quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Vamos falar de Política?!!


Bom dia!

Tudo bem com vocês?

Por aqui, tudo em paz, graças a Deus!

Hoje meu esposo inicia em seu novo trabalho (público!!!), e chegamos ontem de uma deliciosa viagem! Depois conto mais detalhes para vocês...

Hoje estou aqui como cidadã brasileira, para falarmos um pouco de política, afinal, faltam apenas quatro dias para elegermos os nossos representantes.

Durante muito tempo, eu me esquivava quando o assunto era política. Como uma boa parte da população, eu dizia que não gostava desse assunto, talvez por me sentir decepcionada com tanta corrupção e egoísmo no meio dos nossos governantes brasileiros.

Entretanto, Deus me colocou perto de algumas pessoas que me fizeram mudar a forma de pensar... E é sobre eles que quero falar neste post.

O primeiro deles é o Alírio Neto.

Interessante a forma como eu o conheci. Eu havia tomado posse em um órgão público, e estava de licença maternidade, quando meu esposo entrou em um período de crise horrível.

Após 01 ano e 02 meses limpo, ele havia recaído, e eu estava totalmente afundada com ele, sem nem imaginar o que era a tal da codependência.

Após muitos meses de sofrimento, meu esposo decidiu se internar. E na primeira reunião familiar da instituição onde ele estava, foi exibido um vídeo para nós, cujo título era PAIS E FILHOS (clique aqui, e conheça).

Esse filme falava da luta de um pai para salvar o filho das drogas. Me emocionei e me identifiquei muito em várias cenas.

Ao final do filme, foi exibido o nome do ator que o estrelava: ALIRIO NETO.

Como eu havia chegado de uma temporada fora do país, e desde então só pensava em como salvar meu marido das drogas, e em trocas de fraldas, ainda não conhecia o Secretário do órgão onde eu trabalhava.

Mas, sabia o seu nome, e esse era o seu nome... E quando o vi ali, falando da minha história naquele filme, de certa forma, mesmo sem conhecê-lo, já me senti tão próxima dele.

O tempo passou... Retomei minhas atividades na Secretaria, criei esse Blog que rapidamente cresceu muito, mas me mantive no anonimato, inclusive em meu local de trabalho, porque não estava pronta para expor a nossa história.

Em setembro de 2012, as coisas começaram a mudar.

Eu havia lançado o livro Amando um Dependente Químico – Dias de Dor, já havia dado algumas entrevistas sobre a obra, e então decidi enviar um exemplar de presente de aniversário para o Secretário Alírio Neto (ainda de forma anônima).

Ele poderia simplesmente ignorar, não se interessar, ou apenas agradecer por educação, mas não, ele leu o livro em pouquíssimos dias, e postou algumas vezes sobre ele em suas redes sociais.

Por fim, ele me enviou uma mensagem via rede social, falando o quanto o livro havia mexido com ele. E foi nessa hora que me senti pronta para me apresentar a ele, não somente como a “Polyanna”, mas como alguém que fazia parte da sua equipe na Secretaria.

E desde então, ele conseguiu mudar a minha visão sobre os políticos.

Nossa primeira reunião foi justamente para falar sobre a gravidade da codependência, e para tentarmos criar um projeto que ajudasse as famílias de dependentes químicos, e foi daí que nasceu o projeto “Ame, mas não sofra!”, iniciativa dele, que também cresceu convivendo com a adicção do pai.

O Secretário Alírio Neto ao lado do Subsecretário Leonardo Moreira foram sensíveis à causa das famílias na luta contra as drogas, são pessoas que se importam, e realmente me orgulho de trabalhar com eles.

Clique aqui, e conheça a história desse policial civil, administrador da cidade do Guará de 1995 a 1997, pai de 3 filhos, advogado, pós-graduado pela UnB e pela Escola de Governo do DF. Eleito deputado distrital por três mandatos, Secretário de Justiça do DF nos períodos de 2008 a 2010 e 2011 a 2014, em dois governos distintos, que presidiu o Comitê de Combate ao Uso de Drogas do DF, além de ter sido gestor do Procon-DF e do Na Hora, e hoje presidir o Partido Ecológico Nacional no DF.

A ideia do Alírio é ampliar o projeto de apoio às famílias, e precisamos de alguém com essa visão na Câmara, e agora no âmbito federal. Se você é de Brasília, e ainda não escolheu o seu candidato, leia mais sobre ele, e no dia 05/10 vote 5151, Alírio Neto, para Deputado Federal.






Outra pessoa que Deus colocou em meu caminho foi o Gilmar Bomtempo.

Vejam o que o Dr. Leonardo Moreira, Psiquiatra Especialista em Dependência Química, e Subsecretário de Políticas sobre Drogas, tem a falar sobre ele, clique aqui

Conheço o Gilmar, de perto, também como colega da Secretaria, há mais de cinco anos.

Ele é uma pessoa muito simples, querido, íntegro e cheio de valores. Policial Civil aposentado, exerceu papel importante na desburocratização e otimização do serviço público no Na Hora (quem é de Brasília sabe o quanto o Na Hora fez a diferença).

E o Gilmar também é sensível à causa das famílias que convivem com a dependência química de um ente querido, e por isso, ele quer ampliar o Ame, mas não sofra!, criando novas unidades de apoio e dando condições para que esse Projeto alcance mais famílias, levando informação consistente e acolhimento a quem precisa.

Clique aqui, e saiba mais sobre o Gilmar Bomtempo, e no dia 05/10, você que é de Brasília, vote 51516 para Deputado Distrital.





Já tenho também os meus candidatos a Senador, Governador e Presidente, mas os escolhi apenas pelo que vi e ouvi pela TV e outros meios, por isso prefiro não me pronunciar.

Mas, esses dois (Alírio Neto e Gilmar Bomtempo) eu conheço de pertinho, e tenho um carinho e admiração enorme por eles, e por isso decidi expor o que penso aqui no nosso Blog.

O que eu ganharei com isso?!

Jamais viria aqui para falar deles em busca de algo em troca, quem me conhece sabe que isso não faz o meu tipo. Prefiro colocar minha cabecinha no travesseiro com a consciência tranquila de um trabalho sincero e do meu papel cumprido... 

Brincar e usar a dor sentida por seres humanos em troca de votos é altamente desumano... Conheço essa dor, e jamais faria isso...

Não espero nada, não quero nada. Já ganhei muito!!!

Estou aqui apenas para falar o que penso e o que sinto. E também para deixar um registro em nome das famílias de dependentes químicos do Distrito Federal, em forma de um MUITO OBRIGADA por terem olhado para nós!!

E fico na torcida para que mais gente como vocês dois nos representem nos próximos anos.





Beijos a todos!!!
Fiquem com Deus!!!

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Por onde ando...



Boa tarde, queridas(os)!

Quanto tempo, não é mesmo?!

Minha vida anda tão corrida e tão normal, que quase não tenho mais passado por aqui...

Como vocês sabem, ele recaiu no dia 27/08... Doeu, mas passou.

E graças a Deus, não saí dos trilhos juntamente com ele... Nem parei... Nem voltei... Apenas segui, como acho que deve ser.

Ele agora está bem...

Continuo recebendo tantos e-mails com tantas perguntas, mas queridas(os), eu não tenho as respostas...

Durante mais de dois anos, fiz registros diários da minha vida e aprendizados... Me expus, expus minha família, fui abraçada e criticada, mas no fim, valeu a pena, pois nasceu um livro lindo e rico, sob o título Amando um Dependente Químico (clique aqui).

Hoje não sinto mais tanta vontade de postar.

Estou trabalhando na prevenção às drogas e no apoio às famílias de dependentes químicos.

Minhas energias estão todas voltadas para isso, afinal, em janeiro que vem, o governo estará em transição, e sequer temos a certeza de que o projeto continuará, então quero aproveitar ao máximo esse tempo em que estou aqui.

Tenho minha consciência muito tranquila quando vejo que tenho dado o melhor de mim nesse trabalho.

Quando postava no blog, dava o meu melhor, fazia com o coração e muita sinceridade... E agora, nessa fase diferente da minha vida, quero continuar respeitando os meus princípios e dando o meu melhor...

Se conseguir ajudar a uma única pessoa, já terá valido muito a pena, afinal, uma vida é muito!!!

Alguns dizem que trabalho demais, outros dizem que eu devia levar o trabalho de forma mais leve, mas eles não entendem que não é um trabalho, é uma realização.

A cada mãe desesperada que atendo, vejo minha avó... A cada adicto em busca de tratamento, vejo os meus dois familiares adictos.

Vai além, muito além de um trabalho!

Na semana que vem, teremos um evento para mais de 700 crianças e adolescentes (em situação de risco) de prevenção ao uso de drogas, e quando penso que podemos sim ajuda-los a fazerem boas escolhas para suas vidas, me sinto realmente envolvida.

Em novembro, o Projeto Ame, mas não sofra!, de apoio às famílias, completará 01 ano!

Até hoje, foram formados mais de 600 multiplicadores, e mais de 1000 famílias foram abraçadas por esse Projeto...

Só posso mesmo agradecer a Deus por essa oportunidade de viver o que estou vivendo...

Se vou continuar nessa área, ainda não sei, mas sei que só por hoje, quero continuar dando o melhor de mim a quem precisa.

Vou postar algumas fotos para que vejam o que ando fazendo da vida:

V I V E N D O !!!


Palestra na Semana da Saúde IFB.

 No aniversário do CAPS Ad.

Andando de patins pela primeira vez!!!


Escalada!

Palestrando no 1º dia do 5º Curso de Multiplicadores.




E, claro, gasto muuuito tempo com meus filhotes, curto muito, beijo muito, aperto muito... Canso muito! Risos.

A dica que dou, queridas(os), é a seguinte: tenha um tempo para se ouvir, aprenda a se aceitar, e cultive um amor sincero por si mesma(o)... E a paz e a felicidade automaticamente chegarão, e os outros bons frutos também, por meio das suas novas escolhas.

Amo vocês!

Força, fé e esperança a todas(os)!!!

Fiquem com Deus!




OBS: Até hoje não consegui encaminhar, via correio, os três livros sorteados no aniversário do Blog, pois estou em busca de “patrocínio”. Peço 1000 desculpas às sorteadas, e quando menos esperarem, os livros chegarão em suas casas...


sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Nem todos os dias são fáceis...



A dor de encontrar a casa vazia é sempre a mesma...
Sim, hoje essa dor não me controla mais... Mas ainda é dor, e machuca...
Nesses oito anos aprendi muito, cresci muito, mudei de opinião várias vezes sobre diversos assuntos, conheci muita gente... 
Mas, a minha raiz continua firme, ou seja, tudo isso só fortaleceu a minha fé em Deus...
E hoje, mais uma vez me apego à certeza de que:
"Ainda se vier noites traiçoeiras, se a cruz pesada for, Cristo estará comigo, o mundo pode até me fazer chorar, mas Deus me quer sorrindo..."
Essa dor passa, e o sorriso volta... Ele sempre volta!

Por Poly, em 27 de agosto.


Quando o "tsunami" chega, devastando tudo, realmente dói... Mas é nessa hora que podemos buscar forças em Deus, e começar a traçar novos caminhos... 
Não desisto!
E quando digo isso não me refiro ao meu familiar adicto, não. 
Estou falando da vida como um todo... 
Não desisto da vida, da fé, da esperança e da alegria...
Estou aqui em fase de reconstrução...
Dias bem difíceis, mas certamente dias também de crescimento e aprendizado...
Boa tarde!

Por Poly, em 29 de agosto.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Os Cinco Segredos!



Boa tarde!

Tudo bem com vocês?

Por aqui, tudo segue em paz, graças a Deus!

No curso de multiplicadores que mencionei na postagem passada foram formados 255 novos multiplicadores, e 91% dos participantes avaliaram o curso como excelente ou bom... Fiquei muito feliz! É muito bom ter a oportunidade de trabalhar em algo que nos realiza!

Passou uma reportagem no Jornal da Record (Nacional) sobre o curso, CLIQUE AQUI e veja. Bacana, né?

Semana passada foi uma semana triste, pois na segunda pela manhã recebemos a notícia da morte do Secretário do órgão onde trabalho. Foi trágico e repentino, e coisas assim, nos fazem refletir ainda mais sobre o valor da vida, não é mesmo?

Mas, na postagem de hoje, quero falar um pouquinho sobre a palestra que dei no curso.

No momento final da palestra, eu mencionei os “5 segredos” que me ajudaram a adotar um estilo de vida diferente, e me fizeram mais feliz, mesmo tendo um familiar adicto.

O primeiro “segredo” é composto dos 3 Cs: não causei, não controlo, e não curo.

Inicialmente, quando ouvi sobre esses 3 Cs no grupo de apoio, foi um alívio, pois me livrei de uma culpa que não era minha.  Percebi que eu não era culpada pelas recaídas, e muito menos pela doença do outro. 

Percebi, ainda, que todas as loucuras que eu vinha cometendo não traziam resultados, na verdade, quanto mais tentava controlar o meu familiar, mais descontrolada eu ficava. E por fim, percebi que eu não poderia curá-lo, por mais que eu desejasse isso.

Resumindo, percebi que eu era impotente perante a doença do meu familiar amado.

O segundo “segredo” que descobri é que codependência não é amor. Ou seja, me deixar de lado, passar dias sem comer e sem dormir, deixar minha vida passar em branco em razão das insanidades do outro não é amor, mas sim codependência, algo muito doloroso, que me sufocava e dificultava a recuperação do meu familiar, fazendo de mim uma facilitadora para o seu vício.

O terceiro “segredo” é que amor próprio não é egoísmo. Antes eu achava que era egoísmo me alimentar enquanto ele estava sem comer nas ruas, ou dormir em uma cama quentinha enquanto ele perambulava no frio, esses são apenas dois de muitos exemplos. Com o tempo, entendi que eu tinha o direito (e o dever) de cuidar de mim mesma e de me amar. Aos poucos fui resgatando esse amor próprio, com muito esforço e exercício. Percebi que quando não cuidamos de nós não temos força nem estrutura para aguentar a convivência com um adicto, e muito menos para ajuda-lo. Se de fato queremos ajuda-los, precisamos estar bem e felizes.

Gosto do exemplo das máscaras de oxigênio que caem no avião, em caso de despressurização. Coloque primeiro a sua máscara, respire, sobreviva, e então auxilie quem está ao lado a colocar a sua máscara. Caso contrário, você, sem oxigênio, sem respirar, no sofrimento ou desmaiado não poderá ajudar a ninguém, nem a si mesmo.

O quarto “segredo” aprendi em uma sala de NA, isso mesmo, de Narcóticos Anônimos, que é a sua terceira tradição, que diz: “Um adicto que não queira parar de usar não vai parar de usar. Pode ser analisado, aconselhado, pode se rezar por ele, pode ser ameaçado, surrado ou trancado, mas não irá parar até que queira parar”. Finalmente entendi que ele era um ser humano separado de mim, ou seja, era outro individuo com sentimentos e pensamentos diferentes dos meus, e esse querer deveria partir dele. Eu posso sim, como familiar, ajudar e incentivar, mas não posso querer por ele.

E o quinto e último “segredo” que aprendi é que eu não deveria mais carregar o meu familiar adicto sobre os ombros, mas sim no coração, somente no coração. Amar o nosso ente dependente químico e compreendê-lo é algo benéfico, entretanto, carrega-lo no colo é exaustivo para nós e muito prejudicial para eles.

Minha vida realmente mudou... Eu mudei. E isso não tem nada relacionado ao blog, livros, trabalho, ou coisas assim. Estou falando de mim, do meu interior, da minha paz, da minha leveza diante da vida, da minha capacidade de ser uma mãe inteira...

Esse blog não é para falar sobre viver junto ou separado de um adicto, não! Mas sim para orientar àqueles que estão convivendo com um, a terem uma vida mais leve, sempre lembrando que somos autores das nossas escolhas.

Quanto ao meu esposo, ele segue limpo há 81 dias. Trabalhando e lutando pelos seus sonhos. Agradeço a Deus por isso! Entretanto, engana-se quem pensa que esses dias são perfeitos. Não não. Em alguns dias ele está distante, em outros deprimido, em outros brigão... E em outros, um lindo! O que faço? Tento me manter bem, focar no que me deixa pra cima, e esperar que ele venha também.

Vou deixar um exercício para vocês.

Pegue uma caneta com a ponta para cima, estique o braço e foque o olhar nessa caneta. Percebe como o fundo fica desfocado? Agora faça o contrário, foque no fundo, uma parede ou coisa assim... Percebe como a caneta fica desfocada?

Pois é, tudo é uma questão de onde está o seu foco.

Eu escolhi focar no que me faz bem e me deixa feliz... Ainda que a vida não seja perfeita...