácil para ele estar lá, mas, é necessário. Sabemos que é. Só por hoje posso afirmar que estou bem e feliz, apesar da saudade.

Nesta semana li um Post do Blog da Giulli que fala sobre o preconceito sofrido pelos dependentes químicos, daí me recordei de alguns pontos abordados sobre isso na terapia familiar.

É correto afirmar que o uso de drogas deixa a pessoa agressiva? Ou que pelo uso de drogas ele passa a ser um delinqüente ou um imoral? Ou então que o uso de drogas o tornará um ladrão ou assassino?

Não, não é correto afirmar isso. Na verdade, esses são pensamentos cheios de preconceitos equivocados, alimentados na mente de quem não conhece o problema de perto.

Primeiro é importante saber que Dependência Química é doença, e não falta de vergonha ou de caráter.

Também é importante ressaltar que o uso de drogas não transforma ninguém em um monstro, se ele não tiver esse monstro dentro de si, ou seja, a droga apenas vai aflorar o que o usuário abriga dentro dele. Se for agressividade, ele se tornará agressivo; se for maldade, ele fará coisas más; se for imoralidade, ele cometerá atos imorais, etc. Mas, um ser humano bom, portador dessa doença, não se tornará mal ou bandido. Bandido é bandido com ou sem drogas. Não é a dependência química o diferencial, mas sim, a maldade que há dentro do ser.

Há muita confusão quanto a isso.

E se, por um lado, a sociedade é preconceituosa, nós familiares também o somos. Muitas vezes temos vergonha de dizer: “meu marido sofre de dependência química” ou “meu filho está internado para se recuperar da DQ”. Mentimos e omitimos porque, no fundo, não acreditamos que isso seja uma doença, mas é!

Se temos um canceroso na família, falamos isso aos quatro cantos, esperando a compaixão dos outros. Mas, se a doença é a Dependência Química, escondemos, temendo a discriminação dos demais, ou mesmo por vergonha.

Se há um diabético em casa, evitamos os doces na geladeira, o ajudamos em sua dieta e talvez até mesmo aderimos a essa dieta, mas, se estamos falando de dependente químico em recuperação: “ah, que mal há em ter uma cervejinha em casa, o doente é ele e não eu...”

Quando entendermos que Dependência Química é uma doença, e não falta de vergonha na cara ou falta de amor pela família, sofreremos menos, e ajudaremos mais.

Essa doença é horrível. Mata o adicto aos poucos e enlouquece a família. Por isso ambos os lados precisam de tratamento. A dependência química não dorme, não descansa, ela trabalha e age 24 horas por dia, portanto, para vencê-la é preciso o querer do adicto, e também o esforço da família, para que todos se recuperem, e juntos consigam vencer essa batalha. Não é fácil, mas, é possível!

Queridos, tenho recebido alguns comentários que evidenciam o ápice do desespero. Por favor, busquem ajuda. Quando vocês se ajudarem, tudo ao redor passará a ser visto com outros olhos, acreditem. O fardo ficará muito mais leve... Procurem o Grupo Nar-Anon, Amor Exigente, Al-Anon, ou Co-dependentes Anônimos, ou mesmo façam terapia com Psicólogo... Primeiro ajudem a si mesmos, e depois, fortalecidos, saberão como ajudar ao adicto.

Um forte abraço!

Muita serenidade...

E um doce novembro pra nós!


“Triste época! É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito.” Albert Einstein



“A ignorância não fica tão distante da verdade quanto o preconceito.” Denis Diderot


“Prefiro ser um homem de paradoxos que um homem de preconceitos.” Jean Jacques Rousseau


“Quem assume sua verdade age de acordo com os valores da vida, mesmo enfrentando o preconceito e pagando o preço de ser diferente, passa credibilidade, obtem respeito e se realiza.” Luiz Gasparetto


“O preconceito está na maldade dos olhos de quem vê, e na ignorância de quem acha que sempre está com a razão.” Leo Cruz

8 comentários:

  1. Concordo com a Polly, o que fazemos aqui na internet é só uma gotinho do que quem sofre pode encontrar nos grupos ou pedindo ajuda a um profissional.
    Amores não tenham vergonha de ter um dq na familia, pois um dia vc terão orgulho de eles estarem em recuperação e acima de tudo, não tenham vergonha de admitirem que seus familiares adictos afetaram suas vidas e que agora vc toda a familia precisa de ajuda!
    Familia afinal não é isso? "Pau pra toda obra"?

    ResponderExcluir
  2. É isso ai,concordo totalmente! Já basta o problema da adicção pra que ficarmos aumentando os problemas com preconceito,orgulho em adimitir que temos o problema na familia e assim ficar adiando a busca de ajuda? Acho que devemos ser humildes e reconhecer que somos TODOS falhos, os problemas não acontecem só na familia dos vizinhos rsrsrsrssrr perfeito só Ele, Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
  3. Ótimo post Poly, D.Q não tem nada a ver com falta de caráter e também penso que a droga apenas faz aflorar o "lado" mais escuro do D.Q, ela não o torna um mal caráter se ele já não tiver dentro dele tal pré-disiposição.
    Esse terrivel preconceito dificulta em muito a recuperação do D.Q, precisamos aumentar nossas vozes e gritar para o mundo que a D.Q é uma doença sim!
    Beijos amada Poly!

    ResponderExcluir
  4. Eu tenhi uma raiva qndo digo que meu namorado é DQ, e tem gente que fala, ahh ele é pq ele quis, já era, nunca mais ele sai dessa vida só tais perdendo teu tempo. Ninguém entende até ter um DQ na família, mas digo família próxima, filho, namorado, marido, irmãooo, pq os parentes tios, tias não entendem, só qndo são próximos. O Preconceito é muito grande ainda!

    ResponderExcluir
  5. Verdade Poly. Hoje seu post foi pra mim. Hoje todos estavam falando do meu namorado. Que é bandido, que nao posso namorar com ele porque quando terminarmos ele vai me matar e etc etc etc. Quando alguem tem outra doença(cancer,etc) todos estao prontos pra ajudar, mas quando alguém é dependente quimico todos estao com "armaduras" pra supostamente se protegerem de uma pessoa que é DQ e que consideram bandido.
    Força pra ti! Tamu junto

    ResponderExcluir
  6. Poly, vc poderia fazer um post nos contando um pouco sobre a reaçao da sua familia quando começou a namorar um DQ?

    ResponderExcluir
  7. Tenho um filho de 20 anos que sofre DQ, temos enfrentado muitos maus momentos, ja que vivemos só nós dois na mesma casa, imagina que a familia de sua namorada o denunciou por sequestro, porque se encontraram escondido, isso em função de sua dependencia, haja vista o consideram um marginal, e pra piorar ele ainda não se deu conta que é doente, mesmo usando drogas há mais de 6 anos. Espero queDeus medê sabedoria!

    ResponderExcluir
  8. MULHER...Ola!!! Sera que alguem pode me responder por favor?O meu ex marido é um adicto, estamos separados por causa de sua agressividade, nos conhecemos a 5 anos e moramos juntos por 10 meses,logo que começamos a sair ele me contou que era usuario, mas como não moravamos juntos,conseguia lidar com a situação,mas pelo que o conheci sempre foi uma pessoa explosiva,as vezes respondia as pessoas com grosseria, uma pessoa meio egoista, orgulhosa,tbm tinha o lado amável comigo,carinhoso,atencioso,dizia que me amava...ele tem 35 anos é pai de um casal de filhos do primeiro casamento...Eu sou uma pessoa que sei que tenho meus defeitos,mas sempre fui muito amorosa com ele, com as pessoas com meus filhos que são tbm do meu primeiro casamento e que nunca tive problemas, meus filhos são motivo de orgulho, um tem 21 e o outro 17...Mas fico muito confusa com meu ex ele é oito ou oitenta, ja me agrediu varias vezes,me machucou,pegou faca falando que ia me matar me ofendeu,me arrastou pelo quintal,quebrou as coisas dentro de casa,cuspiu no meu rosto,qualquer coisa que o contrarie é motivo para estourar,moravamos só nós dois e hoje estamos separados pq não quero ser mais agredida, ainda o amo e queria muito poder ajudar, mas percebi tbm que estava ficando doente e percebi minha codependencia,resolvi sair, pois vi que não estava ajudando e estava muito perigoso,falei que se ele precisasse de ajuda era só pedir mas pelo jeito ele não quer...sei que usa cocaina e maconha, não sei usa outras coisas...me ajudem com uma resposta, não consigo entender se esse comportamento agressivo é pelo uso ou se ja vem da personalidade dele...estou confusa sobre isso...obrigada Mulher

    ResponderExcluir