domingo, 10 de julho de 2011

Uma pitada de nostalgia!

09h05min, deste dia 10 de julho de 2011. Domingo.

Dez dias que meu esposo está limpo!

Ontem eu estava um pouco nostálgica. Assisti ao programa de 25 anos da Xuxa na rede Globo, via youtube, e ao recordar músicas, cenas e danças, senti saudades da minha infância. Eu amava a Xuxa, sabia todos os passinhos e sonhava em ser paquita. Mas, eu era morena, cabelos castanho-escuros, não dava. Na verdade, hoje sou loira, mas ainda assim, não daria. Risos.

Recordei-me de tanta coisa. Dos meus sonhos. De como eu imaginava que seria a minha vida. Eu dizia que me casaria aos 21 anos. Que seria bancária. Teria três filhas.

Engraçado que desde pequena eu queria alguém que me protegesse. Eu era apaixonada pelo incrível Hulk, queria me casar com ele, acreditam? Achava o David lindo e a força do Hulk certamente me protegeria. Risos.

Aos doze anos, veio o meu primeiro amor, com o qual me casei aos 19 anos. Amor proibido, daqueles de filme. Entretanto, não estava no script que aos meus 24 anos esse casamento se acabaria. E que príncipes encantados não existem...

Consegui ser bancária por alguns anos. Mas, também vi que não era bem como nos meus sonhos. Dediquei-me a fazer concursos públicos e, hoje, estou em meu segundo cargo público, e realizada profissionalmente, graças a Deus.

Como dizem: sorte na vida, azar no amor!

Aos 28 anos, me casei novamente, com um príncipe encantado sim, mas, a bruxa malvada da adicção não nos deixa ser felizes para sempre.

É, minha vida está passando, e passando bem depressa...

Santa nostalgia... Risos.

Ontem me senti um pouco triste. Meu esposo estava de plantão, e havíamos combinado que iríamos juntos para uma festa na igreja, à noite. Entretanto, ao finalzinho do seu plantão, ele me ligou avisando que havia sido chamado para ir à casa do pai de um médico para fazer alguns procedimentos. Resultado, ele chegou em casa quase às 22 horas.

Meu coração já estava na boca. Preocupadíssima, mas, não demonstrei.

Eu não sabia como agir. Eu deveria estar feliz, afinal, ele havia voltado limpo para casa.  Entretanto, eu não estava.

O que fazer quando isso acontece? Tenho o direito de ser sincera comigo mesma e demonstrar que fiquei magoada pelo fato dele ter se esquecido do nosso compromisso? Ou devo passar por cima disso, afinal, o objetivo maior (sua recuperação) foi alcançado naquele dia?

Sei lá. Difícil...

Mas, passou. Acordamos e minha tristezinha já foi embora. Estamos nos preparando para este domingo em família.

Hoje eu gostaria de deixar para vocês um texto muito conhecido, acredito que a maioria já o tenha visto, mas, ainda assim, leiam como se fosse a primeira vez.


Morangos

(Roberto Shinyashiki)


Um sujeito estava caindo em um barranco e se agarrou às raízes de uma árvore. Em cima do barranco havia um urso imenso querendo devorá-lo. O urso rosnava, mostrava os dentes, babava pelo prato que tinha à sua frente. Embaixo, prontas para engoli-lo, nada mais que seis onças urrando, tremendamente famintas.

Foi quando ele olhou para o lado e viu um morango vermelho, lindo, refletindo o sol. Num esforço imenso, apoiou seu corpo e pegou o morango. Ficou embriagado com sua beleza. Então, levou o morango à boca e se deliciou com o sabor doce e suculento. Foi um prazer supremo comer aquele morango tão gostoso.
 
Talvez você me pergunte: mas e o urso? Dane-se o urso, coma o morango! E as onças?Azar das onças, coma o morango! Se ele não desistir, as onças ou o urso desistirão. Às vezes, você está com sua família ou seus amigos. Percebendo seu mau humor, alguém lhe diz: “Relaxe, aproveite o dia!”. E você, chateado, responde: “Como posso curtir o dia se amanhã vai ter um monte de ursos e onças querendo me devorar?”. Relaxe e viva um dia de cada vez. Coma os morangos.

Sempre existirão ursos querendo comer nossas cabeças e onças a arrancar nossos pés. Isso faz parte da vida e é importante que saibamos viver dentro desse cenário. Precisamos saber comer os morangos sempre. Problemas não impedem ninguém de ser feliz.
 
Coma o morango quando ele aparecer, não deixe para depois. O melhor momento para ser feliz é agora. O futuro é uma ilusão que será diferente do que imaginamos. As pessoas vêem o sucesso como uma miragem. Visualizam metas e, quando as realizam, descobrem que elas não trouxeram felicidade. Então, continuam inventando outras metas que também não as tornam felizes. Vivem esperando o dia em que alcançarão algo que as deixará felizes. Elas esquecem que a felicidade é construída todos os dias.

Lembre-se: a felicidade não é algo que você vai conquistar fora de você...

O autor desse texto é psiquiatra, escritor e conferencista. Se quiserem visitar o seu site, acessem www.shinyashiki.com.br.

Eu resumiria esse texto em uma frase: SEJA FELIZ, SÓ POR HOJE!

Não deixemos de comer os morangos deste domingo, independente do que esteja ao nosso redor, ok?

Abraços!

6 comentários:

  1. Adorei o post Poly, primeiro pela nostalgia, coisa que todos nós sentimos às vezes e segundo pelo texto, eu mesma já tinha lido, mas, segui a sua sugestão, eu o li como se fosse a primeira vez e me encantei novamente!
    Lindo domingo, vamos comer os morangos!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Giulli! Sempre é tão bom te ver por aqui... Eu, particularmente, amo esse texto! O autor foi muito feliz em sua realização.
    É isso aí, minha querida, que se danem os ursos e as onças, comamos os morangos, sentindo cada detalhe do seu sabor! Lembra daquela propaganda: "agora não posso, tô comendo o meu chandelle"? Não sei se é do seu tempo. Mas, enfim, digamos à tristeza, medos, preocupação: "agora não posso, tô saboreando o meu morango..." Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Oi Polly!

    Te vi na comuna amor exigente.
    também amo um adicto em recuperação. Graças a Deus ele está limpo a dois anos.
    Só quem eve o coração extorquido à força de si, sabe como dói esperar noites à fora pelo homem que a gente ama. procurar respostas, confundir doença com desamor... ai ai, faz dois anos mas não esqueço o que é isso e o quanto isso dói.

    espero mantermos o contato.

    bjo

    ResponderExcluir
  4. Olá, querida "eu"!
    Que felicidade que seu amado esteja limpo há dois anos! Realmente as marcas são inesquecíveis, mas, imagino que com o tempo elas vão se tornando um pouco mais amenas... Torço para que vocês superem tudo isso, só por hoje e sempre.
    Estou aqui a disposição e também pelo e-mail polyp.escritos@gmail.com
    Seja bem-vinda!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pela capacidade incondicional de expressar seu amor, e seu medo. Difícil pessoas assim como você. Eu tive três irmãs alcoólicas(agora apenas uma),e venho me empenhando para ama-las mas amando a mim primeiramente.Mas é muito difícil. Mas te digo uma coisa,desistir não é meta e temos que nos equilibrar em cima deste abismo, este sim é o propósito da mútua ajuda.Mas tenha sempre um tempo livre para saborear seus morangos. Não olhe tanto para cima, nem tanto para baixo.Olhe para o que está em frente ao seu espelho e se admire com o que voce vê.Só o fato de seu acolhimento ja lhe dá(e nos dá) o prazer da colheita de novos morangos. Parabéns

    ResponderExcluir
  6. Olá, Sandra, tudo bem?
    Amar um adicto não é tarefa fácil, seja um esposo, ou irmã, ou pais, ou filhos, e também independente do tipo de droga. Mas, apesar das dificuldades que enfrentamos nessa jornada, Deus sempre coloca lindos morangos em nosso caminho, que não podemos deixar de colher e saborear, não é mesmo?
    Muito obrigada por suas palavras, querida!
    Muitos morangos nesta terça-feira!

    ResponderExcluir