sexta-feira, 24 de junho de 2011

Hoje ela perdeu!

Esse dia foi, de fato, especial. E teria que ser assim até o seu final...
17:30h – Eu estava postando O Chamado do Amor, falando do quanto amo meu esposo, da nossa esperança de recuperação e dos nossos planos para o final de semana.
18:00h – Chamei um táxi para buscar meu filhote na creche, visto que hoje meu esposo foi trabalhar com o carro. Na ida, ainda no caminho, liguei para o hospital, e falei para o meu esposo sobre o culto que haveria hoje na igreja. Combinamos de irmos juntos.
Quando você chegar, eu e o bebê estaremos prontos te esperando para irmos à igreja então, ok?”
Estava tudo combinado. Sua voz continuava serena e feliz. Fiquei ainda mais tranqüila e radiante.
18:30h – Chegamos em casa, eu e o pequeno. Gastei um tempo com ele, trocando sua roupinha e fralda, lhe preparando um lanchinho, e depois assistindo DVD, nós dois deitadinhos no sofá.
19:40h – Meus olhos começaram a procurar pelo relógio. De carro, são mais ou menos trinta minutos do trabalho do meu esposo até nossa casa, se não houver trânsito.
20:00h – Eu estava, de fato, ansiosa. Fui para a garagem com o nosso pequeno. Pude sentir meu coração acelerado.
Não pode ter acontecido, não pode...”

20:30h – Resolvi trocar a roupinha do meu filho pelo pijaminha. Eu era só tristeza.
Meu Deus, por que tudo isso de novo? Logo hoje. Parecia estar tudo tão bem. Estávamos esperançosos. Fazendo planos para nosso fim de semana. Eu sou uma grande tola por acreditar...”

20:45h – O portão se abriu. “Tarde demais para chegar do trabalho e cedo demais para quem havia buscado drogas.”
Abri a porta. Fitei bem dentro dos seus olhos. Não vi sinais de ter usado nada. Vi, sim, um grande e lindo sorriso em sua face, e recebi um apertado abraço.
“Cheguei, amor, cheguei.”

“O que houve?”

“Fui parado pela polícia em uma blitz, e cadê o documento do carro!” Ele falou rindo.

O documento havia ficado em minha bolsa, mas, graças a Deus, após checarem, e ao verem ele todo de branco, voltando do trabalho, liberaram.

Eu o abracei tão forte e chorei, chorei.

“Que foi, amor, por que está chorando assim?” Ele perguntou.

É de felicidade, amor, é de muita felicidade!”

“Estou aqui, meu bem, graças a Deus, estou em casa!”

Nosso bebê agora dorme. Já namoramos um pouco. Meu esposo está vendo seus programas no canal da History, que ele ama, enquanto eu vim aqui rapidinho para dividir com vocês o que havia acontecido.
Estou muito feliz! Mais um dia, graças a Deus!
Só por hoje, ele conseguiu! Obrigada, Senhor!

7 comentários:

  1. Poly, se você pudesse me ver nesse momento, veria que meus olhos estão marejados de lágrimas, senti uma alegria tão grande em ler esse post...
    Que benção, imagino o alívio que você sentiu ao vê-lo.
    Só por hoje e mais um dia dele limpo!
    Grande beijo e boa noite!

    ResponderExcluir
  2. Amiga Poly, como nossa outra amiga disse também fiquei emocionada.

    boas 24 horas para vocês, mil beijos

    ResponderExcluir
  3. Queridas amigas Giulli e Tininha, obrigada! Graças a Deus, está tudo em ordem por aqui.
    Beijos e tudo de bom nesse fim de semana!

    ResponderExcluir
  4. Ai que alívio eu senti ao ler o texto, Poly! Se bem que pelo título, eu já imaginava quem é que tinha perdido, mas fiquei tensaaa! Faz isso comigo não! hahaha
    Mas é sério, torço tanto pela felicidade de vocês! E por muitas e muitas 24h de serenidade, sem drogas!
    Beijos pra você e pra família!
    Isabelle

    ResponderExcluir
  5. hahaha... Não foi minha intensão fazer suspense!
    Imagina o alívio que eu senti ao vê-lo! Indescritível.
    Beijos, querida!
    E muita serenidade também, sem drogas, só por hoje!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Primeira vez que eu entro nesse blog. Tb sou casada com um adicto, porém só descobri depois de casada. Um ano de várias tentativas frustadas até que ontem resolvemos encarar de frente. Ela é dependente a 22 anos, porém eu não sabia. Sabia que ele tinha usado na adolescencia e juventude porém não sabia da doença. Acho que por conta do tempo de uso ele não tem mais tantos sintomas, nem fisico nem comportamental. Eu não consigo saber quando ele usou ou não. O que consigo identificar são as mentiras que inventa para ir buscar. E algumas vezes o cheiro na boca, somente isso! Achava que tinha controle da minha codependecia, porém neste post identifico que eu não teria acreditado nele se ele dissesse que tinha sido parado na blitz. Eu teria achado que ele tinha ido comprar. Reconheço então que sou extremamenete co dependente! Gostaria da sua opinião!"

    ResponderExcluir
  7. Me na mesma situação! Senti ao ler exatamente oq vc sentiu, pois passo por isso!
    Como é bom um dia chegar ao fim com a vitória de sobre "ela".

    ResponderExcluir