segunda-feira, 4 de julho de 2011

Desisitir é para sempre!



Domingo, 03 de julho de 2011. 23:05 horas.

Três dias que meu esposo está limpo. Só por hoje! Graças a Deus!

Estávamos aqui assistindo o Fantástico, mais especificamente o quadro Planeta Extremo onde o jornalista Conservani e corredores de 16 países encaram uma maratona de 42 quilômetros em plena Antártica.

Muitos podem olhar pra eles e dizer: que loucos, o que eles fazem ali, em meio à neve, enfrentando temperaturas tão baixas, ventos, tantas adversidades advindas do clima e dos limites do próprio corpo?

Entretanto, vendo a história de cada um, a reportagem mostrou que há um ideal individual que os motiva. Como um pai, por exemplo, que perdeu o filho numa overdose, e foi para lhe fazer uma homenagem, visto que essa aventura era um sonho do filho perdido para as drogas. Já o jornalista pensava em sua filha. E um outro atleta corria em prol das crianças da África.

Enfim, cada um era motivado por um único sentimento: amor.

Dedos congelando, desidratação, frio, choro, vontade de desistir, mas, lá estavam eles, firmes. Por vezes, já nem corriam mais, andavam, outras vezes, até sentavam um pouco para recuperar as forças, mas, logo depois se levantavam, impulsionados por seu objetivo maior.

Talvez eu esteja ficando louca, mas, vi naquela reportagem um monte de co-dependentes correndo. O clima é tão frio. Por vezes nos sentimos tão sozinhos e fracos. Choramos. Sentamos. Nossos pés feridos já não agüentam mais caminhar. Nosso corpo dói. Nossos pensamentos ficam lentos. Pensamos em regressar, desistir.

Mas, quando nos recordamos do nosso objetivo maior, somos tomados por uma força inexplicável, e continuamos nossa árdua jornada, motivados simplesmente pelo amor.

Muitos podem olhar e dizer: que loucos, o que estão fazendo? Vão morrer. Vão adoecer. Voltem, desistam!

Mas, quando nos lembramos do nosso objetivo, somos impulsionados a ir adiante, a correr um pouco mais, a dar mais alguns passos. Quem sabe a linha de chegada estará logo ali?

Daí, vem a frase que, para mim, resumiu toda a reportagem, e resume o que sentimos ao decidirmos permanecer ao lado de um adicto amado:

“Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre.”

Então, não me falem, por favor, em razão, lógica ou coerência, isso é oposto ao amor. E eu, essa co-dependente assumida, sou pura emoção. Sou levada por motivações próprias que talvez somente com um leve toque de loucura você venha a compreender.

Não tentem entender os meus sentimentos, pois, nem eu mesma sou capaz disso. Tampouco tentem compará-los. Apenas deixem-me descobri-los, senti-los e vivê-los.

Sei que amar um dependente químico deixa a relação cheia de fantasmas, medos e incertezas que ferem a alma e que açoitam o coração, mas, ainda que tenham deixado cicatrizes, eles não foram capazes de matar o amor.

Talvez o meu amor seja mesmo doentio. Ou talvez seja o amor verdadeiro. Talvez...

O que sei é que sinto algo intenso, passional, eterno e atemporal! E ainda que eu tenha tudo na minha vida, tudo, sem amor, faz de mim nada.

A dolorosa recaída do meu amado, escravo da adicção, mais uma vez passou por aqui, como um furacão a destruir, a devastar e a acabar com tudo. Mas, depois, vieram os brandos ventos do amor, serenos, tranqüilos, sorrateiros, silenciosos, soprando mancinho, e nos dizendo que ainda é possível reconstruir, que ainda é possível recomeçar.

Então, chamem como quiserem: obsessão, doença, co-dependência, loucura... Mas, ainda assim, eu prefiro chamar de AMOR.

E repito as palavras do maluco corredor das neves: “Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre.”

Só por hoje eu não vou desistir do meu amor, do meu esposo, nem da minha família.

Hoje meu marido trabalhou o dia todo. Fiquei um pouco preocupada, pois, ele foi com o carro, visto que aos domingos os ônibus são escassos. Ele chegou cedo em casa. Abraçou-me forte.

“Amor, me perdoa. Nunca mais vou voltar a usar aquela coisa novamente. Só por hoje. Mas, só por hoje pode ser pra sempre. Estou com nojo do que fiz. Não quero mais isso pra minha vida. Não quero ter que te perder, peder meu filho, para acordar. Quero envelhecer com você. Quero envelhecer ao seu lado!”

Em nosso grande rol de filmes assistidos, existe um que recomendo aos casais, o filme À Prova de Fogo. E hoje terminarei este post com duas frases desse filme:

“Não se abandona o companheiro, mesmo que esteja em meio ao fogo!”

“O amor é incondicional, você simplesmente escolhe amar!”

Queridos, a co-dependência não acontece por amarmos ao adicto, mas sim, por esquecermos de amar a nós mesmos!

7 comentários:

  1. Poly, post perfeito e lindo, vejo que você saiu do seu momento de reflexão e dúvida e assumiu uma postura de decisão, a de ficar ao lado do seu amado. Parabéns!!!
    Adorei o final do post sobre a codependência não se dar por amarmos um adicto!!!
    Boa segunda pra vc, bom início de semana, que seja uma semana tranquila, que somente coisas boas lhe aconteçam!!!
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito e muito digno o seu exemplo, também creio no amor e acho que você é um belo exemplo de vida, um referêncial de devoção ao ser amado. Não desista nunca. Seu texto está impecável. Parabéns e seja feliz sempre.

    ResponderExcluir
  3. Querida Poly, que lindo adorei as palavras bonitas, também acredito no amor, É preciso arte para amar... A arte de amar não é para qualquer um... Precisa saber compreender, perdoar, respeitar, doar-se, enfim... AMAR!

    Para dissolver amarguras pelas quais não vale à pena sofrermos... Há um atalho para livrar-se logo delas e caminhar mais levemente...
    Quando começamos a entender a importância do perdão em nossas vidas e assim podemos aceitar que o outro, apesar de tudo, é um ser igualzinho a nós, cheios de falhas, mas passível de perdão... Precisamos perdoar ao próximo tanto quanto a nós mesmos, pois muitas vezes não nos perdoamos.
    Perdoar é um bem que fazemos a nós mesmos!
    Perdoar VALE A PENA!

    Otíma semana, agora que esta melhor aguardo aquele post sobre a minha história tá!!! rsrsrs
    to brincando, 24 horas para nós de serenidade, muita força, fé e alegria, mil bjs

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, Poly!
    Parabéns não somente pelo Post, mas por toda sua luta e conquistas!
    Parabéns pelo exemplo de superação, conquistado através deste AMOR incondicional.
    Também acompanhei a reportagem e atentei para esta frase dita por um dos atletas do gelo. Fez-me lembrar de minha (nossa história), inclusive, até cheguei a pensar que iria encontrar algum Post aqui comentando-a.
    Você fez isso, e muitíssimo bem feito!
    Quero aproveitar para enfatizar esta questão de falar de um verdadeiro amor, com uma simples, porém, interessante frase que escutei: "AMAR NÃO SE CONJUGA NO PASSADO. OU SE AMA PARA SEMPRE, OU NUNCA SE AMOU VERDADEIRAMENTE".
    Sei que o seu AMOR é verdadeiro, pois somente os que AMAM VERDADEIRAMENTE se submetem à lutar por outrem.
    Abraços e TAMUJUNTU.

    ResponderExcluir
  5. Que Deus ilumine seus caminhos, todos os dias entro no blog e fico muito agradecida a cada post porque tem me ajudado bastante!
    ACREDITAR e ter FÉ é tudo, torço por você e passei a te adorar, um grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Olá querida!
    Lindo o seu post!
    Fico feliz por sua decisão , pois como te disse eu acredito no amor e acredito no casamento, não entregue para as drogas alguém que Deus te deu!
    bjus...

    ResponderExcluir
  7. Giulli, SPH, Tininha, Adicto em Recuperação, Aline e Mari, obrigada pelas palavras. Ufa, que alívio, ninguém me chamou de maluca... Risos.
    Que bom que a maioria ainda acredita no AMOR!
    A semana começou bem corrida, vamos que vamos!Beijos e muita serenidade!

    ResponderExcluir